18 de dezembro de 2017

Resenha: Não Me Abandone Jamais

Kathy H. tem 31 anos e está prestes a encerrar sua carreira de "cuidadora". Enquanto isso, ela relembra o tempo que passou em Hailsham, um internato inglês que dá grande ênfase às atividades artísticas e conta, entre várias outras amenidades, com bosques, um lago povoado de marrecos, uma horta e gramados impecavelmente aparados. Embora à primeira vista pareça pertencer ao terreno da ficção científica, o livro de Ishiguro lança mão desses "doadores", em tudo e por tudo idênticos a nós, para falar da existência. Pela voz ingênua e contida de Kathy, somos conduzidos até o terreno pantanoso da solidão e da desilusão onde, vez por outra, nos sentimos prestes a atolar.

Título Original: Never Let Me Go
Autor: Kazuo Ishiguro
Páginas: 344
Tradução: Beth Vieira
Editora: Companhia das Letras
Livro recebido em parceria com a editora

Pensei muitas vezes em como começar essa resenha e não consegui. Desculpem-me por introduzi-la assim, mas não encontrei outra forma de expressar o quanto esse livro foi difícil. Não digo isso porque foi uma leitura ruim, e sim porque foi pesada. Já faz um bom tempo que eu li esse livro, na edição antiga, e eu não me arrependo por nenhum minuto de ter lido. 

Logo no início do livro, conhecemos Kathy H, 31 anos, cuidadora há quase. É um tempo relativamente longo, mas é uma tarefa que ela mesma e muitos outros acreditam que ela desempenha muito bem. Prestes a ser tornar uma doadora, Kathy narra de uma forma atemporal e bastante nostálgica sua infância e adolescência em Hailsham, uma espécie de internato que se localiza no interior da Inglaterra, onde as crianças são educadas para ser cuidadoras ou doadoras.

Ao longo da narrativa, Kathy nos apresenta seus amigos Tommy e Ruth. Para falar a verdade, não sabemos muitas coisas sobre Hailsham, sobre os guardiões (que são como os nossos professores) e sobre as crianças que lá residem. Porém, desde o início a protagonista deixa claro que os alunos de Hailsham eram diferentes, especiais, se só vamos saber o porquê dessa denominação um pouco mais para frente.

É complicado falar desse livro porque qualquer informação que eu possa dar sobre ele pode, de certo modo, prejudicar a leitura. Inclusive, a própria descrição da obra no Skoob e site da Companhia das Letras revela demais sobre ele. É uma estória para ser degustada, para se descobrir aos poucos todos os mistérios que rondam as crianças de Hailsham, e é isso que move a leitura. 

O livro me trouxe muitos questionamentos, coisas que antes nunca haviam passado pela minha cabeça. O que nos torna essencialmente humanos? O que é o amor de verdade? Há forma de recuperar o tempo perdido? E se houvesse, será que eu o faria? O tempo que nós temos é suficiente para fazer todas as coisas que desejamos e, principalmente, para amar as pessoas? Aliás, o que é mesmo o tempo?

Há também um filme homônimo, que foi dirigido por Mark Romanek e tem um elenco muito bom. Apesar de eu ainda não ter assistido, só pelo trailer dá para perceber que muitos fatos que descobrimos só após algum tempo no livro, são deixados claros desde o início na adaptação. Por isso, aconselho que, se você tiver o interesse de ler a obra, não assista ao trailer. Aliás, não procure saber muitas coisas a mais porque sim, pode tirar o brilho da estória. 

Não Me Abandone Jamais é um livro com um tom naturalmente melancólico. Acho que já comentei sobre isso aqui algumas vezes, mas apesar de não ter muitos planos para o futuro, tenho muito medo de ficar sozinha, no fim. Não romanticamente falando, necessariamente, mas sem alguma pessoa próxima. Apesar de a obra não retratar exatamente isso, terminei com esse sentimento de solidão. Foi bem angustiante ir descobrindo as coisas por trás da vida dos protagonistas. Assustador, até. Mas esse fato não é para intimidar vocês, e sim para deixá-los mais curiosos. 

É um livro denso e sofrido, mas ao mesmo tempo real. Não no sentido de ser uma história real, mas sim no sentido de que ele consegue passar uma verdade por trás daquelas coisas que estão sendo contadas. Em todo tempo durante a leitura, me senti uma amiga muito próxima da Kathy, uma pessoa em quem ela confiava para contar os segredos sombrios. E é claro que, como boa amiga que sou, não os contarei, mas vocês sabem a melhor maneira de descobri-los.

18 comentários:

  1. Olá Ana! Livro misterioso hein? Mas é bom o leitor descobrir por si só as mensagens contidas na trama. Percebi que esse livro te tocou bastante, eu também tenho medo de ficar sozinha, é uma situação angustiante. Acho que todos já queriam ter voltado o tempo, mas fazendo uma reflexão acho que não mudaria nada do passado. Se arriscar a ler esse livro é ter de encarar reflexões profundas e estar preparada para uma ressaca literária das bravas. Beijos

    ResponderExcluir
  2. "Não me abandone jamais..." Eu li cantando.
    Esse mistério me deixou curiosa, mas o que mais me chamou a atenção foi o seu sentimento em relação a história, o que ele te despertou.
    Fiquei intrigada, querendo saber mais sobre esses segredos.
    É um livro que eu não conhecia, e foi um lrazer saber dessa existência.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Difícil falar sobre um livro com pouquíssimos detalhes (pois podem atrapalhar a leitura de outras pessoas). Só nos resta ler e desvendar tudo.. Mas, saber que é um livro sofrido, já nos deixa alertas sobre o que esperar dele!

