31 de maio de 2016

Resenha: Dama da Meia-Noite

Título Original: Lady Midnight
Autora: Cassandra Clare
Páginas: 574
Tradução: Rita Sussekind
Editora: Galera Record
Livro recebido em parceria com a editora.

Em um mundo secreto onde guerreiros meio-anjo juraram lutar contra demônios, parabatai é uma palavra sagrada. O parabatai é o seu parceiro na batalha. O parabatai é seu melhor amigo. Parabatai pode ser tudo para o outro mas eles nunca podem se apaixonar. Emma Carstairs é uma Caçadora de Sombras, uma em uma longa linhagem de Caçadores de Sombras encarregados de protegerem o mundo de demônios. Com seu parabatai Julian Blackthorn, ela patrulha as ruas de uma Los Angeles escondida onde os vampiros fazem festa na Sunset Strip, e fadas estão à beira de uma guerra aberta com os Caçadores de Sombras. Quando corpos de seres humanos e fadas começam a aparecer mortos da mesma forma que os pais de Emma foram assassinados anos atrás, uma aliança é formada. Esta é a chance de Emma de vingança e a possibilidade de Julian ter de volta seu meio-irmão fada, Mark, que foi sequestrado há cinco anos. Tudo que Emma, Mark e Julian tem a fazer é resolver os assassinatos dentro de duas semanas antes que o assassino coloque eles na mira. Suas buscas levam Emma de cavernas no mar cheias de magia para uma loteria sombria onde a morte é dispensada. Enquanto ela vai descobrindo seu passado, ela começa a confrontar os segredos do presente: O que Julian vem escondendo dela todos esses anos? Por que a Lei Shadowhunter proíbe parabatais de se apaixonarem? Quem realmente matou seus pais e ela pode suportar saber a verdade?

Dama da Meia-Noite é o primeiro volume da trilogia Os Artifício das Trevas, que dá sequência aos eventos que ocorrem após a Guerra Maligna causada por Sebastian Morgenstern nos últimos volumes de Os Instrumentos Mortais. Sendo assim, não é necessária a leitura dos livros anteriores, mas, se os spoilers forem um grande incômodo, não recomendo que a imersão no mundo dos Caçadores de Sombras comece por este livro. 

29 de maio de 2016

Resenha: A Guardiã de Histórias

Título Original: The Archived
Autora: Victoria Schwab
Páginas: 322
Tradução: Daniel Estill
Editora: Bertrand Brasil
Livro recebido em parceria com a editora.

Imagine um lugar onde, como livros, os mortos repousam em prateleiras. Cada corpo tem uma história para contar, uma vida disposta em imagens que apenas os Bibliotecários podem ler. Aqui, os mortos são chamados de Histórias, e o vasto domínio em que eles descansam é o Arquivo. Mackenzie Bishop é uma implacável Guardiã, cuja tarefa é impedir Histórias geralmente violentas de acordar e fugir do Arquivo. Naqueles domínios, os mortos jamais devem ser perturbados, mas alguém parece estar, deliberadamente, alterando Histórias e apagando seus trechos essenciais. A menos que Mac consiga juntar as peças restantes, o próprio Arquivo sofrerá as consequências.

Não tem como negar o quanto a sinopse de A Guardiã de Histórias é instigante, principalmente para nós, fãs de livros. Dá para imaginar prateleiras cheias e cheias de histórias para contar? É o que a gente mais ama, não é? Mas no mundo de Mackenzie Bishop, essas Histórias são diferentes: são pessoas mortas, guardadas num Arquivo e a tarefa da menina é não deixar essas criaturas fugirem. Imaginei que fosse me apaixonar por esse livro logo nas primeiras páginas, mas a verdade é que não foi bem assim...

27 de maio de 2016

Resenha: A Mulher Incrível

Título: A Mulher Incrível
Autor: Alexandre Petillo
Páginas: 128
Editora: Belas-Letras
Livro recebido em parceria com a editora.

Existem alguns tipos de mulheres que você vai encontrar na vida. Têm aquelas que te fazem enlouquecer por uma noite. Têm aquelas que vão chegar e vão te fazer esquecer to¬das as outras. Têm também aquelas que você acredita que quer passar a vida toda ao lado delas. E, ainda, aquelas que você realmente vai ter certeza que vai passar a vida toda lado a lado. E têm as mulheres in¬críveis. É sobre essas mulheres que Alexandre Petillo escreve seus textos, que viralizaram nas redes sociais, com centenas de milhares de compartilhamentos a cada nova história.

Confesso que peguei esse livro para resenhar unicamente por causa do título. Como não se interessar por um livro com um título desses, não é mesmo? Não é empoderante? Porém, não posso negar que eu esperava um texto totalmente diferente e o que eu encontrei aqui, apesar de ser bom, me deixou um pouquinho decepcionada. 

