13 de janeiro de 2017

Resenha: Princesa das Águas

Arielle Botrel é uma nadadora famosa, prestes a viver o maior desafio de sua existência: participar das Olimpíadas pela primeira vez. Porém, ao contrário do que todos pensam, ela não possui tudo que deseja. Por ser a filha caçula de uma grande família, a garota é muito protegida e, apesar das medalhas e dos troféus, sonha com um cotidiano diferente, onde possa ser livre. Até que um dia um acidente faz tudo mudar. Arielle é apresentada a um mundo novo... E nele existe alguém que vira sua vida de cabeça para baixo. Porém, para conquistá-lo, ela terá que abrir mão de sua voz. Será que Arielle - sem uma única palavra - vai conseguir conquistar esse príncipe? E se no coração dele já existir outra princesa?

Título Original: Princesa das Águas
Autora: Paula Pimenta
Páginas: 368
Editora: Galera Record
Livro recebido em parceria com a editora 

Paula Pimenta é, provavelmente, uma das maiores escritoras de livros infanto-juvenis da atualidade. Apesar de já ter escrito outras obras, é mais conhecida pelas séries Fazendo o Meu Filme e Minha Vida Fora de Série. Recentemente lançou essas releituras das histórias de três princesas que  já conhecemos bastante, Bela Adormecida, Cinderela e Ariel, tornando-as mais antenadas e modernas. Não li os outros volumes, mas o texto de hoje é sobre Princesa das Águas — acho que nem preciso falar a história de quem nós conhecemos aqui, não é?

Arielle Botrel seria uma adolescente extremamente normal se não fosse uma nadadora famosa. Aos 16 anos está prestes a competir sua primeira Olimpíada e, como todo atleta, tem uma agenda bem cheia. Apesar de gostar de nadar, tudo o que Arielle queria de verdade era algo além do eterno treino-colégio-casa, só queria curtir um pouco sua adolescência. Além do mais, a menina tem uma linda voz e ama cantar, mas por causa de alguns acontecimentos tristes do passado acabou optando por esconder esse dom em troca da felicidade do pai, que, aliás, é um ex nadador.

Como não tem autorização do pai para sair — por causa de todo aquele blá-blá-blá de "manter a imagem, dormir pelo menos oito horas por dia, ser saudável, ser uma prisioneira, etc etc" —, Arielle acaba dando seus pulinhos. É em uma dessas escapadas que conhece Erico, um excelente jogador de tênis que também competirá nas Olimpíadas, de uma forma um pouco desastrosa: o garoto sofre um acidente e Arielle se vê obrigada a salvá-lo. A partir daí, sente sua vida virar de pernas para o ar.

Não nego que a escrita da Paula é um espetáculo à parte, porém isso foi uma das únicas coisas que me surpreendeu durante a leitura. A história, para ser sincera, é bastante simples e também é conduzida de uma forma não muito excepcional, nada fora do comum. Para começar, Arielle apenas salva o garoto de se afogar na piscina, coisa que provavelmente ela teria feito por qualquer pessoa — porque né, é o instinto do ser humano — e já se vê apaixonada por ele. Não sei se já disse isso aqui antes, mas eu não acredito muito bem nessas paixões instantâneas. Sempre que eu ler alguma história em que isso acontece, irei criticar, pois é um gosto pessoal.

Depois, a própria personagem me irritou um bocado. Gente, como é ingênua! Tudo bem, a gente não conhece muito da vida quando tem 16 anos, mas tinham umas coisas que Deus de misericórdia, eu só tinha vontade de sentar um tapa na cara dela e falar "acorda, minha filha"! Ela arranja uma amizade com uma nadadora, Sula, que qualquer pessoa conseguiria ver as segundas intenções: tentava deixar Arielle feia na frente da TV, vinha com umas ideias muito suspeitas e a Arielle aceitava, gente! Sem contar que ela acaba colocando uma amizade verdadeira em risco por causa de alguém que só estava tentando ferrar com ela. Além disso, eu tive um pouco de pena dessa coisa de ela se ver obrigada a seguir carreira de nadadora quando estava na cara que ela só queria cantar! Poxa vida, será que os filhos não enxergam que fazer uma coisa pra deixar os pais felizes não é nada saudável? Aliás, será que os pais não enxergam que os filhos não serão felizes sendo obrigados a fazer uma coisa que não querem?

Porém teve uma coisa que eu realmente gostei muito, que foi o fato da autora conseguir manter a essência de A Pequena Sereia em todo o livro. Tudo girava em torno da voz de Arielle e achei um charme a parte de a menina só poder se comunicar com o Erico através de sinais — não vou entrar em detalhes para não perder a graça para quem tem interesse no livro. Claro que o fato de Arielle ser uma nadadora profissional só caracterizou mais a personagem e eu achei isso bem legal. A maioria dos personagens secundários são muito bacanas e, ao que parece, as protagonistas de Cinderela Pop e Princesa Adormecida dão as caras aqui nesse volume, o que é uma ótima notícia para quem se apaixonou pelos primeiros livros da série. Outro ponto positivo é que dá pra ler em uma sentada mesmo, conclui a leitura em menos de três horas.

