16 de julho de 2019

Resenha: A Amante


A grande dama do romance está de volta com uma trama de riqueza e poder, onde o amor e a liberdade podem ser os desejos mais perigosos. A beleza de Natasha Leonova foi sua salvação. Resgatada das ruas de Moscou pelo bilionário russo Vladimir Stanislas, há anos ela vive sob sua proteção em um mundo de luxo, glamour e negócios escusos, dos quais ela nada sabe. A casa deles é o mundo. A bordo de um incrível iate, eles vão para onde querem. Mas, para fazer parte da vida de Vladimir, ela tem de aceitar suas regras: nada de filhos ou casamento. Em troca de segurança e conforto, ela é dele e de mais ninguém. Theo Luca é filho de um dos maiores artistas do século XX. Ele herdou do pai não só o talento para a pintura como também um valioso patrimônio. Ele e a mãe frequentemente expõem as obras de Lorenzo Luca no restaurante que a viúva mantém em homenagem ao falecido marido em uma comuna na França. Theo é muito dedicado ao trabalho e luta para ser reconhecido como um grande pintor; porém, um belo dia, ele comete um erro grave: apaixona-se pela amante de um dos homens mais poderosos do mundo. Mas talentoso pintor é o retrato de um mundo novo, que abre os olhos de Natasha para uma realidade com a qual ela pensava que só poderia sonhar.

Título Original: The Mistress
Autora: Danielle Steel
Páginas: 280
Tradução: Andréia Barboza
Editora: Record
Livro recebido em parceria com a editora

Vocês não acham que a capa desse livro é a cara de capas de romance de época? Pois fui ludibriada sim, gente! Apesar dessa atmosfera, A Amante é um romance contemporâneo regado a luxo e dinheiro, isso porque conta a história de Natasha Leonova, uma jovem que foi salva das ruas pelo multibilionário russo Vladimir Stanislas. Natasha vive há anos sob a proteção desse homem e, em troca de todo o conforto e segurança que recebe, ele quer apenas uma coisa: ela.

O enredo, como perceberam, é típico de filmes da Sessão da Tarde: a moça pobre e doente que é salva por um homem super rico e que não tem coragem de abandoná-lo porque acredita piamente que deve a vida a ele. Além disso, é claro, temos o plus de um leve triângulo amoroso, a fórmula perfeita paras os apaixonados por romance. Eu não costumo ler muitos romances do tipo justamente por não gostar dessa receitinha, mas confesso que essas são as melhores histórias para passar o tempo.

A Amante é um livro bem simples, de forma geral. A história é leve, não tem reviravoltas e, para ser sincera, é tudo bem previsível. Porém, gostei muito do fato de Danielle Steel evitar cenas de erotismo, que eu particularmente detesto e são muito comuns em livros do gênero. Falando a verdade, a autora é extremamente direta em relação ao drama, mas peca muito — e quando eu digo muito, é muito mesmo — nas descrições de ambientes, de roupas e tudo mais.

Na realidade, o livro todo é muito descritivo, acho que consigo contar nos dedos das mãos os diálogos que aparecem por aqui. Para mim, isso tornou a leitura extremamente maçante, mesmo sem os dramas que tornam esse gênero um pouquinho mais exaustivos. Aliás, eu fiquei realmente incomodada com as descrições de roupas, joias, desfiles... Tudo que envolvia o universo glamouroso em que Natasha e Vladimir vivem.

E por falar nos dois, misericórdia. Eu não consigo aceitar que uma pessoa se submeta a um relacionamento tão doentio! Natasha não podia ter amigos, não podia sair sem autorização e tinha obrigatoriamente que estar disponível para Vladimir sempre que ele quisesse. E sim, ela aceitava essas condições de boa vontade porque acreditava, realmente, que aquilo era o melhor para ela. Não é bem um spoiler, mas ela fica bem melhor quando se desfaz do relacionamento, porque cai na real de que esse tipo de coisa não é normal.

