Não Consegui Terminar um Livro de Parceria, e Agora? - Roendo Livros

23 de outubro de 2019

Não Consegui Terminar um Livro de Parceria, e Agora?


Eu leio desde que me entendo por gente. Lembro de mim criancinha tendo contato com livros de fábulas, de princesas da Disney e tudo mais. A primeira história que realmente me marcou foi O Meu Pé de Laranja Lima, já que faz anos que li e ainda lembro de cada detalhe, de cada sensação que tive durante a leitura. Depois disso, não parei mais. O primeiro grande livro que li foi Crepúsculo, seguido de Harry Potter. Foram esses livros que abriram as portas da literatura para mim e tenho grande afeição por eles.

Durante essa minha enorme jornada como leitura, abandonei pouquíssimos livros, 10 num total. Mas esse ano me aconteceu algo que nunca tinha acontecido antes ("em todos estes anos, nesta indústria vital, esta é a primeira vez que isso me acontece"): eu abandonei um livro de parceria. Não foi uma decisão fácil e talvez tenha algumas consequências, mas cheguei à conclusão de que a vida é muito, muito curta para perdermos tempo com livros que não estão fluindo.

Resolvi escrever esse texto para vocês porque nos sentimos muito culpados ao deixar um livro de lado. Sei disso porque já terminei livros que considero horríveis na força do ódio, só porque eu sentia que não podia de forma alguma não terminar uma história. Mas até que ponto esse esforço vale à pena? Quer dizer, demoramos eras para terminar determinado livro, semanas, meses, enquanto podíamos ter aproveitado todo esse tempo para ler diversas outras coisas que provavelmente seriam muito mais legais.

Por exemplo, eu recebi Minha História de Amor, da Tina Turner, em maio desse ano. Faz cinco meses que estou tentando finalizar essa leitura e simplesmente não consigo. Quando o livro chegou para mim, fiquei super animada porque eu amo ler biografias/autobiografias. Acho fascinante saber um pouco mais sobre a vida da pessoa, seja ela quem for. Mas a verdade é que eu esperava algo totalmente diferente do que encontrei aqui — até onde eu consegui ler, é claro.

Nesse livro, sua segunda autobiografia, Tina Turner fala um pouco sobre o seu relacionamento abusivo com seu ex-marido, Ike Turner, e, claro, sobre como conseguiu sair dele. Apesar de trabalhar desde adolescente e do seu dueto com o Ike, Tina só conseguiu chegar ao estrelado após abandonar o marido, que não a deixava existir sem ele. Por exemplo, ela não podia ter amigos, não era paga pelos shows, não tinha autorização de ir em nenhum lugar sem ele. Isso sem contar os constantes abusos físicos e verbais.

Seria mentira se eu dissesse que não fiquei impressionada com tudo o que ela disse. É triste saber que nos vídeos, nos palcos, ela parecia super feliz, quando na verdade estava sendo espancada. Ela tinha que tomar cuidado até com a forma como olhava para Ike. E foram 14 anos vivendo esse inferno! O que me alegra é saber que Tina Turner encontrou o verdadeiro amor — saudável e igualitário — ao lado do atual marido, Erwin Bach, que conheceu cerca de 10 anos depois de.

Bom, falando assim, fica um pouco difícil entender o porquê de eu não ter conseguido finalizar a leitura, né? A verdade é que, além da narrativa não ter me prendido e não ter me passado a emoção que deveria, Tina conta tantas futilidades que foi difícil chegar aonde cheguei, pouco antes da página 100. Apesar de todo sofrimento envolvido, não consegui me concentrar nessas partes tamanha a irritação com essas passagens um tanto superficiais.

Sinceramente, me sinto um pouco mal sobre ter esses sentimentos acerca de uma pessoa que passou por tanta coisa ruim e ainda está aqui, para nos dar exemplo, para nos transmitir força. Mas ao mesmo tempo, acho que está tudo bem não gostar do livro e da maneira como foi narrado, pois isso não diminui o que ela passou, não diminuiu toda a história de superação dela. Além do mais, não significa que o livro é ruim, só não funcionou comigo.