25 de maio de 2016

Resenha: A Coroa

Título Original: The Crown
Autora: Kiera Cass
Páginas: 310
Tradução: Cristian Clemente
Editora: Seguinte
Livro recebido em parceria com a editora.

Em A Herdeira, o universo de a Seleção entrou numa nova era. Vinte anos se passaram desde que America Singer e o príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira princesa a passar por sua própria seleção. Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração prega peças… e agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava. America Singer e o Príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira princesa a passar por sua própria seleção. Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração prega peças… e agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava.

A Coroa é o 5º volume da série distópica A Seleção. Dando sequência aos acontecimentos anteriores, neste livro iremos conhecer mais a família Schreave e o dia a dia do palácio, sede da monarquia de Illéa, o país distópico que corresponde a atual América do Norte.

23 de maio de 2016

Resenha: As Vidas e as Mortes de Frankenstein

Título: As Vidas e as Mortes de Frankenstein
Autora: Jeanette Rozsas
Páginas: 176
Editora: Geração Editorial

Escapar da morte, viver para sempre… O que antes parecia apenas fantasia ou ficção científica, hoje está sendo procurado nos principais centros de pesquisa do mundo. Neste romance, Jeanette Rozsas reúne personagens reais e ficcionais para tratar de uma questão polêmica: a fim de vencer a morte, a ciência pode passar por cima de tudo, até mesmo da moral e da ética? Esse é o estranho vínculo que aproxima intimamente, mas em épocas diferentes, uma jovem pesquisadora brasileira trabalhando na Alemanha, três importantes escritores ingleses do século XIX e um famoso alquimista do século XVII e seu ingênuo discípulo.

Sabe aquele livro que a gente pega para ler quase que por obrigação, só para dar uma diminuída na pilha? Pois foi isso mesmo o que aconteceu comigo quando fui ler As Vidas e as Mortes de Frankenstein. Pelo título eu esperava que fosse um livro denso, com uma narrativa mais científica e uma história totalmente cansativa. Não se deixem enganar por essa capa feinha: paguei língua, me surpreendi. Encontrei histórias riquíssimas e instigantes nesse livro. 

21 de maio de 2016

Promoção: Open House Cantar em Verso


Olá, leitores. O blog Cantar em Verso está de casa nova e por isso resolveu fazer uma promoção para reunir alguns blogs amigos para presentear seus leitores. Mas antes de garantir a sua participação conheça o novo blog, que está com layout novo e que terá algumas novidades em breve.

20 de maio de 2016

Resenha: Nana


Nana Komatsu, é uma garota do interior com simples objetivos de vida e que se apaixona facilmente à primeira vista. Nana Oosaki, é a vocalista de uma banda punk e tem como um de seus objetivos fazer com que sua banda estoure nas paradas. Sonhos tão distintos, para duas garotas com o mesmo nome... Descubra o que o destino reserva para essas duas 'Nanas'.

YAZAWA, Ai. Nana. São Paulo: Editora JBC, 2008.

Já queria começar essa resenha pedindo desculpas por duas coisas: a primeira é que eu nunca resenhei um mangá na vida, espero que não fique confuso; a segunda é que vai ter muito sentimentalismo nesse texto, porque é impossível falar de Nana sem comentar as emoções que a leitura me trouxe. Eu conheci essa história através do anime, que recebeu o mesmo nome do mangá. Vi tudo em uma semana qualquer de 2013 e não me esqueço de jeito nenhum, porque chorei em todos os 47 episódios. Chorei tanto em alguns em especial que minha prima que estava me visitando na época, achou que eu estava passando mal. Mas eu sou muito chorona mesmo, não sei se vocês podem confiar em mim.

17 de maio de 2016

Resenha: Na Ponta dos Pés

Título Original: Pointe
Autora: Brandy Colbert
Páginas: 336
Tradução: Lavínia Fávero
Editora: Vergara & Riba

Theodora está melhor. Voltou a se alimentar e a sair com alguns caras. Além disso, está se dedicando como nunca para se tornar uma grande bailarina profissional. Mas o repentino retorno de seu melhor amigo, Donovan, depois de quatro anos sequestrado, lança Theo de volta aos momentos que antecederam o fatídico episódio. Surge em sua memória a lembrança do sequestrador... Donovan não fala nada sobre o que viveu no cativeiro. Dizer a verdade poderia colocar em risco tudo aquilo pelo qual Theo havia lutado: sua imagem, sua carreira, sua reputação e seu verdadeiro amor. Na ponta dos pés é um livro arrebatador. A vida conturbada de uma jovem talentosa nos faz acreditar que a superação pode ser difícil, mas sempre há tempo para recomeçar.

