10 de maio de 2019

Resenha: Minha Coisa Favorita é Monstro

Com o tumultuado cenário político da Chicago dos anos 1960 como pano de fundo, Minha Coisa Favorita é Monstro é narrado por Karen Reyes, uma garota de dez anos completamente alucinada por histórias de terror. No seu diário, todo feito em esferográfica, ela se desenha como uma jovem lobismoça e leva o leitor a uma incrível jornada pela iconografia dos filmes B de horror e das revistinhas de monstro.
Quando Karen tenta desvendar o assassinato de sua bela e enigmática vizinha do andar de cima — Anka Silverberg, uma sobrevivente do Holocausto — assistimos ao desenrolar de histórias fascinantes de um elenco bizarro e sombrio de personagens: seu irmão Dezê, convocado a servir nas forças armadas e assombrado por um segredo do passado; o marido de Anka, Sam Silverberg, também conhecido como o jazzman “Hotstep”; o mafioso Sr. Gronan; a drag queen Franklin; e Sr. Chugg, o ventríloquo.
Grande vencedor do prêmio Eisner, o mais importante do quadrinho mundial, nas categorias Melhor Álbum do Ano, Melhor Roteirista/Desenhista e Melhor Colorista.

Título Original: My Favorite Thing is Monster
Autora: Emil Ferris
Páginas: 416
Tradução: Érico Assis
Editora: Quadrinhos na Cia.
Livro recebido em parceria com a editora
Compre aqui

Tive uma surpresa quando recebi o quadrinho Minha Coisa Favorita é Monstro. Primeiro que eu não imaginava que ele fosse tão grande — sério, acho que é maior que um caderno — e segundo porque eu fiquei realmente impressionada com a beleza dele. O livro é um diário de uma criança que ama monstros e história de terror, e tudo é feio em caneta esferográfica. O mais interessante é que a protagonista, Karen, se desenha com uma lobismoça, enquanto a família e a maioria das pessoas ao seu redor são representados como humanos.

Mas enfim, o que vocês precisam saber é que existem várias histórias dentro de Minha Coisa Favorita é Monstro. Além da vida e dos pensamentos mais íntimos da Karen, que ela desenha com todos os detalhes possíveis, conhecemos a história dos outros personagens através dos olhos dela. Em primeiro lugar, temos a família dela, composta pela mãe e pelo irmão mais velho — cujo passado é cheio de mistérios que a gente fica louco para descobrir. Depois, o livro passa a ter uma outra cara quando a vizinha de Karen, Anka, é encontrada morta em seu apartamento.

Os policiais que cuidaram do caso juraram de pés juntos que Anka se matou, já que não foi encontrado nenhum sinal de invasão, mas Karen tem certeza que sua amiga foi assassinada — não só porque não encontraram a arma do crime, mas porque a menina sabe de uma coisa que mais ninguém sabe. Além do mais, Anka era judia e, aparentemente, também tinha vários segredos. A partir daí, somos inseridos em mais uma história, que narra o passado de Anka e nos dá esperança de entender o que realmente aconteceu com ela. 

No meio desse bolo de informações, Emil Ferris ainda consegue inserir de forma magistral, sempre através dos olhos de Karen, a história de vários personagens secundários: a de um amigo que é negro e sofre bastante com todo o preconceito — que ainda é muito forte na atualidade e era ainda pior na época em que o quadrinho se passa; a de uma amiga muito próxima do colégio que não é que ela é de verdade; a de uma outra amiga que além de ser muito pobre, não é enxergada por mais ninguém além da própria Karen... E assim acompanhamos uma obra intrincada, mas extremamente bela. 

Eu fiquei encantada pela Karen. Apesar de se esconder sob a aparência de um monstro, ela é com certeza a personagem mais bondosa de Minha Coisa Favorita é Monstro. Apesar de ter apenas dez anos, é muito inteligente e curiosa, e carrega uma inocência que acaba machucando a gente. Por exemplo, em determinado momento da história sobre o passado de Anka, em que os horrores da Segunda Guerra Mundial são explanados — as capturas, os guetos e campos de concentração, todas as mortes —, é nítido que para a protagonista são informações abstratas, e isso mexe com a gente justamente porque sabemos que foi algo muito horrível. 

