10 de novembro de 2016

Resenha: Nós

Certa noite, Douglas Petersen, um bioquímico de 54 anos apaixonado pela profissão, por organização e limpeza, é acordado por Connie, sua esposa há 25 anos, e ela lhe diz que quer o divórcio. O momento não poderia ser pior. Com o objetivo de estimular os talentos artísticos do filho, Albie, que acabou de entrar para a faculdade de fotografia, Connie planejou uma viagem de um mês pela Europa, uma chance de conhecerem em família as grandes obras de arte do continente. Ela imagina se não seria o caso de desistirem da viagem. Douglas, porém, está secretamente convencido de que as férias vão reacender o romance no casamento e, quem sabe, também fortalecer os laços entre ele e o filho. Com uma narrativa que intercala a odisseia da família pela Europa — das ruas de Amsterdã aos famosos museus de Paris, dos cafés de Veneza às praias da Barcelona — com flashbacks que revelam como Douglas e Connie se conheceram, se apaixonaram, superaram as dificuldades e, enfim, iniciaram a queda rumo ao fim do casamento, Nós é, acima de tudo, uma irresistível reflexão sobre a meia-idade, a criação dos filhos e sobre como sanar os danos que o tempo provoca nos relacionamentos. Sensível e divertido, com a sagacidade e a inteligência dos outros livros do autor, o romance analisa a intrincada relação entre razão e emoção.

 Título Original: Us
Autor: David Nicholls
Páginas: 384
Tradução: Alexandre Raposo
Editora: Intrínseca 

Obviamente só quis ler esse livro por um motivo: eu adorei a experiência de ter lido Um Dia, apesar da vontade de esfregar a cara do autor no asfalto por causa do final trágico que todos nós conhecemos. Muito provavelmente, o fato de eu gostar tanto do David Nicholls se dá às histórias reais que ele cria, e com Nós não foi diferente. 

Douglas é um bioquímico de 54 anos que leva uma vida calma e metódica, junto com sua esposa Connie e seu filho ligeiramente problemático — ao menos para ele — Albie, chamado carinhosamente de Ovo. Douglas esperava ter essa vida monótona até o dia da sua morte, mas eis que em um dia super aleatório, sua esposa o acorda no meio da noite para dar uma notícia que claramente mudará a sua vida: ela quer se divorciar. 

O problema maior é que os três têm uma viagem marcada de um mês pela Europa. Como tudo já estava planejado e pago, Connie acha absurdo desperdiçar essa chance e resolve acertar a separação na volta. É claro que Douglas vê nessa viagem uma oportunidade de reatar o seu casamento e, de quebra, se aproximar do filho, que lhe parece um perfeito estranho. Mas é aquele ditado né, nem tudo são flores...

A narrativa de Nós é aquela nossa velha conhecida e que o sr. Nicholls adora: ela mescla passado e presente, então além de praticamente viajarmos para a Europa com a família, sabemos os detalhes de como Connie e Douglas se conheceram e de como o relacionamento deles começou. Ah, vale lembrar que se você espera uma história de ação, pode passar longe desse livro. Sim, o que temos aqui é exatamente a narração de uma vida, que, como a nossa, é monótona — só para constar nos registros por aí que não é ruim, muito pelo contrário — a maior parte do tempo. 

Vou dizer uma coisa: desde o começo do livro eu detestei a Connie, porém não a culpo por sua decisão. Infelizmente a maioria dos casamentos acaba caindo na monotonia, e digamos que Douglas não é um cara fácil de se lidar, justamente pelo fato de ser extremamente metódico e racional. Mas sério, principalmente quando o Ovo entra em questão, Connie se torna insuportável de uma forma que eu não consigo explicar. Sim, eu sou super a favor da gente correr atrás dos nossos sonhos, mas às vezes precisamos de um choque de realidade, justamente o que Douglas insistia em mostrar para o filho. 

Eu fico impressionada com a forma que David Nicholls consegue criar personagens tão reais, gente como a gente, e inseri-los em uma história que pode muito bem acontecer com qualquer um que esteja lendo. Acompanhar a vida desses três foi super interessante e, não posso negar, até mesmo divertido. Eu acabei me decepcionando um pouquinho com o final, mas ele foi escrito de uma forma tão madura que por Deus, é impossível não gostar dele. 

Classificação final: 

6 comentários:

  1. Oi Aninha

    Ai, eu tenho um sério problema com esse autor, nunca consegui terminar nenhum livro dele. Acho que ele enrola demais e várias partes dos livros podem ser tiradas que não ia fazer diferença nenhuma. Até tentei ler Nós, mas não consegui. Odiei o Douglas, ô homem insuportável.

    Bjs, Bárbara

    ResponderExcluir
  2. Oii!
    Gente este livro parece ser muito bom!
    Nunca li nada desse autor e queria ter a experiência!
    Gostei da resenha e acho que lerei1
    Parece ser o tipo de livro que leio!
    Bjosss

    ResponderExcluir
  3. Oi Ninha

    Bacana, já ouvi falar do filme Um Dia, mas não cheguei a ver. Nós parece ser uma história maos adulta também, né? Fiquei curioso.

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana! Eu amo Um dia, mas foi o único livro que li do David Nicholls até agora. Vi esses livros esses dias numa promo da Amazon por 3.90 e quase comprei! Agora vou adicionar à minha lista e tentar encaixar nas próximas leituras porque parece ser bem legal. :*

    ResponderExcluir
  5. O Douglas parece ser um cara tranquilo!! Pelo jeito ele tem muito medo de perdas e quer tentar salvar a família, uma vez que a mulher pediu a separação!! Fiquei muito curiosa para ler esta história!!

    ResponderExcluir
  6. OOi! Nunca li nenhum livro de David Nicholls,e esse parece ser um bom livro pra quem gosta de livros com histórias tranquilas, dramas familiares pelo qual se identifica, porém não curti muito a história ,obg!

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©