21 de janeiro de 2019

Resenha: Um Dia em Dezembro

Laurie não acredita em amor à primeira vista. Afinal de contas, a vida não é a cena de um filme romântico. Mas, então, em uma manhã de dezembro fria e com neve, o ônibus de dois andares em que voltava para casa para em um ponto. Ao olhar para baixo, ela o vê. Por um segundo transcendental, seus olhos se encontram... e então o ônibus começa a andar. Depois de muitos meses com a esperança de cruzar novamente com ele, Laurie acha que nunca mais verá o garoto do ônibus.
No entanto, um ano depois, em uma festa de Natal, sua melhor amiga, Sarah, apresenta o novo namorado, o grande amor de sua vida. Para seu profundo desespero e surpresa, ele é ninguém menos que o garoto do ônibus. Determinada a esquecê-lo, Laurie segue com sua vida. Mas e se o destino tiver outros planos?

Título Original: One Day in December
Autora: Josie Silver
Páginas: 392
Tradução: Carolina Simmer
Editora: Bertrand Brasil
Livro recebido em parceria com a editora
Compre aqui

Eu nunca fui de ler livros temáticos. Quando chega Natal e Ano Novo, vejo muitas pessoas lendo histórias sobre o tema, mas nenhuma nunca me chamou atenção. Resolvi ler Um Dia em Dezembro por puro golpe de sorte, só porque recebi em uma das edições da caixinha Very Important Book, do Grupo Editorial Record. É mais um clichê de Sessão da Tarde, mas não daqueles gostosinhos que a gente gosta de ver sempre que passa. "Mais do mesmo" é a expressão perfeita para essa história, mas acrescentando alguns defeitinhos. 

Em um dia aleatório de dezembro, Laurie está voltando para casa depois de um dia cansativo de serviço quando vê o cara perfeito no ponto de ônibus. Quando os olhares se cruzam, a protagonista tem certeza de que ele é o amor da vida dela. Só que depois desse dia, eles nunca mais se veem e a busca pelo rapaz se torna uma obsessão para Laurie. Um ano depois, quando ela está prestes a desistir e seguir com sua vidinha monótona, Sarah, sua melhor amiga e colega de casa, apresenta o seu novo namorado e adivinhem só? Ele é nada mais, nada menos que o moço do ponto de ônibus. Coincidência ou destino?

Para quem acredita em amor à primeira vista, provavelmente a história de Laurie e Jack vai ser perfeita, mas como me prendo à realidade, não funcionou para mim. Primeiro porque acho praticamente impossível você só ver um cara bonito e acreditar que ele é sua alma gêmea. Interesse, vontade de conhecer a pessoa e quem sabe ficar com ela é muito diferente de pensar em um desconhecido como o cara que você quer ter pelo resto dos dias. Esse é o primeiro ponto negativo. Depois, quando os dois voltam a se encontrar na pior situação possível, resolvem ignorar que se "conhecem" e ficam choramingando pelos cantos.

As atitudes dos protagonistas não me agradou em nada. De um lado temos Laurie obcecada pelo namorado da melhor amiga — coisa que provavelmente teria sido resolvida em instantes se ela tivesse sido sincera com Sarah —, usando um discurso de "ah, eles são namorados agora, eu tenho que aceitar isso porque nunca vi Sarah tão feliz, mas EU que deveria estar no lugar dela porque ele é o MEU cara do ônibus". Totalmente errada, misericórdia. Do outro lado temos Jack, o cara perfeito que não é tão perfeito assim, porque o tempo todo ele fica nessa de "eu amo a Sarah, mas a Laurie é um ser angelical e maravilhoso". Ai, por favor. Homens. Como o livro é narrado sob os dois pontos de vista, a gente sabe exatamente o que eles pensam e nossa, péssimo. Traição não é só ir lá e beijar outra pessoa não, viu? 

A promessa é que encontraria um romance inesquecível dentro de Um Dia em Dezembro, mas existem tantas histórias parecidas que nem vale a pena. Por exemplo, quem leu Um Dia do David Nicholls — que eu adoro, inclusive — ou Simplesmente Acontece da Cecelia Ahern, vai notar as semelhanças logo de cara: um casal que não fica junto por empecilhos colocados pelo próprio casal que não assume que existe um sentimento. A diferença é que nas obras citadas anteriormente os protagonistas eram amigos de longa data, então não foi um amor que surgiu do nada, coisa que nunca vai funcionar para mim.

Apesar disso tudo, confesso que achei o desfecho até fofinho, mas não vale todo o lenga-lenga do desenvolvimento, porque para mim é simples: se você está com uma pessoa pensando e outra, algo de errado não está certo e ponto final. Provavelmente a única coisa que me agradou de verdade foi a narrativa da Josie Silver, que é tão fluida e rápida que impede a gente de largar o livro logo no começo. O problema de Um Dia em Dezembro não é o clichê e sim a forma como foi desenvolvido. Para mim essa história tem muita coisa errada para ser considerada boa. 

