27 de fevereiro de 2018

É Assim Que Acaba: Cinco Motivos Para Ler


Colleen Hoover já é uma das autoras preferidas de muitos leitores. Parte de seu sucesso está no fato de Colleen ter uma escrita muito fluída e unir romance chiclete com reflexões sobre temas importantes. Dessa forma, a autora consegue abordar assuntos delicados e complexos de forma descontraída, ligando entretenimento e informação.

24 de fevereiro de 2018

Resenha: Felicidade Para Humanos

Jen está triste. Aiden quer que ela seja feliz. Formou? Não necessariamente. É que Jen é uma mulher de trinta e poucos anos cujo namorado acabou de trocá-la por outra e Aiden é um programa de computador muito caro e complexo.
Aiden conhece Jen melhor que ninguém. Com acesso a todos os seus dispositivos, Aiden sabe qual é a música mais tocada de sua playlist, consegue achar suas fotos preferidas e selecionar as citações que mais a inspiram nas redes sociais. A partir de observações e de algoritmos singulares, ele resolve procurar um novo parceiro para ela. E com a internet inteira à sua disposição, não precisa ir longe para encontrar o que conclui ser o espécime perfeito e arquitetar um encontro. O problema é que Jen não parece querer contribuir para o plano infalível de Aiden.
Será que uma máquina muito inteligente artificialmente conseguirá desvendar a inteligência emocional para poder interferir de um jeito positivo na vida de Jen? E, o que é mais difícil, será que essa máquina vai descobrir o que exatamente faz os seres humanos felizes?

Título Original: Happiness For Humans
Autor: P. Z. Reizin
Páginas: 392
Tradução: Ronaldo Sergio de Biasi
Editora: Record
Livro recebido em parceria com a editora

Felicidade Para Humanos, livro de estreia da autor P. Z. Reizin, é a nova aposta da Record para o mês de março e, por isso, a editora enviou uma prova para leitura antecipada para alguns blogueiros. É claro que fiquei extremamente curiosa, pois a premissa do livro gira em torno de uma inteligência artificial que conseguiu "escapar" para internet e se deu conta de que, acreditem se quiser, tem uma consciência. E não é que essa loucura toda rendeu uma história bem divertida?

22 de fevereiro de 2018

Resenha: Entre Irmãs

Ganhador do Prêmio de Ficção do Friends of American Writers e agora adaptado para o cinema, Entre irmãs é uma história de amor e lealdade, um romance arrebatador sobre a saga de uma família e de um país em transição.
Nos anos 1920, as órfãs Emília e Luzia são as melhores costureiras de Taquaritinga do Norte, uma pequena cidade de Pernambuco. Fora isso, não podiam ser mais diferentes.
Morena e bonita, Emília é uma sonhadora que quer escapar da vida no interior e ter um casamento honrado. Já Luzia, depois de um acidente na infância que a deixou com o braço deformado, passou a ser tratada pelos vizinhos como uma mulher que não serve para se casar e, portanto, inútil.
Um dia, chega a Taquaritinga um bando de cangaceiros liderados por Carcará, um homem brutal que, como a ave da caatinga, arranca os olhos de suas presas. Impressionado com a franqueza e a inteligência de Luzia, ele a leva para ser a costureira de seu bando.
Após perder a irmã, a pessoa mais importante de sua vida, Emília se casa e vai para o Recife. Ali, em meio à revolução que leva Getúlio Vargas ao poder, ela descobre que Luzia ainda está viva e é agora uma das líderes do bando de Carcará.
Sem saber em que Luzia se transformou após tantos anos vagando por aquela terra escaldante e tão impiedosa quanto os cangaceiros, Emília precisa aprender algo que nunca lhe foi ensinado nas aulas de costura: como alinhavar o fio capaz de uni-las novamente.

