20 de outubro de 2018

Resenha: Tarde Demais

A autora best-seller do The New York Times está de volta com um romance ainda mais sombrio, intenso e assustadoramente real.
Para proteger o irmão, Sloan foi ao inferno e fez dele seu lar. Ela está presa em um relacionamento com Asa Jackson, um perigoso traficante, e quanto mais os dias passam, mais parece impossível enxergar uma saída. Imersa em uma casa incontrolável que mais parece um quartel general, rodeada por homens que ela teme e sem um minuto de silêncio, também parece impossível encontrar qualquer motivo para se sentir bem. Até Carter surgir em sua vida.
A chegada de Carter pode afetar o frágil equilíbrio que Sloan lutou tanto para conquistar, mas também pode significar sua única saída de uma situação que está ficando insustentável.
Colleen Hoover não tem medo de escrever sobre assuntos delicados e Tarde demais prova isso. Perpassando as formas mais cotidianas de machismo até as formas mais intensas e cruéis de abuso, a autora mergulha na espiral atordoante que é um relacionamento abusivo.

Título Original: Too Late
Autora: Colleen Hoover
Páginas: 384
Tradução: Alda Lima
Editora: Record
Livro recebido em parceria com a editora

Relacionamentos abusivos são extremamente comuns, mas muito difíceis de identificar. Seu namorado não deixa você sair com seus amigos? Não gosta que você use tal roupa? Dá um jeitinho de virar a culpa das discussões do casal toda para você? Fala coisas machistas com você, como "mulher tem que se dar o respeito", "mulher não pode fazer isso ou aquilo"? Pois é. Muitas atitudes consideradas normais pela sociedade são abusivas e muitas vezes a gente nem enxerga. Hoover é a rainha dos relacionamentos abusivos. Geralmente consegue retratá-los muito bem — como em É Assim Que Acaba, por exemplo. Mas, meu Deus, ela não poderia ter errado mais em Tarde Demais.

Sloan namora Asa Jackson há anos, um traficante nojento, psicótico, calculista, manipulador, tudo de ruim que vocês possam imaginar. Ela sabe que Asa é tudo isso, então a pergunta que não quer calar é: qual o motivo de continuar com ele? Sloan tem um irmão mais novo que precisa de muitos cuidados, e é por causa dele que ela está ali. Asa paga tudo, então ela está presa num relacionamento que a faz mal. O pior de tudo é que quanto mais o tempo passa, mais ela se vê sem saída. A situação parece impossível de ser contornada, até Carter aparecer. Parece um enredo crível, não fossem as falhas de escrita, os personagens pessimamente construídos, os furos no enredo, a linguagem chula, o tema abordado de forma totalmente errada... 

Tarde Demais segue aquele estilo de narração em primeira pessoa onde temos os pontos de vistas de cada protagonista: Asa, Carter e Sloan. As partes narradas por Asa são, de longe, as mais escrotas. Não tem outra palavra para definir esse personagem — e o livro como um todo, para ser sincera. Extremamente machista, trata as mulheres como se fossem um objeto que serve apenas para transar, e isso acontece até mesmo com Sloan, o suposto amor da sua vida. É óbvio que um ser detestável como esse trai a protagonista e faz o inferno com a vida de várias outras garotas. 

Esse poderia ser o único ponto que incomoda no livro, mas meu ódio maior foi a autora não dar credibilidade NENHUMA para o que a protagonista sente ou fala. Essa característica é tão presente que em vários momentos Hoover dá a entender que Sloan está com Asa unicamente porque ela quer — a gente tem a impressão, várias vezes, que ela poderia simplesmente sair pela porta mas sempre inventa uma desculpa —, isso sem contar as pontas soltas que insinuam que ela está mentindo e é a culpada por tudo. Gente, isso é uma OFENSA para todas as mulheres que vivenciam ou vivenciaram algum relacionamento abusivo. 

E não para por aí. Além de fazer o leitor duvidar da vítima, Hoover enfia um novo romance na nossa goela abaixo, como se toda mulher precisasse de um novo homem para enxergar que aquilo que ela está vivendo não é normal, não é amor. O grande problema é que esse romance entre Sloan e Carter também é todo errado. Vocês já me viram reclamar de relacionamentos que surgem do nada, e isso acontece aqui. Mas quisera eu que essa fosse a única complicação. O que eu senti foi que Sloan estava tentando sair de um relacionamento abusivo para mergulhar de cabeça em outro... Novamente ofensivo. 

