16 de novembro de 2017

Resenha: Belinda & Em

Autora de “Amy & Matthew”, Cammie McGovern volta às livrarias contando a história de uma outra dupla desta vez. Emily sempre se orgulhou da sua capacidade de enxergar além das aparências. Copresidente da Coalizão para Ação Jovem da escola, é a primeira a defender os direitos das minorias. Mas, secretamente, Emily ainda é um pouquinho fascinada pelos populares da escola. E nutre um leve rancor quanto a sua inexistente vida amorosa. É justamente enquanto pensa nisso que a garota testemunha uma colega de classe com necessidades especiais, Belinda, ser atacada embaixo das arquibancadas da escola. E não faz nada. Emily e Lucas, outra testemunha passiva do ataque, são obrigados a prestar serviço comunitário em um centro de pessoas como Belinda. Logo os jovens começam a sentir que podem fazer uma diferença real.

Título Original: A Step Towards Falling
Autora: Cammie McGovern
Páginas: 400
Tradução: Alda Lima
Editora: Galera
Livro recebido em parceria com a editora

Não cheguei a ler Amy & Matthew, mas lembro muito bem que ele fez bastante sucesso na blogosfera na época em que foi lançado. O que me chamou atenção para Belinda & Em não foi o título, mas sim o que vinha embaixo: "a pior coisa que você pode fazer é não fazer nada". Assim, eu logo quis descobrir o que aconteceu entre essas duas protagonistas, e posso dizer que, apesar de algumas coisinhas que vou explanar um pouco mais, a história de McGovern me surpreendeu. 

Emily é uma adolescente de 17 anos que está no último ano do ensino médio, e se orgulha da vida que leva: é super inteligente e, além disso, é copresidente de um grupo de apoio às minorias. Belinda já tem 21 anos, mas também está no último ano do ensino médio, isso porque tem uma deficiência intelectual que não é muito bem especificada na história. O que conecta essas duas meninas, infelizmente, não é um acontecimento muito bom: Belinda sofre uma tentativa de estupro. Emily e um colega, Lucas, veem tudo e não fazem nada.

Apesar de a justificativa para Em não ter feito nada ser o medo, ela se sente extremamente culpada. Assim, quando oferecem para os dois serem voluntários em um grupo de apoio para pessoas com necessidades especiais, Emily enxerga uma oportunidade de se redimir. Todas as quartas-feiras Lucas e Em se reuniam para a aula de Limites e Relacionamentos, que tinha como foco principal trabalhar questões de convivência com essas pessoas. Porém, os dois percebem que se quiserem mudar as coisas, precisarão atuar muito mais.

Primeiramente, queria começar dizendo que o principal sentimento que tive em relação à Emily durante boa parte do livro foi meio que impasse. Quer dizer, eu me coloquei no lugar dela. Apesar de achar que teria agido diferente, também pensei que poderia sentir medo, que poderia ficar paralisada. Mas aí, chegou um ponto que eu fiquei bem indignada. Mesmo se sentindo culpada pelo acontecimento, Em insistia em manter aquela aparência de boa moça! Não sei exatamente se é um spoiler, se for me perdoem, mas a personagem teve até a coragem de jogar toda a culpa em Lucas e isso me deixou bolada demais.

Os capítulos são narrados pelas duas protagonistas, mas possui um formato diferente. É como se cada capítulo possuísse subcapítulos em que Belinda e Em narravam os acontecimentos. A escrita de Cammie McGovern é bastante fluida, mas às vezes eu sentia que muitos trechos da história poderiam ser simplesmente cortados e nada ali perderia o seu sentido. Por exemplo, muitos dramas adolescentes poderiam ser deixados de lado, assim como muitas partes em que Belinda narrava o seu dia-a-dia. 

Provavelmente o que mais achei interessante na história foi a atuação de Emily e Lucas nas aulas de Limites e Relacionamentos. Eles eram muito pacientes com os alunos e pareciam realmente gostar do que estavam fazendo. Além disso, uma coisa que reparei, foi que nenhuma doença foi realmente especificada, o que me faz pensar que a autora não queria que rotulássemos os personagens por causa desses transtornos ou deficiências. Como se ela quisesse que enxergássemos cada um com suas diferenças, assim como todo mundo que existe no mundo é diferente. 

Eu realmente gostei bastante de Belinda & Em e da mensagem que ele transmite. O tema escolhido por Cammie McGovern é de extrema importância e merece ser discutido na sociedade, por isso encaixo esse livro naquelas obras que todos as crianças e adolescentes deveriam ter acesso. Foi uma leitura bastante intensa, mas também muito especial.

17 comentários:

  1. Oi Ana.
    Eu ja tinha visto falar desse livro e confesso que estou muito ansiosa para ler, eu adorei essa premissa e o fato de que autora não da nome as deficiências realmente mostra que não devemos nos apegar a detalhes, parte meu coração o fato de que ambos não fizeram nada, eu não gostei em saber que ela coloca a culpa nele, afinal, estavam os dois ali, enfim, essa é uma leitura que eu estou muito ansiosa para fazer.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana!
    Acredita que tenho Amy e Matthew na prateleira e ainda não li?
    Eu provavelmente também ficaria com o pé atrás com a Emily, não sei se agiria diferente (acredito que sim), creio que só passando pela situação para saber, mas ela não parece ter encarado isso com maturidade e sim quis tirar a culpa que ela também tinha. A frase que contém na capa de fato combina com o livro, e o tema trabalhado pela autora é de extrema importância, mais um livro que todos deveriam ler!
    Beijos 😘

    ResponderExcluir
  3. Achei estranho os personagens nem terem ido pedir ajuda pelo menos, com a tentativa e estupro, vai saber cada um age do seu jeito. Também não tenho paciência quando é narrado o dia a dia de algum personagem fica desgastante a leitura, acho desnecessário isso. Mas é uma leitura que gostaria de fazer.