Aliás, normal também não é a fixação que Theo, o terceiro elemento dessa história, desenvolve pela protagonista. Eu não sou do tipo de pessoa que acredita em amor à primeira vista, então para mim o que Theo sente por Natasha é um fanatismo doentio, algo que não me desceu em momento algum da leitura. Acho que o personagem em si só serviu para tirar Natasha da bolha em que ela vivia — e olha que parando pra pensar na condição em que ela vivia, até que a personagem é bem coerente e pé no chão.

A Amante não é aquele tipo de livro que arranca suspiros do leitor, na minha opinião, e também está longe de condizer com alguma realidade próxima da nossa, mas estaria mentindo se dissesse que não cumpre o papel de entreter e passar o tempo. Acredito que pode conquistar realmente o coração de leitores que têm afinidade com romances de banca com foco no crescimento pessoal da protagonista feminina.

17 comentários:

  1. Mesmo sem ter lido nada da Danielle Até em não sei porque logo associo ela a um livro com pegadas hot com H maiúsculo.
    Ah esses relacionamentos tóxicos pautados na gratidão, afinal, Natasha acredita que está viva e "bem" graças a Vladimir. É aceita suas condições até... chegar um cara que balança seu mundo...não sei se Sessão da Tarde ou novela das 7horas, mas que já vimos essas premissa por aí vimos... É muito.
    Não sei se leria mas acredito que é uma boa opção pra curar ressaca literária.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, pois quando eu comecei a ler também achei que teriam várias cenas hot. Não é que eu não goste, é que na maioria das vezes elas surgem sem contexto algum.
      Minha filha, isso nunca vai entrar na minha cabeça né. E realmente, a gente vive dando de cara com esse tipo de relacionamento, seja em filme, novela ou livro.

      Excluir
  2. Olá! Também não sou fã de cenas com erotismo, gostei que Danielle Steel evitou esse tipo de cena.
    Um ponto negativo desse livro é que pelo visto ele tem muitos poucos diálogos, e isso me incomoda bastante, pois deixa a leitura cansativa.
    Que bom que a Natasha se livrou do relacionamento tóxico que vivia, ninguém merece ter de viver sem poder ter amigos ou sair sem autorização, entre tantas coisas que Vladimir privou Natasha de fazer.
    No momento eu não sinto vontade de fazer a leitura desse livro, mas talvez um dia eu o leia para tirar minhas próprias conclusões da obra.
    Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  3. Quando eu li a primeira resenha deste livro, eu juro que tive que ler o nome da autora duas vezes para ter certeza de que era ela que havia escrito.rs
    Sei lá, não combina de jeito nenhum com o estilo de livro que ela produz.
    Mas não há como não ser. E entender de uma vez por todas, que Danielle errou e feio nesta obra.
    Parece que tudo deu errado, até a química entre os personagens e isso é fatal.
    Ninguém hoje em dia aceita relacionamentos abusivos(tá, aceitam sim,mas na literatura dá para evitar)
    Passo bem de boa a vez!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Olhando capa já imaginei algum coisa do tipo erótico, mas nossa, acho que antes fosse então...
    Trama com muita discrição e pouco dialogo é um esforço pra ler, a gente empaca bastante e se já não tiver um contexto bom, uma história que esteja funcionando pra gente, seeenhor, que tortura ler. Não fui muito com a cara dele quando vi e nem animo de ler. Mas pra quem gosta de umas histórias mais simples e sem muita reviravolta, romance de banca mesmo, parece bom pra passar o tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem como olhar pra essa capa e imaginar um romanção de época com VÁAAAAAAAAARIAS cenas hot, né? hahahahahaha
      Eu também não sou muito fã de livros descritivos demais não. Por exemplo, eu amo O Senhor dos Anéis, mas demorei um tempão pra conseguir ler!

