24 de abril de 2017

Resenha: Caraval

Scarlett nunca saiu da pequena ilha onde ela e sua irmã, Donatella, vivem com seu cruel e poderoso pai, o Governador Dragna. Desde criança, Scarlett sonha em conhecer o Mestre Lenda do Caraval, e por isso chegou a escrever cartas a ele, mas nunca obtivera resposta. Agora, já crescida e temerosa do pai, ela está de casamento marcado com um misterioso conde, e certamente não terá mais a chance de encontrar Lenda e sua trupe, mas isso não a impede de escrever uma carta de despedida a ele. Dessa vez o convite para participar do Caraval finalmente chega à Scarlett. No entanto, aceitá-los está fora de cogitação, Scarlett não pretende desobedecer ao pai. Sendo assim, Donattela, com a ajuda de um misterioso marinheiro, sequestra e leva Scarlett para o espetáculo. Mas, assim que chegam, Donattela desaparece, e Scarlett precisa encontrá-la o mais rápido possível. O Caraval é um jogo elaborado, que precisa de toda a astúcia dos participantes. Será que Scarlett saberá jogar? Ela tem apenas cinco dias para encontrar sua irmã e vencer esta jornada.

Título Original: Caraval
Autora: Stephanie Garber
Páginas: 400
Tradução: Camila Fernandes
Editora: Novo Conceito
Livro disponibilizado pela editora 

Caraval é o primeiro livro de uma possível duologia e é a nova aposta da Editora Novo Conceito. A história nos apresenta duas irmãs, Scarlett e Donatella Dragna, que vivem em uma pequena ilha sob a influência de um pai terrível que abusa física e psicologicamente das jovens. Desde muito novas Scar e Tella ouvem sobre o Caraval — uma espécie de jogo onde os participantes têm cinco dias para desvendar pistas e vencê-lo, ganhando, assim, um prêmio incrível — e todas as suas maravilhas e ambas sonham em conhecer o espetáculo. Para isso, Scarlett envia cartas para o Mestre Lenda, ano após ano, na esperança de que ele conceda o seu maior desejo. 

Depois de muito tempo, já bem crescida e noiva de um homem que sequer conhece, Scarlett resolve escrever uma última carta ao mestre do Caraval, apenas para informá-lo do seu casamento e que não espera mais que ele vá para ilha. Eis que o improvável acontece: Lenda envia três convites para que ela, a irmã e noivo possam comparecer ao Caraval. É claro que ela não espera que o pai autorize que elas saiam da ilha e não pensa em momento algum em desobedecê-lo, pois já sabe das consequências. Então, Donatella, com ajuda de Julian, um marinheiro misterioso que está passando por Trisda, sequestram Scarlett e a levam diretamente para o Caraval. 

Vocês podem imaginar que a viagem seria a realização de um sonho, mas além da preocupação de Scarlett de que seu pai as encontre e acabe com elas, Donatella simplesmente desaparece. É aí que Scar descobre que encontrar Donatella faz parte do jogo e, assim como para os outros participantes, sua tarefa é encontrá-la no tempo certo, rezar para que nada de ruim aconteça e, com sorte, voltar para casa a tempo do seu casamento. 

Caraval foi um livro que eu definitivamente simplesmente devorei, me divertiu e empolgou bastante, mas, infelizmente, possui alguns pontos negativos. Primeiramente, achei que algumas cenas foram jogadas na história, sem nenhuma explicação. Por exemplo, Scarlett enxerga sentimentos através de cores, mas em momento algum foi explicado como isso acontece e o porquê de ela ter esse "dom". Alguns personagens simplesmente surgem, como se tivessem sido colocados ali simplesmente porque não tinha outra alternativa para resolver o problema. Fala-se muito sobre magia, mas como ela acontece? Ela é real mesmo ou é só outra ilusão do Mestre Lenda? Ainda assim, estou relevando essas coisas justamente pelo fato de Caraval não ser um livro único, que tem muito potencial, então Stephanie Garber tem sim a chance de preencher todos os buracos deixados. 

