24 de outubro de 2018

Resenha: Flores de Fogo

Não, mandá-la de volta seria o mesmo que tê-la deixado morrer e portanto a única solução, não sei dizer se feliz ou infelizmente, era levá-la comigo.
Enquanto eu fazia essas reflexões, a Princesa e o tigre me observavam em silêncio, silêncio que eu quebrei dizendo:
— Muito bem, você irá me acompanhar em minha jornada.
—  É claro que eu vou —  ela disse —  quem disse que eu não ia?
Eu suspirei; por um momento eu havia esquecido o quanto ela era difícil de lidar.

Título Original: Flores de Fogo
Autora: Stephanie Grünheidt
Páginas: 132
Editora: Chiado
Livro recebido em parceria com a autora

Flores de Fogo é um livro de ficção fantasiosa escrito por Stephanie Grünheidt e lançado pela chiado em 2018. A obra conta a história de Benjamin, um simples um pescador de um pequeno vilarejo, que em um dia pacato, joga suas redes à água de um rio, mas vê as mesmas sendo consumidas em chamas. Aquele rio era o principal sustento de muitos pescadores e nenhum deles conseguia explicar o que estava acontecendo.

É descoberto então, que um ancião da aldeia havia se perdido na floresta durante o inverno. Devido ao frio, o idoso aproximou-se à morte, mas uma estranha criatura de gelo apiedou-se de seu estado, e concedeu-lhe três flores de fogo para que ele não morresse de frio. Entretanto, após passado seu sofrimento, o ancião precisava livrar-se de tais flores e resolve jogá-las no rio, na esperança que as mesmas se apagariam, mas então descobriu estar enganado. E é aí que a aventura começa.

O jovem Benjamin — que também é pescador —, parte em missão sozinho para encontrar a estranha criatura da historia do ancião, na esperança de tentar reverter os efeitos causados por ela. Entretanto, durante o caminho, ele encontra vários seres inimagináveis, que agregam em sua jornada ou o atrapalham de diversas formas.

A obra é muito bem escrita e, apesar da pequena quantidade de páginas, a autora conseguiu uma mitologia própria extremamente completa. A história narrada em Flores de Fogo é muito cativante e divertida. A leitura é bastante fluída, sendo do tipo que prende e faz as pessoas virarem noite adentro em suas páginas. 

Como dito antes, o livro é bem curto, são menos de 150 páginas e isso de início me assustou. Construir uma história de fantasia em tão pouco espaço não é uma tarefa fácil e eu não conseguia imaginar como isso seria viável até começar a ler. Porém, Grünheidt conseguiu tal façanha de tal forma que a trama dança de forma coesa e concisa.

Ainda observa-se uma jornada muito pessoal na narrativa, com o amadurecimento e crescimento interno do herói da trama, que passa de um simples pescador a um grande e corajoso explorador. Uma história extremamente gratificante e criativa, cheia de pequenas lições de coragem e caráter, leitura gostosa pra quem ama fantasia e perfeita para o público infanto-juvenil. 

10 comentários:

  1. Que premissa interessante e diferente.
    Que jornada Benjamin deve ter enfrentado pois se é uma aventura com traços de mitologia deve ter enfrentado grandes desafios na busca pra quebrar essa maldição.
    E como toda Boa mitologia trás sempre uma lição não só para os personagens do livro mas Também para os leitores.

    ResponderExcluir
  2. Que capa maravilhosa em primeiro lugar!
    Não conhecia o livro, mas como amo o gênero, estou encantada com o enredo do livro. Envolver um elenco jovem, mas com essa pegada forte de conseguir respostas, é fabuloso e com isso ainda manter as tradições do seu povo.
    Com certeza, vai para a lista de desejados!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Me lembrou de um estilo meio Contos das mil e uma noites. A coisa do pescador e criatura misteriosa, o mistério das águas e ele partir em busca de respostas e soluções. Gostei da ideia. E por ser curto fica ainda mais interessante por dar uma carinha de conto mesmo. Parece legal.

    ResponderExcluir
  4. Chocada em saber que a história se desenrola em 150 páginas; cheguei a pensar que o início poderia ser um tanto arrastado, visto que a aventura começa depois.
    Parece uma história agradável, mas não sinto interesse.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Que legal!
    Um livro curto daqueles que tem uma história que nos prende do começo ao fim? É o tipo de livro que a gente lê em uma sentada só, uma horinha e acabou!
    Gostei dos seres inimagináveis e de um enredo bem diferente.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Edu
    Gostei muito da premissa do livro.
    Deve ser uma leitura envolvente de poucas páginas que podemos ler em algumas horas.
    Fiquei curiosa sobre esse mistério das flores jogadas no rio, quero ter oportunidade de ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi, Edu!!
    Adorei a indicação do livro, gosto bastante de livros de fantasia e achei a história bem interessante, e é bom ver que não importa a quantidade de páginas que o livro tem o que conta mesmo é o conteúdo.
    Bjos

    ResponderExcluir
  8. Oi Edu!
    Segunda resenha que leio deste livro e que me deixa ainda mais com vontade de conhecer a história e claro, a escrita da autora, parece ser bom.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  9. Adoro infanto juvenil e fantasia é meio gênero preferido, também fiquei imaginando poucas páginas para um gênero desse, como conseguiu, fiquei bem curiosa. Achei interessante essa jornada do pescador em busca de resolver a situação.

    ResponderExcluir
  10. Parece ser um livro encantador!
    Adoro livros de fantasia e esse parece ser muito bom.
    Já quero.
    bjs

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©