No final das contas, só queria dizer uma coisa. A gente lê muito, tem contato com muita coisa boa e ruim, e realmente não somos obrigados a gostar de tudo o que lemos. É natural do ser humano, se pararmos para pensar. Então não se sintam culpados por não conseguirem terminar um livro, e não sintam medo de deixá-lo de lado, mesmo que seja de parceria. As pessoas por trás das editoras também são humanas e compreensíveis, e existem outras milhares de obras maravilhosas dessas mesmas editoras aí, só esperando um pouquinho de atenção.

Título Original: My Love Story
Autora: Tina Turner
Páginas: 224
Tradução: Carolina Simmer
Editora: Best Seller
Livro recebido em parceria com a editora

Tina Turner — a rainha do rock 'n' roll e lenda viva — fala sobre sua ilustre carreira e sua vida pessoal conturbada neste livro de memórias revelador. Desde a infância em Nutbush, Tennessee, até sua ascensão à fama ao lado de Ike Turner e depois o sucesso fenomenal na década de 1980 e além, Tina examina abertamente sua história pessoal, desde suas horas mais sombrias até seus momentos mais felizes. Minha história de amor é uma história explosiva e inspiradora de uma mulher que se atreveu a quebrar todas as barreiras colocadas em seu caminho, colocando em páginas a mistura de força, energia, coração e alma que é a marca registrada de Tina. Suas memórias são fascinantes e emocionantes como qualquer um de seus maiores sucessos.

18 comentários:

  1. Também leio desde sempre e me parte o coração abandonar um livro, por isso me torço a ler até o final.
    Quanto ao seu desabafo. Uma pena que a leitura não fluiu. Adoro a Tina, suas músicas, sua história de vida. Assisti a sua cinebriografia e sua luta pra sair dessa relacionamento foi visceral.
    Sempre tive curiosidade de saber sobre livros de parceria: o que acontece quando a crítica não é o que a editora espera? Pode abandonar o livro de parceria? É o blog qurm escolhe o livro?
    Assim, deixo aqui minha sugestão de um post com essa temática.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, eu ficava me perguntando também o que aconteceria se eu não conseguisse terminar um livro de parceria. Aí eu fiz esse texto e mandei para Record, por exemplo. Apesar de tudo, ainda deixei minha opinião.
      Agora, acredito que as editoras são bem conscientes quanto à criticas negativas, até porque a gente não é obrigado a gostar de tudo que lê, né...
      Em algumas editoras eu escolho os livros, em outras mandam de acordo com o perfil do blog. :3

      Excluir
  2. Ana!
    Mesmo que não tenha conseguido terminar a leitura desse livro enviado por uma editora parceira, acredito que fez seu papel, o papel esperado por um parceiro, que é falar sobre a obra e qual sentimento ela lhe causou, mesmo que não tenha sido uma grande experiencia, portanto, não deve mesmo se sentir culpada.
    Quanto ao livro , sempre fui fã da Tina Turner e sinto ver que o livro não foi tão bem escrito.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  3. Nunca havia parado para pensar nessa situação de fato. Só abandonei um livro na minha vida(A Batalha do Apocalipse),mas nunca senti arrependimento por isso não.
    Penso que cada leitor tem o seu tempo, o seu gosto, o seu sentir. E não há culpa em abandonar um livro, seja de parceria ou não.
    O livro despertou em você vários sentimentos e oh, talvez tenha sido até isso que fez deixar a leitura de lado.
    O que importa de fato, é que você fez o que o coração mandou.
    Pronto!!!!
    Beijo

    Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jura??? Eu AMEI A Batalha do Apocalipse quando eu li. Mas eu era bem mais nova.
      Antes eu me sentia super mal, acho que agora esse sentimento passou, sabe?
      Concordo com tudo o que você disse!

      Excluir
  4. Abandonar livro não é comigo, eu leio nem que seja na base da pirraça pra poder falar mal depois xD
    Mas isso de parceria sempre foi algo que achei "tem que ter coragem" justamente por coisas assim. É um negocio que não sei se conseguiria levar adiante por poder acontecer isso de tentar empurrar o livro e se sentir mal com aquilo e isso de "tenho de ler por ser da parceria"...ah que desanimo. Tem coisa que não chama atenção. Livro que você quer muito ler mas não embala como pensou e talvez perca o interesse mesmo e não tem problema desistir dele. Tentar outra hora, não tentar mais e esquecer e ir pro próximo. Essa liberdade de largar mesmo e é isso aí é de leitor em leitor mas é sempre bom ter essa opção e não ficar lendo coisa por obrigação né. Não abandono por pura pirraça mas se chegar uma hora que um livro não funcione mesmo e eu já não tenha mais paciência pra ele não quero me sentir mal por não acabar de ler. É complicado isso. Nem tenho ideia de como é ter parceria e de todo o sentimento e obrigações por trás. Mas só posso desejar boa sorte com as leituras e que esse seja uma exceção, que venham muitas coisas boas pela frente e se não vier, bem, é isso aí né.

