9 de dezembro de 2015

Resenha: Amigas para Sempre

Título Original: Firefly Lane
Autor: Kristin Hannah
Páginas: 448
Tradução: Cássia Zanon
Editora: Arqueiro

Tully Hart tinha 14 anos, era linda, alegre, popular e invejada por todos. O que ninguém poderia imaginar era o sofrimento que ela vivia dentro de casa: nunca conhecera o pai, e a mãe, viciada em drogas costumava desaparecer por longos períodos, deixando a menina aos cuidados da avó. Mas a vida de Tully se transformou quando ela se mudou para a alameda dos Vaga-lumes e conheceu a garota mais legal do mundo. Kate Mularkey era inteligente, compreensiva e tão amorosa que logo fez Tully sentir-se parte de sua família. Ao longo de mais de trinta anos de amizade, uma se tornou o porto seguro da outra. Tully ajudou Kate a descobrir a própria beleza e a encorajou a enfrentar seus medos. Kate, por sua vez, a ensinou a enxergar além das aparências e a fez entender que certos riscos não valem a pena. As duas juraram que seriam amigas para sempre. Essa promessa resistiu ao frenesi dos anos 1970, às reviravoltas políticas das décadas de 1980 e 1990 e às promessas do novo milênio. Até que algo acontece para abalar a confiança entre elas. Será possível perdoar uma traição de sua melhor amiga? Neste livro, Kristin Hannah nos conta uma linda história sobre duas pessoas que sabem tudo a respeito uma da outra – e que por isso mesmo podem tanto ferir quanto salvar. 

Em 2013, quando li Jardim de Inverno, de Kristin Hannah, fiquei fascinada pela escrita da autora e tocada pela carga dramática que suas palavras conseguiam descrever. Desde então, apaixonada que fiquei, sentia a necessidade de conhecer mais obras da autora e conferir se era apenas uma medida que deu certo por acaso, ou se Hannah tinha mesmo o necessário para escrever boas histórias. Amigas para Sempre foi minha opção desta vez e trouxe consigo as emoções mais conflitantes que eu poderia ter durante a leitura, mas tudo o que ficou, ao final, foi o amor.

Na primeira metade do livro, debati-me o tempo todo entre desfrutar da amizade de Kate e Tully ou ficar irritada com as personagens por causa do ciúme e da inveja que, de certa forma, sempre se impunha entre as duas. Porque era claro que as duas se amavam, mas sempre havia aquele sentimento de peso entre elas, a questão de cobiçarem algo que a outra tinha, ou a forma como a outra agia.

Isso se estendeu até certo ponto da narrativa, mas, em algum momento da história, que eu não percebi quando aconteceu, vi-me envolvida na vida daquelas meninas, que se tornaram mulheres perante meus olhos, e passei a torcer irremediavelmente para que conseguissem o que queriam, que fossem felizes e estivessem sempre juntas, porque suas vidas estavam tão entrelaçadas que era difícil dizer onde uma terminava e a outra começava. E, por mais diferente que fossem, elas se completavam.

— Nunca é bom ficar sentada esperando que alguém ou alguma coisa mude a nossa vida. É por isso que mulheres como Gloria Steinem estão queimando sutiãs e fazendo protestos em Washington.
— Para que eu possa fazer amizades?
— Para que você saiba que pode ser o que quiser. A sua geração tem muita sorte. Vocês podem ser o que quiserem. Mas você precisa se arriscar às vezes. Se abrir para o mundo. Uma coisa que eu posso lhe dizer com certeza é o seguinte: na vida, a gente só se arrepende do que não faz.
(p. 27)

Hannah conseguiu criar personagens profundos que, por isso mesmo, se tornaram mais apaixonantes. É engraçado como podemos gostar de alguém que demonstra ser perfeito, mas aquele sentimento avassalador da paixão só vem quando amamos mesmo com todos os defeitos. E foi isso o que aconteceu com os personagens de Amigas para Sempre, todos tinham partes horríveis, atitudes que doíam e, por isso só, consegui criar um vínculo forte com os mesmos.

John e Marah, em minha opinião, são personagens quase mais importantes que as próprias protagonistas, porque, não fossem eles, o livro não seria completo. Foi por causa deles as minhas maiores frustrações sentimentais enquanto acompanhava a trama, mas foi por eles também que senti meu peito transbordando de amor.

Todo o livro é repleto de amor, de amizade, de momentos bons e ruins. Tem partes muito mais romantizadas e doces do que a vida, claro, mas, no fim, o sentimento era de completude e esperança. A última cena, que tinha tudo para ser a mais triste de todas, me deixou com um sorriso na cara e mostrou o quão incrível é amar alguém além de si mesmo.

Para quem quer ler esse livro, recomendo não ler nem a sinopse de Por Toda a Eternidade, sequência de Amigas para Sempre. Os livros podem ser lidos de forma independente, mas eu tentei isso e, acreditem, não valeu a pena. Amigas para Sempre é lindo, repleto de mensagens sobre a vida, e foi ainda mais por me dar tudo aquilo de que eu precisava, sem que eu nem soubesse disso.

Classificação final: 

5 comentários:

  1. Oi Ju
    Esse livro realmente é muito bom mesmo, eu ainda não li outros livros da autora, mas tenho muita curiosidade.

    Beijos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ana! Tudo bem? Achei o título e a capa do livro bem clichês, mas seus comentários me convenceram de que posso encontrar uma boa história na obra! :) Adorei a resenha!

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Heey!
    Gosto muito de livros com bagagem emocional e creio que vou gostar de Amigas Para Sempre ^^
    Jardim de Inverno está até hoje na minha lista de livros para serem lidos e agora esse também acaba de entrar haha. Mal vejo a hora de conhecer a escrita da autora =)
    Abraços!
    http://desbravando-o-infinito.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Ju, tenho essa relação com a Hannah desde que li o primeiro livro dela, sempre quero mais, mas depois que li Amigas para sempre eu não tive mais coragem de enfrentar outr. A Carga dramática desse livro me pegou desprevenida, mas a verdade que o que me afastou da autora foi a personagem Tilly, meu deus como essa mulher me pareceu egoísta, contudo entendi suas atitudes, mas ainda não me sinto pronta para por Toda eternidade, quem sabe mais para frente :

    ResponderExcluir
  5. Oi Ju, tenho essa relação com a Hannah desde que li o primeiro livro dela, sempre quero mais, mas depois que li Amigas para sempre eu não tive mais coragem de enfrentar outr. A Carga dramática desse livro me pegou desprevenida, mas a verdade que o que me afastou da autora foi a personagem Tilly, meu deus como essa mulher me pareceu egoísta, contudo entendi suas atitudes, mas ainda não me sinto pronta para por Toda eternidade, quem sabe mais para frente :

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©