A primeira coisa que vocês precisam saber sobre esse livro: a sinopse é tão reveladora que eu não aconselharia ninguém a lê-la, e só fui perceber isso quando o tinha finalizado. Aliás, é impossível falar sobre o livro sem soltar algum spoiler, então estejam avisados. Tendo me apegado demais a capa, imaginei que seria só um livro sobre uma garota apaixonada pela dança. Sim, a vida de Theo é o balé, mas a história por trás de tudo é muito maior e mais complexa, densa e angustiante.

15 de maio de 2016

Resenha: Caixa de Pássaros

Título Original: Bird Box
Autor: Josh Malerman
Páginas: 272
Tradução: Carolina Selvatici
Editora: Intrínseca

Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler. Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.

Sou bastante medrosa, e tive até fase de evitar ler suspenses por causa disso. Em certo momento, porém, percebi que aquelas leituras mais leves ou românticas, que costumavam ser aquelas que mais me agradavam, dificilmente conseguiam me convencer. Por isso, decidi arriscar leituras menos "confortáveis", como Filme Noturno e Objetos Cortantes. E quando Caixa de Pássaros foi lançado, eu simplesmente não consegui resistir.

14 de maio de 2016

Resenha: As Filhas Sem Nome

Título Original: Miss Chopsticks
Autora: Xinran
Páginas: 296
Tradução: Caroline Chang
Editora: Companhia das Letras
Livro recebido em parceria com a editora. 

"Sou uma moça do interior, por favor, seja gentil e cuide de mim." Era assim que Três, Cinco e Seis se apresentavam na cidade grande. Nascidas em uma pequena aldeia chinesa, as filhas do camponês Li Zhongguo haviam se mudado para Nanjing em busca de oportunidades. Vencendo o ceticismo do pai, um homem desgostoso por ter apenas filhas mulheres e que, por isso, jamais lhes deu um nome verdadeiro, elas escapam ao destino de subserviência e ignorância a que estavam fadadas. Na cidade, as jovens descobrem seu lugar no mundo, mas não abandonam o afeto e o respeito pelo lugar de origem. Baseado em histórias colhidas por Xinran durante as pesquisas para seu programa de rádio, o romance aborda com delicadeza as tradições, sem deixar de lado as denúncias do medo e da ignorância herdados de uma ditadura longa e violenta.

Vocês já me viram falar sobre a Xinran aqui no blog em dois outros posts: a resenha do livro Mensagem de Uma Mãe Chinesa Desconhecida e num resumo do meu artigo sobre o mesmo, aqui intitulado de Precisamos Falar Sobre o Sofrimento das Mães Chinesas. Pedi As Filhas Sem Nome para resenhar porque resolvi unir o útil ao agradável: vou precisar dessa história para o meu TCC, então, porque não?  Mais uma vez Xinran conseguiu me emocionar com sua narrativa simples e delicada. 

10 de maio de 2016

Resenha: Mr. Mercedes

Título Original: Mr. Mercedes
Autor: Stephen King
Páginas: 400
Tradução: Regiane Winarski
Editora: Suma de Letras
Livro recebido em parceria com a editora.

Nas frigidas madrugadas, em uma angustiante cidade do Centro-Oeste, centenas de pessoas desempregadas estão na fila para uma vaga numa feira de empregos. Sem qualquer aviso um motorista solitário irrompe no meio da multidão em um Mercedes roubado, atropelando os inocentes, dando ré e voltando a atropelá-los. Oito pessoas são mortas, quinze feridos. Em outra parte da cidade, meses mais tarde, um policial aposentado chamado Bill Hodges é ainda assombrado por um crime sem solução. Quando ele recebe uma carta enlouquecida de alguém que se auto-identifica como privilegiado e ameaça um ataque ainda mais diabólico, Hodges acorda de sua deprimente e vaga aposentadoria, empenhado em evitar outra tragédia. Brady Hartfield vive com sua mãe alcoólatra na casa onde ele nasceu. Ele adorou a sensação de morte sob as rodas da Mercedes, e ele quer aquela corrida de novo. Apenas Bill Hodges, com um par de aliados altamente improváveis, pode prender o assassino antes que ele ataque novamente. E eles não têm tempo a perder, porque na próxima missão de Brady, se for bem sucedido, vai matar ou mutilar milhares.  Mr. Mercedes é uma guerra entre o bem e o mau, do mestre do suspense, cuja visão sobre a mente deste obcecado assassino insano é arrepiante e inesquecível.

Oi gente! O vídeo de hoje é sobre um livro de um autor que provavelmente vocês já sabem que eu gosto bastante, o Stephen King. Mr. Mercedes é uma história totalmente fora da zona de conforto dele e eu gostei bastante, apesar de o vilão da história ter entrado para minha lista de vilões mais odiosos que existem no mundo.  

