11 de fevereiro de 2016

Resenha: Menino de Ouro

Título Original: Golden Boy
Autora: Abigail Tarttelin
Páginas: 384
Tradução: Cecilia Giannetti
Editora: Globo Livros

A família de Max não permitiria nenhum desvio na imagem perfeita que havia construído. Karen, a mãe, é uma advogada renomada, determinada a manter a fachada de boa mãe, esposa e profissional. Steve, o pai, é o exemplo do chefe de família presente em sua comunidade, favorito a um importante cargo público. O ponto fora da curva é Daniel, o caçula, que, para os padrões da família Walker, é “estranho”: não é carinhoso, inteligente ou perfeito como Max. Melhor aluno da escola, capitão do time de futebol, atlético, simpático, sucesso entre as garotas: Max, o primogênito, é o menino de ouro. Ninguém poderia dizer que sua vida não é perfeitamente normal. Ninguém poderia dizer que Max esconde um segredo.

Sempre procuramos ler livros que pessoas que possuem mais ou menos o mesmo estilo literário que a gente indicam, já perceberam? Foi justamente a opinião da Amanda, do Lendo & Comentando, que me fez ficar tão curiosa. O mais engraçado é que mesmo com toda a minha animação, só fui ler Menino de Ouro um tempão depois de ter assistido ao vídeo (não me lembro muito bem, mas acho que foi um vídeo de leituras). Sabe quando você sente que leu o livro na hora certa?

É extremamente difícil comentar esse livro sem dizer qual o misterioso segredo de Max Walker. Portanto, se você quiser ler a história e se surpreender assim como eu, pare de ler essa resenha por aqui. Menino de Ouro gira em torno de Max, um garoto perfeito com sua família perfeita vivendo em um mundo perfeito. O que quase ninguém sabe sobre ele é que, na verdade, ele não é exatamente um garoto, tampouco uma garota. Max é intersexual, ou seja, há uma variação em seus caracteres sexuais (isso inclui os cromossomos, gônadas e os órgãos sexuais) que impedem sua identificação como indivíduo masculino ou feminino. 

Parece complicado demais para ser verdade, não parece? Mas sim, existem vários casos de intersexualidade pelo mundo e achei fantástico a autora abordar justamente esse tema, principalmente pelo fato de não ser comum. Eu não tenho conhecimento médico nenhum (e, ao que parece, não é um ramo muito estudado na medicina) para dizer se o que eu li pode realmente acontecer, mas o fato é que essas pessoas sofrem um bocado na vida. Aposto que nenhum de vocês, leitores, parou para pensar em como o sexo define a vida de uma pessoa, não é mesmo? Desde muito novos somos criados para nos comportarmos de acordo com o nosso sexo: o jeito de agir, o que vestir, como se comportar... Em todos os nossos documentos consta que somos do gênero feminino ou masculino, mas nunca pensamos em como uma pessoa intersexual se sente em relação à isso. 

Mas você faz as suas escolhas, sejam elas suas próprias escolhas ou porque outras pessoas o forçaram a fazer. Motivos são motivos. Eles não são pretextos. (pág. 347)

Max Walker, na verdade, mesmo sabendo da sua condição, nunca pensou muito sobre o assunto porque a família sempre o tratou como um indivíduo do sexo masculino. Max se veste como os garotos da sua idade, frequenta o banheiro masculino, joga futebol e beija todas as garotas da escola... Mas a questão é: sua sexualidade foi definida por ele mesmo, por se sentir como um garoto, ou foi imposta pelos seus familiares? Isso me fez pensar demais durante a leitura e, sinceramente, não sei bem dizer se ele realmente "escolheu", principalmente depois que os fatos começam a surgir. Tudo bem, eu sei que não dá para tratar uma pessoa indiferentemente ao seu sexo, mas a cada página que eu lia, mais eu pensava que foi forçado. Eu nem sei dizer se foi realmente uma escolha, me parece até meio errado usar essa palavra, mas enfim...

O livro é narrado por várias pessoas (o irmão mais novo, a médica, o pai...), incluindo a mãe de Max, personagem pelo qual tive tanta repulsa após o ápice da história (acredite, Max ser intersexual é só o comecinho) que eu nem sei como explicar. Aposto que vocês concordam comigo que as pessoas, no geral, têm direito à escolha, né? Pois então... Karen é tão protetora, quer tanto esconder o que Max realmente é que chega a ficar irracional. Suas atitudes não foram para o bem do filho, foram para o seu próprio bem. 

