20 de agosto de 2018

Resenha: Mais Forte Que o Sol

Considerada a “rainha dos romances de época” pela Goodreads, Julia Quinn já atingiu a marca de 10 milhões de livros vendidos.
Quando Charles Wycombe, o irresistível conde de Billington, cai de uma árvore – literalmente aos pés de Elllie Lyndon –, nenhum dos dois suspeita que esse encontro atrapalhado possa acabar em casamento.
Mas o conde precisa se casar antes de completar 30 anos, do contrário perderá sua fortuna. Ellie, por sua vez, tem que arranjar um marido ou a noiva intrometida e detestável de seu pai escolherá qualquer um para ela. Por isso o moço alto, bonito e galanteador que surge aparentemente do nada em sua vida parece ter caído do céu.
Charles e Ellie se entregam, então, a um casamento de conveniência, ela determinada a manter a independência e ele a continuar, na prática, como um homem solteiro.
No entanto, a química entre os dois é avassaladora e, enquanto um beijo leva a outro, a dupla improvável descobre que seu casamento não foi tão inconveniente assim, afinal...

Título Original: Brighter than the sun
Autor: Julia Quinn
Páginas: 288
Tradução: Viviane Diniz
Editora: Arqueiro
Livro recebido em parceria com a editora

Segundo volume da duologia Irmãs Lydon, Mais Forte Que o Sol traz uma premissa agradável, com um romance que acontece de forma gradativa após um pedido de casamento inesperado. A história gira em torno da atrapalhada Ellie, irmã mais nova da protagonista do primeiro volume — Mais Lindo Que a Lua e Charles, o maravilhoso e irresistível conde de Billington.

Ellie tem 23 anos e ainda mora com o pai — nós sabemos que para os padrões daquela época, uma mulher dessa idade sem um marido já era considerada solteirona —, e cuidava dele com o maior prazer do mundo, até que ele resolveu se casar com uma mulher nada agradável que faz de tudo para atazanar a menina. Em um dia normal de sua rotina, fazendo uma caminhada, um homem literalmente cai aos seus pés, um pouco bêbado e infelizmente a moça é obrigada a ajudá-lo, já que ele machucou o pé.

O dito homem é o charmoso conde Charles Wycombe, que anda louco atrás de uma esposa, já que precisa casar antes de completar seus 30 anos de idade, caso contrario perderá toda a sua fortuna. Quando ele dá de casa com Ellie, não pensa duas vezes antes de pedi-la em casamento. Claro que Ellie achou o pedido uma verdadeira afronta, mas depois de lembrar da convivência que tem com a madrasta — e que o pai logo arrumaria um pretendente para ela — , resolveu aceitar o pedido do conde.

O desenvolvimento do livro é bom, mas desenrola melhor depois do casamento do casal. Quando Ellie chega em sua nova casa é recebida com grande alegria, mas não por todas as pessoas. Nas semanas seguintes à sua mudança, alguém fazia de tudo para sabotar tudo que Ellie fazia para melhorar a casa, e Charles começa a desconfiar da própria esposa. Ainda bem que a protagonista não é do tipo que leva desaforo para casa e logo descobre o que está acontecendo. Foi muito interessante ver a forma como ela se impôs dentro da casa de uma pessoa praticamente desconhecida para ela. 

Como nem tudo são flores, algumas pessoas do passado de Ellie aparecem para incomodar e colocar em crise um casamento que ainda não tem muita firmeza, já que não existe um sentimento sólido entre os dois. Gostei muito que nesse livro em especial não houve muita enrolação para que o casal assumisse que eles realmente são atraídos um pelo outro e que tudo bem sentir isso. Quinn fez muito bem em investir em personagens mais ousados. 

Ellie foi uma protagonista forte, com firmeza em todas as suas decisões, mesmo um pouco assustada no início da história, já que o seu sonho era casar por amor. Charles, um conde destemido e conhecido, mas que não se imaginava casado tão cedo, mas que acabou caindo de paixão por uma mulher que ele nem fazia ideia que existia. Então, por incrível que pareça, não foi assim tão difícil largar a vida de solteiro. Julia Quinn, como sempre, criou um casal muito carismático e até um pouco engraçado, que tem o poder de conquistar os leitores.

Mais Forte Que o Sol, apesar de ter algumas peculiaridades no enredo, traz os clichês característicos de romances de época, não deixando nem um pouco a desejar no quesito desenvolvimento. Os protagonistas são teimosos o suficiente para uma vida inteira, mas nos ensinam que se o nosso coração nos diz para correr atrás de alguma coisa, nós devemos ir, até porque não somos nós que  realmente mandamos nele, não é mesmo?

15 comentários:

  1. Oi, Lari,

    Amo romances como esse - que apesar de serem por conveniência -, são construídos aos poucos, até chegar às vias de fato. Sempre gera uma expectativa a mais em mim.

    A situação no qual se conheceram, é no mínimo, um pouco cômica... E, esse mistério inserido na trama, deixa tudo mais dinâmico e bom de acompanhar!

    Espero lê-lo em breve e gostar, pois apesar de não ter lido muitos livros da Júlia, eu adorei a escrita dela.