Gostei muito do marketing que a Novo Conceito está fazendo, já que na gringa muitos leitores reclamaram que se sentiram enganados, porque achavam que o livro tinha uma temática circense. No primeiro capítulo do livro Garber dá a entender que o Caraval é um espetáculo itinerante onde os convidados porem interagir, mas acho que essa premissa foi deixada de lado na maior parte livro e focou-se muito no jogo em si. Não estou dizendo que não gostei da ideia do jogo, achei muito legal, principalmente essa coisa de não conseguirmos distinguir o que é ou não realidade, mas vi muita gente mesmo reclamando disso. Ainda acho que dá tempo de mostrar mais do espetáculo no próximo volume, falar um pouco mais sobre os atores, sobre o próprio Lenda... 

Por mais que eu tenha encontrado alguns furos na história — que, como disse anteriormente, ainda podem ser explicados no próximo volume, por isso não fiquei muito brava — eu me prendi tanto à ela que foi impossível não gostar. Cada capítulo me deixava mais e mais inquieta para saber o que ia acontecer, cada ação de Scarlett me deixava nervosa, tudo o que acontecia me deixava agoniada, mesmo com os constantes avisos de que tudo é um jogo. Sério, não tem como não se envolver. Estou bastante ansiosa, principalmente, para conhecer um pouco mais dos personagens que apareceram no livro com mais frequência e espero que isso aconteça.

Caraval foi uma leitura bastante satisfatória no geral, com um plot twist atrás do outro, deixando a leitura empolgante o tempo inteiro. Gostei bastante da protagonista, apesar da sua ingenuidade — que, convenhamos, é totalmente justificável. Devo dizer que, provavelmente, a Editora Novo Conceito fez uma aposta certeira na obra de estreia da Stephanie Garber: é uma história que tem de tudo para dar certo.

16 comentários:

  1. Achei muito interessante a proposta do livro; misturar magia com jogos. Apesar das pontas soltas e de algumas ações não fazerem sentido, acredito que o livro irá me surpreender. Quero fazer a leitura de Caraval e espero também que no próximo livro a autora possa decifrar todos esses momentos que ficaram a desejar.
    Bjos, Ana!

    ResponderExcluir
  2. Que foto linda Ana, quero um relógio desses! Estou lendo o livro ainda, mas estou gostando bastante - apesar dos pontos negativos que você já citou.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Acho que vou gosta a historia é diferente e ando procurando muito isso, não acho que a historia seja parada pois a protagonista deve correr contra o tempo, anciosa para conhecer a historia.

    ResponderExcluir
  4. No geral, é um livro que chama atenção não só por sua bela capa, mas também pela história. Foi uma jogada bem interessante da autora de mesclar magia com jogos. Fiquei curiosa com o desaparecimento de Donatella e como Scarlett irá desvendar esse mistério. Lerei em especial por saber que é uma duologia.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Ana!
    Acredito que até o prórpio nome transmite a ideia de ser algo mais relacionado a espetáculos circenses e não um jogo de interatividade da protagonista com os eventos.
    Bom ver que mesmo com suas ressalvas a leitura flui e é interessante por não conseguirmos distinguir o real do ilusório.
    “Preferi sempre a loucura das paixões à sabedoria da indiferença.” (Anatole France)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA ABRIL especial de aniversário, serão 6 ganhadores, não fique de fora!

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana, tudo bem?
    Adoro esses jogos, sempre deixam o leitor meio tenso, dependo da situação. Eu gostei da ideia e juro que não consigo ler o nome do livro sem pensar na palavra Carnaval kkkk (é só comigo isso?)
    Espero que essas pontas soltas da histórias sejam resolvidas no próximo volume.
    Beijokas
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  7. Em relação ao comentário acima também me vem a mente carnaval rs. Gostei parece ser um livro que deixa o leitor ávido para virar a página e angustiado com os acontecimentos, pena que teve alguns pontos negativos, mas como mencionado quem sabe no próximo volume eles virem positivos rs. Deve dar revolta e agonia desse pai que abusa das meninas.

