3 de junho de 2017

Resenha: Esqueça o Amanhã

Em uma sociedade onde jovens recebem uma visão de seu futuro quando completam 17 anos, todos têm uma carreira a qual dedicar seus esforços. Um campeão de natação, um renomado cientista, um chef de sucesso... ou, no caso de Callie, uma assassina. Em sua visão, a garota se vê matando a própria irmã. Antes que ela possa entender o que aconteceu, Callie é presa – e a única pessoa capaz de ajudá-la é Logan, uma paixonite de infância com quem não fala há cinco anos. Agora, Callie precisa descobrir uma forma de proteger sua irmã da pior das ameaças: ela mesma.

Título Original: Forget Tomorrow
Autora: Pintip Dunn
Páginas: 384
Tradução: Ryta Vinagre
Editora: Galera 
Livro recebido em parceria com a editora

O que mais me deixou curiosa sobre esse livro foi a sua ótima premissa, onde uma sociedade futurista recebe uma "memória" do futuro quando atingem a idade adulta, no caso aos 17 anos. Esqueça o Amanhã é uma história que tinha tudo para dar certo, mas infelizmente a autora acabou se perdendo logo no início da trama. O que tinha de tudo para ser uma leitura fenomenal, acabou se tornando uma decepção total. 

Assim que completam 17 anos, todos os habitantes de Eden City recebem sua memória do futuro. Isso não é um evento qualquer, já que tal memória pode mudar o curso da vida da pessoa. Por exemplo, se o jovem viu em sua memória do futuro que será um professor de Matemática de sucesso, ele vai se esforçar ao máximo para alcançar tal proeza, incluindo largar todas as coisas de que realmente gosta. Só que, às vezes, as pessoas recebem memórias ruins, como a de Callie, que se vê matando a irmã mais nova e é presa mesmo sem ter feito nada, teoricamente.

Esse enredo poderia ter sido explorado de várias formas diferentes — principalmente porque quando Callie é presa, acaba descobrindo alguns segredos sobre as memórias e isso foi a única coisa que me motivou a ler o livro até o final —, mas Pintip Dunn resolveu nos mostrar mais do mesmo com um romance adolescente totalmente fora de contexto e mal desenvolvido. Juro para vocês que Callie passa 90% do seu tempo falando sobre Logan e como é apaixonada por ela, enquanto o mundo ao seu redor está ruindo. 

Falando assim, parece que eu não gosto de romances, o que é mentira. Eu gosto de romances, desde que eles não tirem o foco principal da história, que foi o que aconteceu com Esqueça o Amanhã. As descobertas sobre as memórias do futuro, coisas sobre as pessoas paranormais — sim, algumas pessoas nascem com certos dons e acabam sendo perseguidas —, o suspense, o clima distópico em si, tudo é ofuscado pelo romance entre Logan e Callie. Juro para vocês que eu não aguentava mais ler os pensamentos da protagonista sobre as costas fortes do menino e sobre como queria beijá-lo e não conseguia viver sem ele. 

Quando eu pego um livro distópico para ler, espero que as questões políticas, a busca por respostas e o instinto de sobrevivência sobressaiam mais do que qualquer coisa. Acontecem algumas coisas importantes, sim, mas infelizmente tudo o que tem de interessante e curioso na história é ofuscado pelo romance. A verdade é que eu me senti extremamente enganada, já que queria ler mais sobre Eden City, como foi criada, como surgiram as pessoas paranormais e o mais importante, como as pessoas conseguem fugir das memórias do futuro e o que acontece depois. Talvez isso possa ser retratado nos próximos volumes, mas não sei se quero pagar para ver. 

Um dos poucos pontos positivos de Esqueça o Amanhã é a escrita de Pintip Dunn, totalmente fluida e de fácil entendimento, o que fez com que eu lesse o livro em pouco mais de dois dias, apesar do romance sem sal e das informações absurdas que a autora simplesmente jogou no final para dar um gancho para o próximo livro. O último capítulo do livro até fugiu um pouco do que eu esperava e não nego que pelo menos gostei da forma como a história foi finalizada, mas um capítulo entre 44 não vale o esforço.  

17 comentários:

  1. Eu também amo romances, mais sempre tem que existir algo maior do que eles para poder o livro ter uma história melhor. Se o livro é de distopia então não deveria virar só romance né!
    Mas mesmo gostei muito da premissa dele. Receber memórias sobre o futuro e tal. Achei bem diferente!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que terror. A premissa é alucinante, instigante (você deve ter criado uma grande expectativa, assim como eu comecei a criar depois de ler a sinopse), a capa maravilhosa... daí você lê o livro e cai do cavalo. Acho que não conseguiria ler o livro até o final com essa ''melosidade'' toda. Mas sei lá, achei a história tão incrível. Será que nos próximos livros melhora? Enfim, vou esperar resenharem a continuação para me decidir.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. A história até parece ser boa, mas como teve essa falha logo no inicio me parece não ser um livro que eu queira ler. Até porque a leitura fica cansativa e você só termina de ler pra saber algo. Mesmo assim, com essa história e uma escrita mais desenvolvida daria um baita livro.

