18 de março de 2016

Resenha: Vamos Juntas?

Título: Vamos Juntas?
Autor: Babi Souza
Páginas: 144
Editora: Galera Record
Livro recebido em parceria com a editora.

Toda mulher já se sentiu insegura na hora de sair sozinha na rua. O risco de ser abordada, perseguida ou assediada é uma realidade. Mas, um dia, uma moça chamada Babi Souza teve uma ideia simples e revolucionária: da próxima vez em que você estiver sozinha, olhe para os lados. Pode ter outra mulher andando na mesma direção. Por que não vão juntas? Logo, o movimento Vamos Juntas? conquistou moças em todo o Brasil, se tornando um símbolo de união feminina e feminismo, na defesa por direitos iguais entre homens e mulheres. Aos poucos, muitas mulheres mudaram sua forma de enxergar o dia a dia e a moça ao lado.  Além de dados sobre o feminismo, que mostram como ainda há tanto a ser conquistado, este guia traz relatos de mulheres que aprenderam, junto ao Vamos Juntas?, a enxergar companheiras umas nas outras. A se unir, ao invés de rivalizar.

Acho que, no fundo, no fundo, sempre fui feminista. Lembro da minha infância e de como eu era discriminada por brincar de carrinho, de lutinha, por me sujar toda na terra, por não "sentar direito". Isso, é claro, vinha até um pouco dos meus pais, se eu for parar para pensar bem. Até hoje é assim. "Ah, porque esse short está muito curto, mulher tem que se valorizar, homem não gosta disso e daquilo, se você sair assim, vão mexer com você na rua e você vai achar ruim..." e vários outros absurdos que sou obrigada a ouvir todos os dias. E tem gente que ainda tem coragem de questionar o feminismo!

O movimento Vamos Juntas? foi criado pela Babi Souza e dissemina uma ideia muito simples, mas extremamente importante. Eu tenho certeza que você já voltou para casa sozinha, de madrugada, morrendo de medo. Todas nós já passamos por isso algum dia. Talvez alguma menina que estava caminhado muito perto de você sentia essa mesma angústia. "Na próxima vez que estiver em uma situação de risco, observe: do seu lado pode estar outra mulher passando pela mesma insegurança. Que tal irem juntas?" é o lema do movimento e já salvou muitas mulheres. 


O livro, que recebeu o nome do projeto, tem uma proposta incrível: é um manual para praticar a sororidade. Mas afinal, o que é isso? "Sororidade é a união e aliança entre mulheres, baseadas na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum". Resumindo, é um grupo de mulheres que lutam com garra pelo feminismo. Vejam bem, é importante lembrar que o feminismo não é o contrário de machismo, muito menos misandria (que é repulsa ou descriminação ao sexo masculino). O feminismo também não apoia a hierarquia de gêneros, e sim direitos iguais para os dois.

Um dos pontos mais retratados durante todo o livro é a violência contra a mulher que, infelizmente, ainda é tratada como algo normal. Sendo assim, uma das principais intenções do feminismo é fazer com que as mulheres entendam que elas não são obrigadas, de forma alguma, a passar por situações que as machuquem, tanto física como psicologicamente. Nós somos donas do nosso corpo e não há nada que justifique tal violência.


O movimento Vamos Juntas? começou com uma página no Facebook que, até o dia que escrevi esse texto, possuía 325.812 curtidas. Só com esse dado dá para ver a importância da sororidade. O livro também possui relatos de mulheres que já sofreram algum tipo de violência sexual ou que conseguira, de alguma forma, salvar outras de uma situação de risco. Minha parte favorita de todas foi uma linha do tempo que mostra as conquistas femininas no decorrer dos anos.

A Babi também fala muito sobre o empoderamento, que é acreditar na nossa capacidade, sem sermos egoístas, além de termos certeza que merecemos tantas oportunidades como qualquer outra pessoa, independente do gênero. Ah, outra coisa que é destacada é o empoderamento das mulheres ao seu redor também. E cá para nós, somos incríveis mesmo! Prova disso são as várias conquistas que obtivemos, como, por exemplo, o direito de estudar, de votar, igualdade de salários (que talvez não funcione tanto assim), a criação da Lei Maria da Penha e tantas outras.

A verdade é que, apesar de termos conquistado bastante coisa, não devemos parar de lutar e nada melhor do que fazer isso juntas. Sem essa de rivalidade, por favor! É muito importante estarmos unidas, praticarmos a sororidade para, assim, alcançarmos os nossos objetivos. Como a Babi mesmo disse, não exatamente nessas palavras, várias vozes juntas fazem mais barulho que uma só.

