3 de novembro de 2015

Resenha: O Meu Pé de Laranja Lima

Título: O Meu Pé de Laranja Lima
Autor: José Mauro de Vasconcelos
Páginas: 190
Editora: Melhoramentos

Na obra juvenil mais conhecida de José Mauro, a pobreza, a solidão e o desajuste social vistos pelos olhos ingênuos de uma criança de seis anos. Nascido em uma família pobre e numerosa, Zezé é um menino especial, inteligente, sensível e carente. Carente de um afeto que não encontra na família, o endiabrado garoto sai pelas ruas fazendo mil travessuras, que envolve o leitor ao revelar seus sonhos e desejos, por meio de conversas com o seu pé de laranja lima, encontrando na fantasia a alegria de viver.



Conheço pouca gente que não tenha se emocionado nem que seja um pouquinho com O Pequeno Príncipe ou até mesmo ficado com o coração apertado em Como Eu Era Antes de Você. Para mim, o maior mentiroso de todos é aquele que esconde os seus sentimentos. Vamos ser sinceros... A vida da gente é construída por momentos alegres e tristes, assim como nos livros. Podem tentar me convencer a qualquer custo, mas nem o sick-lit mais comentado, aquele com as frases mais marcantes e conhecidas, é tão triste quanto O Meu Pé de Laranja Lima.

Nesse livro, José Mauro de Vasconcelos narra de uma forma muito simples um pedacinho da vida de Zezé, um menino de apenas cinco anos (ou seriam seis?), nascido em uma família muito pobre, inteligente demais para a sua idade e, acima de tudo, carente e sensível. Apesar de todas as dificuldades da vida, Zezé é uma criança extremamente criativa. Mas o que esperar de um garotinho que aprendeu a ler sozinho aos cinco anos de idade? Mesmo com todas essas qualidade e infinitas mais, Zezé é um pouco desprezado por sua família (com exceção de Glória, uma de suas irmãs, que o protege de todo o jeito) e esse desprezo o leva a fazer várias travessuras para chamar atenção. 

Justamente por serem muito pobres, Zezé e sua família acabam tendo que mudar para uma casa mais barata, principalmente agora que o seu pai está desempregado e não consegue nada, nem por reza. No quintal dessa casa há várias árvores diferentes, mas Zezé acaba ficando com um pé de laranja lima pequeninho. É claro que ele não gostou muito da ideia no começo, porque queria a maior árvore de todas, mas eis que ele descobre que a pequena árvore consegue falar com ele. Depois disso, foi só amor. Além dessa incrível amizade com Minguinho (ou Xururuca), o pé de laranja lima, nosso amado personagem acaba criando um laço de amor muito forte com Manuel Valadares, um dos personagens mais importantes da trama (pelo menos para mim). 

— Matar não quer dizer a gente pegar o revólver de Buck Jones e fazem bum! Não é isso. A gente mata no coração. Vai deixando de querer bem. E um dia a pessoa morreu. (pág. 144)

O Meu Pé de Laranja Lima foi um dos primeiros livros que li na vida. Foi logo naquela época em que comecei a me interessar mundo literário, quando eu tinha uns nove ou dez anos, então tem uma grande importância para mim. Esses dias para trás resolvi que queria reler essa obra e foi uma das melhores coisas que resolvi fazer. Não lembrava muito da história, apenas os seus aspectos mais importantes. Assim como Zezé, eu sou extremamente sensível e me emocionei demais enquanto relia, muito mais do que na primeira leitura. Esse é, com toda a certeza do mundo, um dos livros mais lindos que eu tive a oportunidade de ler. 

Zezé era um menino muito levado, mas acredito que toda criança nessa faixa de idade é assim. Mas acho que no caso do Zezé ainda piora, porque ele não tinha uma presença materna, já que ela trabalhava para sustentar a casa e quem tomava conta dele eram os irmãos mais velhos. Irmãos esses muito cruéis, principalmente a Jandira, que judiava do menino sem dó. Às vezes batiam tanto nele (não só os irmãos, mas os pais, a madrinha, o tio...) que eu achava que ele ia morrer. As únicas pessoas que demonstravam um carinho verdadeiro por ele era o irmão mais novo, o rei Luís, Glória, uma das irmãs mais velhas, o senhor Manuel Valadares, o amado Portuga e, é claro, a professora dele, Dona Cecília. Até o pessoal da rua desprezava a pobre criança e isso me deixava muito triste durante a leitura. 

Por ser narrado por uma criança, é muito fácil de ler e consegue tocar a alma da gente. Zezé conta a história de uma foma muito verdadeira, a tristeza narrada é tão real que dói, e dói o tempo inteiro.  E o final, gente... Ah, o final... Não exite outro mais tocante. Não é atoa que é um dos meus livros preferidos da vida. Confesso que não sou muio conhecedora da literatura brasileira, mas por todas as minhas experiências posso concluir que O Meu Pé de Laranja Lima é o melhor livro nacional que já li. Para mim, nem as obras mais reconhecidas de Machado de Assis, Aluísio de Azevedo e outros tantos autores tão renomados chegam aos pés do livro de José Mauro de Vasconcelos.

Classificação final: 

6 comentários:

  1. Tenho esse livro há muito tempo, mas nunca nem pensei em iniciar a leitura. Foi um dos livros que ganhei na escola e fiquei guardando só por guardar mesmo. Mas agora estou bem feliz por ainda tê-lo aqui em casa porque fiquei com bastante vontade de ler. Estou realmente admirada em como você conseguiu passar perfeitamente o quanto o livro te emocionou através da resenha. Parabéns, viu?

    http://www.docenovembro.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana, eu morro de curiosidade de ler esse livro e já vi muitos falarem dele, mas, sinceramente, nem sabia do que tratava essa história. Adorei sua resenha, já tinha ficado curiosa em outro post que você comentou, quero ler mais que sempre agora! rsrs Lindas palavras <3

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Uau, que resenha! Depois desse teu comentário no final fiquei com uma vontade imensa de lê-lo que até fui lá no Skoob adicionar nos livros desejados! Ai, ai, nunca vou dar conta de ler tantos livros maravilhosos que existem nesse mundo!

    Beijinhos, Hel.
    http://leiturasegatices.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Que resenha linda!

    Pausa aqui agora. Comecei a escrever e fui procurar o livro nos sites que geralmente compro.

    O fato de você considerar mais tocante que O Pequeno Príncipe só me dá mais vontade de sair correndo para ler esse livro. Admito que tento, mas nem sempre avanço com literatura brasileira. Prometo mudar isso. Acredito ter encontrado o livro ideal para isso.

    Obrigado por ter me feito encontrar essa maravilha, que nem li e já considero totalmente ♥

    Beijos e abraços, Ana!

    ResponderExcluir
  5. Acho esse livro lindo!
    Toda a sutileza dela nos faz mergulhar numa história simples, mas cheia de significados.
    Adorei a dica e sua resenha
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©