17 de dezembro de 2016

Resenha: O Livro de Memórias

Foto: Gettub
Sammie sempre teve um plano: se formar no ensino médio como a melhor aluna da classe e sair da cidade pequena onde mora o mais rápido possível. E nada vai ficar em seu caminho — nem mesmo uma rara doença genética que aos poucos vai apagar sua memória e acabar com sua saúde física. Ela só precisa de um novo plano. É assim que Sammie começa a escrever o livro de memórias: anotações para ela mesma poder ler no futuro e jamais esquecer. Ali, a garota registra cada detalhe de seu primeiro encontro perfeito com Stuart, um jovem escritor por quem sempre foi apaixonada, e admite o quanto sente falta de Cooper, seu melhor amigo de infância de quem acabou se afastando. Porém, mesmo com esse registro diário, manter suas lembranças e conquistar seus sonhos pode ser mais difícil do que ela esperava.

Título Original: The Memory Book
Autora: Lara Avery
Páginas: 392
Tradução: Flávia Souto Maior
Editora: Seguinte
Livro recebido em parceria com a editora

Sammie é uma garota como qualquer outra. Está prestes a se formar no Ensino Médio, é uma das melhores alunas — se não a melhor — do colégio, adora estudar e conseguiu com muito mérito uma vaga na NYU. Quer dizer, ela seria perfeitamente normal se não tivesse sido diagnosticada um pouco tardiamente com uma doença neurodegenerativa terrível, a Niemann-Pick C (NP-C). Basicamente Sammie teria sua saúde física e mental danificadas com o passar do tempo, e um dos vários sintomas da doença é a perda de memória, o grande triunfo da garota. Foi aí que ela resolveu escrever um livro para manter todas as suas lembranças a salvo.

Se você quiser ler esse livro pensando que ele será melancólico o tempo todo, pode desistir agora mesmo. Sammie é um poço e esperança e para mim esse fato foi o que me fez gostar tanto do livro. Ela raramente reclama da sua condição e acredita piamente que conseguirá driblar os sintomas para ir morar em New York. Não acho que seja um processo de não-aceitação, Sammie sabe muito bem que sua vida nunca mais será a mesma, mas penso exatamente como ela: do que adianta ficar sofrendo? A melhor forma de lidar com a doença realmente é ir tocando a vida enquanto ainda for possível. 

Através das memórias de Sammie sabemos tudo o que acontece em sua vida, até mesmo quando aquele carinha de quem sempre teve interesse começa a notá-la, quando um velho amigo volta a ser presente em sua vida. Às vezes Sammie passava vários trechos do livro sem sentir nenhum sintoma da doença e, quando surgiam, acabavam me surpreendendo muito. Sinceramente, esses pontos em específico eram os únicos realmente tristes e tensos. Posso dizer que o que eu mais gostei n'O Livro de Memórias foi o fato de Lara Avery não ter feito a NP-C o que movesse a história; a doença de Sammy parecia um mero detalhe em sua rotina na maior parte do tempo. 

De todos os personagens secundários, de longe o que eu mais gostei foi o Cooper, amigo da Sam. Eles passaram vários anos sem se falar, mas quando voltaram, parecia que nada tinha acontecido, sabe? É isso o que eu mais prezo nas amizades. A família da garota também é super amável, apesar de se mostrarem super-protetores até em excesso — não tô tirando a razão deles, porque né, deve ser um tanto difícil, cansativo e preocupante lidar com esse tipo de doença, em que a pessoa vai definhando cada vez mais. 

Narrado em forma de diário, O Livro de Memórias não é exatamente sobre ter uma doença terminal e aceitar isso como a maior verdade da vida, mas é sobre nunca desistir dos seus sonhos, independente dos empecilhos que a vida coloca no caminho. Na maioria dos livros do gênero, o maior medo do personagem doente é morrer, mas com Sammie foi tudo diferente. Ela tinha medo de ter um branco durante o seu discurso de oradora, tinha medo de esquecer como resolver uma equação, tinha medo de ver o seu futuro ser destruído, mas não necessariamente medo da morte. Sam é uma das personagens mais fortes que li na vida. 

Apesar de o final ser totalmente previsível, até porque, convenhamos, não tinha como ter outro final, eu gostei muito. O Livro de Memórias é sensível e inteligente e fala muito sobre esperança. O "engraçado" é que são nessas horas que percebemos que a vida da gente é muito boa, que devemos reclamar menos e agradecer mais. O triste é precisar de uma história como a de Sammie para percebermos isso. 

14 comentários:

  1. Também gosto de livros realistas, que tratam de algo importante e triste, como uma doença terminal, sem deixar que tal coisa tome as rédeas da história, mas também sem fazer de conta que simplesmente não existe. São livros assim que me fazem pensar que por pior que alguma coisa pareça, sempre existe o lado bom, a esperança.

