28 de setembro de 2015

Resenha: Coraline

Título: Coraline
Autor: Neil Gaiman
Ilustrações: Dave McKean
Páginas: 166
Editora: HarperEntertainment

A história de Coraline é de provocar calafrios. A narrativa dá muitas voltas e percorre longas distâncias, criando um ‘outro’ mundo onde todos os aspectos de vida são pervertidos e desvirtuados para o macabro. Ao mesmo tempo sutil e cruel, o autor gosta de desafiar as imagens simples dos livros infantis tradicionais. No livro, a jovem Coraline acaba de se mudar para um apartamento num prédio antigo. Seus vizinhos são velhinhos excêntricos e amáveis que não conseguem dizer seu nome do jeito certo, mas encorajam sua curiosidade e seu instinto de exploração. Em uma tarde chuvosa, a menina consegue abrir uma porta que sempre estivera trancada na sala de visitas de casa e descobre um caminho para um misterioso apartamento ‘vazio’ no quarto andar do prédio. Para sua surpresa, o apartamento não tem nada de desabitado, e ela fica cara a cara com duas criaturas que afirmam ser seus “outros” pais. Na verdade, aquele parece ser um “outro” mundo mágico atrás da porta. Lá, há brinquedos incríveis e vizinhos que nunca falam seu nome errado. Porém a menina logo percebe que aquele mundo é tão mortal quanto encantador e que terá de usar toda a sua inteligência para derrotar seus adversários (sinopse em português).

Oi pessoal, tudo bem com vocês? Andei um pouco sumida aqui do blog, mas aí a Ana praticamente implorou para eu postar esse vídeo aqui porque é o favorito dela e ela acha que todo mundo deve ver. Enfim, a resenha de hoje é sobre o livro Coraline, do Neil Gaiman, que eu li na versão americana mesmo. 

25 de setembro de 2015

Resenha: Para Continuar

Título: Para Continuar
Autor: Felipe Colbert
Páginas: 224
Editora: Novas Páginas
Livro recebido em parceria com a editora.

Envolver-se com a jovem Ayako é a oportunidade perfeita para Leonardo César esquecer a sua vida tediosa e perigosamente limitada, tudo por culpa do seu coração defeituoso. Enquanto isso, com a ajuda de seu avô, Ayako tem a difícil missão de manter inacessível um porão de dimensões que vão além da loja de luminárias que ela gerencia, repleto de milhares de lanternas orientais, cujo mistério envolve os habitantes do bairro da Liberdade. A partir dos crescentes encontros entre Leonardo e Ayako, uma nova lanterna surgirá para os dois. Eles terão que protegê-la com afinco, ou tudo que construíram juntos poderá desaparecer a qualquer momento. O que ninguém conseguiria prever é que Ho, um jovem chinês também apaixonado por Ayako, colocaria em risco o futuro desse objeto. E com ele, o sentimento mais importante que dois seres humanos já experimentaram.

Tenho tido várias surpresas positivas com os livros nacionais que ando lendo e, com Para Continuar não foi diferente. Arrisco dizer que foi um dos melhores que li até hoje, mesmo com alguns pontos negativos. Ainda assim, confesso que o que me atraiu nesse livro foi a capa maravilhosa. Não sei se vocês sabem, mas eu adoro a cultura japonesa e sério, não poderiam ter escolhido uma capa melhor que essa. Antes de tudo, é importante frisar que a história não se passa no Japão, mas no bairro da Liberdade em São Paulo, onde a cultura é totalmente predominante (não sou muito conhecedora das coisas, pessoa, se eu falar algo errado me corrijam). 

24 de setembro de 2015

Resenha: 172 Horas na Lua

Título Original: Darlah – 172 timer på månen
Autor: Johan Harstad
Páginas: 288
Tradução: Camila Fernandes
Editora: Novo Conceito
Livro recebido em parceria com a editora.