Definitivamente Menino de Ouro trata de um tema super polêmico e pouco discutido. Acho que é muito mais que a intersexualidade, trata sobre a sexualidade em si. Até onde vai nossa aceitação em relação às pessoas? O que é "normal" para nós e o que faz uma pessoa ser ou não ser? Será que o que somos é uma imposição da sociedade? São muitas perguntas que podem gerar várias respostas, várias opiniões... A verdade é que, independente do gênero ou opção sexual, uma pessoa ainda é uma pessoa, é um ser humano que possui vontades e sentimentos, que quer viver igual a todo mundo. Portanto, merece respeito, compreensão e, principalmente, aceitação. 

Classificação final: 

14 comentários:

  1. Poxa Ana, que estraga prazeres. Eu queria ler a resenha, mas fiquei tão curiosa quando você falou que gostou do livro :( rsrs Não conhecia, mas agora fiquei com vontade de ler - mesmo sem ler a resenha toda.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Aninha,
    Fiquei dividida entre a vontade de ler a resenha e a vontade de ler o livro sem saber do segredo haha, vou ficar curiosa (por enquanto), mas pretendo ler o livro em breve.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ana!
    É tão bom quando resolvemos ler um livro por indicação e o livro nos surpreende,
    eu já tive algumas experiências muito boas lendo livros indicados por alguém.
    OMG, não faz isso não, eu sou curiosa de mais, então tive que ler até o fim ihihih.
    Nossa o segredo é realmente algo para tipo assustar o leitor e ao mesmo tempo
    fazer com que a gente pare para pensar em como deve ser para o personagem viver assim,como você diz que tudo indica que ele não escolheu ser garoto, os pais devem ter influenciado, logo imaginei que seria por causa da questão da figura masculina impor mais respeito, muitas pessoas ainda pensam assim.
    A sociedade ainda comete o erro de tentar moldar as pessoas, a imposição do padrão perfeito está em todo lugar, o corpo perfeito, o cabelo e as roupas da moda. Meninos podem fazer qualquer coisa, as mulheres não, dependendo da situação são tachadas para sempre por terem um "mau comportamento".
    Adorei conhecer o livro, ele tem um tema que eu nunca li e é muito interessante.
    Beijão!!

    ResponderExcluir
  4. Olá Ana, tudo bem?


    Eu também já comprei e li muitos livros por indicação, eu não conhecia esse livro ainda e achei bem interessante, dica anotada.....bjs.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Parabéns Aninha,pelo blog! Sucesso ai nos estudos!

    ResponderExcluir
  6. Olá!

    Eu não conhecia esse livro acredita? Mas como você disse é um tema bem polêmico e infelizmente pouco discutido.
    Pude perceber que é uma leitura enriquecedora e cheio de aprendizado.
    Realmente somos todos humanos, precisamos ser respeitados independente da opção sexual ou qualquer outra escolha da nossa vida.
    Parabéns pela leitura e resenha!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Ana Clara, a proposta desse livro é totalmente diferente de tudo do que eu já vi e esse segredo do Max me fez ficar bem mais curiosa para ler, nunca tinha ouvido falar sobre e você afirmou que há vários casos.
    Fiquei interessada.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  8. Oi Ana!!
    Menina eu to passado aqui que eu não conhecia esse livro e já estou adicionando ao meu skoob.
    Vamos lá eu adoro livros que abordam orientação sexual ou identificação de gênero, eles são importantes e amo saber que o mercado está se abrindo para esse gênero da literatura.
    Fiquei realmente interessado com esse livro pois já li livros com personagens gays, bi, trans, porém ainda não li com nenhum intersexual e acredito que seja importante ter conhecimento sobre tudo.
    Sabe Ana tudo que foge o dito como "normal" sofre represália Gays, bis, trans, mas acredito que a vida de uma pessoa intersexual realmente não seja fácil, como vocês mesma disse nos treinados para agir de acordo com um gênero, mas e quando não sabemos qual é o nosso gênero?
    Eu estou esperado pelo dia que a pessoas verão as outros como pessoas não apenas como cor, padrão social ou orientação sexual.

    P.S. Orientação sexual cai bem melhor que opção sexual, afinal ninguém escolhe o gênero com o qual vai viver né?

    Xo
    Alisson
    Re.View

    ResponderExcluir
  9. Oi Ana!