    ResponderExcluir
  2. Como fã de romance de época e com isso, fã do trabalho primoroso de Julia, namoro este segundo livro desde seu recente lançamento.
    A autora parece que conseguiu mais uma vez, mostrar que ainda bem que suas letras evoluíram muito desde a construção desta duologia, mas mesmo assim, tendo sido escritos há tanto tempo, conseguiram manter as marcas já registradas da autora.
    Bom humor e romance?
    Quero. E os dois livros!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Julia não falha em trazer uma bom romance que nos acolhe o coração. Já conhecia a Duologia, mas, embora as pinceladas clichês dentro do enredo, sempre quis conhecer a história de Ellie e Charles em particular. Ainda mais por saber que é uma obra que nos faz repensar sobre a forma como estamos movendo nossas próprias vidas para alcançar nossos objetivos.

    ResponderExcluir
  4. Sou completamente apaixonada pelos livros da Julia Quinn.
    A duolgia das irmãs Lyndon está na fila para ser lidos.
    Gosto muito de histórias como Mais Forte Que o Sol onde acompanhamos o romance dos protagonistas.

    ResponderExcluir
  5. Nunca li nada da Julia Quinn, mas gosto das resenhas sobre os livros dela.
    Eles seguem um padrão de mocinha desastrada ao mesmo tempo que é a frente do seu tempo, e isso eu acho bastante interessante.
    E tem um certo humor.
    Gostei da mensagem que o livro passa.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. A personagem parece ser interessante, gostei por ela não ter se deixado abater com as tramoias na casa depois do casamento e foi em frente descobrir quem fazia isso, mostra que ela é forte e decidida. Adorei que não teve enrolação no romance que o casal assumiu o que sentiam, é cansativo quando ficam negando. Parece ser uma leitura gostosa e que agrada.

    ResponderExcluir
  7. Me lembrou outro livro dela com isso de casamento rápido assim, a personagem tendo que se impor na casa estranha, o relacionamento depois do casamento e coisa e tal. Mas pelo menos aí não tem aquela enrolação do casal que não admite se gostar. Ahh às vezes isso me dá nos nervos! Parece que ela fez umas coisas legais quanto ao casal em relação a isso e ter uma adaptação da garota na vida nova e essas coisas que a gente espera num livro assim chama atenção. Não só enrolar com romance, sabe? Até um certo mistério pra resolver, umas intrigas e etc. É mais um dela que gostaria de ler. E com clichê, porque amo um bom clichê nesse tipo de livro xD

    ResponderExcluir
  8. A arqueiro sempre arrasa nos romances de época, e a Julia Quinn mais ainda.
    Desde que vi no lançamento, já estou louca para ler.
    Eu amei a premissa e o casal parece ter uma química incrível e isso de ser super bem humorada me deixa mais animada ainda.

    Beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  9. Olá Lari!
    Por ser um romance de época já em chama atenção...
    Eu já tenho ele anotado nos meus desejados e tô torcendo pra que surja uma oportunidade logo...
    Eu nunca li livros da autora acredita?
    Morro de vontade de conhecer...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Oi Lari,
    Meu primeiro contato com romance de época foi com a Julia Quinn e depois que li o primeiro livro dela pude entender o porque da autora ser tão bem recomendada. Em se tratando do gênero algumas coisas são difíceis de inovar, mas isso não muda o fato de que a premissa do livro chama bastante atenção. Ellie tem uma mente bem interessante e gostei de ver como ela é inteligente. Quando surge a oportunidade de escolher o próprio marido (mesmo que não seja por amor) ela não exita e aceita o desafio e com ele todos os problemas pós-casamento. Já o Conde certamente trará cenas bem engraçadas para a trama começando com seu primeiro encontro com Ellie. O casamento por conveniência pode não ser a melhor solução, mas é a que irá funcionar para ambos e o romance que surgirá com isso me deixa bem animada para ler essa história.

    ResponderExcluir
  11. Lari!
    Como sou totalmente encantada com a escrita da autora, quero muito poder ler esse livro.
    E ver que o entrosamento das personagens foi perfeito e diria até idílico, me deixou ainda mais encantada.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  12. Não gostei muito do livro sinceramente acho que foi uma das duologias mais fracas da Júlia Quinn e eu não sei porque as pessoas supervalorizam tanto ela sendo que eu prefiro mesmo os livros da Lisa kleypas

    ResponderExcluir
  13. Olá, Lari
    Ainda não li nada de Julia Quinn, mas leio bastante resenhas dos livros dela e pude perceber que esse livro é melhor que o primeiro.
    Com personagens cativantes e Ellie forte e inteligente quero muito ter a chance de ler.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oi, Lari!!
    Adoro os livros da Julia Quinn e estou louca para comprar esse segundo livro da duologia Irmãs Lyndon, pois tenho o primeiro e gostei bastante da história.
    Bjos

    ResponderExcluir
  15. Oi Lari,
    quero ler mais Julia Quinn, e acho que vou começar por esse.
    Pelo o que você contou , a Ellie é uma personagem muito decidida e pra frente, que não deixa lhe humilharem nem a machucarem de forma alguma!
    Gostei disso!
    Vou querer ler , sim!
    bjss

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©