30 de novembro de 2013

Análise de Série: Fronteiras do Universo

Títulos: A Bússola de Ouro
              A Faca Sutil 
              A Luneta Âmbar
Autor: Philip Pullman
Páginas: Total de 1412 páginas
Tradutoras: Eliana Sabino e Ana Deiró
Editora: Objetiva

Um mundo paralelo ao nosso e totalmente incrível foi o que me atraiu nessa trilogia. Ursos de armaduras, bruxas e daemons são criaturas que fazem parte da história e estão ao lado de Lyra e Will. Tudo começa com a garota, órfã, que possui duas habilidades e vai usá-las durante a série com o objetivo de salvar seu melhor amigo. Will aparece somente no segundo livro e assim como Lyra ele também tem alguns dons que vão ajuda-lo no decorrer da série. 

Philip Pullman foi bastante corajoso ao criar essa história, uma vez que aborda temas muito fortes do campo religioso e físico. Em certos períodos dos livros a leitura é rápida e fácil de desenrolar, enquanto em outros é possível ficar dias em uma mesma parte por ser incrivelmente monótona, mas apesar disso o autor soube desenvolver muito bem.

O mundo

Ou devemos dizer os mundos? 

Em A Bússola de Ouro a história se passa no mundo de Lyra que é fisicamente igual ao nosso, mas se diferencia em alguns aspectos. Esse é o meu mundo favorito, principalmente pelo fato de cada pessoa ter um daemon, que é a alma. Os daemons podem alterar sua forma animal livremente enquanto o seu “dono” ainda é uma criança, porém estes assumem uma forma estável no futuro, indicando o amadurecimento.

Nesse mundo também temos os Gípcios que seriam uma mistura de ciganos e piratas, as bruxas que se dividem em clãs, mas no fim são todas iguais e os ursos de armadura, que são exatamente o que o nome diz acrescentado com a habilidade de falar.

Outro mundo que aparece é o nosso, exatamente da maneira que conhecemos com somente alguns anos de atraso, já que o primeiro livro foi lançado em 1995 e o último em 2000. É também o mundo de Will e Mary (Uma personagem que vou comentar mais adiante) e o vemos bastante em A Faca Sutil.

Enredo

A narração varia ao longo da trilogia, nos mostrando o ponto de vista de vários personagens, mas no fim os que realmente importam são Will, Lyra e Mary. Tudo se inicia com Lyra se esgueirando pela Universidade Jordan e descobrindo sobre o pó, um tipo de substância encontrada e que foi considerado pela igreja o pecado original.

Comerás o pão com o suor do teu rosto até que voltes à terra, de que foste tomado: porque tu és pó, e em pó te hás de tornar...

Crianças começam a desaparecer e quando o melhor amigo de Lyra some, ela não aceita ficar parada diante da situação e viaja para o norte na tentativa de salvar o amigo. No fim, acontece certa reviravolta e Lyra acaba indo parar em uma fronteira para outro universo.

Nesse outro universo Lyra encontra Will que a leva para seu mundo e juntos conhecem Mary. Aos poucos vamos percebendo que todos os mundos têm uma estranha ligação com o pó e como ele é importante para a formação dos universos e também que existe um elo entre os nossos três personagens.

Personagens

Além do nosso trio protagonista temos personagens que eu considero melhores e que, apesar de terem importância na história, não tem tanto enfoque, dentre eles: Serafina Pekkala, Iorek Byrnison, Marisa Coulter e Lorde Asriel. Como fiz antes e farei em todas as análises falarei somente dos principais. 

Se você não souber observar Lyra por um ponto muito específico vai começar a vê-la como uma personagem chata e não muito especial. Para começar ela pode ser muito irritante quando começa a falar como uma criança, porque na verdade ela é uma criança e também porque ela consegue facilmente conquistar as pessoas. O que me chama atenção em Lyra é que ela considera os amigos importantes e sempre procura ajuda-los, sendo movida por isso a história inteira. Ela percorre grande parte do caminho sem entender sua verdadeira importância. E outra característica dela que gosto muito é a habilidade para contar mentiras, porque é disso que ela sempre viveu, fantasias e mentiras.

E parecia que sua voz estava vindo de todos os lados, e que a palavra ecoava batendo no paredão e voltando, em meio à neblina, abafada e modificada, de modo que ela parecia estar gritando o nome de Lyra, de tal maneira que Lyra e Mentira eram a mesma coisa.

Will é um dos personagens que mais gosto pelo simples motivo dele já começar a sua história (Não a sua, a dele) matando uma pessoa. Quando a história vai se desenvolvendo ao redor dele eu o considero ainda mais interessante. O garoto cresceu com um pai desaparecido e uma mãe doente, tendo sempre que se virar para cuidar dela e de si mesmo. De tanto fugir da assistência social Will acabou aprendendo a enganar as pessoas.

Bem, ele teria que lhe dar o troco e enganá-la: teria que fazê-la acreditar que era inofensivo. Mas havia enganado muito bem todos os professores e policiais, todas as assistentes sociais e vizinhos que algum dia tinham demonstrado algum interesse por ele e por sua casa, vinha se preparando para isso durante sua vida inteira.

Mary Malone era uma cientista do nosso mundo, do mundo de Will que também sabia sobre o pó, mas o chamava de Sombra e foi isso que atraiu a atenção sobre ela. Porém eu achei a história dela muito monótona e sinceramente esperava muito mais. Mary se arriscou muito em seu mundo e em mundos diferentes sem nem saber o que estava acontecendo, tudo o que sabia era que devia encontrar Lyra e tenta-la, nada mais. Se não fossem certas criaturas que apareceram nos capítulos de Mary no último livro e o grande número de informações que eles continham eu os pularia.

Por fim essa série tem pontos altos e baixos como qualquer outra, mas as divergências são grandes. Em minha opinião o segundo livro é o melhor, temos a entrada de Will e da faca que abre passagem entre os mundos e a capa também é a mais bonita. Eu aconselharia a ler a saga pelo simples motivo de entender a maneira que o autor enxergou a maneira que os mundos funcionavam nela.

2 comentários:

  1. Oi Ícaro, eu não consegui ler o primeiro livro e abandonei.. Não sei se pegaria o livro para ler novamente.. Gostei da sua resenha!!

    beijos Mila
    http://www.dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você recomeçasse e chegasse no terceiro livro provavelmente iria abandona-lo também e acabar desistindo da série porque eu mesmo demorei muito tempo para tomar coragem e ainda por cima me decepcionei com o final. Como eu disse, eu indicaria os livros somente pela visão do Pullman em relação ao universo. E fico feliz que gostou da resenha!

      Excluir

 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©