25 de novembro de 2016

Resenha: Lúcida

Um thriller psicológico eletrizante, do roteirista de Rain Man e O casamento do meu melhor amigo. Sloane é uma aluna nota 10, com uma grande e amorosa família. Maggie vive uma existência glamorosa e independente, como aspirante a atriz em Nova York. As duas não poderiam ser mais diferentes. A não ser por um pequeno detalhe, algo que não têm coragem de revelar a ninguém. À noite, cada uma sonha que é a outra. Os sonhos são tão vívidos que as garotas sentem e experimentam o que a outra está passando naquele momento. Seriam as duas reais? Uma delas estaria mentalmente instável e imaginando a outra? Seriam ambas a mesma pessoa? Qual delas é real?

Título Original: Lucid
Autores: Ron Bass & Adrienne Stoltz
Páginas: 365
Tradução: Glenda D'Oliveira
Editora: Galera Record
Livro recebido em parceria com a editora

Confesso para vocês que tenho um ponto fraco como leitora: sou cem por cento atraída pela capa dos livros. Provavelmente já perdi várias histórias sensacionais por esse motivo, assim como já me decepcionei várias vezes. Por um momento eu pensei em abandonar Lúcida e olha que eu não sou muito de fazer isso. Não tem como eu falar para vocês que eu me apaixonei por essa história porque eu estaria mentindo; para ser sincera, foi extremamente difícil concluir a leitura. 

Lúcida, criado pelo roteirista Ron Bass e sua parceria Adrienne Stoltz gira em torno de duas personagens, Sloane e Maggie. As duas vivem vidas totalmente diferentes em cidades diferentes, mas possuem algo em comum: todas as noites quando deitam para dormir sonham com o dia-a-dia uma da outra. Bizarro, não é? E isso acontece desde que elas se entendem por gente. Para mim esse fato já não tem nada de normal, mas as coisas começam a piorar quando elas começam a interferir nessas vidas. É tão confuso que dá um nó na cabeça da gente e no começo nem dá para imaginar o que acontece com Sloane e Maggie. 

Toda vez que tenho que fazer um crítica negativa de algum livro eu fico bem chateada porque eu sei que os autores deram o seu melhor. Não consigo negar que o enredo criado por Bass & Stoltz é realmente muito intrigante, mas para mim simplesmente não fluiu. Um ponto interessante é que a história levanta vários questionamentos envolvendo as duas meninas: será que as duas são reais? Será que apenas uma delas existe e sofre de um transtorno de personalidade múltipla? Mas se uma delas não existir, como é que teremos certeza que a outra também existe? Então, digo que o que me impulsionou a terminar o livro foi a vontade de descobrir as respostas para todas as perguntas que surgiam na minha cabeça. 

O livro mostra a vida de duas adolescentes de 17 anos com problemas normais para a idade, coisas que já estamos acostumados a ler. Mas gente, achei tudo detalhado demais. Acreditem ou não, a narrativa de Lúcida consegue ser mais lenta do que a de O Senhor dos Anéis, por exemplo. Além do mais, não senti como se fosse um thriller psicológico, a história está muito mais para um YA contemporâneo — obviamente por causa da faixa de idade dos personagens e do tipo de narração — com um quê a mais de mistério.

Eu sinceramente não sei se o problema está em mim, se não entendi o que os autores queriam passar ou se simplesmente não entendi bulhufas do que estava no livro, mas eu simplesmente não consegui me conectar, não consegui aceitar, digamos assim. O final deixou muitos dos meus questionamentos em aberto, o que não me agradou nem um pouco. Sinto que se Ron Bass investisse em uma produção cinematográfica, Lúcida com certeza faria muito mais sucesso. Mas é claro que sempre fica aquela lição de moral: nunca julguem um livro pela capa. 

Classificação final: 

7 comentários:

  1. Também sou atraída pelas capas, estava bastante interessada em ler esse livro só pela sinopse, mas agora depois de ver essa resenha fiquei um pouco desanimada, mesmo assim ainda pretendo conferi essa história, pois curto muito um thriller psicológico.

    ResponderExcluir
  2. Eu tbm costumo ser atraída no capas, acho que mt gente, né? A gente só cai na real quando pegamos o livro pra ler. Mas é assim mesmo. Eu me deparei com esse livro e me deu uma vontade imensa de ler mas depois dessa resenha ñ sei se ainda quero

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ludmila!

      Lê, boba! Quem sabe você gosta? Eu mesma sou danada pra gostar daqueles livros que as notas não são muito boas. rs

      Beijo!

      Excluir
  3. Oi, Ana! Tudo bem? Eu também fui atraído pela capa desse livro. Assim que vi, pensei: "Nossa, esse deve ser uma baita livro!" Ainda bem que li sua resenha e vi que não é bem assim... Adorei a resenha e a sinceridade! <3

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Que capa maravilhosa <3 deu até vontade de ler

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. OOi, a capa é mesmo um bom atrativo para querermos o livro, mais como vc disse acabamos nos decepcionamos pela história não ser tao maravilhosa quanto a capa, eu não fiquei com vontade de ler por odiar livros detalhados e explicações bobas sobre adolescentes!Mais obrigada!

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©