O ano é 2018. Quase cinco décadas desde que o homem pisou na Lua pela primeira vez. Três adolescentes comuns vencem um sorteio mundial promovido pela NASA. Eles vão passar uma semana na base lunar DARLAH 2 - um lugar que, até então, só era conhecido pelos altos funcionários do governo americano. Mia, Midori e Antoine se consideram os jovens mais sortudos do mundo. Mal sabem eles que a NASA tinha motivos para não ter enviando mais ninguém à Lua. Eventos inexplicáveis e experiências fora do comum começam a acontecer... Prepare-se para a contagem regressiva.

Uma curiosidade fora do normal me rodeou assim que vi esse lançamento da Novo Conceito. Fora do normal porque eu raramente leio livros de ficção científica, apesar de assistir a bastante filmes do gênero. A premissa do livro é super interessante e gira em torno de três adolescentes que foram sorteados para irem à Lua. Imaginem só vocês passaram 172 horas em algo aparentemente maravilhoso.

22 de setembro de 2015

Promoção: Quatro Anos de Além da Contracapa


Hoje o Além da Contracapa completa 4 anos e para coroar as comemorações que vem acontecendo durante todo o mês de setembro com conteúdos especiais é chegada a hora dos presentes. Para isso, nós convidamos vários blogs amigos e também as nossas editoras parceiras para fazer uma super promoção que dará 30 livros para 15 leitores. A todos vocês o nosso muito obrigado! E agora vamos à festa!

21 de setembro de 2015

Resenha: Naomi & Ely e a Lista do Não-Beijo

Título Original: Naomi and Ely's No Kiss List
Autores: David Levithan e Rachel Cohn
Páginas: 256
Tradução: Ana Carolina Mesquita
Editora: Galera Record

A quintessência menina-gosta-de-menino-que-gosta-de-meninos. Uma análise bem-humorada sobre relacionamentos. Naomi e Ely são amigos inseparáveis desde pequenos. Naomi ama Ely e está apaixonada por ele. Já o garoto, ama a amiga, mas prefere estar apaixonado, bem, por garotos. Para preservar a amizade, criam a lista do não beijo — a relação de caras que nenhum dos dois pode beijar em hipótese alguma. A lista do não beijo protege a amizade e assegura que nada vá abalar as estruturas da fundação Naomi & Ely. Até que... Ely beija o namorado de Naomi. E quando há amor, amizade e traição envolvidos, a reconciliação pode ser dolorosa e, claro, muito dramática.

Desde que eu li Will & Will fiquei extremamente curiosa para ler outras obras do David Levithan. O meu segundo contato com o autor foi com Todo Dia, mas acabei me decepcionando demais. Não que o livro seja ruim, só não consegui me conectar mesmo com o personagem. Resolvi dar mais uma chance para o autor, com mais uma parceria. Não que eu tenha me decepcionado, mas esperava muito mais da história.

18 de setembro de 2015

Resenha: Apenas Um Ano

Título Original: Just One Year
Autora: Gayle Forman
Páginas: 352
Tradução: Ana Paula Doherty
Editora: Novo Conceito
Livro recebido em parceria com a editora.

Em Apenas um Dia, os momentos de paixão entre Allyson e Willem foram interrompidos de maneira abrupta, lançando a jovem em um abismo de questionamentos e dor. Agora a história é contada pela voz de Willem. Sem saber exatamente o que o atraiu na garota de olhos grandes e jeito comportado, o rapaz inicia uma busca obsessiva por pistas que levem até a sua Lulu mesmo sem saber sequer o seu nome verdadeiro. Enquanto tenta compreender o mistério que os separou, Willem se esforça para costurar relacionamentos desgastados e procura respostas para o futuro. Mais do que uma aventura de verão, o encontro em Paris significou para ele o início da vida adulta. Da mesma autora dos best-sellers Se Eu Ficar e Para Onde Ela FoiApenas um Ano reúne todos os ingredientes de um romance imperdível: viagens, saudade, encontros, desencontros e amor.

