25 de novembro de 2017

Resenha: O Maravilhoso Bistrô Francês

Marianne Messmann está presa num casamento sem amor e não vê a hora de pôr um fim em tudo. Durante uma viagem a Paris, ela sobe na Pont Neuf e se joga no Sena, mas é salva do afogamento por um passante. Em seguida, é levada para o hospital e lá vê um azulejo pintado com a linda paisagem de uma cidade portuária da Bretanha. Inspirada pela pintura, ela decide embarcar em sua derradeira aventura. Ao chegar à Bretanha, Marianne entra num restaurante chamado Ar Mor (o mar) e é arrebatada por um novo e encantador modo de viver. Lá ela conhece Yann, o belo pintor, Geneviève, a enérgica dona do restaurante, Jean-Rémy, o chef perdido de amor, e várias outras pessoas que abrem os olhos dela para novas possibilidades. Entre refeições, músicas e risos, Marianne descobre uma nova versão de si mesma — apaixonada, despreocupada e forte. Porém, de repente, seu passado chega para confrontá-la. E, quando isso acontece, ela precisa decidir entre voltar para sua vida antiga ou abandoná-la de vez em nome de um futuro promissor e empolgante. O maravilhoso bistrô francês é uma jornada dos sentidos, com refeições suculentas e paisagens estonteantes. Uma história recheada de poesia, beleza, sensibilidade, romance, erotismo e segundas chances, que nos mostra que não existe idade para recomeçar e ser feliz. 

Título Original: Die Mondspielerin
Autora: Nina George
Páginas: 280
Tradução: Petê Rissatti
Editora: Record
Livro recebido em parceria com a editora

O Maravilhoso Bistrô Francês nos traz a história de Marianne, uma senhora que, cansada de sua vida, tenta suicídio mas acaba sendo salva por um passante. Marianne é casada com Lothar, um homem que não podia ser mais indelicado e rude. Ele é tão mesquinho ao ponto de comprar comida vencida para ele e a esposa, uma vez que ganha descontos ao fazê-lo. Quando descobre que Marianne estava no hospital, joga toda a culpa nela e ainda reclama por ter gasto tanto com alguém que fez algo estúpido.

O primeiro fato que me surpreendeu foi a idade de Marianne, ao ler a sinopse imaginei uma mulher de no máximo 40 anos, mas a protagonista tem 60. O que na verdade acabou fazendo sentido, já que a perspectiva da protagonista nos traz costumes mais antigos, como a ideia de que somente prostitutas usam roupas vermelhas e mulheres devem ficar em casa e respeitar seus maridos. Porém, o mais interessante foi o romance inusitado, nada daquele padrão adolescente que estamos tão acostumados.

Marianne já estava desiludida com a vida e não imaginava que nada pudesse mudar para ela, que ela já havia desperdiçado os dias que teve e pronto. Mas, quando estava no hospital após sua tentativa de suicídio, a mulher encontra um azulejo com uma pintura que chama sua atenção. Nele tinham pintados barcos e o nome do lugar estava pintado na parte de trás. Ela decide então que vai até esse lugar, que parece ser encantador. Quando chega lá, Marianne começa a descobrir uma nova pessoa dentro de si. Ela começa a acreditar no amor de novo e que sua vida ainda pode ser diferente.

Para mim, a leitura foi lenta e por vezes confusa. A autora faz uma mistura de línguas, soltando algumas frases em francês sem explicá-las e a quantidade de detalhes se tornou monótona, dificultando tudo ainda mais. O maior problema foi que a sinopse demonstrou que o conteúdo do livro seria algo totalmente diferente, e provavelmente foi isso que fez com que eu não gostasse tanto assim do que Nina George acabou entregando. 

Narrado em terceira pessoa, O Maravilhoso Bistrô Francês nos traz uma história cheia de descobertas, romance e drama. Apesar de não ter gostado muito do livro, ele tem seus pontos positivos e não deve ser descartado. Para quem já leu a outra obra da autora, A Livraria Mágica de Paris, e gostou, talvez seja uma ótima pedida. A obra já foi lançada e vocês podem adquiri-la através desse link

16 comentários:

  1. Oi Alê.
    Adorei sua sinceridade na resenha, eu normalmente não costumo ler livros com essa temática, porém estou ansiosa para saber o que acontece para que ela volte a acreditar no amor, enfim, apesar de ter ficado bem apreensiva com suas ressalvas, pretendo ler com toda certeza.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Puxa, dificilmente a gente encontra livro com personagens mais velhinhas assim. Mas eu sinceramente? Adorei!!!
    Puxa, não com o lance da tentativa do suicídio,mas com a chance de se conhecer, de se encontrar e de passar a ver a vida já tão vivida, de uma maneira diferente e nova.
    É meio Comer, Rezar e Amar em uma versão mais idosa..
    Vou por na lista de desejados com certeza!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Achei interessante pelo apelo a coisa Francesa, mas vendo mais não sei se seria um livro que leria fácil. A protagonista bem mais velha e todos esses dilemas e sentimentos dela me chamaram atenção, é uma coisa que acaba até passando uma mensagem do tipo "nunca é tarde pra nada" ou algo assim. Me passou essa ideia. Mas não sei se iria gostar tanto do ritmo, parece mais lento e tentando fugir de livros que demoro pra ler. Esse talvez fizesse isso. Não sei, gostei e não gostei tanto sabe? :S