      Excluir
  5. Que bom conhecer sua opinião sobre esse livro, fica claro que não é o meu tipo de leitura.
    Me parece bem monótona, e a ausência de diálogos é um grande problema.
    Não consigo me sentir atraída pela escrita da Danielle.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Pela capa também achei que seria um romance de época.
    Acho um ponto positivo o livro não conter cenas eróticas, apesar de ser excessivamente descrito quanto ao universo glamouroso do casal, o que torna a leitura bem cansativa e demorada ou então a gente acaba abandonando.
    Além disso, nada justifica o relacionamento doentio dos protagonistas. E, ainda, tem o fanatismo do Theo. A trama é russa, mas está bem parecida com o enredo das novelas mexicanas.

    ResponderExcluir
  7. Oiii ❤ Acho que esse seria um livro que ao fazer a leitura eu ficaria bem irritada por conta de alguns pontos. Principalmente pela forma como Vladimir trata Natasha, como se a existência dela se resumisse a fazer o que ele quer, esse relacionamento parece extremamente tóxico e abusivo.
    Outra coisa que me causou irritação só de saber é que Natasha continua ao lado de Vladimir mesmo ele não a tratando como deveria. Até entendo que ela deve ter medo de voltar a pobreza, mas isso não é motivo suficiente pra ela continuar se sujeitando a essa vida.
    Acho que descrições são muito importantes em livros, mas em excesso, tornam a leitura muito cansativa.
    Triângulos amorosos não me agradam nem um pouco, só me fazem perder o interesse pela leitura. Theo não parece mesmo ter um sentimento real por Natasha.
    Acho que, apesar de alguns ponto ou outro ser interessante, não faria essa leitura, pois muitas coisas me incomodam nesse livro.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  8. Olá Ana!
    Nunca li nada da Danielle Steel, e confesso que não tenho muita vontade.
    Realmente romances assim são bons para passar o tempo, mas por alguns comentários que você fez não acredito que iria gostar do livro. Primeiro que não gosto muito de triângulos amorosos, e acho muito cansativo livros assim muito descritivos. Fora esse jeito que o Vladimir trata a personagem, que com certeza iria me fazer odiar ele muito.
    Infelizmente esse não é meu tipo de livro :/

    ResponderExcluir
  9. Pela capa, também achei que se tratasse de um romance de época. Diante de todos os pontos ressaltados da obra, não devemos ir com muitas expectativas com grandes sobressaltos. Realmente esse tipo de leitura geralmente vem sempre carregada de cenas eróticas, que quase sempre se tornam cansativas. Um bom drama eu até gosto, mas tem que ser bem trabalhado.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Ana
    A capa é lindíssima, adoro azul.
    Uma pena o enredo ser bem previsível, mas que pode aliviar alguma ressaca.
    Não conheço a escrita da autora, mas quero poder ler em breve.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Eh, eu sinceramente não entendo como o povo gosta de Danielle Steel. Parece que toda a resenhaque eu leio sobre livros dela, há algum tipo de relacionamento problematico. Acho que a unica exceção que eu já ouvi falar é aquele novo dela, que é distopico mas que eu esqueci o nome ahahahab

    ResponderExcluir
  12. Oi, Ana!!
    Li um livro muito tempo atras da Danielle Steel e não gostei muito da história e até hoje não dei uma segunda chance para os livros dela e sinceramente não gostei muito do enredo desse livro.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Lari, que era colunista aqui no blog, tentou ler um livro dela há um tempinho e não conseguiu passar da metade, rs.
      Ela realmente é muito descritiva, pra quem não gosta melhor nem arriscar.

      Excluir
  13. Olá!
    O livro me pareceu interessante no começo mas ao continua sua resenha na minha perspectiva me pareceu mais com um relacionamento abusivo, ou sei lá. Fiquei bem receosa sobre o livro, não sei se leria mas talvez eu lesse algo da autora mas que seja uma outra trama.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  14. Oi Ana,
    Aii sinceramente não fiquei com vontade de ler ele não.
    Quero ler alguns da Danielle Steel, mas parece ser uma descritivo e arrastado, além de ter uma trama que não me chama a atenção. Kkk
    Bjs

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©