Pois é, meus amigos. Procrastinei tanto para ler esse livro porque ainda não tinha lido Apenas Um Dia, mas cá estou eu para falar um pouco sobre essa história. Ah, detalhe: sou muito vida loka mesmo e li Apenas Um Ano sem ter lido Apenas Um Dia (lokona mesmo, como diz o João), mas esse detalhe não me atrapalhou nem um pouco, posso garantir para vocês. Posso ter perdido algunas detalhes, mas aparentemente é a mesma história, só que contada pela visão do mocinho. Provavelmente essa resenha terá spoilers do primeiro livro (mesmo que eu não tenha lido), então se você ainda não leu, é melhor parar por aqui.

15 de setembro de 2015

Resenha: Delírio

Título Original: Delirium
Autora: Lauren Oliver
Páginas: 352
Tradução: Rita Sussekind
Editora: Intrínseca

Muito tempo atrás, não se sabia que o amor é a pior de todas as doenças. Uma vez instalado na corrente sanguínea, não há como contê-lo. Agora a realidade é outra. A ciência já é capaz de erradicá-lo, e o governo obriga que todos os cidadãos sejam curados ao completar dezoito anos. Lena Haloway está entre os jovens que esperam ansiosamente esse dia. Viver sem a doença é viver sem dor: sem arrebatamento, sem euforia, com tranquilidade e segurança. Depois de curada, ela será encaminhada pelo governo para uma faculdade e um marido lhe será designado. Ela nunca mais precisará se preocupar com o passado que assombra sua família. Lena tem plena confiança de que as imposições das autoridades, como a intervenção cirúrgica, o toque de recolher e as patrulhas-surpresa pela cidade, existem para proteger as pessoas.
Faltando apenas algumas semanas para o tratamento, porém, o impensado acontece: Lena se apaixona. Os sintomas são bastante conhecidos, não há como se enganar — mas, depois de experimentá-los, ela ainda escolheria a cura?

Alguém que já se apaixonou sabe o quanto o amor torna as pessoas vivas: o quanto o coração palpitando, a adrenalina percorrendo o corpo e as pernas tremendo preenchem os dias e dão esperança de um futuro melhor, mais feliz. E se esse sentimento fosse diagnosticado como uma doença? No mundo em que Lena vive, o amor já não é considerado algo bom; pelo contrário. Existem procedimentos de cura, e tanto aqueles infectados, quanto os simpatizantes e os inválidos, podem sofrer punições terríveis.

12 de setembro de 2015

Resenha: Zac & Mia

Título Original: Zac and Mia
Autora: A. J. Betts
Páginas: 288
Tradução: Sylvio Monteiro Deutsch
Editora: Novo Conceito
Livro recebido em parceria com a editora.

A última pessoa que Zac esperava encontrar em seu quarto de hospital era uma garota como Mia - bonita, irritante, mal-humorada e com um gosto musical duvidoso. No mundo real, ele nunca poderia ser amigo de uma pessoa como ela. Mas no hospital as regras são diferentes. Uma batida na parede do seu quarto se transforma em uma amizade surpreendente. Será que Mia precisa de Zac? Será que Zac precisa de Mia? Será que eles precisam tanto um do outro? Contada sob a perspectiva de ambos, Zac e Mia é a história tocante de dois adolescentes comuns em circunstâncias extraordinárias.

Confesso: eu adoro um bom sick-lit de vez em quando. O problema é que, assim como muitos outros, esse gênero está bastante saturado, é muito difícil encontrar uma coisa nova. Justamente por isso comecei a ler Zac & Mia despretensiosamente, em partes porque já imaginava o que eu encontraria e porque eu não queria me decepcionar. A obra é uma gracinha. Não é cheia de floreios, tem aqueles clichês que a gente já conhece, mas é diferente de todos os outros sick-lits que já li.

10 de setembro de 2015

Book Haul: Agosto 2015


Olá, galera! O post de hoje é para mostrar os livros que chegaram para mim no mês de agosto. Como já perceberam, não foram muitos e tem um especial aí que não é literário (olha para vocês verem o que a faculdade faz com a gente). 