    ResponderExcluir
  4. Já tinha visto a capa desse livro e a sinopse e achado bem interessantes, mas ainda não tinha lido uma resenha dele e curti a sinceridade da sua que levantou pontos importantes sobre a história. Eu gosto de romance, mas você tem razão quando diz que ele não deve tirar o foco da história, ainda mais em uma distopia e isso é uma pena a história tinha tudo pra ser muito boa mesmo. Pelo menos o final te agradou :D

    ResponderExcluir
  5. Acho a capa muito bonita, pena que deixou a desejar, pois parecia ser interessante o fato de saber qual seria o seu futuro ou nem tanto como é o caso da personagem que foi algo nada agradável. Gosto de romances, mas quando é assim meloso e não sai disso, desanima, tem que ter algo mais que capture a atenção do leitor.

    ResponderExcluir
  6. Ana!
    Quando li a sinopse, lembrei do filme Minority Report que tem um plot parecido, onde a polícia vê o futuro através de alguns predestinados e já vai em cima da pessoa antes que o crime aconteça.
    Triste mesmo ver um enredo que poderia ser rico em termos de distopia, se transformar apenas em um romance adolescente. Não que não goste de romances adolescentes, mas como falou, o foco do livro é outro, então, perde um pouco o sentido, né?
    Desejo um mês cheio de prosperidade e um final de semana abençoado!
    “A sabedoria consiste em compreender que o tempo dedicado ao trabalho nunca é perdido.” (Ralph Waldo Emerson)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Ana :)
    Não conhecia o livro, ms achei a capa linda e a premissa é bem diferente.
    Gosto de distopias e amo romances, mas concordo com você... se isso tira a magia da trama, a deixando sem graça, prefiro que não tenha romance.
    A história pelo visto tinha tudo para ser ótima, mas fico com um pé atrás para ler agora.
    Mas obrigada pela indicação!
    Bjos

    ResponderExcluir
  8. Oi Ana,
    Adoro distopias pelo forte teor político e da sociedade que são abordados na trama, mas quando isso não acontece em um livro do gênero fico frustrada e decepcionada. Esqueça o amanhã apresenta uma premissa que desperta um grande interesse na história. Toda a ideia de receber memórias do futuro é bem diferente e fiquei pensando se isso não seria uma forma de Eden City controlar a população, pois eles induzem o indivíduo através da memória. Em relação ao romance eu adoro, mas não quando ele tira o foco de questões mais importantes na trama.

    ResponderExcluir
  9. Oi Ana!
    Eu nunca tinha lido nd sobre esse livro, eu adorei conhecer, a capa é linda.
    Sem contar esse enredo que me prendeu atenção e o gênero que eu adoro!
    Dica anotada!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Tambem achei interessante deles receberem uma memória. Fiquei muito curiosa para saber que segredos são esses. Li algumas resenha que comentaram que ela fica muito tempo só pensando em Logan e não nos problemas.
    PE uma pena que muitos não gostaram tanto, mas mesmo ainda pretendo ler.

    ResponderExcluir
  11. Nossa, fiquei um pouco decepcionada, quando comecei a ler a resenha, pensei que esse seria um livro f*da, mas quando terminei a resenha, minha vontade de lê-lo despencou, também não gosto quando o autor coloca um romance e esquece do resto da história, realmente, em distopias, o que tem que prevalecer é o instinto de sobrevivência e a busca por repostas, não ficar pensando no crush.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Ah, gostei tanto do início da resenha! Aí, bam, você me joga um balde de água fria! O livro tinha tudo pra ser melhor aproveitado, tantas idéias boas, e a autora focou justo no romance! Que pena! Gostei do universo, do fato dos adolescentes ganharem a tal memória do futuro e tal, mas não sei se me animaria a ler todo o livro sentindo essa agonia de querer desenvolvimento e a trama garrada num romance bobo. Oxxi!
    Bjoxx ♥

    ResponderExcluir
  13. Oi Ana.
    É uma pena que o livro não foi tudo o que esperava e eu entendo eu também sou muito fã de romances desde que ele não seja o foco principal do livro e como você mesma falou quando o assunto é distopia eu espero intrigas políticas lutas e tudo mais não um romance que tira o foco de tudo entretanto confesso que ainda estou muito curiosa para ler o livro e saber que a escrita voltou apesar de tudo é fluído me deixou ainda mais animada, espero curtir bastante.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  14. Ola,
    Me pareceu que o livro não te agradou tanto, quando vi eu achei bem interessante a história é a capa é super bonita com uma asa, mas por ler sua resenha fiquei com um pé atrás por ler ele. Eu amo muito romance mas também espero que o livro sempre tenha focando naquilo que realmente fala no livro.

    ResponderExcluir
  15. Oi.
    A premissa do livro é bem interessante e tinha tudo para render uma ótima história.
    Gosto desse estilo de leitura, mas quando bem construído e que o enredo conquiste desde o início.
    Sua resenha está perfeita, muito bem escrita e sincera.
    Obrigada.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Achei muito bonita a capa deste livro, e realmente pela premissa parecia ser uma história muito boa, uma pena que acabou se perdendo no inicio da trama, apesar de eu gostar de livros de romance, acho que este livro seria mais interessante se focasse nos pontos que você citou, em como surgiram essas pessoas paranormais, então eu não sei se leria este livro.

    ResponderExcluir
  17. Eu lembro que já tinha lido a resenha desse livro que comentou justamente isso, o livro meio que promete uma coisa e vai nos apresenta outra. Confesso que nem li o livro e já to decepcionada pleo fato que vai se focar mais no romance, também gosto de romance como você, mas pelo amor de Deus temos um puta enredo pra uma distopia que se ele soubesse desenvolver ia ser maravilhoso. Vamos esperar que nos próximos volumes a escritora venha com ideias melhores e deixe um pouco do romance.

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©