12 comentários:

  1. Ah, pensei em ler quando foi lançado, mas acabou nem entrando na minha lista.
    Hoje em dia estou um pouco cansada desses livros mais dos mesmos, parece uma boa leitura, mas sem grandes atrativos. Que pena...

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu achei legal pra quem gosta de livros temáticos... Mas realmente, não tem nada de novo. :(

      Excluir
  2. Um Dia em Dezembro não me cativou de inicio, mas foi com o desenrolar do post sobre o livro que ele foi me conquistando. Laurie ter o sonho de ser jornalista, assim como eu, foi o primeiro ponto a me conquistar. Segundo, a premissa também foi um ponto interessante, essa história de amor sem nenhum contato é legal, mas pena que não funcionou muito pra você. Vou tentar!

    ResponderExcluir
  3. Rsrsrs Não adianta forçar algo quando o próprio tema já não nos agrada! Ao contrário de você, eu amo livros temáticos e assim que este foi lançado perto do fim do ano, fiquei maluca para conferir.
    Capa lindinha e um enredo clichê,mas gostoso.
    Ainda não consegui ler a obra,mas pretendo fazer isso em breve..e oh, posso reclamar também se tiver muito lenga lenga!rs
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Logo quando vi essa capa e título Um Dia de Dezembro me interessei logo, pois ao contrário de você, Ana, adoro livro temática, porém conforme ia vendo resenhas no Skoob e o seu story, percebi que o clichê fofinho tipo sessão da tarde que tanto adoro passou longe. Essa lenga lenga de Quero mas não devo mas tb não largo e isso de ficar enganado a amiga e no fim machucá-la não é pra mim.
    Gosto dos clichês e temáticos mas aqueles bem construídos

    ResponderExcluir
  5. É clichê, isso já sabia. E gosto de clichê. Mas clichê que pesa pro ruim é uma droga né?! Isso de amor a primeira vista até gosto dependendo do contexto, mas é mesmo difícil acreditar e ver aquilo acontecendo real. Gostar, ir com a cara, beleza. Amor? Difícil né. E tem uns pontos bem ruins aí. Obsessão, isso da traição nem que seja em pensamento...ah gente, tenho um troço com isso de não ser sincero com a pessoa com que está...se não gosta totalmente e tem duvidas deveria vazar. Vishi, [e muita coisa pra implicar aí. Sei não...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Convenhamos que um bom clichê não faz mal a ninguém! Mas ninguém merece quando é ruim, aí não tem como nem defender.
      Concordo com tudo que você falou. Sentir atração e gostar é totalmente diferente de amor.

      Excluir
  6. Oi Ana,
    Também não sou muito ligada em leituras temáticas e quando chega o final de ano passo bem longe de livros natalinos. A sinopse do livro promete uma história bem cativante, do tipo ideal par amantes de romances e como não é sempre que fico atraída por livros assim, não me vi muito curiosa com Um Dia em Dezembro, mesmo com toda a publicidade em cima dele. A ideia da autora não é original, pois já vimos isso em outros livros (inclusive você os cita na resenha), mas é algo que funciona quando bem desenvolvida. Esse amor à primeira vista que tentam vender nas histórias é algo que não me convence, principalmente nesta trama. Ver alguém uma vez e passar um ano inteiro só pensando nela não deve fazer bem para a sanidade de ninguém. A história parece que corre sem propósito nenhum e isso passa uma ideia de perda de tempo sabe? Pelo menos a leitura parece ter um ritmo bom e gostei da capa, mesmo tendo modelos humanos (o que muitas vezes não me agrada).

    ResponderExcluir
  7. Olá, Ana
    Não costumo ler livros com temáticas natalinas, mas a capa é maravilhosa e chama atenção.
    Gosto de clichês bem construídos, e essa trama não parece tão interessante assim com pensamentos com o namorado da amiga, traição.
    Se tiver oportunidade até leio.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi, Ana!!
    Li algumas resenhas sobre esse livro é sinceramente não gostei das atitudes dos protagonistas e não fiquei nenhum pouco interessada em fazer essa leitura.. Então, infelizmente esse história não funcionou e vou deixar passar a indicação.
    Bjos

    ResponderExcluir
  9. Oi Ana,
    Também não sou de ler livros temáticos, mas confesso que achei essa capa tão lindinha, e quando vi ele sendo lançado perto do natal, fiquei tentada, rsrs.
    Eu sou muito a favor dos clichês, tenho os dois lados, gosto de livros reais, mais acredito que esses romances água com açúcar também fazem bem em determinados momentos, o que me incomodou foi esse triângulo amoroso, a história poderia ter tido outro rumo, e poxa, ainda mais com melhores amigas, não gosto desse clima!
    Que bom que o final deu uma leveza nele, adoro desfechos fofos, rs.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Eu já tinha visto esse lançamento mas nunca procurei saber sobre o que ele se tratava e eu confesso que eu fiquei completamente cativado em realizar essa leitura principalmente porque eu gosto da ideia de um romance meio que proibido no caso a garota está apaixonada pelo namorado da amiga é um dilema assim me chamou bastante atenção

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©