3 de agosto de 2018

Resenha: A Caçadora de Dragões


Quando era criança, Asha, a filha do rei de Firgaard, era atormentada por sucessivos pesadelos. Para ajudá-la, a única solução que sua mãe encontrou foi lhe contar histórias antigas, que muitos temiam ser capazes de atrair dragões, os maiores inimigos do reino. Envolvida pelos contos, a pequena Asha acabou despertando Kozu, o mais feroz de todos os dragões, que queimou a cidade e matou milhares de pessoas — um peso que a garota ainda carrega nas costas.
Agora, aos dezessete anos, ela se tornou uma caçadora de dragões temida por todos. Quando recebe de seu pai a missão de matar Kozu, Asha vê uma oportunidade de se redimir frente a seu povo. Mas a garota não vai conseguir concluir a tarefa sem antes descobrir a verdade sobre si mesma — e perceber que mesmo as pessoas destinadas à maldade podem mudar o próprio destino.

Título Original: The Last Namsara
Autor: Kristen Ciccarelli
Páginas: 408
Tradução: Eric Novello
Editora: Seguinte
Livro recebido em parceria com a editora

Asha cresceu sabendo que foi a responsável, quando criança, por um grande ataque de Kozu, o mais forte dos dragões, que queimou metade de sua cidade. Corrompida pelo fascínio das histórias antigas, que são proibidas, Asha acredita que sua sina é causar destruição. Conhecida como Iskari - aquela que leva destruição e morte - a garota se torna caçadora de dragões e vê uma oportunidade de se redimir quando recebe a tarefa de matar o poderoso dragão. Só que sua jornada lhe mostra muitas verdades que a fazem repensar tudo o que foi ensinada a acreditar.

A Caçadora de Dragões, de Kristen Ciccarelli, é uma aventura deliciosa de acompanhar. A trama até tem alguns pontos que poderiam ser melhor abordados, mas, no meu caso, em que as leituras são qualificadas pelos sentimentos que elas provocam, pouco importam os conceitos racionais que poderiam fazer o enredo menos intenso.

Deixem-me explicar: a obra traz um conceito rígido de bem e de mal, sem intermédios, que tira um pouco a credibilidade de seus acontecimentos. O vilão, por exemplo, é mau porque é mau, simples assim, como se sua natureza fosse essa e não houvesse outra saída para ele além de prejudicar os outros. Ele não foi trabalhado, não foi aperfeiçoado, a autora não conseguiu construir suas camadas a ponto de transformá-lo em um personagem crível, daqueles que amamos odiar. Além disso, há uma descoberta mais para o fim do livro sobre outro personagem que muda tudo que havia sido mencionado sobre ele até então, como se ele tivesse se tornado um monstro, sem nada de bom a ser considerado. Depois de ler e racionalizar o livro, percebi que o enredo poderia ter sido enriquecido se abordasse esses aspectos de outra forma.

Por outro lado, para ser sincera, durante a leitura, esses detalhes não foram significantes. Fiquei tão envolvida com a trama que nem ao menos os percebi, até que olhasse mais friamente. O livro começa de uma forma lenta, já que o contexto do novo mundo criado pela autora é mencionado aos poucos, ao intercalar os conflitos próprios da protagonista com as histórias antigas, mas adquire velocidade da metade para o final, quando a protagonista começa a redescobrir suas próprias verdades.

Asha é uma protagonista forte e destemida e, se faltaram camadas para o vilão, isso não se aplica a ela. No início, ela usa suas marcas e seu porte assustador para esconder suas inseguranças e anseios. Ela não é uma personagem simpática, é odiada por muitos e usa isso a seu favor, mas não quer dizer que não sofra por sua situação. Ela quer tanto ser aceita que se deixa ser manipulada, faz tudo sem questionar as razões, mas, em certo ponto, começa a perceber que nem tudo é o que parece, passa a questionar conceitos sociais e se guia pelo que acha certo, não pelo que os outros lhe dizem ser.