8 de setembro de 2015

Promoção: Aguardando Fugitivos


O livro FUGITIVOS, do autor Carlos Barros, será lançado no dia 25/09 pela editora Giostri. Para divulgar e comemorar a aproximação da data, quando (finalmente!) o livro estará disponível para compra, oito blogs se reuniram para sortear alguns livros para um único felizardo.

6 de setembro de 2015

Resenha: A Menina Submersa

Título Original: The Drowning Girl
Autora: Caitlín R. Kiernan
Páginas: 320
Tradução: Ana Resende e Carolina Caires Coelho
Editora: DarkSide Books

Com uma narração intrigante, não-linear e uma prosa magnífica, Caitlín vai moldando a sua obsessiva personagem. Imp é uma narradora não-confiável e que testa o leitor durante toda a viagem, interrompe a si mesma, insere contos que escreveu, pedaços de poesia, descrições de quadros e referências a artistas reais e imaginários durante a narrativa. Ao fazer isso, a autora consegue criar algo inteiramente novo dentro do mundo do horror, da fantasia e do thriller psicológico.

Desde que descobri a edição clássica de A Menina Submersa fiquei apaixonada. Não só pela capa, que também é maravilhosa, mas pela história em si. Quando a DarkSide lançou esta edição limitada não me aguentei e tive que ir atrás. Finalmente teria a oportunidade de ler essa obra que tanto me instigava e ela chegou ainda mais rápido quando a Cah, do De Cabeça Para Baixo me desafiou a lê-lo no projeto da Ju, do LiteRata. É verdade que algumas partes da narrativa são confusas, mas nada que tire o brilho da história. 

4 de setembro de 2015

Resenha: Bom Dia, Sr. Mandela

Título Original: Good Morning, Mr. Mandela
Autora: Zelda la Grange
Páginas: 432
Tradução: Sofia Gomes
Editora: Novo Conceito
Livro recebido em parceria com a editora.

Bom Dia, Sr. Mandela conta a extraordinária história de uma jovem que teve suas crenças, preconceitos e tudo em que sempre acreditou transformados pelo maior homem de seu tempo. A incrível trajetória de uma datilógrafa que, escolhida para se tornar a mais leal e devotada assessora de Nelson Mandela, passou a maior parte de sua vida trabalhando ao lado do homem que ela passaria a chamar de Khulu , ou avô.

Uma coisa que poucas pessoas sabem sobre mim é que eu adoro biografias/autobiografias. Posso nem conhecer a pessoa, mas seu tiver uma chancezinha que seja de ler sobre ela, vou ler. Mas Nelson Mandela não é qualquer pessoa, não é mesmo? Além de ter sido um grande líder político, e ter lutado contra o apartheid na África do Sul, ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 1993 e foi um grande ícone mundial. É claro que eu não perderia a oportunidade de saber um pouco mais sobre ele. 

Promoção: Seis Anos de Livros Românticos!


Oi pessoal! O mês de setembro aqui no blog estará recheado de promoções! Dessa vez, para comemorarmos o aniversário de seis anos do Livros Românticos, 25 blogs se juntaram para fazer uma festa! Serão 25 livros, divididos em cinco kits que premiarão cinco leitores sortudos.  

1 de setembro de 2015

Promoção: A Bienal Vai Até Você!


Você quebrou o seu porquinho que passou o ano inteiro colocando o troco do dinheiro do transporte... Você tentou de todas as formas antecipar o seu presente de Natal dos seus avós, dos seus pais, mas mesmo assim ainda não conseguiu juntar o dinheiro necessário para viajar pra Bienal do Rio.

Você tentou subornar aquele seu amigo do trabalho para que ele tirasse férias em outra data para que você pudesse sair de férias e curtir a Bienal, mas ele não só saiu de férias sem ligar para seus sentimentos como ainda deixou um monte de trabalho inacabado e por isso, você vai ter que fazer hora extra e não vai ter tempo de curtir a Bienal...
 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©