18 de novembro de 2016

Resenha: A Maldição da Pedra

John Reckless, pai de Jacob e Will, sumiu sem deixar vestígios. Inconformado, Jacob gasta o dia procurando pistas que lhe deem alguma ideia do seu paradeiro. O garoto vasculha cada cantos do escritório do pai, até que um dia descobre um espelho que servia como um portal para um mundo mágico - um mundo que lhe oferece a perspectiva de liberdade e aventura. Mantendo segredo do seu achado, Jacob passa cada vez mais tempo do outro lado do espelho. Após doze anos, o mundo sombrio se torna seu verdadeiro lar, onde tem amigos e inimigos e é reconhecido como um dos melhores caçadores de tesouros que já existiram por ali. Will, o caçula, sente falta do irmão e estranha aqueles sumiços prolongados. Um dia, consegue burlar sua constante vigilância e o segue através do espelho, ato que tem uma consequência terrível. Ferido pelos goyls - homens frios e violentos, que têm pele de pedra e olhos de ouro -, ele acaba vítima de uma maldição: vai se transformando lenta e dolorosamente em uma dessas sinistras criaturas. Numa corrida contra o tempo, Jacob precisa encontrar o antídoto para o feitiço. Para empreender essa jornada, ele conta com a ajuda da raposa Fox, sua companheira de muito tempo, e Clara, a namorada de Will, que atravessa o espelho para encontrá-lo. Juntos, eles vão enfrentar os perigos e as armadilhas do Mundo do Espelho - antes que seja tarde demais e Jacob perca o irmão para sempre. Povoado por fadas, bruxas, unicórnios e tritões, e tendo cenários como o castelo da Bela Adormecida e a casa de doces da bruxa de “João e Maria”, o mundo criado por Cornelia Funke remete o leitor aos mais conhecidos contos de fadas de todos os tempos. Na narrativa, contudo, a ênfase da autora recai nos aspectos mais sombrios e brutais das histórias, criando-se uma atmosfera ao mesmo tempo familiar e soturna. É nesse mundo que se desenrolam as aventuras dos irmãos Reckless, uma história de maldição, traições e vingança, mas também de coragem, lealdade e amor.

Título Original: Reckless – Steinernes Fleisch
Autora: Cornelia Funke
Páginas: 248
Tradução: Sonali Bertuol
Editora: Seguinte
Livro recebido em parceria com a editora

Há bastante tempo ouço falar sobre Cornelia Funke, e sempre tive curiosidade de ler algo dela. A Maldição da Pedra surgiu como uma boa oportunidade de conhecer uma obra da autora e, mesmo que eu não soubesse exatamente o que esperar dessa história, fui facilmente fisgada para o mundo novo que existia atrás do espelho.

O livro tem um quê de juvenil, mas pode ser lido sem problemas por leitores de todas as idades, já que uma característica que ninguém pode negar em Funke é a criatividade. Magia, seres diferentes, objetos com funções específicas, entre outras coisas novas e surpreendentes são coisas que não faltam na obra da autora. Fadas, bruxas, anões e outros seres mágicos também estão por toda a parte. O mundo do espelho para o qual Jacob e Will foram levados muito me lembrou o País das Maravilhas, com todas as maluquices e encantamentos que por lá existem.

O grande mote do livro, aliás, são os goyls, homens como pele de pedra que podem transformar humanos em seus semelhantes. Will está passando pela transformação; Jacob, seu irmão, precisa fazer de tudo para evitar que isso aconteça e juntos eles atravessam o mundo do espelho em busca de uma cura, antes que seja tarde.

Meu grande problema com a leitura foi Jacob. O personagem tinha diversas características que me agradaram, como coragem e determinação, mas o fato de ser tão individualista me irritava, pois era isso que causava grande parte dos problemas pelos quais eles passaram. Mesmo quando ele estava fazendo algo pelos outros, queria fazer sozinho, e seu silêncio, que tinha a intenção de proteger a todos, em geral atrapalhava.

Ainda assim, a grande dose de aventura da trama compensou minha antipatia com o protagonista. Os capítulos curtinhos do livro, com não mais de quatro ou cinco páginas, e os elementos surpresa criados pela autora, deram velocidade à leitura e a tornaram intensa. Era difícil largar o livro por saber que cada capítulo traria novos obstáculos, e o fato de a leitura ser tão rápida levava a mais um capítulo, e mais um, e mais um...

Cornelia Funke também não entrega tudo sobre os personagens de cara. O enredo inicia depois que Will já começou a se transformar, e há anos de histórias antes disso. Somente depois, intercalados aos pensamentos dos personagens, é que as lembranças retornam como flashbacks. Isso pode ser um pouco frustrante no início, especialmente para os mais curiosos, mas tudo é respondido com o passar das páginas.

O livro é todo uma obra de arte. A capa conta muito mais da história do que o que se imagina inicialmente, com o desenho do espelho, do castelo e da pedra jade. Além disso, cada capítulo inicia com uma ilustração relacionada à história, ricamente detalhada. Depois de encerrado o capítulo, eu gostava de voltar a cada imagem para ver, com outros olhos, os detalhes que deixei passar.

Foto: House of Chick

A Maldição da Pedra nos mostra um mundo todo próprio, com regras que só pertencem a ele. Adorei a dinâmica criada pelos capítulos curtos e a mistura entre aventura e fantasia. Para quem gosta desses elementos e não se importa em ler uma obra com personagens mais jovens, o livro está mais do que indicado.

Classificação final: 

4 comentários:

  1. Já estava bastante interessada em ler esse livro só pela sinopse, e agora depois de ver essa resenha fiquei ainda mais curiosa em conferi essa história, curto muito essa mistura entre aventura e fantasia, não me importa ler um livro com personagens mais jovens.

    ResponderExcluir
  2. Oi Ju,

    Dessa autora eu li aquela série infantil Mundo de Tinta, que eu acho os livros bem grossinhos para serem lidos por crianças, hauiejwehqwuehasdasgdbhsf. Mas enfim, realmente, a Cornelia é muito criativa, não tem como negar isso não. É uma pena que o personagem principal tenha te dado tanta antipatia.

    Beijão, Bárbara.

    ResponderExcluir
  3. Oi Ju!

    Ai, eu li Coração de Tinta e me apaixonei pela escrita da Cornelia Funke. Não dá para negar que ela é criativa demais, ela consegue criar seres incríveis. Gostei do enredo do livro, é diferente de qualquer outro de fantasia que a gente vê por aí. Já até vi personagens parecidos com os goyls, mas nada que envolvesse humanos se transformando nas criaturas. Pelo menos o seu problema com o Jacob não chegou a estragar a história, né?

    Beijo. <3

    ResponderExcluir
  4. Oi Ju! Nunca li nada da Cornelia Funke, mas sempre ouço falar coisas boas. Fico triste quando acabo não criando muito simpatia com protagonistas, porque isso influencia muito em não gostar do livro, mas gostei de saber que narrativa da Cornelia Funke compensa. Achei essa edição lindíssima. :*

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©