    Fiquei impressionada com o tema, na verdade, sem dúvidas é polêmico e acho que nem todo leitor terá, como posso dizer, cabeça e aceitação para este livro, pois é algo tão intenso e profundo, que poucos terão a sensibilidade de compreender o enredo de Menino de Ouro. Por conta do tema, que aliais, é o primeiro livro que vi tratando disto, fiquei interessada, gosto de livros com essa pegada, pois deixa o leitor em uma situação única, enfrentando até seus próprios questionamentos e dogmas. No entanto, teve um ponto que você citou, que me desanimou um pouquinho, é os múltiplos narradores, sinceramente, eu não gosto, mas acredito que isto pode ser irrelevante, visto a qualidade do enredo. Enfim, eu gostei da sua opinião e fiquei curiosa para conhecer mais sobre Menina de Ouro.

    http://www.daimaginacaoaescrita.com/

    ResponderExcluir
  10. Segunda resenha sua que eu leio, segundo livro que vai parar na minha lista de desejados. Assim não dá Ana, vou parar de vir aqui!
    Eu nunca tinha ouvido falar de intersexualidade e dei uma pesquisada aqui, achei bem curioso. Fico imaginando como a pessoa se sente sendo assim.Imagina a confusão que não fica a mente dela! Essas coisas de sexo e gênero são complicadas e as pessoas não estão preparadas para isso, em sua maioria, o que é bem ruim.
    Quero muito ler esse livro e saber quais outros problemas e temas a autora traz para a trama.

    beijos
    http://pobreleitora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Helloo, Ana! Tudo numa nice?!
    Sério, quando eu li o título, eu li Menina de Ouro e achei que tinha algo a ver com o filme kkk. Deve ser a necessidade de voltar a usar óculos ahahh que não me fez enxergar coerentemente. Mas enfim, eu não conhecia o livro e nunca o tinha visto por aí, concordo plenamente que esse é um tema polêmico. Nas aulas de biologia na escola os professores discutiam sobre o assunto em gametogênese e com os aparelhos reprodutores e os temas relacionados, fazendo pontes. A gente sempre ficava curioso para entender e o professor explicava da melhor maneira possível. Mas eu não tenho um bakcground sobre intersexualidade.
    Depois da sua resenha fui ler outras resenhas sobre esse livro por aí, ele não se enquadra na linha de leituras que faço.
    Ah, e eu sou daquelas também que ler por indicação e às vezes eu só vejo alguém colocando um livro na lista no skoob - se for alguém que conheço e que tem um gosto parecido - e eu corro para ler a sinopse para ter certeza se vou ler ou não ahaha.
    Beijin...
    Pieces of Alana Gabriela

    ResponderExcluir
  12. Oiee ^^
    Eu ainda não conhecia esse livro, e fiquei tentada a não ler a resenha quando você disse para parar, mas sou uma pessoa muito curiosa, então não resisti. Eu quero! Adoro livros onde os personagens são "diferentes", por assim dizer, ou polêmicos, de alguma forma. O único personagem intersexual que eu já conheci está numa série de TV, então fiquei muito curiosa para conhecer o Max, e para saber como ele vai lidar com isso tudo. Parece mesmo ser um livro incrível!
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Oi, Ana!
    Eu não sei nada sobre intersexualidade, para ser honesta é a primeira vez que vejo esse termo e pela premissa da história eu já fiquei bem curiosa para conhecer um pouco mais alguém que se define desta forma. Mesmo que seja na ficção.
    Ao que parece o livro acaba abordando muito mais as pessoas ao redor de Max do que dx próprix. Realmente, muito do que somos acabam sendo definidos pelos nossos familiares e sociedade. Enfim, parece ser uma leitura super legal. Beijos
    Sil - Estilhaçando Livros

    ResponderExcluir
  14. eU ACHO QUE JÁ HAVIA LIDO AGUMAS OPINIÕES SOBRE A OBRA, MAS NNCA ATÉ AGORA TIVE CERTEZA SOBRE O QUE SE TRATAVA (Desculpa o caps foi sem querer) Mesmo assim as opiniões geralmente eram positivas e reflexivas e me fizeram ter uma certa vontade ler o livro. Ai vem você e potencializa essa vontade, o tema além de não ser muito discutido é quase esquecido pela sociedade, então é algo que me interessa principalmente para conhecer um pouco mais do assunto, e claro descobrir o verdadeiro max

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©