    ResponderExcluir
  4. Recentemente li algumas resenhas sobre este livro, e são todas positivas.
    Cheguei a ter um interesse em Amy e Matthew, mas acabei não lendo... Espero incluir ambos na lista.
    Achei interessante o tema abordado, o quanto um pequeno gesto pode fazer diferença. E que legal saber que não há uma doença específica para não rotular. Apesar de que sentiria falta desse detalhe.
    A capa é simples, mas bem bonita.
    Gostei da resenha.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. É, o acontecimento que une esses personagens já me deixa na defensiva porque não consigo imaginar que eu não daria um chilique no lugar dessa garota que viu tudo e não fez nada. Ahh não sou do tipo que fica calada quando vejo injustiça não. Mas a justificativa do medo deixa a gente meio que no impasse mesmo, pensando se no fim das contas não faria o mesmo. Não sei se iria gostar muito dessa Em pelas outras atitudes dela também. Mas aí só lendo pra entender. Os temas da história chamam atenção e gostei daquele Amy e Matthew, se lembrar um pouco o ritmo e coisa assim pode ser legal. Mas não sei se acabo lendo mesmo essa história. Fiquei meio pé atrás com ela...

    ResponderExcluir
  6. Ainda não li nada da autora, mas sei que seus livros fazem sucesso.
    Já fiquei doida mesmo pela sinopse, porém agora não sei se gostaria de ler.
    Me estresso com personagens sem atitude ksksks.

    ResponderExcluir
  7. Ana!
    Os livros com a temática LBGT sempre trazem uma perspectiva diferenciada da que estamos acostumadas em ver na vida real, e é sempre bom ver outros pontos de vista sobre um tema bem complicado e que ainda sofre muito preconceito.
    Gosto quando podemos ter mais de um ponto de vista durante o livro.
    Um final de semana carregado de luz e paz!
    “A arte de ser sábio é a arte de saber o que ignorar.” (William James)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  8. Admito que não conhecia o livro,mas estou animada com tudo que li acima. Tenho Amy, só não consegui ler ainda, sempre vai aparecendo um ou outro livro que coloco na frente na lista de leitura.
    Mas não há como negar que o trabalho da autora é maravilhoso, tanto que ela alcançou uma legião de fãs!
    Espero ter a oportunidade de conhecer este novo livro,por trazer um tema tão forte, deve sim, ser ótimo.
    E nós, agiríamos diferente?
    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Olá, confesso que achei o desenvolvimento da história um pouco raso, apesar de entender que autora não optou em abordar a doença para que isso não influísse na percepção que os leitores tinham dos personagens. Contudo, ainda tenho interesse em conhecer a escrita de Cammie. Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Olá Ana!
    Eu li o primeiro livro da autora e eu gostei muito da escrita e dos temas abordados.
    Quero muito ler Belinda & Em, acredito que será tão bom quanto *-*
    Adorei sua resenha, beijos!

    Books & Impressions

    ResponderExcluir
  11. Oi Ana!
    Adoro livros que trás msgs e nos faz refletir.
    Não conhecia o livro, adorei o enredo e espero conseguir ler em breve.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  12. Oi! O jeito que as duas se conheceram já me deixa aflita e irritada. Odeio quando uma pessoa esta vendo algo de errado e não faz nada! Mas mesmo assim gostei do livro e pretendo ler.
    Gostei do enredo e acredito que vai ser uma historia incrível.
    Adorei e beijos.

    ResponderExcluir
  13. Eu vi recentemente uma resenha deste livro e me surpreendi, pois pensei que o livro abordava temas fofos, não imaginava que abordava estupro.
    Adorei o seu ponto de vista sobre a história.

    Desde então este livro esta na minha lista de desejados.

    ResponderExcluir
  14. Oi, Ana!!
    Já conhecia a estória desse livro mas infelizmente ainda não tive oportunidade de ler. O livro parace bem legal e vou procurar saber mais sobre esse livro para ler.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  15. Oi Ana!
    Eu também nunca li Amy e Matthew, apesar de sempre ler e assistir resenhas bastantes positivas. Sobre Belinda e Em, eu posso dizer que amei a premissa do livro, achei bem emocionante.
    Eu estou com muita vontade de conhecer a história de Belinda e Em.

    ResponderExcluir
  16. Sempre quis ler este livro, porém ainda não havia tido oportunidade, agora mais do que nunca quero ler esta obra, pois a forma como a autora conduziu toda a trama, não querendo rotular a personagem não citando qual era sua deficiência intelectual, e a forma como nos faz refletir e repensar o que teríamos feito se tivesse no lugar da personagem será que tentaríamos ajudar ou teríamos medo. Bom, me pareceu uma leitura agradável da qual eu amei.

    VENHAM PARTICIPAR SORTEIO NO AR: petalasdeliberdade.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. Olá Ana ;)
    Não conhecia o livro ainda, mas lembro de ouvir boas críticas sobre Amy & Matthew!
    Achei o tema do livro delicado. Assim como você, sinto que iria ficar no mesmo impasse, sem saber se gosto da protagonista ou não. Quando uma situação como essa acontece com a gente, nunca sabemos como vamos lidar, mas gostaria de acreditar que assim como você teria agido, e não ficado parada.
    Obrigada pela indicação, já coloquei na meta de leitura!
    Bjos

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©