Título Original: The Seamstress
Autora: Frances de Pontes Peebles
Páginas: 576
Tradução: Maria Helena Rouanet
Editora: Arqueiro
Livro recebido em parceria com a editora

Quando eu terminei de assistir Entre Irmãs — no formato de minissérie que passou na Globo —, fiquei tão mexida com a história das irmãs Luzia e Emília que não consegui parar de pensar na adaptação por muito tempo. Foi só um tempo depois que me toquei que o filme/minissérie foi baseado em um livro, publicado originalmente como A Costureira e o Cangaceiro, e que minha querida editora parceira havia relançado essa obra tão maravilhosa. Hoje, dias após ter finalizado a leitura, ainda penso nas melhores costureiras de Taquaritinga do Norte com um aperto no peito. 

20 de fevereiro de 2018

Resenha: Criaturas & Criadores

Clássicos do medo reinventados por quatro escritores brasileiros, para noites de sustos, terror e gritos
Quatro dos mais populares autores contemporâneas brasileiros, Raphael Draccon, Carolina Munhoz, Frini Georgakopoulos e Raphael Montes se uniram para reinventar os contos de terror clássicos. Frankenstein vive, e está numa favela do Rio. Rumores indicam que Drácula pode ser o dono de uma nova e badalada boate. Numa faculdade de artes, há uma lenda que diz que um fantasma ajuda belas jovens a cantar num teatro abandonado. Um mistério ronda a vida de um dentista e pai de família que está prestes a descobrir seu lado mais monstruoso. Quatro clássicos do medo reinventados por quatro escritores brasileiros para noites de sustos, terror e gritos.

Título: Criaturas e Criadores
Autores: Raphael Draccon, Carolina Munhóz, Frini Georgakopoulos e Raphael Montes
Páginas: 244
Editora: Record
Livro recebido em parceria com a editora

Criaturas & Criadores é um livro de contos de terror, escrito por quatro autores em parceria com a Editora Record. Cada um dos escritores foi responsável por um conto: A Criatura de Raphael Draccon, Conde de Ville de Carolina Munhóz, Por Trás da Máscara de Frini Georgakopolus e O sorriso do Homem Mau de Raphael Montes. Livro de origem Brasileira, de autores brasileiros e com um visual de horror e terror psicológico extremamente forte e profundo.

17 de fevereiro de 2018

Resenha: Meu Livro. Eu Que Escrevi.

Foto: Gettub
Duny (lê-se Dani) é uma celebridade de alcance mundial, alçada ao estrelato por seu imenso talento, inteligência, classe e beleza incomparáveis. Ou, pelo menos, era isso o que ela esperava da vida - que, no caso de Duny, se resume basicamente a um loop infinito de lacres, barracos e baixarias cometidos em busca da fama. Meu livro. Eu que escrevi é o maior deles. Conhecida dos fãs principalmente por trabalhar e morar na Pensão da Tia Ruiva e ser uma das estrelas da websérie Girls in the House, Duny hoje comanda também o reality show investigativo Disk Duny e é comentarista on-line de premiações como o Oscar e o Grammy para uma grande rede de TV, mas ela já passou por muita coisa nessa vida: da humilhação pública de fazer agachamentos em trajes sumários num programa de auditório a fingir que suporta crianças só para ser babá da filha de uma artista famosíssima e ficar um tantinho mais perto dos maiores nomes da música pop.

Título Original: Meu Livro. Eu Que Escrevi.
Autora: Duny Eveley (Raony Phillips) 
Páginas: 168
Editora: Intrínseca 

Provavelmente você já ouviu falar sobre a websérie Girls In The House, criação do Raony Phillips. Sim, você não viu errado, tudo acontece no universo de The Sims — claramente meu jogo preferido da vida sim, amava colocar as pessoinhas para nadar e tirar a escada — e o próprio autor dubla praticamente todos os personagens, inclusive a "autora" de Meu Livro. Eu Que Escrevi., Duny Eveley.

15 de fevereiro de 2018

Promoção: Três Anos de Pobre Leitora


Fevereiro é um mês de festa no Pobre Leitora e este ano a comemoração é por 3 anos de blog! Estou muito feliz de fazer parte dessa festa, já que acompanho a Nath desde o início de tudo. O mais legal é que uma festa aqui PL não pode ser feita sem os amigos, então vários se juntaram para comemorar essa data tão especial.

