22 de maio de 2018

Resenha: Para Francisco

“A morte é a única certeza da vida, embora a gente passe a vida inteira fingindo que ela não existe.” Esta é uma das várias reflexões que Cris Guerra deixou para seu filho, Francisco, após a morte do pai do menino, dois meses antes de seu nascimento. Inicialmente concebido como um blog, Para Francisco foi a forma que a autora encontrou para lidar com a sua perda e contar ao filho sobre seu falecido pai. De maneira poética e comovente, Cris discorre sobre a vida e sua rotina como viúva e mãe, trazendo fotos de família e e-mails trocados com o pai de seu filho, ao mesmo tempo em que aborda saudade, luto, força e superação. Sua história é profundamente inspiradora e este é um livro que mostra aos leitores como o amor tem forte poder de cura e capacidade de nos ajudar até nos momentos mais difíceis.

Título Original: Para Francisco 
Autora: Cris Guerra
Páginas: 240
Editora: Best Seller

Apesar de gostar bastante, eu não acho que escrever seja uma tarefa fácil. Agora pense você como deve ser difícil escrever sobre uma história tão triste e, ainda por cima, real. É justamente isso que eu estou passando agora. É muito difícil imaginar que os "personagens" desse livro existem e viveram situações tão difíceis. Se alguém me perguntar qual o livro mais lindo que eu li na minha vida, eu responderei que é este. Mas se me perguntarem qual o livro mais triste que eu li na minha vida, infelizmente também é este.

Para Francisco nos conta um pouco da vida de Cristiana Guerra, mãe e viúva. É bastante trágico, apesar de ficar mil vezes pior quando a gente descobre que o amor da vida dela morreu repentinamente dois meses antes de Francisco vir ao mundo. Nos textos presentes no livro, que são como cartas endereçadas ao filho, a autora tenta nos mostrar os seus sentimentos que transbordam, ao mesmo tempo em que tenta entendê-los. Posso dizer que Francisco nasceu na dor e no amor.

20 de julho de 2007
CALENDÁRIO
Tem dias que são o seu pai, Francisco. Amanhece, o sol lá fora diz o nome dele, o silêncio do sábado chora a sua ausência. E de repente tudo que era alegria vira um buraco. Tem dia que tudo o que eu andei se desfaz. E volta uma tristeza aguda, a maior do mundo. Em dias como esses, só você faz sentido. Porque você é a continuação da nossa história. Tem dia que o sol pode brilhar lindo lá fora, mas é um brilho triste. Tem dia que nem chove, mas é dia de choro. Mas tem sempre um outro dia, filho. Foi você que me ensinou isso. 

O livro surgiu do blog para Francisco, o lugar que Cris "achou" para preencher a ausência de Guilherme não só da sua vida, mas também da vida do único filho. Pouco tempo depois, Cris transformou em livro todas as fotos, e-mails, textos e histórias para que Francisco pudesse saber o quão incrível era o pai. Para falar a verdade, desde o início, acredito que o verdadeiro intuito de Cris era criar lembranças maravilhosas para o filho que nunca teria a chance de conhecer o pai e, para mim, é uma das coisas mais lindas que uma pessoa pode fazer. 

Eu queria, de verdade, ter palavras para descrever a grandiosidade desse livro, desse amor todo, mas eu não tenho. Eu costumo ter vontade de que todas as histórias dos livros que eu leio sejam reais. Enquanto eu lia Para Francisco, o que eu mais queria é que tudo fosse uma história de ficção, daquelas que a gente se emociona, mas fica tudo bem no final porque sabemos que não é de verdade. Queria que Francisco pudesse ter conhecido o pai e vice-versa. Queria que a Cris continuasse a viver essa linda história de amor, que pudesse continuar recebendo e-mails de bom dia lotados de beijos e carinhos. Queria... 

28 de julho de 2007
MONTANHA-RUSSA
Ele me existiu intensamente por dois anos que pareceram uma vida. Continuar sem ele era como começar de novo, de outro chão, como se acabasse de descer do carrinho depois de uma volta assustadora na montanha-russa. De repente, o que era rápido e intenso parou num segundo. Na minha cabeça, tudo continuou rodando. O perigo maior não estava no movimento do brinquedo. O perigo maior era seguir tonta, no silêncio, com o mundo balançando em volta. 

Gente, que livro incrível. Cristiana conseguiu expor sua dor de uma maneira tão suave e delicada que, apesar de ser muito triste, torna as coisas muito bonitas - acredito que seja pelo fato de o conteúdo ser endereçado à Francisco. Eu falo, falo, falo, mas não consigo expressar tudo o que eu senti enquanto lia. Consegui chorar, rir e chorar de novo. Provavelmente foi o livro que eu mais chorei na vida. Não conseguia parar de me imaginar no lugar dela, que eu não conseguiria suportar essa situação de forma alguma. Mas aí eu penso no poder que um filho tem de manter as coisas estáveis.

É uma história tão maravilhosa que chamou a atenção da escritora Martha Medeiros: "Além de um belo livro, Cris Guerra nos deixou um recado valioso: a vida não apenas continua, ela sempre recomeça”. A edição especial, que é uma comemoração de dez anos do lançamento do livro, consegue deixar tudo ainda mais fantástico. Possui várias fotos que a edição anterior não tinha, além de novas cartas e cenas super divertidas do Francisco. 

A única coisa que eu tenho para dizer é que vocês leiam esse livro. Que se emocionem também. Que percebam o quanto um amor verdadeiro pode transformar a mais terrível dor em uma forma de consolo. Que passem a valorizar as pessoas, os pequenos detalhes, todos os "tudos". Porque no final, só o que nos resta são as lembranças de tudo o que queríamos que fosse eterno.

