24 de maio de 2017

Resenha: A Prisão do Rei

No terceiro volume da série que já vendeu mais de 250 mil exemplares no Brasil, tudo vai queimar. Mare Barrow foi capturada e passa os dias presa no palácio, impotente sem seu poder, atormentada por seus erros. Ela está à mercê do garoto por quem um dia se apaixonou, um jovem dissimulado que a enganou e traiu. Agora rei, Maven continua com os planos de sua mãe, fazendo de tudo para manter o controle de Norta — e de sua prisioneira. Enquanto Mare tenta aguentar o peso sufocante das Pedras Silenciosas, o resto da Guarda Escarlate se organiza, treinando e expandindo. Com a rebelião cada vez mais forte, eles param de agir sob as sombras e se preparam para a guerra. Entre eles está Cal, um prateado em meio aos vermelhos. Incapaz de decidir a que lado dedicar sua lealdade, o príncipe exilado só tem uma certeza: ele não vai descansar enquanto não trouxer Mare de volta.

Título Original: King's Cage
Autora: Victoria Aveyard
Páginas: 552
Tradução: Alessandra Esteche  & Guilherme Miranda e Zé Oliboni
Editora: Seguinte
Livro recebido em parceria com a editora 

Os dois primeiros livros da série A Rainha Vermelha me conquistaram por sua dinamicidade, já que toda a trama era intensa e vibrante, daquelas que mantêm qualquer leitor vidrado. Por esperar um terceiro volume tão eletrizante quanto, A Prisão do Rei na verdade começou como um balde de água fria na minha empolgação com a série e, apesar de ter tido um final digno, como esperado, o início do livro foi realmente desanimador.

Isso porque, durante a primeira metade do livro, Mare se tornou apenas um fantoche nas mãos de Maven, um fantasma nos recônditos do palácio Whitefire, sem poderes e sem energia. Ler 250 páginas da rotina entediante de Mare para absorver migalhas de informações importantes foi desencorajador. Foi bastante difícil continuar a ler quando tudo o que eu gostava na série deixou de existir nesse volume, pelo menos no começo.

[...] Quando o conheci, fui seduzida por sua dor. Ele era o menino na sombra, um filho esquecido. Eu me reconheci nele. Sempre atrás de Gisa, a estrela cintilante do mundo dos meus pais. Sei agora que foi proposital. Ele me enganou quando era príncipe, me atraindo para sua armadilha. Agora estou na prisão do rei. Mas ele também está. Minhas correntes são as Pedras Silenciosas. As dele são a coroa.

A única coisa que me impediu de abandonar o livro foram alguns capítulos intercalados narrados em primeira pessoa por outra personagem, que mostravam acontecimentos fora da prisão do rei e permitiam saber o que estava acontecendo com os rebeldes da Guarda Escarlate. Ver pelo ponto de vista de Cameron não trouxe grande vantagem à construção da trama, mas ao menos concedeu um outro ponto de vista sobre o contexto estratégico que estava se formando.

Na segunda parte do livro, quando as coisas enfim se tornaram interessantes, o livro se equiparou aos seus antecessores, tanto que li em um dia a mesma quantidade de páginas, ou um pouco mais, que tinha levado uma semana inteira para ler. As cenas de ação não deixam nada a desejar e injetam uma boa dose de adrenalina em uma narrativa que estava morna. Nesse livro, as lutas se elevam a outros patamares, especialmente por conta das alianças improváveis e da batalha imensa que se forma - a guerra.

Uma parte de mim quer conversar. Perguntar sobre minha família. Kilorn. Farley. O que aconteceu antes, o que está acontecendo agora. Para onde estamos indo. Não consigo fazer mais do que pensar nessas palavras. Só há energia suficiente em mim para sentir alívio. Um alívio fresco e tranquilizador. Cal está vivo; Cameron está viva. Eu estou viva.

Em A Prisão do Rei, Mare precisa outra vez se redescobrir depois de enfrentar tanto sofrimento, e eu adorei a forma como a personagem cresceu do primeiro livro para cá, não só quanto aos seus poderes, mas principalmente psicologicamente. Ela finalmente deixou de ser a garota insegura e egoísta que era e aprendeu que não pode suportar o peso do mundo sob suas costas. Conseguiu enxergar que precisa de ajuda — de amigos, aliados, pessoas que ama —, e que só essa união vai deixá-los forte o suficiente para enfrentar o rei tirano. Mare está mais forte, mais segura e também mais generosa.

Olho em volta da mesa do cozinha. Um tempo atrás lamentei que minha família não me conhecesse, não entendesse o que eu tinha me tornado. Pensei que estava separada deles, sozinha, isolada.Não podia estar mais errada. Compreendo tudo melhor agora. Sei quem sou.Sou Mare Barrow. Não Mareena, não a garota elétrica. Mare.

Alguns capítulos narrados por Evangeline também trouxeram uma nova perspectiva à narrativa. Além de compreender melhor a estrutura das Casas, a política e os poderes prateados através dos olhos dela, esses trechos trouxeram aspectos sobre a personagem realmente surpreendentes. E eu quase consegui gostar dela, quase.

Acho que poderiam ter sido inseridos capítulos também com a perspectiva de Maven e Cal, porque só assim para eu conseguir definir o que eu sinto por eles, acho. Assim como Mare, é difícil não amar e odiar os dois, porque magoar alguém parece ser especialidade desses personagens. Maven é imprevisível e faz o que quer doa a quem doer, enquanto Cal toma decisões com base no que acha que deve fazer, e não no que quer, e isso é irritante. Ver os dois apenas pelos olhos de outros personagens não parece suficiente, até porque eles sempre parecem ter algo mais além da superfície.