14 de fevereiro de 2018

Análise de Série: Corte de Espinhos e Rosas

Foto: Livros & Café

Títulos: Corte de Espinhos e Rosas | Corte de Névoa e Fúria | Corte de Asas e Ruína
Autora: Sarah J. Maas
Páginas: Total de 1.779
Tradutor: Mariana Kohnert
Editora: Galera Record

Sarah J. Maas, autora de outra série de sucesso, Trono de Vidro, é um dos grandes nomes da literatura na atualidade. Com muita criatividade e uma escrita agradável, Maas fez com que a trilogia protagonizada por Feyre se tornasse uma das histórias de fantasia mais conhecidas do universo literário.

11 de fevereiro de 2018

Resenha: A Pedra Pagã


Partilhando visões de morte e fogo, os irmãos de sangue Cal, Fox e Gage, e as mulheres ligadas a eles pelo destino, Quinn, Layla e Cybil, não podem ignorar o fato de que o demônio está mais forte do que nunca e que a batalha final pela cidade de Hawkins Hollow está a poucos meses de acontecer.
A boa notícia é que eles conseguiram a arma necessária para deter o inimigo ao unir os três pedaços de jaspe-sanguíneo. A má notícia é que ainda não sabem como usá-la e o tempo está se esgotando.
Compartilhando o dom de ver o futuro, Cybil e Gage podem descobrir a resposta para esse enigma se trabalharem juntos. Só que, além de não terem nada em comum, os dois se recusam a ceder aos próprios sentimentos. Um jogador profissional como Gage sabe que se entregar a uma mulher como Cybil – com a inteligência, a força e a beleza devastadora dela – pode ser uma aposta muito alta. E qualquer erro de estratégia pode significar a diferença entre o apocalipse e o fim do pesadelo para Hawkins Hollow.
Em A Pedra Pagã, Nora Roberts encerra a emocionante trilogia A Sina do Sete, uma história sobre família, amor e amizade que consegue arrancar arrepios e suspiros de seus leitores.

Título Original: The Pagan Stone
Autora: Nora Roberts
Páginas: 272
Tradução: Maria Clara de Biase
Editora: Arqueiro
Livro recebido em parceria com a editora

Em A Pedra Pagã, último volume da trilogia A Sina dos Sete, nossos personagens precisam matar Hollow, que ficou mais forte do que todas as outras vezes e ameaça não só os três amigos, mas as suas respectivas mulheres. Toda a cidade também corre perigo, e é nela onde estão todos os familiares e amigos dos protagonistas. Mas como a autora é Nora Roberts, não poderia faltar o romance mesmo que ele fique em segundo plano: casal deste livro será Cybill e Cage.

8 de fevereiro de 2018

Cinema: Capitão Phillips

Título Original: Captain Phillips
Ano: 2013
Diretor: Paul Greengrass
Duração: 134 minutos
Gênero: Drama | Suspense
Elenco principal: Tom Hanks, Barkhad Abdi, Barkhad Abdirahman
Texto por Taís Ribeiro

Richard Phillips (Tom Hanks) é um comandante naval experiente, que aceita trabalhar com uma nova equipe na missão de entregar mercadorias e alimentos para o povo somaliano. Logo no início do trajeto, ele recebe a mensagem de que piratas têm atuado com frequência nos mares por onde devem passar. A situação não demora a se concretizar, quando dois barcos chegam perto do cargueiro, com oito somalianos armados, exigindo todo o dinheiro a bordo. Uma estratégia inicial faz com que os agressores recuem, apenas para retornar no dia seguinte. Embora Phillips utilize todos os procedimentos possíveis para dispersar os inimigos, eles conseguem subir à bordo, ameaçando a vida de todos. Quando pensa ter conseguido negociar com os piratas, o comandante é levado como refém em um pequeno bote. Começa uma longa e tensa negociação entre os sequestradores e os serviços especiais americanos, para tentar salvar o capitão antes que seja tarde

Capitão Richard Phillips (Tom Hanks) é um comandante que trabalha com o transporte de mercadorias e, nesta viagem, pretende percorrer a região do chifre africano para entregar abastecimentos de água e comida em Mombaça, Quênia. Porém sofre com o intempere da presença de piratas somalianos durante o percurso. Após tentativas de impedir que os piratas invadam o navio e que sua tripulação seja encontrada, o capitão é sequestrado pelo grupo de piratas e o filme passa a girar em torno da captura e da ação da Marinha Americana em relação ao ocorrido.