Classificação final: 

22 comentários:

  1. Oi Ana
    terminei de ler esse livro ontem, que por sinal é bem curtinho mesmo. Ainda assim garante uma leitura maravilhosa, seja para conhecer o movimento vamos kuntas? E para conhecer depoimentos, mais sobre o projeto e sua importância. Aodrei e quero indicar para todas as mulheres. Que nos mantenhamos juntas sempre!!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana,
    Que resenha incrível, eu vi esse livro em alguns instagrams e fiquei super interessada nele e agora sem dúvidas irei ler. Se pensarmos nas conquistas femininas nos últimos anos vemos que o cenário já mudou bastante, mas precisamos continuar lutando juntas, é muito bom conhecer um movimento que propõe isso ganhando tanta repercussão.
    Na minha infância eu também vivi muitos casos parecidos com os seus, eu sempre me perguntava "por que os brinquedos dos meninos eram mais legais?", como eu tenho um irmão eu acabava aproveitando os brinquedos dele também. E infelizmente isso reflete até na vida adulta, como na faculdade ainda existem muitos cursos que a maioria dos alunos são homens, como algumas engenharias e quando formam mulheres os seus salários não igualam ao dos homens ou não tem o respeito que o sexo oposto tem ao exercer a profissão. Para atingirmos a igualdade de gênero nada melhor do que lutarmos juntas.
    Beijos

    Blog: http://umrascunhoamais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Ana, logo que fiquei sabendo do movimento curti a página no facebook, achei a ideia muito legal. Acho que sou feminista desde sempre também, apesar de ter demorado um tempo para aceitar ser chamada assim, já que achava o termo inadequado antes. É difícil buscar a igualdade, mesmo dentro de casa, imagina na nossa sociedade. Adorei a ideia do livro, leria sem dificuldades;

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana,

    já ouvi falar bastante tanto do movimento quanto do livro, ambos são ideias incríveis. E realmente, só nos mulheres sabemos como é tenso andar sozinha na rua, sem saber se o medo maior é de ser roubada ou violentada...

    Beijos!
    Visite o Mademoiselle Loves Books
    http://www.mademoisellelovesbooks.com/

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pela resenha!!!

    Já conhecia o projeto e a página do facebook, então tenho certeza que esse livro deve ser incrível!!! Infelizmente o nosso caminho em busca pela igualdade ainda tem muitas pedras, mas com sororidade conseguiremos chegar lá! Precisamos de mais publicações que expliquem o que é feminismo para essa galera que confunde com machismo, misandria etc.


    Bjs,


    http://www.tamiresdecarvalho.com/

    ResponderExcluir
  6. Oiii Ana, tudo bem? Eu estou encantada com este livro, realmente eu não o conhecia e isso só aumentou a minha curiosidade e vontade. As imagens que você colocou só me mostrou a realidade que as mulheres enfrentam atualmente. Com toda certeza, irei realizar a leitura.
    Beijão

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia e já gostei muito.

    Indiquei seu blog em um prêmio Dardos Blogger.
    Vem ver :)
    Boutique de Clichês

    ResponderExcluir
  8. Estou escrevendo um romance que tem o tema sororidade, mas não de um jeito como o da Babi, pra ensinar, é romance mesmo. Vou, com certeza, ler esse livro! É um ótimo material de pesquisa, fora que vai ajudar a me fazer entender tudo isso também!
    Nunca pensei em olhar pros lados quando to me sentindo meio amedrontada e a ideia foi ótima!
    Bjs. Mari

    ResponderExcluir
  9. Olá, Ana.
    Eu não leria esse livro porque não gosto muito do gênero, mas apoio o movimento. Afinal quem nunca passou por isso. Comigo já cansou de acontecer de andar a noite sozinha e ver alguns homens e já começar a pensar no pior. Não deveria ser assim, mas infelizmente é.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  10. Ana Clara, não conhecia o livro e tão pouco o movimento.
    Mas com certeza já o apoio e vou curtir a página.
    Apesar de não fazer muito meu estilo com certeza leria o livro para ver os relatos.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  11. Olá,
    Eu sou feminista sim! E tenho orgulho disso. Eu sinto medo de sair de casa em qualquer horário pelo simples motivo de que sinto raiva ao ouvir um homem dando boa noite para você, mas não por educação e sim pelo seu corpo. Eu sinto raiva ao ouvir um elogio descarado de qualquer homem que me vê na rua. Eu me incomodo com cada cantada ridícula que ouvimos e me pergunto quando isso vai acabar. Eu sinto vontade de responder, mas sinto medo de que eles me façam mal. Adorei o livro da Babi e já adicionei a minha lista de livros que eu preciso ler.
    Beijos,
    Delírios Literários da Snow

    ResponderExcluir
  12. Oi Ana Clara tudo bem? Adorei o projeto e a idéia do livro viu! Esse tipo de trabalho tem que ser divulgado ao máximo. Parabéns pela resenha :D
    Bjs
    André
    Participe da nossa promoção de março

    ResponderExcluir
  13. Oi, Ana! Acho a proposta da página e consequentemente do livro incrível. Eu confesso que não sou muito empenhada no assunto, mas as vezes gosto de ler matérias e/ou livros sobre o assunto e este eu acabei colocando na listinha dos quero. Espero que esse livro seja apenas o primeiro de muitos que tratem do assunto, pois precisamos de mais mulheres informadas.
    Beijos
    Sil - Estilhaçando Livros

    ResponderExcluir
  14. O feminismo é um assunto importante que muitas vezes tratado errado e até explorado de forma errada, acompanho um pouco sobre a luta na internet e assim como a Sil, gosto de ler materias que envolvem o tema, que é importante, o livro chama a atenção não apenas pelo tema, mas também pelo modo como ele os aborda, e gostei de como você os descreveu na resenha, acredito que é uma leitura válida a todos, sejam homens ou mulheres.