    ResponderExcluir
  4. Desde que vi esse livro pela primeira vez que tive interesse de lê-lo, talvez seja pelo fato de que o título de certa forma no desperta curiosidade. Porém agora após ler sua resenha fiquei ainda mais curiosa por saber que se trata de uma estória sofrida, da qual nos sentimos próxima do que a personagem esta vivendo, fazendo com que nos questionamos questões sobre nossa vida pessoal, como por exemplo a solidão. Espero ter a oportunidade de adquirir a obra.

    ResponderExcluir
  5. Olá, a obra, aparentemente construída em um ritmo monótono, passa ao leitor uma mensagem de que o ser humano precisa ser social, pois não percebemos mas sempre buscamos aprovação e atenção dos outros. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Olá Ana! Tudo bem?

    Li críticas positivas sobre essa obra que é um tanto monótona na minha opinião, mas levando em consideração a sua mensagem principal ela é até um atrativo interessante para a leitura. Espero ter a oportunidade de resenha este livro.

    Grande abraço!
    www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
  7. Eu vi o filme :/ E lendo agora a resenha do livro, entendo um pouco meus sentimentos em relação ao longa. Essa meio angústia depois de ter terminado. Os questionamentos que ficaram até hoje.
    Não é apenas o amor, é tudo que envolve ele, suas confusões, sua falta total de ser entendido.
    E não vi como melancolia, mas como vida. E a vida não é em si, isso tudo?
    Vou ler a obra com certeza!
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Oi Ana.
    Eu ja tinha visto falar desse livro, porém confesso que até agora ele não tinha me chamado a atenção não, o livro parece realmente ter mexido com você, ele parece realmente melancólico e confesso que fiquei curiosa para ler.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Ana!!
    Essa é a primeira vez que leio alguma resenha sobre esse livro, achei um livro bem misterioso e instigante. Também não conheço o filme mais parece ser muito legal. Gostei da indicação.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  10. Ana!
    Gosto dos livros no estilo, onde podemos repensar uma sociedade tão cruel como a nossa, mas ainda assim, saber que algumas pessoas, mesmo que de forma ficcional, conseguem superar seus problemas e s tornam adultos equilibrados e produtivos.
    Não li nada do autor ainda, mas preciso.
    Bom final de semana e FELIZ NATAL!
    “Celebrar o Natal é crer na força do amor, é isto que transforma o homem e o mundo. Feliz Natal!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  11. Oi Ana! Quero muito ler os livros do Kazuo Ishiguro, até porque o vencedor do prêmio Nobel com certeza tem muita coisa a me ensinar. Sempre fico curiosa com autores indicados e/ou vencedores de premiações para entender o que há de especial com a escrita deles. Eu ainda não tinha ouvido falar sobre esse livro do autor, mas já coloquei aqui na lista depois da sua indicação. Adoro histórias reflexivas e tocantes e acredito com certeza que também vou adorar.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Oi Ana...
    Ainda não havia ouvido falar desse livro, e apesar de ter gostado da resenha, não sei se daria uma chance a essa leitura... Esse excesso de melancolia e sofrimento não me fazem ter vontade de lê-lo não... E se tem algo que também tenho muito medo é de ficar sozinha... Sem as pessoas que amo ao meu redor...
    Beijinhos...

    ResponderExcluir
  13. Que bom ver a sua resenha! O Kazuo é um dos meus autores favoritos e é difícil ver gente falando sobre os livros dele por aí. Por favor leia Os Resíduos do Dia, é o meu livro favorito do autor e conseguiu ganhar de Não Me abandone Jamais (que pra mim também é excelente). Toda vez que leio um livro do Kazuo fico com uma sensação de melancolia e dor, os livros não saem da minha cabeça, fico dias só pensando no que eu li. Esse é o meu tipo favorito de escritor.

    ResponderExcluir
  14. Quero ler esse livro, parece ser uma leitura que mexe muito com as nossas emoções, deixando questionamentos sobre nossas atitudes e ate que ponto uma pessoa é capaz de ir para atingir seus objetivos. Fiquei querendo assistir o filme tambem.

    ResponderExcluir
  15. Eu vi o filme uns anos atrás e achei tão ruim! Ruim pela história, dá um sentimento horrível na gente. Ah credo, não gostei nada. Mas acho que essa é a ideia, passar esses sentimentos ruins na gente. Se o filme fez isso só posso imaginar o livro. Nem sabia do livro até pouco tempo e agora deu vontade de ler. Já sei que vou odiar pelo sentimento ruim e os questionamentos, mas também amar por isso. Pela forma como a faz pensar... É uma coisa ruim mas que pega a gente né? Parece daquelas histórias que você lembra e fica ali remoendo as coisas.
    É bem louca essa história. Mas deu vontade de ler, gostei dele.

    ResponderExcluir
  16. Não sabia que tinha um filme mas também não me interessei muito no livro poucos detalhes a Priscila me pegou a sinopse foi até um pouco confusa de início acho que eu vou deixar essa leitura de lado até porque esse livro não faz o meu gênero

    ResponderExcluir
  17. Oi Ana ;)
    Não conhecia o livro ainda, e só de ler sua resenha já fiquei bem curiosa.
    Gosto de livros assim, com narrativa pesada e real, e acho que os temas abordados no livro podem me agradar bastante.
    E que demais que a narrativa usada pelo autor é daquelas que nos deixa mais próximos da protagonista, e nos sentirmos como você disse, como amigos da protagonista.
    Enfim, gostei do livro e já vou adicionar ele na lista de leitura ;)
    Bjos

    ResponderExcluir
  18. A princípio pensei que seria suspense, depois fui entendendo o sentido. Acho que não leria esse livro, não curto melancolia, e livros assim não conseguiria chegar ao final.

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©