5 de fevereiro de 2018

Resenha: O Gato Comeu Sua Lua? & Com Gratidão

Com gratidão: Fruto de financiamento coletivo, “Com gratidão” chega assim, como um ato de generosidade para todos. É um livro que pode tocar seu coração na medida certa, compartilha as palavras suaves, generosas e encorajadoras que tanto necessitamos ouvir quando ninguém quer nos oferecer.
O Gato Comeu Sua Lua? consiste em uma série de narrativas acerca de uma das coisas que considero mais fascinantes no mundo: gente. Com personagens inspirados em pessoas ou situações cotidianas, o livro constrói cenários a partir do diálogo, um convite para que o leitor projete sua próprias impressões sobre o contexto, atuando, talvez, como o narrador ausente.

Título Original: O Gato Comeu Sua Lua & Com Gratidão 
Autoras: Vivian Campos & Kau Bonnett
Páginas: 61 & 124
Editora: Madrepérola 
Livros recebidos em parceria com a editora

O Gato Comeu Sua Lua? se enquadra naqueles tipos de livros que são livros de cabeceira. Basicamente este livro é para ser lido muitas vezes, porque pensem em um livro fofo, com uma capa fofa, um gatinho adorável, com textos sobre o dia-a-dia e várias outras coisas legais. Os textos me conquistaram por completo!

3 de fevereiro de 2018

Resenha: Uma História de Verão

É o último verão de Analu perto de casa antes da faculdade. Entre a dificuldade de se entender com seus pais, que queriam que ela cursasse Direito e não Cinema, e as persistentes comparações com seu irmão gêmeo, André Luiz, o grande exemplo de filho que faz tudo para agradar, a garota está cansada de tanta hipocrisia e da cobrança de todos e só quer aproveitar suas férias com os amigos. O lugar é lindo, o clima está ideal e não faltam lembranças em cada cantinho da praia. Pena que nem todas são boas: a primeira decepção amorosa e grande paixão de Ana Luísa, Murilo, está de volta com o sorriso cafajeste de sempre e novas promessas. De um lado, o futuro em uma nova e incrível cidade, São Paulo; do outro, os amigos, a família e um amor traiçoeiro que ao mesmo tempo machuca e envolve.

Título Original: Uma História de Verão
Autora: Pam Gonçalves
Páginas: 304
Editora: Galera Record
Livro recebido em parceria com a editora

Desde que eu li Boa Noite, primeiro livro solo da autora, decidi que iria acompanhar o desenvolvimento da Pam Gonçalves. Sempre acompanhei o canal dela e fiquei muito feliz com todas essas novidades, porque ela merece muito. Dessa vez, com uma premissa mais simples, Pam nos apresenta Ana Luísa — ou Analu, como gosta de ser chamada —, uma jovem adulta que acaba de descobrir que passou na faculdade em São Paulo. Antes de ir para lá, ela e seus amigos decidem curtir o restinho das férias em um lugar maravilhoso, a Praia da Rosa. 

1 de fevereiro de 2018

Top Comentarista: Fevereiro 2018


Mês de Carnaval é sempre uma festa, não é mesmo? Eu, particularmente, adoro essa data e tenho muito orgulho dela, porque é bem brasileira. A pessoa que ganhar participar da festa desse mês poderá escolher um livro no valor de até trinta reais, dá para escolher algo bem bacana! O período de inscrições vai de 01/02/2018 ao dia 01/03/2018, sempre lembrando que este último dia é apenas para vocês regularizarem os comentários.
 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©