Torwin é definitivamente o melhor personagem da trama. Não entendo como a autora conseguiu construir um personagem tão forte e tão doce ao mesmo tempo, mas ela fez isso de uma forma incrível. Mesmo sendo quase o oposto de Asha, é como se os dois se complementassem: enquanto ele traz o melhor dela à tona, ela o faz enxergar novas possibilidades. Adorei a parceria entre eles, ainda mais quando envolvia dragões - que, por sinal, são tão incríveis quanto Torwin, ou mais. As histórias antigas e a existência de dragões dão à trama um ar místico, o que, junto com as intrigas, os mistérios, os segredos e as reviravoltas do enredo, fazem o livro completamente viciante.

Senti falta também de aprofundamentos sobre outros personagens, como Dax, irmão de Asha, e Safire, prima dos dois. Pelo que pesquisei, o segundo livro da série trará a história de Roa e Dax, então espero que o terceiro conte um pouco mais sobre Safire, sem deixar de lado Asha, pois ainda há muito sobre ela para contar. Para quem quer uma fantasia cheia de aventuras, reviravoltas e um pouco de romance, A Caçadora de Dragões é uma ótima indicação.

19 comentários:

  1. Oi Ju,
    Tive pouco contato com histórias sobre dragões, mas sempre achei a mitologia umas das mais interessantes do gênero. A Caçadora de Dragões apresenta alguns clichês dos livros de fantasia, mas, também leva o leitor há uma aventura que envolve muito mais do que a caça ao Kozu. Asha tem muito para provar a si mesma, pois ela carrega uma culpa e quer poder se redimir do que ocorreu quando criança e em meio a isso ela vai descobrir quem é por ela mesma ao invés de simplesmente seguir o que dizem sobre sobre si. Você mencionou a relação entre a protagonista e Torwin, que parece ser mais focada em parceria e amizade ao invés do esperado romance, o que acho bem legal, pois aqui o foco da autora deve ser situar o leitor em toda a ambientação, algo que pode deixar essa leitura mais lenta mesmo, mas que, acredito, fará a leitura dos demais volumes mais intensa. Gostei muito do trabalho gráfico feito pela editora o que combinou bem com a proposta do livro.

    ResponderExcluir
  2. A Seguinte tem feito uma grande divulgação de A Caçadora de Dragões.
    Me interessei pela história mesmo não lendo muita distopia e nem curtindo dragões.
    Gosto de personagens femininas fortes especialmente as mais jovens

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ju,

    Essa característica dos dragões surgirem por meio das histórias contadas - e o que elas causaram através da Asha -, é o encaixe perfeito. Com elementos bem caracterizados e criativos.

    E a Asha me parece ser o tipo de personagem que é forte, por enfrentar os dragões, por mostrar destreza e por querer trazer à tona a sua vingança e não temer o por vir.

    ResponderExcluir
  4. Olá Ju!
    Li pouco sobre esse livro e mesmo conhecendo pouco fiquei interessada em conhecer a história, mas o que me chamou atenção foi a personagem, a personalidade forte e tbm os dragões, gostaria mto de ler em breve.
    bjs!

    ResponderExcluir
  5. Tenho namorado este livro desde seu lançamento, por trazer estes seres fantásticos, que por tantas vezes habitaram nossa imaginação(ao menos a minha).
    Fazia tempo que não via um livro que os trouxesse de volta, ainda mais assim, inseridos com personagens mais fortes como Asha!
    A capa deste livro é linda demais e espero poder conferir ele em breve.
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Gostei da ideia da história e o legal é que ela parece prender bem o leitor. Mesmo com uns errinhos, umas coisas que podiam ter sido melhoradas, outras mais exploradas, gostei do estilo e ritmo que a trama parece apresentar. Ele tem esse jeito de livro com tema interessante e que você pega e acaba bem rapidinho por gostar da escrita, de como flui e essas coisas. Já vi uns comentários bem legais dele, outros que falavam disso de faltar uns desenvolvimentos, mas no geral gostei. Parece bom.