Nunca vi protagonistas piores que esses em toda a minha vida. Sloan não tem um pingo de construção o enredo inteiro. A gente sabe muito pouco sobre ela — principalmente sobre o seu passado —, que devia ser a estrela do livro. Carter, que é um policial disfarçado, só sabe fazer merda o tempo inteiro porque não consegue controlar os seus sentimentos —  que, para mim, não passam de desejo sexual por uma pessoa que não "pode" ser dele. 

Além disso, Hoover tenta de todas as formas possíveis humanizar o agressor. A partir de certo ponto, Sloan deixa de ser a protagonista da história e todas as atenções são voltadas a Asa. A autora insiste em criar uma atmosfera de empatia com o abusador e isso me deixou, além de revoltada, muito triste. Não se deixem enganar. Asa é um agressor. Desde a primeira página do livro ele abusa de Sloan de todas as formas possíveis, incluindo estupro — eu não estou exagerando, tem uma cena de estupro na primeira página. Depois, Hoover tenta "justificar" as atitudes de Asa mostrando que ele teve um passado conturbado com o pai e que possivelmente sofre de esquizofrenia. Mas não, gente, NADA JUSTIFICA!

Essa parte dos estupros também foi uma coisa que me incomodou muito. Quem, em sã consciência, narra cenas de estupro como se fossem sexo casual? Foi justamente isso que me deixou pistola: narrar. estupros. como. se. fosse. sexo. casual. Ele é um estuprador, mas em diversas cenas Hoover dá a entender que as personagens não estão ligando com o que estão acontecendo. Vamos combinar que deve ser super normal você acordar no meio da noite com um cara em cima de você, né? Ai, por favor!

Diferente do que a sinopse entrega, Tarde Demais não é denso e pesado, não é uma história "delicada" sobre abuso. É extremamente perigoso. Colleen Hoover deixa muitas coisas erradas abertas a interpretação, além dos milhares de gatilhos. Não sei qual era a real intenção da autora, mas eu sinceramente não estou conseguindo lidar com esse livro. Li o tempo inteiro com nojo e chateação. Terminei a leitura triste, revoltada, decepcionada e, acima de tudo, ofendida. 

13 comentários:

  1. Então...este livro foi minha última leitura e sinceramente me incomodou muito. Adoro o trabalho da Colleen,mas nesta história sei lá, tudo me deixava apreensiva.
    Romantizando demais a violência, deixando o agressor com "carinha" de gente normal e ainda dando desculpa pra tudo por ele ser assim.
    A parte do romance paralelo também me deixou de queixo, desnecessário demais, banal demais.
    Sem contar na parte final, onde eu, tola, pensei que tudo de ruim já podia ter acontecido e vem a autora e recomeça o drama.
    Tem uma cena de narração do sexo no final que me deu asco!
    Não é um livro ruim, só incomoda pra cacilda!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aquela cena da vingança, né? Meu Deus, chegou no fundo do poço.

      Excluir
  2. Esse parece que ela brincou com a ideia de escrever um negócio e terem lançado em livro mesmo foi bem louco. Pelo que vi lá na época dos capítulos, se é que não tô louca e foi esse mesmo que lançaram coisa por coisa, o pessoal tava lendo e meio abobalhado com cada coisa nova e estranha. Vi muito comentário sobre ela ter feito coisas horríveis. Nem sei o que esperar desse mesmo, porque parece ruim até não poder mais. Talvez seja a intenção, deixar um impacto, algo que dê polemica...agora só lendo pra ver a raiva que vou passar :S
    Mas tá difícil ir com a cara dessa história. Parece ser o livro que faz o fã da autora perder as estribeiras com ela.

