3 de agosto de 2015

Resenha: O Álbum

Título Original: Forever Friday
Autor: Timothy Lewis
Páginas: 240
Tradução: Ana Paula Corradini
Editora: Novo Conceito
Livro recebido em parceria com a editora.

Para Adam, negociante de objetos usados, a casa de Gabe Alexander é apenas uma propriedade que será esvaziada e vendida pelo maior lance. Entretanto, em meio às prateleiras repletas de relíquias, um álbum antigo atrai sua atenção. Nele há cartões-postais amarelados pelo tempo, escritos ao longo de 60 anos. Intrigado, Adam começa a lê-los: eles estão cheios de frases românticas e delicadas, as provas do amor incondicional entre Gabe e Pearl Alexander. Gabe cuidava para que um cartão chegasse às mãos de Pearl todas as sextas-feiras. Cada um deles possui não apenas um poema, mas verdades preciosas sobre o cotidiano de um casal que viveu um sonho. A soma de todas essas verdades talvez responda perguntas que Adam se faz há muito tempo.

Toda vez que eu leio um livro muito bom fico com dificuldades para escrever a resenha, mas acreditem ou não, é ainda pior quando eu leio um livro muito ruim. Não sei se vocês sentem isso, mas quando o livro é bom demais quero falar tudo sobre ele, colocá-lo em um pedestal para todo mundo querer ler, mas quando o livro é ruim é difícil falar. Na verdade, eu fico bastante triste quando tenho que escrever sobre algo que não gostei nem um pouco, e foi justamente isso o que aconteceu com a obra de Timothy Lewis. 

Adam, um simples negociante de objetos usados, se depara com um precioso álbum antigo, contendo cartões postais, enquanto esvaziava a casa do falecido Gabe Alexander. Ao examinar o álbum, percebe que os postais estão todos preenchidos com poemas de amor destinados a sua esposa, Huck Alexander. Sua maior surpresa foi descobrir que os cartões foram enviados pelo homem todas as sextas feiras por sessenta anos, desde o dia em que se conheceram. 

Por estar passando por um divórcio, Adam decide pesquisar mais sobre a vida do casal para encontrar algumas respostas para os problemas que teve em seu casamento. Assim, ele conhece uma pessoa que foi bem próxima de Huck e que pode tirar todas as suas dúvidas sobre os poemas, além de conhecer um pouco mais da história dos Alexanders. 

[...] — E por que você faz essas perguntas tão profundas?
— Porque, Adam... Sem perguntas profundas, há apenas respostas superficiais.
(pág. 102)

O livro é narrado sobre o ponto de vista de três personagens distintos e em tempos diferentes, com Adam narrando o presente, Huck alguns anos antes do álbum ser descoberto e Gabe e Huck começando pelo ano de 1926, que foi quando se conheceram. A maioria dos capítulos focam a história do casal e, apesar da alternância entre o presente e o passado, a narrativa não fica confusa. Porém, não posso dizer o mesmo sobre ficar cansativa...

Na verdade, podem falar o que for, mas acho que nunca li um livro tão chato na minha vida. Gostei bastante da premissa do livro, sobre uma pessoa totalmente aleatória encontrar um bem tão precioso e tentar buscar mais sobre o que encontrou, mas acho que Timothy Lewis não soube aproveitar. Em uma nota no fim do livro, o autor conta que a história foi baseada em fatos reais, mas eu não consigo acreditar que duas pessoas se apaixonam tão rápido assim. Sim, eu acredito em almas gêmeas, acredito em amor verdadeiro e que pode durar uma vida, mas não consigo acreditar em um amor que surgiu assim do nada, em uma semana. Eu não sei nem explicar a minha reação quando eles se casaram com menos de um mês juntos. Vocês podem até achar que é frescura minha, mas a própria narrativa deixou tudo muito forçado. 

E senhor de misericórdia, é muito mimimi para uma história só. Não existem outros personagem, tudo é focado apenas em Gabe e Huck e meu Deus, eu simplesmente não aguentava mais ler a rotina deles, não via a hora de o livro acabar. Fico muito triste por falar isso, mas O Álbum não é um livro que eu recomende para alguém, mesmo para os maiores amantes do romance.

Classificação final: 

2 comentários:

  1. Oi Ana, que pena quando um livro entra para a lista dos piores. Pelo que você falou, já que o livro tem enfoque na rotina do casal, o autor poderia muito bem ter elaborado mais como eles se conheceram e se apaixonaram e deixasse o "felizes para sempre" para depois, né? rsrsrs
    Já não era um livro que estava na minha lista, agora mesmo desanimei totalmente.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ju!

      É bem ruim mesmo, fico pensando se eu que sou má demais ou se o livro é realmente ruim. Acho que na maioria das vezes eu só não estava no clima, porque a maioria das pessoas amam os livros que detesto. Dava para o autor ter criado uma história bem mais cativante.

      Beijo!

      Excluir

 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©