3 de novembro de 2018

Resenha: O Reino de Zália

No primeiro livro de fantasia de Luly Trigo, uma princesa se vê obrigada a assumir o governo do país em meio a revoltas populares, intrigas políticas, conflitos familiares e romances arrebatadores.
Por ser a segunda filha, a princesa Zália sempre esteve afastada dos conflitos da monarquia de Galdino, um arquipélago tropical. Desde pequena ela estuda em um colégio interno, onde conheceu seus três melhores amigos, e sonha em seguir sua paixão pela fotografia.
Tudo muda quando Victor, o príncipe herdeiro, sofre um atentado. Zália retorna ao palácio e, antes que possa superar a perda do irmão, precisa assumir o posto de regente e dar continuidade ao governo do pai. Porém, quanto mais se aproxima do povo, mais ela começa a questionar as decisões do rei e a dar ouvidos à Resistência, um grupo que lidera revoltas por todo o país. Para complicar a situação, Zália está com o coração dividido: ela ainda nutre sentimentos por um amor do passado, mas começa a se abrir para um novo romance.
Agora, comprometida com um cargo que nunca desejou, Zália terá de descobrir em quem pode confiar - e que tipo de rainha quer se tornar.

Título Original: O Reino de Zália
Autora: Luly Trigo
Páginas: 436
Editora: Seguinte
Livro recebido em parceria com a editora
Compre aqui 

Zália é uma adolescente quase normal: está no último ano da escola, tem amigos super legais e é a princesa de Galdino. As coisas vão extremamente bem com Zália — que sonha em ser fotógrafa —, até que seu irmão, o príncipe regente, sofre um atentado. Assim, a protagonista se vê obrigada a assumir um cargo que nunca desejou, e sem um pingo de preparo, para dar continuidade ao governo do pai.

Ser princesa regente nunca foi o desejo de Zália, pois nunca pensou em abrir mão dos próprios desejos para governar um país inteiro. Ainda assim, ela já se mostra uma pessoa formidável quando percebe que essa é a única opção segura para o povo. Porém, a princesa possui ideais completamente opostos ao do pai, que sempre coloca defeito em tudo o que ela faz e tenta diminuí-la de todas as formas possíveis. Eu não consigo calcular a raiva que senti do rei, principalmente pelo fato de ele não entender que, antes de qualquer coisa, ele é pai de uma pessoa como qualquer outra.

Para início de conversa, Zália seria apenas um peão na mão do rei. Mas não é exatamente isso que acontece. Depois de estudar um pouco e se envolver com algumas questões políticas, a princesa regente percebe que há muita coisa errada no reino e decide investigar, chegando ao ponto de questionar algumas atitudes do pai. A medida que as páginas passam, a gente vai ligando os pontos, vendo que algumas contas não batem e o pior é que ninguém no castelo parece 100% confiável.

Não bastasse a preocupação com o Reino, Zália ainda tem que lidar com seu novo guarda-costas, uma antiga paixão que nunca foi esquecida, e o seu novo professor particular que demonstra ter outros tipos de interesse por ela. O triângulo amoroso não é o foco da história e não é exatamente incômodo, mas não posso falar que faria falta caso não existisse. Enzo, apesar de parecer um cara legal, não é muito bem desenvolvido a ponto de fazer a gente torcer por ele. Por outro lado, Antonio é o próprio príncipe encantado, tão perfeito que é impossível não ficar com a pulga atrás da orelha.

O tema central do livro com certeza é o ponto alto da leitura: a corrupção em um governo que parece perfeito. É impossível ler O Reino de Zália sem se lembrar de toda a sujeira do nosso próprio país. Segundo a própria autora, a monarquia ajudaria a alfinetar todas as coisas erradas que acontecem por aqui. Luly Trigo inclusive uma Resistência maravilhosa para contrapor o governo e lutar contra ele. É ou não é pertinente, levando em conta todas as coisas que estamos vivendo aqui no Brasil?

Há muitas discussões sobre política, de uma forma bem clara e interessante — o que eu achei extremamente válido e importante, principalmente se levarmos em conta o público alvo, adolescentes, que não têm lá muito interesse sobre o assunto. Além disso, Trigo aborda assuntos como desigualdade social, força feminina e problemas familiares de uma forma muito bacana. Eu realmente gostei muito de como as mulheres têm papéis muito importantes em O Reino de Zália, e não estou falando só do fato de a protagonista ser detentora do poder maior.

Além da própria Zália, a personagem que eu mais gostei foi, de longe, a Mariah, a professora particular da menina. Gente, que exemplo de mulher! Inteligentíssima, super comprometida com sua profissão e uma militante incrível, sempre ao lado do povo. Os melhores amigos de Zália também são muito legais: Gil, Julia e Bianca dão um toque a mais na história, mostrando que amigos são muito importantes, principalmente nas horas mais difíceis.

Tirando o fato de todos os problemas da monarquia serem resolvidos de uma forma simples e bem rápida — o que a gente sabe que é impossível acontecer de uma hora para outra —, eu gostei muito da mensagem de esperança que Luly Trigo quis passar com Zália: uma pessoa realmente disposta a consertar os erros e fazer o melhor, e o melhor de tudo, do mesmo lado do povo.

15 comentários:

  1. Acho extremamente importante colocar essa temática de política, ainda que na forma de monarquia, corrupção, lutar pelo que é o certo, falar sobre A força da mulher em um livro YA e nacional, especialmente no atual momento.
    Que bom também que há romance na dose certa sem perder o foque principal do Livro.