    ResponderExcluir
  3. Eu gostei de Tarde demais. Acho que ele é muito razão ou emoção, e eu me deixei levar pela emoção tanto que durante a leitura eu comecei a sentir pena do Asa e ds tudo que ele viveu. Até que no meio da leitura eu tive que me dar um ACORDA!
    Asa é extremamente repulsivo!
    Senti falta do irmão da Sloan, acho que por ele ser o motivo dela aceitar a vida que tem, ele deveria ter aparecido mais.
    Mas essa leitura me fez refletir se eu gostei por ser realmente bom ou porque confundi com o meu amor pela autora, e a segunda opção ganha.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Amo os livros da Colleen, carinhosamente a chamo de rainha da sofrencia. Já li quase todos menos os da série Nunca Jamais.
    Dito isso, quando vi que mais um livro seria lançado fiquei empolgada.
    Mas porém todavia contudo...Tarde Demais foi numa enorme decepção. Senti a falta dos romances arrebatadores, da história fluida que é impossível largar até terminar.
    Foi difícil ler, parava a todo momento. Foi uma leitura forte intensa e infelizmente real.
    Nenhum dos três protagonistas conquistou meu coração.
    O que mais curti foi a brincadeira de Sloan de formar frases sem pensar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que de todos que eu li dela, o que eu mais gostei foi Nunca Jamais, você acredita?
      Agora nesse eu num gostei de nada, misericórdia. Decepção total.

      Excluir
  5. Oi, Ana
    Só li apenas um livro da autora que foi É Assim Que Acaba e amei o livro.
    Quero ler esse livro apesar dos vários comentários negativos que ele tem, concordo com você não adianta ficar humanizando Asa, sendo que ele é um agressor. Mesmo que teve uma infância de agressão ou não, ele podia ter buscado ajuda e ser um ser humano melhor e não fazer o que ele faz com a Sloan.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Relacionamentos abusivos são muito delicados. E tratar desse tema em um livro deve ser muito bem pensado. Como a Colleen conseguiu errar tanto assim? Já vi várias pessoas falando da cena do estupro, a maioria acha bem pesado. Começar o livro assim não foi nada legal.
    Bom, vou ler para tirar minhas próprias conclusões. Só não queria me decepcionar tanto com a autora.

    ResponderExcluir
  7. Ana!
    A autora realmente dispensa comentários.
    Gosto muito de dramas intensos e que descrevem sem meio termo os fatos e assunto como violência doméstica e obsessão amorosa, deve tornar o livro bem denso mesmo.
    Já estou com nojo desse tal Asa...
    Desejo uma semana feliz!
    “Algumas quedas servem para que levantemos mais felizes.” (William Shakespeare)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA OUTUBRO - 5 GANHADORES – BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  8. Estou com esse livro aqui para ler, mas tenho receio do que vou encontrar esta causando muita polemica. Difícil entender porque a autora escreveu um livro assim, abusos estão acontecendo muito na realidade, mas dessa forma que ela escreveu parece que é muito conivente com tudo, acho que nada justifica a pessoa ser como Asa, por ele ter um passado conturbado acho que ele deveria ser uma pessoa melhor. Sem falar nos estupros que são abomináveis.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Ana!!
    Desde que vi o lançamento desse livro e comecei a ler as resenhas sobre ele tomei a decisão de não fazer essa leitura, pois não gostei de vários pontos abordados pela autora e como eles foram tratados na história.
    Bjos
    Bjos

    ResponderExcluir
  10. Oi Ana!
    Conheço a escrita da Collen através do livro Nunca Jamais, gostei mto.
    Qro mto ler outros livros dela, inclusive este tbm, parece ser bom, apesar de algumas pessoas dizerem que não gostaram pelos assuntos fortes abordados pela autora.
    Confesso que a expectativa é imensa até...
    Estou com o livro O lado feio do amor na estante, espero conseguir ler na próxima lista de metas.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi, Ana.
    Olha, li três da Colleen e não gostei de nenhum, então parei de comprar os dela.
    Li outra resenha dele que me chocou, tanto como a sua.
    Achei erradíssimo editoras publicarem esse livro.
    E mais errado a autora escrevê-lo.
    Não o li,nem lerei, mas pelas resenhas deu pra perceber que é um relacionamento muito abusivo e que a mulher é tida como culpada.
    Não quero ler, e ai, se dependesse de mim, esse livro era tirado de circulação!
    Que mal exemplo e que banalização de abusos.
    bjs

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©