17 comentários:

  1. Uauuu! Só de ler esses pequenos trechos já estou com lágrimas nos olhos. Imagine se for ler o livro!
    Linda a iniciativa dessa mãe.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ana.

    É inegável que o livro transborda para o leitor uma variação de sentimentos, principalmente o da dor e da perda. Ainda mais sendo um relato real.

    ResponderExcluir
  3. Quando li a primeira resenha deste livro fui atrás da vida da autora/mãe e de toda sua grande história de amor.
    Pois não é somente dor,mas sim o amor que comandou cada letra, cada foto, cada mensagem que ela passou não somente ao filho, mas a todos nós.
    Ainda não tive a oportunidade de ler a obra, mas espero fazer isso em breve.
    Falar de dor e amor, assim, nessa forma real, é dádiva de poucos e a mãe, esposa e autora, conseguiu!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Bonita e triste essa história. Quando vi pela primeira vez me bateu uma melancolia, mas a ideia de escrever assim pra tirar um pouco da dor e ainda dar a conhecer ao filho como era o pai foi muito bonita. Deve deixar umas lições fortes na gente e é uma história que tem impacto.

    ResponderExcluir
  5. Olá Ana!
    Acompanhei algumas resenhas sobre o livro, parece ser maravilhoso e mto emocionante, só de ler a sinopse eu já me emocionei, a leitura deve ser linda, já está nos desejados.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana.
    Esse livro parece bem emocionante e triste, ainda mais por ser baseado em fatos reais.
    É uma história de amor com muita dor, mas ainda uma história de amor. Deve ter sido bem difícil de ter sido escrito.
    Gosto muito de ler livros que contenham cartas ou diário. Adorei as mensagens.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Que resenha, Ana!!! 👏👏👏
    Amo livros que me façam chorar, que são profundos e que toquem o coração; mas quando a história é real, a leitura ganha um peso.
    Não sei se tenho emocional para tal leitura, mas se a Cris teve para superar esse momento e compartilhar...
    Um lindo gesto de amor. Ela uniu o útil ao agradável.
    A escrita se torna uma válvula de escape enquanto recria momentos para o filho.
    Sua resenha é emocionante, com certeza a leitura também é e, quero ler.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Tenho que concordar, parece ser um livro lindo e ao mesmo empo triste, eu nunca achei fácil escrever é muito difícil. Só de imaginar o que a autora passou da uma tristeza profunda na gente, não é nada fácil lidar com as coisas depois de um acontecimento desses, mas ela achou uma forma tão bonita de lidar com isso.

    ResponderExcluir
  9. Oi Ana,
    Escrever sobre algo inventado onde você dita o rumo e final da história é um coisa, mas escrever sobre uma história verdadeira regada de tristeza trás dificuldades que só começo a imaginar. O momento que era para ser o mais feliz e emocionante na vida de Cris se torna o mais trágico também. Ter forças para superar um momento como este e se manter firme e bem para o nascimento do filho é algo que nem todas as pessoas conseguem e, acredito, que só através de um amor puro e verdadeiro . É muito trite ver uma história de amor não ter o final merecido e, também, é muito triste ver uma relação entre pai e filho nem ter a chance de começar. Confesso que não conhecia esta história, mas fiquei curiosa para saber mais sobre essa mulher e mãe tão guerreira.

    ResponderExcluir
  10. Ana!
    Não conhecia o livro, mas já chorei apenas com sua resenha, imagina se chegar a ler o livro.
    Infelizmente há muito sofrimento na vida real, mas também há todo esse amor de mãe que quis deixar para o filho, lembranças do pai, lindo, né?
    Maravilhoso final de semana!
    “Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente. A maioria das pessoas nunca ouve. “(Ernest Hemingway)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MAIO BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  11. OI Ana.
    Lidar com a perda é algo realmente difícil, essa é a primeira vez que vejo falar desse livro, todavia, confesso que já estou bem curiosa para conhecer, eu gosto quando os autores conseguem passar seus sentimentos para o leitor, de uma forma que o mesmo consiga se apegar a história e entender tudo o que ela tem a oferecer, enfim, gostei e pretendo ler com certeza.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Não conhecia o livro, e nem a história da autora! Mas se ja me emocionei com sua resenha e com os pequenos trechos escolhidos, eu vou chorar o livro todo!
    Deve ser uma perda sem tamanho, ainda mais se tratando de uma trama real.
    Gostei muito da indicação e com certeza pretendo ler toda essa lição de vida.
    Ótima resenha.

    beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  13. An-nyong-ha-se-yo!
    Caramba, já quero chorar! Sou muito emotiva, tenho até medo de como este livro iria me tocar. De qualquer forma, não descarto o interesse em lê-lo.

    ResponderExcluir
  14. Olá, imagino como o processo de produção dessa obra foi complexo, uma vez que se trata de uma história verídica. Apesar de não simpatizar com o fato de a autora estar "vendendo" seu sofrimento para lucrar, é inegável de que se trata de uma história marcante. Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Eu não conhecia esse livro e achei bem tocante essas cartas que escreveu ao filho para lhe apresentar um pai que infelizmente nunca conheceria.Nem imagino o quanto ela sofreu. Acho que deve ser um livro difícil de digerir após a leitura.

    ResponderExcluir
  16. Ana, eu não conhecia esse livro, mas só de ler sua resenha, já me emocionei.
    Poxa, que história de vida!
    Imagino a dor dessa mãe...
    É, um livro muito lindo, intenso, triste e de arrasar com o coração... vou querer ler sim, mas preciso me preparar beeem antes!
    bjs

    ResponderExcluir
  17. Oi, Ana!!
    Que livro mais lindo!! Já estou emocionada e quero muito ler esse livro. E que trechos mais marcantes!!
    Bjos

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©