    ResponderExcluir
  2. Tenho que admitir que compraria esse livro só pela bela capa! A premissa também é muito boa. Acredito que seja um daqueles livros que nos proporciona uma leitura bastante reflexiva, não? Eu também já li vários livros onde o protagonista ainda jovem tinha que lidar com doenças sérias e às vezes incuráveis e a trama na maior parte do tempo era melancólica e girava em torno do medo de lidar com a morte. No caso história de Sammie, me pareceu mais uma garota com medo de não realizar seus sonhos ou ter de limitá-los por conta da doença. Excelente resenha, fiquei louca pra ler! Beijo grande!

    ResponderExcluir
  3. Ana!
    Deve ser uma doença muito dolorosa e admiro a protagonista porque apesar de tudo, corre atrás dos próprios sonhos e não fica se lastimando, busca alternativas para ir driblando a doença e chegar aos seus objetivos.
    Deve ser um ótimo livro.
    “Natal não são as luzes lá fora, mas a Luz que brilha em seu coração... Feliz Aniversário, Senhor!” (Daniela Raffo)
    Boas Festas!
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de DEZEMBRO ESPECIAL livros + BRINDES e 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  4. Eu amo as resenhas do seu canal, e sempre quando você faz resenha sinto vontade de ler o livro, parabéns pela resenha Ana Clara!

    estanteclassica.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Para começar a capa deste livro está muito bonita, lendo a sinopse e a sua resenha curti bastante o estilo da história, que nos faz refletir, sem dúvidas pretendo ler.

    ResponderExcluir
  6. Esse lançamento me chama a atenção desde que foi anunciado, a capa é linda e o enredo me encanta, personagens que não ficam sofrendo por ter certas doenças me conquistam, e tenho certeza que sera emocionante acompanhar o aumento da lista de memórias dela, e refletir sobre o que queremos lembrar e o que esquecer.

    ResponderExcluir
  7. Quero muito ler este livro, parece ser um livro incrível.

    Vai ser uma das minhas metas para 2017, comprar este livro o quanto antes.

    ResponderExcluir
  8. que bom que o livro não é melancolico, mas e sim um poço de esperança
    eu estava com medo de ler esse livro porque achava que ia ser muito depressivo.
    mas pelo jeito estava enganada
    mas, realmente acho que deve ser um medo horrivel vc ir se esquecendo, já imaginou chegar um ponto que vc não sabe nem quem você é?

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    A capa em si já chama atenção e essa história então, li inúmeras resenhas sobre esse livro e ainda não tive a oportunidade de de ler esse livro, a Sam é incrível e não vejo a hora de conhecer mais dela. Achei bem legal o fato de que a doença dela não ser o centro de tudo, tenho um pouco de medo do que irá acontecer no final, mas mesmo assim esse livro entrou pra minha lista de desejados.
    Beijos Squad Of Readers

    ResponderExcluir
  10. Oi Ana, tudo bem?
    Estou apaixonada por essa capa *-*
    Deve ser bem complicado descobrir essa doença, mas gostei de não ser o ponto principal do livro, e da protagonista ser forte e mostrar que não é uma doença que vai fazer ela parar de viver a vida.
    Também prezo muito por amizades assim, passa anos sem se ver, mas quando se encontra parece que nunca teve essa distância.
    Adorei a resenha, vou tentar ler o quanto antes.
    Háá e gostei da ideia de ser em forma de diário, acho que vai deixar a leitura ainda mais interessante.
    Beijos!
    Lost Words

    ResponderExcluir
  11. A personagem deve ser um encanto apesar dessa doença não se deixa abater e vai atrás dos seus objetivos é um exemplo para muita gente. Me coloquei em seu lugar é terrível essa sensação que a qualquer momento pode te dar um branco e não se lembrar das coisas.

    ResponderExcluir
  12. Ao saber que a protagonista tinha uma doença neurodegenerativa me lembrei de um filme que assisti em que a protagonista dele também tinha. Acho super interessantes livros que trazem personagens assim, pois isso nos mostra como é a vida de uma pessoa com essa doença e a autora conseguiu inserir isso no livro de um modo diferente, com uma personagem também diferente de outros livros do tipo.

    ResponderExcluir
  13. Oi!
    Quando vi esse livro ele não me chamou atenção, mas estou lendo tantas resenhas positivas sobre ele que quero muito ler, adorei saber que mesmo o tema falando de um assunto tão denso não fiquei uma leitura melancólica e triste, adorei como a sammie continua seguindo com sua vida, mas como toda pessoa, ainda se preocupando e adorei como a autora não deixa isso se torna o foca principal do vida, mas sim a sammie, essa historia está na minha lista de leitura !!

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©