8 de maio de 2016

Promoção: 02 Livros + Marcadores!

O que acontece quando cinco blogs lindos se juntam? SORTEIO!

O Você é tão Livro, junto com o Estante Diagonal, Sigo Lendo, Roendo Livros e Gettub, irá sortear um exemplar do livro de Carlos Barros, Fugitivos, um exemplar de 'O Legado', do autor Fernando P. Rosa e + de 60 marcadores!



7 de maio de 2016

Resenha: Nas Entrelinhas do Horizonte

Título: Nas Entrelinhas do Horizonte
Autor: Humberto Gessinger
Páginas: 160
Editora: Belas-Letras
Livro recebido em parceria com a editora. 


O mundo é ímpar, não dá para dividi-lo em duas metades iguais. Muito menos ver a linha imaginária que separa a infância da vida adulta. Contemplando o horizonte embalado pela trilha sonora que o tornou um dos ícones do rock brasileiro, Humberto Gessinger lança seu novo livro, intitulado Nas entrelinhas do horizonte, que chega às livrarias de todo o Brasil dia 7 de maio. Gessinger recorre à memória afetiva para construir crônicas pulsantes e arrebatadoras, em que cada página é uma janela onde passado, presente e futuro se misturam para compor juntos a cena. Uma paisagem que só pelas entrelinhas revela a força da sua música e da sua poesia, por meio de lembranças da infância e da vida adulta, momentos em que deixou e voltou a ser criança, como quando a bola de futebol parou embaixo de um carro e uma descoberta desconcertante aconteceu. Em As entrelinhas do horizonte Gessinger transforma a crônica em música e poesia para falar de sentimentos.

Acho que a essa altura do campeonato todos vocês já devem saber que eu sou fã do Humberto Gessinger e de todos os seus trabalhos, do Longe Demais das Capitais ao Insular. É claro que eu não poderia deixar de ler todos os seus livros. Já falei para vocês de dois anteriores: Pra Ser Sincero e Mapas do Acaso, que continuam sendo os meus favoritos, mas Nas Entrelinhas do Horizonte também merece o precioso tempo de vocês.

5 de maio de 2016

Book Haul Meio Complexo


Eu sei que faz bastante tempo que não mostro os livrinhos que chegaram para mim aqui no blog, mas expliquei tudo direitinho no vídeo (eu acho). O importante é que tô mostrando agora e antes tarde do que nunca, não é mesmo? Corram para ver que o vídeo tá bem curtinho. Espero que gostem!

3 de maio de 2016

Resenha: Encrenca

Título Original: Trouble
Autora: Non Pratt
Páginas: 307
Tradução: Silvia M. C. Rezende
Editora: Verus
Livro recebido em parceria com a editora.

Quando o colégio inteiro descobre que Hannah Sheppard está grávida, ela tem um verdadeiro colapso. E quem está ao seu lado é Aaron Tyler, um aluno novo e o único garoto que não parece ter segundas intenções em relação a ela. Desejando compensar seus erros do passado, Aaron toma uma difícil decisão: ele se oferece para fingir ser o pai do bebê. E, temendo revelar quem é o verdadeiro pai, Hannah aceita. Encrenca é a história de dois jovens que estendem a mão um para o outro quando todas as demais pessoas parecem lhes dar as costas. Em um período marcado por perdas, arrependimentos e esperança, os dois vão descobrir que nada se compara a encontrar o seu primeiro melhor amigo de verdade. Este livro inteligente, por vezes comovente, por vezes engraçado, mostra que crescer pode ser complicado, mas é assim que se descobre o que realmente importa na vida.

Sabe aquele livro que a gente lê a sinopse e acha que pode até ser interessante? Aí a gente olha pra capa e se apaixona de vez? Foi isso o que aconteceu quando eu vi Encrenca nas news de Abril do Grupo Editoral Record. Todo mundo adora ler sobre um tema que, apesar de acontecer bastante, ainda é um grande tabu, não é verdade? Ainda mais quando esse tema é gravidez na adolescência. Vocês já perceberam que é um fato que a gente acha que nunca pode acontecer com a gente ou com alguém próximo? Pois é, né... Até que acontece. 

1 de maio de 2016

Por que eu abandonei Paperboy?


Assim que eu me tornei colunista no Conjunto da Obra, em meados de 2014, se minha memória ainda funciona direito, a Ju me presenteou com alguns livros. Dentre esses livros, estava Paperboy, que foi super aclamado pela mídia na época do seu lançamento. A questão é que eu até tentei ler a história algumas (muitas) vezes, mas não desceu de jeito nenhum e vou simplesmente tentar explicar para vocês o porquê.
 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©