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente incrível!! Adorei como a autora conseguiu tornar Zália uma protagonista tão forte e com princípios tão bons.
    Eu também achei bem interessante a forma como ela trabalha a política na história. No cenário que vivemos hoje, é muito importante que as histórias voltadas para o público adolescente tratem de assuntos no qual eles não possuem tanto interesse, e que desperte esse interesse neles. Já que a história é baseada em uma fantasia.
    Vale mesmo a pena ler. Já vai para minha lista!!
    Adorei a resenha.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, eu achei sensacional por isso mesmo. Os jovens não são muito interessados em História mesmo e esse tipo de livro pode ajudar nisso.
      Espero que você goste quando ler!

      Excluir
  3. Nestes tempos pós eleições, onde os ânimos ainda estão exaltados, bom ter e ler uma obra assim!Que não só traz uma protagonista totalmente despreparada, que não quer o poder, mas que do dia para a noite, se sente na obrigação de defender o seu povo e consertar tantos erros.
    Bem que aqui poderia ser assim também!rs #sqn!
    Adorei a capa deste livro desde que o vi pela primeira vez e mesmo com esse "defeitinho" de ter soluções bem rápidas para o problema,quero muito poder conferir sim!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Que acaba chamando atenção pelo nosso cenário isso chama mesmo. Achei interessante falar de corrupção num governo assim porque meio que passa aquela ideia de fantasia mas de realidade também né? Essas coisas acontecendo por aqui e você ter um livro assim acaba interessando e não ser aquela coisa do tema mais chato, de falar pra um publico mais novo é legal. Força feminina é outro ponto que adoro. Só esse negócio das coisas se resolverem fácil que pode ser um tanto chatinho, mas dependendo de tudo dá pra relevar, pela mensagem e tudo que o livro passe. Parece ser bom.

    ResponderExcluir
  5. Não tive interesse quando vi o lançamento desse livro; a capa me pareceu de um livro mais juvenil.
    Gosto de histórias de príncipes e princesas , mas acho que isso não é o bastante para mim.
    O único ponto que me chamou atenção foi a questão política, muito bom a Luly fazer essas críticas e abordar essa toda essa sujeira que há nesse meio.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Amei a capa justamente pelo fato de que Zália não lembra nada, nadica de nada uma princesa (Amei!) assim que comecei a ler a resenha já amei imediatamente, Zália parece ser aquele tipo de personagens realista na medida do possível, e olha que chique um Guarda-costas (que ainda por cima é uma amor do passado? Que tudo!kkkk) mas que pena que o romance não é tão o centro assim do livro, seria um pouco clichê,mas seria interessante, concordo não tem como nem ver ou ouvir a palavra governo sem olha para o nosso país (uma tristeza)! Também acredito que o papel da mulher na sociedade é tão importante quanto falar sobre política, discriminação, igualdade ou lutar por aquilo que se sabe ser o certo.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Ana
    Adorei a resenha!
    Gostei muito da premissa do livro e da proposta da autora de alfinetar o governo, as pessoas sobre o que acontece no nosso país.
    A capa é maravilhosa, colorida e passa realmente a impressão de uma moça que nem se preocupa com nada. Depois se torna uma personagem forte, batalhadora para mudar e lutar pelo seu povo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Ana,
    Sabe que pensei exatamente no público alvo do livro, não nego que política também não é meu forte em leitura, mas na atual situação, é importante compreender o que anda acontecendo, e que bom que a história soube mostrar um pouco dessa corrupção escondida, que digamos ser bem real, e até mais explícita.
    Achei que a história tem um enredo bem parecido com outros livros juvenis, principalmente no quesito do rei não aceitar as decisões da filha, mas não é nada que me incomode.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Ana!
    Estamos em época que livros como esse que trazem à luz, problemas séries governamentais e faz uma analogia com o poder de ter o poder nas mãos, principalmente de uma adolescente, achei muito criativo e com toda ccerteza faz o leitor parar para pensar ou repensar...
    Desejo uma ótima semana!
    “Para cada minuto que você se aborrece você perde sessenta segundos de felicidade.” (Ralph Waldo Emerson)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA NOVEMBRO - 5 GANHADORES – BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  10. Oi Ana!
    Tô namorando esse livro faz um tempinho, como eu não tinha lido nenhuma resenha sobre ele fiquei com o pé atrás de ler, mas, agora já conhecendo um pouco mais sobre ele, quero ler em breve.
    Gosto mto de livros do gênero então, creio que vou curtir a leitura.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  11. Oi, Ana!!
    Achei bem interessante a história, pois teve ter sido difícil para Zália assumir um cargo que não queria e não tinha preparo nenhum, e ainda mais por ser contra a forma de governo do pai. Estou bem curiosa para saber mais sobre essa história, e gostei demais da indicação.
    Bjos

    ResponderExcluir
  12. É muito importante inserir temas importantes e que precisam ser discutidos em um enredo interessante, de forma que não fique pesado demais, tendo em vista que é um livro adolescente. A Zália parece ser uma personagem bem interessante, sabemos bem que abrir mãos dos sonhos e ainda se opor a atitudes do rei não deve ser nada fácil.

    Evandro

    ResponderExcluir
  13. Gostei da forma com a qual livrar trabalhado mesmo abordando temas interessantes ele tem uma linguagem mais acessível ao público-alvo Isso é realmente algo bem interessante e a protagonista tem cara de ser uma das protagonistas que é dona de si próprio

    ResponderExcluir
  14. Fiquei com muita vontade de ler!
    Parece ser ótimo, bem escrito e bem desenvolvido, e com temas mais que atuais.
    A Zália me lembrou bastante a America de A Seleção, será que ela é fofa e forte daquele jeito também? kkkk
    Quero ler sim!
    bjs

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©