Minha Coisa Favorita é Monstro é, de um modo geral, emocionante demais. A única coisinha que me deixou muito bolada foi o final, que é tão aberto, confuso e frustrante que eu tive vontade de jogar o livro na parede. Eu já estava pensando em fazer um textão reclamando quando eu descobri que a obra original foi dividida em dois volumes — desculpem o chilique —, então eu mal posso esperar para dar continuidade às essas várias tramas que me trouxeram sensações inimagináveis.  Ah, resolvi não colocar fotos da obra nessa resenha para que você sejam surpreendidos também. ;)

12 comentários:

  1. Eu andei olhando este livro já tem um tempinho e realmente, é um livro muito diferente em todos os quesitos!
    O formato, ilustrações...tudo é como um mundo novo.
    E o mais gostoso é ver também que o enredo surpreende, aprisiona o leitor ali, até saber de fato o que houve de verdade.
    Acho muito gostoso isso de também juntar histórias, de tornar tudo um prato gostoso.
    Fiquei surpresa agora com esta informação sobre serem duas obras, eba!!!!
    Beijo

    ResponderExcluir

  2. Uauuu! Estou impressionada com Karen, não só por ela se enxergar como lobismoça, mas pela sua generosidade e astúcia. E esse irmão, hein, sei não...aí tem...
    Uma HQ de 400 e poucas páginas é uma coisa rara de se ver e pelo que compreendi da resenha a história de Karen tem muito material e material bom, para deixar essas páginas vibrantes e, instigantes 

    ResponderExcluir
  3. Nossa, nem tinha visto que era tão grande assim! Isso me impressionou. Geralmente em coisa do tipo vejo menos páginas né. Mas parece bem legal e esse tanto de página só tem coisa boa pra conhecer. O jeito da história e da garota animam. Esse detalhe dela de monstro, ver os outros personagens por ela e os desenhos e detalhes dela parecem bem legais. E por ser uma personagem que encanta assim já deixa uma curiosidade. Só é ruim ter que esperar continuação! Parece muito gostoso de ler.

    ResponderExcluir
  4. Eu não acompanho esse mundo dos quadrinhos. Mas achei interessante a forma que o autor utilizou para falar de tantos temas importantes e ainda colocar um assassinato e um mistério a ser desvendado no enredo. Gostei do desenho na capa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nil, eu também não acompanhava muito! Fui chegando de mansinho e hoje adoro. Leituras rápidas e geralmente não decepcionam.

      Excluir
  5. Fiquei muito curiosa para conhecer essa edição.
    Leio pouca (ou quase nenhuma) hq, não sou fã de terror, mas essa me chamou atenção.
    Histórias narradas por crianças sempre e encantam e quero descobrir porque é uma hq emocionante.
    Espero que o segundo feche as pontas.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi, Ana!!
    Já conhecia um pouquinho desse quadrinho Minha Coisa Favorita é Monstro, e toda vez que leio alguma coisa sobre essa HQ fico babando com as imagens perfeitas e uma história muito interessante. E que bom que a história não ficou em aberto e que tem uma continuação, espero que não demore muito para sair a continuação.
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Uau, tudo feito em caneta esferográfica! Acho que essa HQ é muito rica, no sentido de trazer à tona a questão do preconceito racial e socioeconômico, enfim, a invisibilidade social. Acho que os personagens estão bem desenvolvidos, além do cenário investigação que parece ser convidativo. Mas, sendo sincera, apenas pela sinopse não compraria a HQ. É por isso que temos que ler as resenhas nos Blogs, né?

    ResponderExcluir
  8. Oi Ana,
    Nem sempre os livros nos apresentam crianças que gostam de histórias de terror, por isso a premissa de Minha Coisa Favorita é Monstro me chamou atenção. Há quem diga que criança estão alheias as coisas que as cercam e essas pessoas não estão erradas, mas tem um grupo de crianças que são bem observadoras e acho que Karen é uma delas. Acompanhar as histórias de outros personagens por sua visão deve ser bem interessante, tanto por sua inocência quanto pela forma como ela as conta. O quadrinho me parece ser bem rico em histórias e elementos. A autora aborda temas importantes e ainda insere um assassinato, o que deixa a trama bem mais intensa. Mesmo que eu, ainda, não leia quadrinhos foi difícil não me sentir atraída por essa história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu concordo. Criança é a coisinha mais esperta que existe no mundo! Inclusive a gente tem que ser até cuidadoso com o que falamos perto.
      O quadrinho é realmente riquíssimo!

      Excluir
  9. Olá, Ana
    Nossa que HQ maravilhosa! Já li algumas resenhas sobre ela e vi muitas fotos, as ilustrações são maravilhosas.
    Aborda muitos temas que tenho certeza que nos leva a refletir e emocionar com Karen. E ainda tem continuação, estou ansiosa para saber como termina tudo pela visão de Karen.
    Quero muito ter oportunidade de ler, beijos!

    ResponderExcluir
  10. Não gosto muito de quadrinhos mas quero ler mais esse ano, e esse já vai pra lista!
    Parece ser lindo e tocante.
    Ainda mais que fala um pouco sobre a Segunda guerra.
    Vou querer conferir em breve!
    bjs

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©