28 de junho de 2015

Resenha: O Diamante

Título Original: The Engagements
Autora: J. Courtney Sullivan
Páginas: 480
Tradução: Ivar Panazzolo Junior e Robson Paulin
Editora: Novo Conceito

Cinco personagens, separados pelo tempo e aparentemente sem conexão entre si, contam a história da paixão das mulheres pelo diamante aliás, não só das mulheres! Revezando-se em uma ciranda de acontecimentos divertidos, infelizes, revoltantes ou surpreendentes, a extraordinária Frances Gerety que existiu de verdade e outros indivíduos muito especiais mostram que a história de uma sociedade é construída por meio das relações humanas, na intimidade dos lares. As transformações do mundo moderno nem sempre conseguem abalar aquilo em que se acredita com todo o coração mas as decepções com aqueles que amamos... essas podem mudar as nossas opiniões. Um livro diferente, que fala das muitas formas de viver o amor e que deixa no ar uma pergunta: os casamentos são mesmo feitos para durar?

Existem livros que, só pela capa e a promessa que trazem consigo, conseguem me deixar extremamente curiosa pela leitura. Outros simplesmente estão lá, na estante, e por um motivo qualquer, sem razão algum, decido tirá-los de lá e ler. Na grande maioria das vezes, essas escolhas de supetão me surpreendem. Em algumas outras mais raras, os livros dão tantas voltas que fico me perguntando qual, afinal, é o sentido deles. Na primeira metade do livro, achei que O Diamante, de J. Courtney Sullivan, se encaixaria na segunda classe; no entanto, depois que o enredo se desenvolveu, alguns elementos conseguiram me conquistar, ainda que não se possa dizer ser um livro incrível.

A trama se desenvolve com uma estruturação bastante notável: são cinco capítulos centrais que sempre se alternam para contar, cada um, uma história diferente, todas elas interligadas por um único elemento: o diamante. De uma forma que inicialmente parece não fazer qualquer sentido, a única coisa em comum naquelas vidas todas era a importância daquela pedrinha, o símbolo de um relacionamento criado por jogadas de marketing cheias de criatividade.

Em 1947, Frances trabalhava em uma empresa de publicidade responsável por inserir a ideia do diamante no inconsciente da sociedade; em 1972, Evelyn e o marido Gerald sofriam com a decisão do filho do casal de se separar da esposa, o que manteria as netas longe; em 1987, James tentava fazer o melhor que podia para dar tudo a sua esposa Sheila e aos seus filhos, apesar das dificuldades financeiras; em 2001, Delphine se mudou para Nova York com PJ, depois de abandonar seu marido e seu país, a França; em 2012, Kate não se encaixava nos padrões da sociedade e não desejava se casar, mas tinha a missão de ajudar seu primo Jeff a organizar o casamento com Toby.

Aparentemente, a quantidade de tramas contadas no livro impediria o aprofundamento da história de cada personagem e um envolvimento com todos eles. De alguma forma, no entanto, a autora conseguiu desenvolver, nas poucas páginas de cada capítulo, complexidades psicológicas de todos os envolvidos, e impediu que o livro se tornasse superficial.

Tanta diferença de épocas e de enredos, no entanto, parecia tornar o livro uma colcha de retalhos sem qualquer lógica, causando certa frustração quando os capítulos mudavam. Isso porque, quando aquele enredo finalmente fisgava e se queria saber o que aconteceria em seguida, a trama passava a ser outra. E isso seguiu até o final do livro, sem escape.

O final, porém, surpreendeu. Não fosse por ele, talvez O Diamante se tornasse uma leitura sem qualquer grande atrativo; mas o último elemento a ser revelado demonstrou as grandes coincidências as quais a vida pode levar, e vinculou todas as histórias de uma forma inesperada - e fantástica.

O Diamante é, na verdade, um quebra-cabeças gostoso de acompanhar, que, em alguns momentos, frustra e cansa porque as peças parecem não se encaixar, mas que, ao final, vê-lo completo recompensa.

Classificação final: 

0 comentários:

Postar um comentário

 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©