    ResponderExcluir
  8. OI Ana.
    Esse é o tipo de livros que sei que vou gostar sem nem ter lido ainda, uma pena que ainda não foi lançado mas já estou encantada, essa capa é maravilhosa e a premissa me chamou bastante a atenção, uma pena que encontrou algumas falhas durante a litura, mas infelizmente acontece, e concordo com você isso pode ser remediado no próximo livro, eu não vejo a hora de ler.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Me parece mesmo ser uma leitura daqueles que te prendem do início ao fim.
    Com uma premissa super interessante e com um certo diferencial, acredito que vá envolver bastante os leitores.
    Estou bem animada pra conhecer a história e as aventuras dessas irmãs.
    Adorei a capa também, um capricho. NC arrasou nesse lançamento.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  10. Oi, Ana!
    Desde meses antes do livro sair por aqui, tenho visto resenhas diversas de canais gringos e brasileiros mesmo que o leram no original e a crítica ao menos não tem sido nada favorável. Sua resenha deve ser a primeira, ou no máximo a segunda, positiva que leio do livro, o que me deixa tanto surpresa, quanto receosa e visivelmente, diria até, curiosa ao mesmo tempo. A premissa é realmente instigante, e lembra muito mesmo o circo, o que deve render uma grande decepção mesmo por não ser esse o foco real, apesar de tudo, mas ainda que você tenha elogiado o livro, os pontos fracos citados me deixaram bem desinteressada agora. Essa questão do dom não explorado da protagonista e mesmo os personagens que aparecem do nada poderiam me irritar bastante na leitura, mas, não sei direito... Se tratando de uma duologia, então, talvez espere o segundo sair e ser comentado para, aí, decidir se vale a pena para mim ou não. De qualquer forma, ótima resenha, espero que goste bem mais do próximo volume!
    Beijos!

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ SammySacional.blogspot.com.br ♥
    ♥ DandoUmadeEscritora.blogspot.com.br ♥

    ResponderExcluir
  11. Olha, eu achei o livro um pouco confuso, preciso admitir, mas também parece um daqueles livros com uma boa menagem a passar.

    ResponderExcluir
  12. Olá! Não conhecia a obra, achei linda a capa, pelo enredo parece ser uma leitura boa, vou anotar!
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Oi, Ana!!
    Não tinha lido nenhuma resenha ainda falando sobre esse livro sei que a premissa é muito instigante e é bem interessante esse tema onde mistura elementos de fantasia, mistério e um jogo de esconde-esconde.
    Beijoss

    ResponderExcluir
  14. Eu estou super animada pra ler esse livro é já vi muitas resenhas animadas por parte das gringa. Espero que os buracos sejam solucionados no próximo livro e que com esse segundo livro venham um enredo tão bom o quanto o primeiro livro não é mesmo ? Eu confesso que esperava uma edição super trabalhada como os das gringa mas só pelo fato de já terem lançar foi ótimo.

    ResponderExcluir
  15. Oi Ana Clara,
    Caraval tem despertado o interesse de muitos leitores, inclusive o meu, mas confesso que achei a sinopse um pouco confusa e estava imaginando algo um pouco diferente. Não dá para negar que a autora trás uma proposta diferente, onde a partir de um desejo de infância acompanharemos duas irmãs em uma jornada cheia de mistérios e que pode ser a libertação dos abusos sofrido pelo pai. Algumas coisas são bem intrigantes, como esse marinheiro que aparece na ilha e acaba entrando nessa aventura com Scarlett e Donatella ou o porque de só agora elas conseguiram os ingressos depois de tantas tentativas. É um história com muito potencial e espero conhecer a escrita Stephanie Garber.

    ResponderExcluir
  16. A história me chamou muita atenção, fiquei com vontade de ler, a ideia do jogo me atrai bastante.

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©