Por isso tudo, apesar de começar de uma forma maçante, a segunda parte de A Prisão do Rei faz a história valer a pena, mas é preciso um pouco de persistência para chegar até lá. Mais uma vez Aveyard termina a obra com um final arrasador, de partir corações, mas que deixa em aberto milhares de possibilidades para uma continuação. Todas as alianças forjadas aqui são frágeis e instáveis e tudo pode acontecer no próximo volume.

12 comentários:

  1. Ju!
    Já li o primeiro livro e o segundo chegou hoje, espero poder ler em breve.
    Gosto muito de toda distopia criada através do mundo dos vermelhos e prateados.
    E no primeiro livro, achei Mare bem destemida.
    Pena esse terceiro livro começar um tanto entediante, e bom saber que depois ele melhora e se iguala aos outros.
    Quero continuar lendo.
    “A amizade, depois da sabedoria, é a mais bela dádiva feita aos homens.” (François La Rochefoucauld)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá! Eu tenho o primeiro volume mas ainda não li acredita, estou bastante atrasada rsrs
    Como fã do gênero o enredo me prendeu bastante atenção, só comentários positivos sobre a escrita tbm, o que me deixa ainda mais interessada em conhecer a série...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Oi Ju,
    Ainda não consegui dar continuidade a esta série tendo lido, apenas, o primeiro livro. Eu amo tudo que a autora construiu para esta trama e como fã de distopia já estava preparada para encontrar muitos elementos semelhantes a outras série do mesmo gênero, mas isso não tirou meu interesse, pelo contrário, fiquei fascinada pela história. Mare já me pareceu uma personagem forte desde o começo, mas sei que ela irá cometer alguns erros e passará por grandes desafios. Tenho muita raiva Maven e do Cal, o primeiro por toda traição e o segundo por não conseguir enxergar o que, realmente, está em jogo. Pretendo dar continuidade a esta série e espero fazer isso logo.

    ResponderExcluir
  4. Para começar, eu acho lindas as capas da série A Rainha Vermelha, e eles capricharam muito na diagramação, já li muitos comentários positivos sobre os livros, então isso contribui para que eu fique mais ansiosa ainda para querer começar a ler a série, eu tenho somente A Rainha Vermelha, mas ainda não tive a oportunidade de ler, espero que eu goste da história.

    ResponderExcluir
  5. Que pena que começou tão...menos que os outros heim =/
    Essa série tem tanto pra ser extraordinária! Adorei as coisas que vi dos primeiros livros. Os personagens, o jeito da história, tudo parece muito viciante e bem feito.
    Mas esse mesmo com uns probleminhas me pareceu outro bom livro da saga. Parece ter melhorado lá para o final e voltado ao ritmo dos outros. Fico imaginando só a ansiedade que dá ao chegar ao fim e ter de novo um monte de coisas pra pensar sobre que rumo a série vai tomar e o que acontece agora. Espero gostar quando ler.

    ResponderExcluir
  6. Oi Ju.
    Eu estou louca Para retomar a leitura de a prisão do Rei Eu comecei assim que comprei um livro mas achei tudo muito maçante Acabei de desistindo resolvi que só ler e depois que foi lançado o último livro já que odeio esperar É uma pena que suas impressões não foram totalmente positivas a respeito do livro e eu te entendo já que eu mesmo abandonei porque dá falta de ação Mas como você mesma falou os capítulos que são intercalados entre pessoas que estão fora da prisão É bem interessante e acho que esse vai ser um dos motivos que não vai me fazer adorar este livro quanto aos irmãos eu sou totalmente do time de Car, para mim nunca ouvi essa indecisão estou torcendo para que para que eles fiquem juntos.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Oi. Muito bem construída sua resenha, parabéns. Concordo com seu ponto de vista em relação ao livro.
    Sou apaixonada por essa série e seus personagens. Já li todos os livros e estou ansiosa aguardando a continuação!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Fico feliz que apesar do começo não ter sido muito bom ele melhorou, esse esta na minha lista e quero muito ler e saber que gostou me incentiva a ler logo. Adoro as capas dessa serie, acho elas lindas <3

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    Ainda não li nada da série, sendo que tenho o primeiro livro mas falta por ler. Bom, achei a história bem interessante e sempre bom ter uma continuação do livro para ter que explica alguns pontos que não foram explicado no primeiro, a trama é bem envolvente é incrível, já tinha visto muitos pontos negativos e positivos sobre o livro mas eu prefiro tira minhas próprias conclusões lendo ele.

    ResponderExcluir
  10. É chato quando isso acontece vamos com uma ânsia pelo próximo volume e ele não começa no ritmo dos outros, não tenho paciência com rotina de personagens desanima a leitura e as vezes da vontade de largar. Mas é bom saber que depois melhora e a ação volta, é muito bom acompanhar o crescimento da Mare, poder ver que mudou e torcer por ela.

    ResponderExcluir
  11. Ainda não li a série, mas já li ótimas resenhas inclusive essa. Não vejo a hora de começar essa leitura embora tu tenhas citado o primeiro livro com um tom desanimador. Creio que a escrita e a história possa melhorar.
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Oi Ju ;)
    Ainda não li a série acredita? Sem tempo kkk
    Realmente é muito chato quando vamos ler o livro super animadas e ele nos decepciona... mas que bom que você gostou do final!
    Na verdade agora fiquei curiosa com esse final arrasador que você disse!
    Bjos

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa | Todos os direitos reservados ©