5 de agosto de 2014

Resenha: De Volta Para Casa

Título Original: Falling Home
Autora: Karen White
Páginas: 448
Tradutora: Fernanda Castro Bulle
Editora: Novo Conceito

Cassie Madison fugiu de Walton, Geórgia, para Nova York quando soube que sua irmã, Harriet, e seu amor, Joe, tinham-na traído e iam se casar. Ao chegar em Manhattan, sua ideia era se reinventar, mergulhar de cabeça na carreira e até mesmo perder o sotaque provinciano. Tudo para apagar seu passado marcado pela traição e por uma família que não lhe tratara com o devido cuidado. Mas, numa noite, um único telefonema de sua irmã trouxe de volta tudo que ela pretendia esquecer. Com o pai muito doente, ela foi obrigada a fazer a viagem de volta e, enquanto arrumava as malas, seus maiores medos eram que o pai morresse sem que ela pudesse estar com ele e... encontrar a família feliz que Harriet e Joe tinham construído. Já em Walton, Cassie percebe que enfrentará uma imensa batalha particular, porque, afinal, ela não consegue deixar de amar seus sobrinhos — e nem deixar de se sentir em casa, naquela cidadezinha de sua infância. Enquanto se divide entre o rancor e a esperança, velhas e queridas lembranças e uma mágoa insustentável, o destino arrumaria uma forma de aproximá-la do que realmente importa: o verdadeiro amor.

Não me lembro exatamente o mês que li esse livro, mas me lembro que estava procurando um bom drama, daqueles que me fizessem chorar horrores durante a leitura. O bacana é que, além me levar aos prantos enquanto lia, "De Volta Para Casa" me fez chorar umas boas horas após a leitura ser finalizada. 

Cassandra Madison, ou simplesmente Cassie, nasceu em Walton, na Geórgia. Foi criada nessa pequena cidade do interior, junto com sua irmã mais nova, Harriet. Aos 20 anos, viu seu mundo cair quando descobre que o amor da sua vida, Joe, havia fugido com sua irmã para se casar com ela. Diante dessa traição, Cassie resolve se mudar para Nova York para começar uma nova vida. 

Cassie agora é uma pessoa totalmente diferente: se tornou uma mulher de negócios e, além disso, está noiva de Andrew, seu chefe. Apesar da longa distância, ela ainda mantém contato com o pai. Uma vez ao ano eles viajam para se encontrar. Porém, ela recebe uma ligação inesperada da irmã, que lhe conta que o pai está muito doente e quer vê-la o mais rápido possível. 

Eis que acontece o que Cassie mais teme: sem ver uma saída, ela terá que lutar com os fantasmas do seu passado para conseguir voltar à sua cidade natal. Apos tanto tempo, ela se vê obrigada a conhecer a família que tentou evitar, e o pior, terá que lidar com a felicidade do casal. 

Entretanto, o que era para ser apenas uma visita de despedida, acaba se tornando seu pior pesadelo. Cassie descobre que, propositalmente, seu pai lhe deixou de herança a sua antiga casa. Além de outros problemas, ela terá que cuidar da venda da casa e ao mesmo tempo lidar com essa situação que, aparentemente, não pode ficar pior. 

Algumas vezes precisamos tocar fundo no coração e decidir que caminho queremos seguir. E todas as escolhas envolvem alguns sacrifícios.

Como já dá para perceber, o enredo gira em torno da relação de Cassie e Harriet. Apesar de todas as desavenças, a autora soube dosar muito bem a estória nesse aspecto, não vemos só brigas e discussões o tempo inteiro, e sim conversas maduras entre as irmãs. O mais lindo de tudo é que, por mais que Cassie se sinta traída, ela tenta não passar esse sentimento para os sobrinhos, os quais passa a adorar incondicionalmente. 

Por se tratar de traição e perdão, é um livro bastante carregado, ao menos para mim. Eu não sei se sou  um ser humano evoluído o bastante para conseguir relevar tanta coisa assim, como a Cassie faz. É bem provável que seja esse o fato que me fez ficar tão ligada à personagem principal. Durante vários momentos na leitura eu tive a certeza que se Harriet tivesse sido honesta com a irmã, ela teria abdicado de seus sentimentos por Joe. 

Como o livro é narrado por diversos pontos de vista, me senti muito próxima de todos os personagens, que são muito bem desenvolvidos durante a trama. Apesar de ser carregado de drama, "De Volta Para Casa" tem seus momentos de arrancar sorrisos, como por exemplo as cenas que envolvem as crianças e as situações cômicas entre Cassie e Sam - um amigo de infância que não é bem só um amigo. 

Confesso que achei algumas partes totalmente irrelevantes, como se estivessem ali apenas por estar. Mesmo assim me apaixonei pela estória de superação das irmãs. Com um final digno de uma obra prima, "De Volta Para Casa" me arrancou lágrimas, sorrisos, suspiros e, é claro, o meu coração. 

Classificação final: 

8 comentários:

  1. Oi Ana que resenha perfeita, já tinha lido outras, mas tive uma percepção sobre ele agora, dei meu voto e coloquei na listinha de desejados!
    Bjkas
    Dani Casquet- Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dani!

      Nossa, fico super feliz por você ter ficado interessada de verdade no livro após ler minha resenha. Espero que você goste!

      Beijos!

      Excluir
  2. que bom que você gostou da obra tenho um pé atras quando se fala desse livro beijos
    Blog: livro-azul.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lucas!

      É bem bom. Talvez você deva dar uma chance.

      Beijos!

      Excluir
  3. Oi Ana tudo bom?? :)
    Entããão acho que historia entre irmãs não me atraem muito, por eu só ter um irmão e a relação é muuuito diferente. Porque convenhamos mulheres normalmente são competitivas... e irmãs muitas vezes acabam competindo entre si, tendo atritos por roupas, namorados ou alguma coisa assim... que os filmes sempre mostram. E sempre tem a irmã que sempre se dá mal e é a que acaba perdoando - é o que me pareceu que Cassie faz - e eu DEFINITIVAMENTE não seria um ser humano tão evoluido! hahaha
    As vezes acho que os autores colocam tanta coisa extra no livro que é desnecessária... não entendo!
    que bom que o saldo da leitura foi positivo... mas não é uma leitura que me empolgou não haha!

    Um beeijo Lara.
    Blog Meus Mundos no Mundo | | Página Coração Furta-Cor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lara!

      Tô boa, e você? hauehauhae
      Ah, nisso eu concordo... Eu tenho um irmão que é um ano mais novo, e nossa relação é muito boa. Mulher é sempre mais difícil de lidar.
      Que pena, Lara. O livro é realmente bem bom.

      Beijos!

      Excluir
  4. Oi Ana!

    Bela resenha! Confesso que não esperava tanto desse livro, tenho ele na minha estante mas fiquei deixando outras leituras passarem na frente e ele ficou para trás, mas sua resenha me despertou a vontade de lê-lo, acho que esta história é linda e de grande reflexão também.

    Beijos.

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sammy!

      Que bom que despertei seu interesse. Espero que goste tanto quanto eu.

      Beijo!

      Excluir

 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©