20 de outubro de 2018

Resenha: Tarde Demais

A autora best-seller do The New York Times está de volta com um romance ainda mais sombrio, intenso e assustadoramente real.
Para proteger o irmão, Sloan foi ao inferno e fez dele seu lar. Ela está presa em um relacionamento com Asa Jackson, um perigoso traficante, e quanto mais os dias passam, mais parece impossível enxergar uma saída. Imersa em uma casa incontrolável que mais parece um quartel general, rodeada por homens que ela teme e sem um minuto de silêncio, também parece impossível encontrar qualquer motivo para se sentir bem. Até Carter surgir em sua vida.
A chegada de Carter pode afetar o frágil equilíbrio que Sloan lutou tanto para conquistar, mas também pode significar sua única saída de uma situação que está ficando insustentável.
Colleen Hoover não tem medo de escrever sobre assuntos delicados e Tarde demais prova isso. Perpassando as formas mais cotidianas de machismo até as formas mais intensas e cruéis de abuso, a autora mergulha na espiral atordoante que é um relacionamento abusivo.

Título Original: Too Late
Autora: Colleen Hoover
Páginas: 384
Tradução: Alda Lima
Editora: Record
Livro recebido em parceria com a editora

Relacionamentos abusivos são extremamente comuns, mas muito difíceis de identificar. Seu namorado não deixa você sair com seus amigos? Não gosta que você use tal roupa? Dá um jeitinho de virar a culpa das discussões do casal toda para você? Fala coisas machistas com você, como "mulher tem que se dar o respeito", "mulher não pode fazer isso ou aquilo"? Pois é. Muitas atitudes consideradas normais pela sociedade são abusivas e muitas vezes a gente nem enxerga. Hoover é a rainha dos relacionamentos abusivos. Geralmente consegue retratá-los muito bem — como em É Assim Que Acaba, por exemplo. Mas, meu Deus, ela não poderia ter errado mais em Tarde Demais.

18 de outubro de 2018

Livros Para Ler no Halloween


Outubro é o meu mês preferido do ano por motivos óbvios: Halloween. Quem acompanha o Roendo Livros desde o início sabe que o meu gênero literário que mais gosto de ler é Terror, então nada melhor que uma listinha de livros sobre o assunto para comemorar, não é mesmo?

15 de outubro de 2018

Resenha: Celular, Doce Lar

Qual foi a última vez que você passou mais de uma hora (acordado) sem checar o celular? Agora mesmo, enquanto lê estas linhas, o seu celular está ao alcance das suas mãos? Pois é. De maravilha tecnológica o celular passou rapidamente a aparelho onipresente – e onisciente – em nossa vida. Nossos telefones tudo podem, tudo sabem, tudo veem. E nós não conseguimos mais viver sem eles. Como foi que isso aconteceu? E, mais importante: por que devemos nos preocupar com isso? Em Celular, doce lar, Rosana Hermann – jornalista, escritora, roteirista, apresentadora e blogueira pioneira – explica tudo isso. Com muito humor, histórias divertidas e dados das mais recentes pesquisas da psicologia comportamental e da neurociência, ela nos convida a discutir a nossa relação com o celular. E ainda sugere alternativas de detox digital para combater o vício e a dependência desses aparelhos cada vez mais sedutores.

Título Original: Celular, Doce Lar
Autora: Rosana Hermann
Páginas: 176
Editora: Sextante
Livro recebido em parceria com a editora
Compre aqui

Confesso que estou vivendo o ápice do meu vício tecnológico e me vi desesperada procurando métodos par ser mais produtiva e perder menos tempo passeando pelos feeds organizados do Instagram. E a minha auxiliadora master foi Rosana Hermann com seu livro Celular, Doce Lar. Rindo com os causos da veterana da internet, eu descobri que o problema não está na quantidade de tempo que passamos no celular, mas sim em tudo que perdemos no mundo offline. 

10 de outubro de 2018

Resenha: A Origem do Mundo

Por que as sociedades alimentaram uma relação tão esquizofrênica com a vagina ao longo dos séculos? Por que a menstruação é um tema apagado de nossa cultura quando costumava ser algo sagrado para os povos ancestrais? A origem do mundo escancara interditos e desafia mitos e tabus. Um livro genial, catártico e absolutamente necessário.

Título original: Kunskapens Frukt
Autora: Liv Strömquist
Páginas: 144
Tradução: Kristin Lie Garrubo
Editora: Quadrinhos na Cia.
Livro recebido em parceria com a editora
Compre aqui

Há muito tempo que eu não lia um livro em quadrinhos, e, principalmente, um livro voltado ao corpo da mulher, precisamente sobre a vulva ou a vagina e toda sua revolução. A intenção da sueca Liv Strömquist em A Origem do Mundo foi apresentar aos leitores a verdadeira história cultural da vagina e da sexualidade feminina, contrapondo o patriarcado.