    ResponderExcluir
  4. Olá Alê!
    Que pena que vc não curtiu mto o livro, eu tenho mta curiosidade de conhecer apesar de não gostar mto do estilo, quem sabe mude de ideia qdo conseguir ler né...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Ufa! Que bom conhecer sua opinião.
    Eu li o livro anterior da Nina e foi tão cansativo; a escrita não me agradou, por vezes é confusa e não consegui me adaptar.
    Então quando vi esse já sabia que não iria ler, apesar de ter amado a capa.
    Interessante saber que Marianne tem 60 anos, nunca li um romance com protagonistas nessa faixa etária.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Adoro ler suas resenhas, sempre sinceras.
    A sinopse me pareceu bem legal mesmo, mas lendo sua crítica vi que não era o que eu imaginei.
    Porém ainda assim achei bem interessante. Uma mulher já com seus 60 anos tentando se redescobrir.

    ResponderExcluir
  7. Alê!
    Gosto de qualquer livro ambientado em Paris e ver que a protagonista, mesmo com 60 anos, acaba descobrindo um novo sentido para a vida e para amar, é bem curioso.
    E gosto de descobertas, romance e drama, mesmo que tenha sido bem descritivo, oque fez você não gostar, gostaria de conferir.
    Desejo um ótimo domingo!
    “A poesia contém quase tudo que você precisa saber da vida.” (Josephine Hart)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  8. Gostei por a personagem ser uma pessoa com mais idade e o tema é terrível, suicídio e um homem miserável, é uma pena que ficou confuso, estranho ter frases em francês sem seu significado assim fica difícil a compreensão.

    ResponderExcluir
  9. Lendo o começo da resenha eu fiquei curiosa para ler o livro e ao mesmo tempo brava com o marido da protagonista. Mas, infelizmente você não gostou da obra, me deixando confusa se vale a pena um dia eu ler ou não.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Alê!
    A estória parece ser bem interessante acho que não li nenhum livro onde a protagonista tivesse mais de quarenta anos. Gostei muito da proposta da estória e quero muito ler esse livro.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  11. Primeira resenha que leio sobre ele, e realmente a proposta para a idade dos personagens é algo bem diferente. Achei a premissa dele interessante, mas uma pena tua ressalva sobre a forma da escrita, isso acaba sendo um dos fatores que acabou me chamando a atenção, creio que para quem for ler, é bom já ter noção dessa mudança no livro. Mas adorei demais conferir a resenha!!

    ResponderExcluir
  12. Oi Alê
    Gostei da sua resenha, achei muito sincera a forma que você deu sua opinião .
    Nunca tinha ouvido falar desse livro, gostei do fato protagonista não ser "nova", mas acredito que não vou ler esse livro.

    ResponderExcluir
  13. Oi Alê
    Na sinopse eu imaginei algo um pouco diferente, e esse seria um livro que eu teria interesse de ler, apesar do seu comentário eu o colocarei na lista de desajdos por um motivo: a curiosidade de ler um romance com pessoas mais velhas, não encontrei nada parecido nos que li até hoje. Pena que a autora não soube aproveitar uma história tão original.
    Bj

    ResponderExcluir
  14. Uma pena que o livro em alguns momentos tenha se tornado confuso, e lento ao desenvolver a trama, já que tem uma premissa muito bacana, quando se trata de uma mulher que aos 60 anos tenta suicídio, por não aguentar viver uma vida ao lado do marido, e posso dizer que marido né? Nem preciso dizer que gostei da estória, mas fiquei decepcionada ao me deparar com uma trama tão cheia de detalhes que chega a ser monótona.

    VENHAM PARTICIPAR SORTEIO NO AR: petalasdeliberdade.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Olá, a obra aborda o suicídio de uma maneira bem diferente, sem contar que o amadurecimento da protagonista ao longo da leitura é notável. É uma pena que a autora não tenha falhado no que se refere à fluidez da história. Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Oi Alê ;)
    Gosto de livros “diferentes” do que costumo ler, e acho que não me recordo a última vez que li um livro em que a personagem principal já estivesse na melhor idade!
    Comecei meu curso de francês e tive a oportunidade de conhecer a linda capital desse país, e só por isso fiquei bem interessada em ler o livro, a ambientação deve ser linda!
    Como gosto de livros em que o personagem se autodescobre, e aprende mais sobre si mesmo em uma jornada, sem dúvida vou gostar da leitura de O Maravilhoso Bistrô Francês ;)
    Abç

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©