    Da Imaginação à Escrita

    ResponderExcluir
  15. Oi, Ana!

    Eu fiquei sabendo quando confirmaram que o projeto teria um livro e adorei!
    O Vamos Juntas? é uma ideia maravilhosa, e esse livro, acredito eu, deveria ser lido por todos. O feminismo precisa ser entendido e a violência contra a mulher precisa deixar de ser apenas algo "normal".

    Abraços,
    Flávia Bergamin
    voceetaolivro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Realmente!! Conquistamos muitas coisas mas isso não significa que a nossa luta acabou. Achei muito interessante o tema desse livro. Fiquei muito interessada em ler. Pelo visto a autora abordou temas muito importante que nos envolve no dia a dia. Pois ser mulher não é nada fácil. Já está na minha lista de desejados.
    bjs

    livrosemarshmallows.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. Oiee ^^
    Eu também acho que sempre fui feminista, mas só cheguei a conhecer o movimento há dois anos, quando percebi onde me encaixava de verdade, quando percebi que violência contra a mulher não era algo normal, e que não existia igualdade nenhuma de gênero. Também recebi esse livro de cortesia da editora, mas ainda não tive tempo de lê-lo, mesmo querendo muito. Realmente, andar à noite e perceber que quem está atrás de você é uma mulher é um alívio muito grande.
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. Oi!
    Legal as cores da capa, bem chamativas e feminina.
    Eu me identifiquei totalmente com você, adorava brincar na rua e sentar então era algo complicado principalmente quando usava saia ahaha.
    Nossa eu quero esse livro, aqui em Porto Alegre a violência está cada vez maior e sempre ando olhando para os lados principalmente no final do dia quando as ruas já não estão muito movimentadas.
    A insegurança é algo que infelizmente faz parte do nosso dia a dia e eu adorei esse lema.
    Realmente já conquistamos muita coisa, mas ainda temos muito o que conquistar. Essa leitura deveria ser obrigatória para todas as mulheres.
    Beijão!!
    Lilica - O maravilhoso mundo da leitura

    ResponderExcluir
  19. Oi Ana, menina eu esperava tudo e qualquer coisa desse livro menos essa temática, estou completamente surpreso e surpreso positivamente, sou completamente a favor do feminismo e acredito que as mulheres devem sim buscar por seus direitos e liberdades!!
    é realmente triste a quantidade de mulheres que ainda sofrem maus tratos e o fato de ter medo de andar na rua sozinha ou ser julgada por usar uma roupa como se você culpa das mulheres os homens serem abusadores!
    Amei a premissa do livro, adoro livros que abordam temática importantes e que merecem destaque, se for possível eu o lerei!!

    Xo
    Alisson
    Re.View

    ResponderExcluir
  20. Ei, tudo bem?
    Eu conheci o projeto pelo livro, que recebi da editora. Li bem rapidinho e adorei a proposta do mesmo. Mas não concordo com tudo que ele propõe. Acho um projeto lindo, e que tem ajudado muitas mulheres por aí, e acredito que possa alcançar mais, mas tem coisas que ao meu ver são meio incabíveis. Enfim, adorei o que você falou do livro, tenho certeza que muita gente vai gostar e se identificar.

    Beijos, Gabi
    Reino da Loucura

    ResponderExcluir
  21. Sinceramente? Não me interessei nem um pouco. Na verdade, eu não me interesso por livros feministas, apesar de ser mulher. Traindo a minha classe? Não. Só acho que virou "modinha" esse negócio de todo mundo de repente defender o feminismo e se declarar feminista. Eu não preciso de livros para defender que nenhuma mulher deveria sofrer abusos de qualquer tipo, como este; eu não preciso de livros para me dizer que eu sou maravilhosa, que se as pessoas não gostam de como eu sou...minha opção sexual...que se dane (Mulheres - Sextante). O movimento feminista teve o seu valor quando as mulheres não podiam votar, não podiam se separar do marido; não podiam trabalhar fora...mas hoje, o feminismo não é uma luta por direitos. Mas sim uma luta contra a desigualdade (diferenças de salários). E, se for pra lutar contra desigualdades, eu vou lutar contra a desigualdade entre ricos e pobres...negros e brancos...qualquer tipo de desigualdade. Então, acho que não sou feminista. Sou desigualdista (pode ser? Se não existe, acabo de criar!)

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©