18 de novembro de 2013

Resenha: Jogos Vorazes

Título Original: The Hunger Games
Autora: Suzanne Collins
Páginas: 400
Tradução: Alexandre D’Elia
Editora: Rocco

Após o fim da América do Norte, uma nova nação chamada Panem surge. Formada por doze distritos, é comandada com mão de ferro pela Capital. Uma das formas com que demonstram seu poder sobre o resto do carente país é com Jogos Vorazes, uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão, em que um garoto e uma garota de doze a dezoito anos de cada distrito são selecionados e obrigados a lutar até a morte! Para evitar que sua irmã seja a mais nova vítima do programa, Katniss se oferece para participar em seu lugar. Vinda do empobrecido distrito 12, ela sabe como sobreviver em um ambiente hostil. Peeta, um garoto que ajudou sua família no passado, também foi selecionado. Caso vença, terá fama e fortuna. Se perder, morre. Mas para ganhar a competição, será preciso muito mais do que habilidade. Até onde Katniss estará disposta a ir para ser vitoriosa nos Jogos Vorazes?

Já tentei começar essa resenha de mil formas diferentes e cheguei a uma conclusão: uma das coisas mais difíceis do mundo é falar de algo que gostamos muito. E cá estou eu há horas tentando escrever sobre um dos meus livros favoritos. 

A trama se passa em um futuro não tão distante, onde não existe mais a América do Norte, que fora devastada. Em seu lugar, surgiu um grande país chamado Panem, formado por 13 distritos com o poder centralizado na Capital. 

Acontece que depois de um tempo, os distritos se revoltam contra a Capital, e armam um levante para aniquilar o governo. Porém, eles não alcançam o sucesso. O distrito 13 acaba sendo destruído e os 12 distritos restantes são obrigados a seguir regras muito rigorosas. Eis que surgem os Jogos Vorazes. Para mostrar o poder sobre o seu povo, a Capital decreta uma competição entre jovens de 12 a 18 anos. Todos os anos os distritos são obrigados a sortear um garoto e uma garota – chamados tributos – que lutarão até a morte em uma espécie de reality show que é transmitido para toda a nação.

Katniss Everdeen é uma garota de 16 anos que vive com a mãe e a irmã, Prim. Após a morte do pai em um acidente na mina que trabalhava, Katniss é praticamente obrigada a caçar para manter a família. Ela e seu amigo Gale passam o dia na floresta e no final, vão ao Prego (uma espécie de comércio clandestino) vender o produto de suas caçadas.

Para salvar sua irmã do massacre, Katniss se oferece para ir à Capital competir nos Jogos Vorazes. Não bastasse a falta de sorte, o outro escolhido do distrito é Peeta Melark, filho do padeiro e que salvou sua família da fome no passado. 

O motivo de eu gostar tanto desse livro é a maneira como a Capital controla tudo. Collins explora isso de uma maneira espantosamente precisa. É um livro que te faz sentir mil emoções ao mesmo tempo, e te cativa do início ao fim.

Apesar de gostar muito da obra, encontrei alguns pontos negativos. Em primeiro lugar, senti falta de mais detalhes sobre a forma de governo da Capital. Apesar de deixar claro que é um poder ditatorial, não sabemos a extensão disso. Em segundo, alguns dos personagens secundários deixam a desejar, já que não temos muitas informações sobre eles. Só é compreensível porque Katniss está em uma arena e compactuar com o inimigo não seria, de forma alguma, uma coisa que ela faria. 

Em contrapartida, há também um ótimo ponto positivo. Apesar de não ser focado nisso e nem tão explorado como eu queria que fosse, há o romance entre Peeta e Katniss. Mas é claro que Katniss tem o coração de pedra e não consegue aceitar isso, é claro. 

— Então, desde que tínhamos cinco, você nunca nem notou outras garotas? - eu lhe pergunto.
— Não, eu notei quase todas as garotas, mas nenhuma delas deixou uma impressão duradoura, só você.

Não posso deixar de dizer que, apesar de amar o livro, não sou fã da Katniss. Sim, não me julguem. Sua personalidade me irrita por diversas vezes no decorrer do livro, principalmente quando envolve o Peeta. Uma das coisas que não me fazem odiá-la por completo são os momentos que ela passa com a Rue. 

Não me entendam mal. O livro continua sendo maravilhoso e super recomendado. Devorei-o em um único dia, de tão ansiosa que fiquei para saber do final. A autora conseguiu me deixar louca pela continuação e, mesmo eu tendo certa aversão pela personagem principal, entrou para minha lista de favoritos assim que o fechei.

Classificação final: 

3 comentários:

  1. Conheço essa sensação de passar horas tentando escrever sobre algo que gosto muito. Também sofri pra terminar minha resenha sobre Jogos Vorazes rs Enfim, adorei sua resenha, gosto do jeito que você escreve. Além de tudo, também amei a forma como a Suzanne descreveu esse mundo distópico que não está muito longe da nossa realidade. E finalmente alguém que compartilhe do mesmo sentimento de aversão à protagonista. Não que eu a odeie, mas sinceramente, às vezes dava vontade de bater na Katniss. Para mim, Haymitch e Cinna serão sempre os melhores personagens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Quel! É bem difícil, né? Desde o início do blog tô tentando escrever sobre "A Culpa é das Estrelas" e não consigo de jeito nenhum! Que bom que você também tem o pé atrás com a Katniss (fico feliz por não ser apenas eu huahseuahseuae)! Até hoje ainda não consegui definir meu personagem favorito, mas tô quaaaaaaaaaaaaase achando que é o Finnick,

      Excluir
  2. Oi. Adorei sua resenha. Parabéns!
    Te indiquei para um selo: http://incontrolaveispalavras.blogspot.com.br/2013/11/selo-versatile-blogger-award.html
    Parabéns pelo Blog.

    Beijos!
    http://incontrolaveispalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©