8 de outubro de 2018

Resenha: Outsider

O corpo de um menino de onze anos é encontrado abandonado no parque de Flint City, brutalmente assassinado. Testemunhas e impressões digitais apontam o criminoso como uma das figuras mais conhecidas da cidade — Terry Maitland, treinador da Liga Infantil de beisebol, professor de inglês, casado e pai de duas filhas.
O detetive Ralph Anderson não hesita em ordenar uma prisão rápida e bastante pública, fazendo com que em pouco tempo toda a cidade saiba que o Treinador T é o principal suspeito do crime. Maitland tem um álibi, mas Anderson e o promotor público logo têm amostras de DNA para corroborar a acusação. O caso parece resolvido.
Mas conforme a investigação se desenrola, a história se transforma em uma montanha-russa, cheia de tensão e suspense. Terry Maitland parece ser uma boa pessoa, mas será que isso não passa de uma máscara? A aterrorizante resposta é o que faz desta uma das histórias mais perturbadoras de Stephen King.

Título Original: Outsider
Autor: Stephen King
Páginas: 528
Tradução: Regiane Winarski
Editora: Suma
Livro recebido em parceria com a editora
Compre aqui

Frank Peterson, de 11 anos, é assassinado de uma maneira extremamente brutal em Flint City, uma cidade próxima ao Texas, e as investigações apontam diretamente o treinador do time de beisebol da cidade, Terry Maitland. Mas existem alguns detalhes que intrigam os investigadores, e até mesmo o advogado do treinador. Testemunhas dizem ter visto o acusado na noite do crime. Alguns viram Terry coberto de sangue em busca de uma fuga, outros o viram num encontro na cidade vizinha — e existem realmente muitas provas incontestáveis de que ele estava, de fato, há quilômetros de distância de onde Frank foi encontrado.

5 de outubro de 2018

Livros Que Deixaram Minha Vida Mais Colorida


Estava procurando alguma tag diferente para trazer para vocês e resolvi procurar alguma coisa no canal da rainha Pam Gonçalves. Achei esse vídeo lindo que ela fez em parceria com a Stabilo e resolvi fazer postagem também, principalmente para lidar com esses dias tão sombrios. 

Assim como a Pam, os livros que geralmente mais mexem comigo são aqueles com dramas fortes em que o autor quer nos passar alguma mensagem e romances trágicos, onde alguém morre no final e coisas do tipo. Eu nunca tinha parado para pensar em livros que, enquanto eu lia, me deixaram feliz. Fazer isso agora me trouxe várias lembranças legais, espero que vocês gostem!

3 de outubro de 2018

Resenha: Ariel


Com a publicação póstuma do livro de poesia Ariel, em 1965, Sylvia Plath se tornou um nome de destaque na literatura norte-americana. No entanto, o manuscrito de Ariel deixado pela autora quando morreu, em 1963, era diferente do volume de poemas então publicado e mundialmente aclamado.
Esta edição bilíngue e fac-similar restabelece pela primeira vez a seleção e o arranjo dos poemas exatamente como Sylvia Plath os deixou antes de se suicidar. Além da reprodução dos manuscritos da autora, este volume também inclui os rascunhos completos do poema-título, “Ariel”, oferecendo ao leitor a oportunidade de acompanhar o processo criativo da poeta. Com esta publicação, o legado de Sylvia Plath pode ser reavaliado à luz de seu trabalho original e permanece conforme sua vontade.
Sylvia Plath conseguiu, em Ariel, transformar em poesia tanto assuntos particulares como eventos históricos trágicos. Seus poemas evidenciam as dores de uma vida traumática, marcada pela morte do pai e pelos conflitos com o marido infiel, e são a prova do talento dessa poeta que, com otimismo ou sofrimento, soube unir técnica e emoção e criar uma obra já clássica

Título Original: Ariel
Autor: Sylvia Plath
Páginas: 208
Tradução: Rodrigo Garcia Lopes
Editora: Verus
Livro recebido em parceria com a editora
Compre aqui

Poesias possuem uma linguagem diferente da linguagem utilizada nos romances. É uma escrita mais intima, introspectiva e, muitas vezes difícil de compreender. Com Ariel não é diferente. Apesar de não ter conseguir absorver tudo o que Plath quis dizer, a gente sente. Suas poesias transbordam para fora das páginas, é pesado, pungente e doloroso.

1 de outubro de 2018

Top Comentarista: Outubro 2018


Às vezes eu realmente me assusto quando penso que faltam exatamente três meses para o ano acabar, e que ano que vem começaremos tudo outra a vez. Já está chegando a época de pensarmos no que fizemos de bom e ruim em 2018, para ver o que podemos melhorar para 2019, não é? Fica a reflexão. Mas enfim, a pessoa que ganhar o top comentarista poderá escolher um livro no valor de até trinta reais, vale escolher aquele livro desejado há séculos! O período de inscrições vai de 01/10/2018 ao dia 01/11/2018, sempre lembrando que este último dia é apenas para vocês regularizarem os comentários.
 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©