    ResponderExcluir
  7. Esse ano estou tentando dar mais chances para esse gênero, mas confesso que esse não me chamou atenção.
    Nunca li nada sobre dragões,e isso até seria interessante.
    Mas a narrativa e o modo como a autora parece conduzir a história não me agradaria.
    Asha parece ser a melhor personagem do livro.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá, Ju
    Este livro esta entre o meus desejados por envolver dragões.
    Li algumas resenhas mas a sua me trouxe mais detalhes que fiquei mais curiosa para ler o livro, espero poder ler logo. Quero entender esse mistério que envolve Asha pelo seu apelido e a maneira como ela evolui no enredo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oiee! Se tem uma coisa que eu amo são personagens femininas fortes, isso somado à uma história com dragões, não tem como dar ruim! Fora que a capa desse livro ficou muito incrível! Quero ler o quanto antes!
    Entre Discos, Livros e Viagens

    ResponderExcluir
  10. Oi Ju,
    Eu realmente gosto mais quando as características dos personagens são bem trabalhados, mas nesse caso, mesmo podendo se dizer como uma falha, acredito que a autora quis mesmo só mostrar a diferença do bem e do mal, se o mal não existisse por exemplo, Asha não se tornaria a mulher forte que formou! É até interessante se trabalhar uma história assim. Eu já tinha curtido o livro, não me lembro da última história sobre dragões que li, e só por isso já me ganhou, agora, gostei mais ainda do que foi apresentado, não sei se trata-se de uma série, mas acho que a autora abriu bastante portas para isso.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Apesar de não ser um gênero bastante comum entre minhas leituras, parece ser um livro bem agradável, divertido e que traz sentimentos por traz em um universo cheio de fantasias nessa jornada toda de Asha para matar Kozu, mostrando sua personalidade forte e coragem.

    ResponderExcluir
  12. Adoro historias com dragões, gostaria de ler esse livro, a personagem por ser forte, já ganha pontos, mesmo que as pessoas do local não gostem dela rs. Só fiquei com receio do vilão não ter sido melhor explicado, porque ele é ruim deve ter algum motivo, mas adoro reviravoltas e mistérios então não perdi o interesse em ler.

    ResponderExcluir
  13. Ju!
    Gosto de toda mitologia que envolve os Dragões.
    Pena que toda boa premissa do início que tornou a leitura mais lúdica, foi se perdendo no decorrer das páginas, causando um pouco de decepção por causa da cronologia.
    Desejo uma ótima semana!
    “.A vida merece algo além do aumento da sua velocidade.” (Mahatma Gandhi)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA AGOSTO - 5 GANHADORES - BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  14. Sempre achei fascinante esse universo. Gosto bastante de livros que incluem dragões. Fantasia para mim é um geberg bastante difícil se ser montado com maestria. É livro já havia chamado a minha atenção. Embora inicialmente pareça uma leitura lenta, eu amo protagonistas femininas, fortes e destemidas. Espero que nos próximos livros, a autora se aprofunde nos outros personagens, isso me incomoda um pouco. E se eu disser que ja estou apaixonada por Torwin? rs

    ResponderExcluir
  15. Primeira resenha que vejo do livro, não conhecia.
    Parece ser uma trama interessante, mas não despertou minha curiosidade.
    Mas gostei de saber que o segundo livro contará a trama de Dax.

    Beijinhos
    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  16. Adorei o livro mas eu ainda não vou ver ele eu ganhei o primeiro volume na malinha dos turista literário Mas como eu sei que é uma série eu vou esperar que lancem toda ela por completo para só então começar a ler o livro

    ResponderExcluir
  17. Oi, Ju!!
    Gostei da premissa da história e não lembro de ter lido qualquer outro livro sobre dragões. Fiquei bem curiosa para saber mas a história da Asha e como ela vai se redimir como caçadora de dragões no livro.
    Bjos

    ResponderExcluir
  18. Oi Ju,
    gostei muito da sua resenha.
    Eu ainda não conhecia o livro, mas já quero!
    Adoroooo fantasias, ainda mais essas que têm romances, reviravoltas e nos vicia mais a cada página virada.
    A Asha parece ser uma personagem bem construída e muito marcante, daquelas que nos encantam mesmo.
    bjss

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©