Princesa das Águas não é um livro ruim, Paula Pimenta não escreve histórias ruins, como já vi algumas pessoas dizendo por aí. A coisa toda é que ela tem um público alvo e sim, se já faz sucesso com ele, deve continuar escrevendo para ele. Porém, ao mesmo tempo, fico morrendo de vontade de ela amadurecer um pouco a escrita e investir em algo um pouco mais adulto. Com todo esse talento, tenho certeza que eu iria adorar, mas deixo as releituras das princesas para quem é fã do gênero e, é claro, da autora.

11 comentários:

  1. Adorei a resenha! Transmitiu muito bem suas impressões e sensações ao ler esse livro ;)
    Já li sobre esse livro e da autora, a maioria é positivo e espero conhecer as obras delas pois adoro gênero infanto-juvenil ♥ Gosto bastante de livros de princesas e releituras e essa com certeza quero ler =D

    ResponderExcluir
  2. A Ariel sempre foi minha princesa preferida! Nesse ponto eu acho que nunca cresci... Quanto ao fato de Arielle se apaixonar instantaneamente pelo menino, também acho que é impossível acontecer na vida real, mas no filme da Ariel é isso que acontece então não acho que seja algo tão ruim assim. Também não li os outros mas Princesa das águas com certeza vou ler! 😍😍

    ResponderExcluir
  3. Ana!
    Adoro releituras das princesas e ver Ariel retratada até de certa forma fiel ao original, é bom.
    Pena a protagonista ser ingênua e se apaixonar de primeira pelo garoto que salvou.
    Não li ainda nenhum livro da Paula ainda, acredita?
    “O saber se aprende com os mestres. A sabedoria, só com o corriqueiro da vida.” (Cora Coralina)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  4. Parece ótima essa releitura da Pequena Sereia! Mas, sinceramente não curto quando a protagonista é uma menina tolinha e nem quando se apaixona logo de cara. Eu adorei tudo que li da Paula Pimenta, mas também acredito que ela poderia escrever algo mais maduro de vez em quando, afinal o público que leu Fazendo o Meu Filme, cresceu e adoraria continuar acompanhando a autora, mas sem ser somente através de histórias infanto-juvenis! Bjo!

    ResponderExcluir
  5. Realmente a Paula Pimenta é um ótima escritora e tem o seu público já. Ao ler alguns de seus livros eu também fico com o desejo de histórias mas maduras mas a entendo perfeitamente.
    Fiquei encantada pela sinopse e resenha para conhecer uma história que tem por essência a Pequena Sereia, que eu adoro !

    ResponderExcluir
  6. Ainda não li nenhum livro da autora e tenho vontade de ler, adoro releituras de contos de fadas, pena que esse não surpreendeu, também não acredito em amor a primeira vista acho muito difícil isso acontecer. as vezes também tenho vontade de dar uns tapas na personagem e fico falando sozinha enquanto leio acorda pra vida minha filha ta pensando o que kkkkk. Acho errado os pais escolherem o que os filhos devem fazer, eles que deveriam escolher por conta própria afinal é a felicidade deles que esta em jogo.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Ana!!
    Nunca li nada dessa autora Paula Pimenta. Sei que ela escreve para o público infanto-juvenil. O que mais gostei na resenha é que você consegui nos transmitir o que se passa no livro. Seu que o livro tem suas falhas mais fiquei curiosa para saber como autora abordou essa releitura da Pequena sereia.
    Beijoss

    ResponderExcluir
  8. Não tenho nada a ver com a Ariel mas é minha princesa favorita!!! Já estou interessada a muito tempo pq sou fascinada por conto de fadas. A inocência da Arielle pode me irritar um pouquinho tbm, mas espero que a escrita da Paula compense. Gostei de saber que a essência da historia não é alterada

    ResponderExcluir
  9. Eu até agora não li nenhum livro da Paula Pimenta, mas morro de vontade de ler. Deu pra perceber que a história é bem simples e não muito aprofundada, mas parece daquelas histórias bem verdadeiras.
    Vai ser interessante conhecer a história da Arielle.

    ResponderExcluir
  10. Oi!
    Já li uns livro da Paula Pimenta que gostei muito, mas acho que esse não é um livro que irei gostar, principalmente por ser um livro mais para o publico infanto-juvenil as atitudes dos personagens acabaram me irritando muito, mas parece ser um ótimo livro, com uma historia previsível mas bem escrita !!

    ResponderExcluir
  11. Oi Ana, tudo bem?
    Háá que demais, releitura da Pequena Sereia, umas das minhas princesas favoritas.
    Gostei muito da resenha, mas confesso que também não gosto quando os personagens se apaixonam muito rápido, perde um pouco da essência da história na minha opinião.
    Nunca li nada da Paula, mas pretendo ler algo logo.
    Você me deixou muito curiosa para saber o que acontece e tals, e também adorei o fato dela gostar de cantar, é ruim demais quando os filhos seguem os planos dos pais e não seus próprios :/
    Beijos!
    Lost Words

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©