    ResponderExcluir
  5. Caramba! Tudo q eu sabia da Tina envolvia apenas algumas músicas q conheço. Não tinha a mínima ideia de nenhuma parte da sua vida, então fiquei muito chocada ao descobrir isso.
    Sobre o abandono, eu tbm me forçava a terminar livros, mas recentemente eu descobri, assim como um filme ruim, ou uma série ruim... tudo bem não conseguir terminar um livro.. simplesmente não era pra mim. Eu entendo o seu lado de principalmente ser uma parceria, mas ainda assim, no momento que passa a ser obrigação acaba não valendo a pena. Eu super apoio quem tem forças pra abandonar um livro kkkkkk

    ResponderExcluir
  6. É, miga! O problema de ter parceria é esse sentimento de obrigação de ler tudo o que eles mandam, e infelizmente nem sempre iremos gostar. Vale mesmo a sinceridade a respeito do livro do que fingir que leu e ficar tudo ok, sabe? Você já tem uma rotina super pesada, a leitura precisa ser seu horário de diversão, então tem que ler coisas boas e que te deixem com vontade de quero mais.
    Silviane, blog Memento MoriParticipe do Top Comentarista de Outubro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simmmm!
      Infelizmente a gente tem essa pressão. Eu sinceramente acredito que eles tenham esse discernimento né, porque se não... Aí agora eu tô nessa mesmo... Lendo só que tenho interesse.

      Excluir
  7. Oiii ❤ Desde que comecei a ler pra valer eu achava que todo livro que eu começava eu precisava obrigatoriamente terminar, mesmo que eu não estivesse curtindo a leitura. O mesmo acontecia com séries, eu não abandonava nenhuma mesmo que eu não estivesse mais na vibe de continuá-la.
    Mas, esse ano melhorei muito quanto a isso, se um livro não está fluindo para mim, não faço sua leitura por completo.
    Você tem razão, é incômodo ler algo que não está gostando, sendo que esse tempo poderia ser gasto para ler algo que realmente agradasse.
    Gostei muito do post.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  8. Abandono filmes e séries sem o menor ressentimento. Já com os livros, admito que sou mais persistente, tem muito afeto envolvido, sabe? Mas, também não me sinto obrigada a terminar um livro que não estou gostando. Levo a leitura até onde deu.
    Gostaria de saber se as editoras te enviam os livros ou se vc tem a possibilidade de escolha. Se possível, comenta também sobre os prazos para postar as resenhas aqui no Blog. Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Sempre fui o tipo de leitora que forçava a leitura, independente de estar boa ou não. Devo ter abandonado menos de 5 - até esse ano.
    Se eu não estiver enganada, acho que foi um post seu que me abriu os olhos. Era algo relacionado de ler até a página 100, se não estiver fluindo até aí, era melhor abandonar.
    Esse ano eu já abandonei uns 6 livros, e sem nenhuma culpa. Entendi que tem muitos livros bons me esperando e que forçar uma leitura que não está agradando é totalmente desnecessário.
    Espero que a editora entenda esse abandono.
    Sobre o livro, uma pena que não tenha fluido. Talvez se tivesse editado algumas partes, seria mais fácil.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá! ♡ Antes eu me cobrava demais para terminar os livros que tinha começado, eu lia até forçada só para conseguir chegar ao final, por mais arrastada que a leitura estivesse eu me esforçava para conclui-la. Hoje eu vejo que não deveria ter feito isso, aprendi que se uma leitura não está me agradando eu não devo me forçar a continuar. A leitura tem que ser algo prazeroso, algo que fazemos por vontade própria não o contrário.
    Eu não costumo ler biografias/autobiografias, apesar de que eu gostaria de conhecer mais sobre a Tina Turner. Meu único receio acerca desse livro é a questão dessas passagens superficiais, isso também é algo que me incomoda bastante nos livros.
    Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  11. Olá! Não se culpe por isso não. É complicado, mas acho que você está fazendo o correto. Expor a sua opinião sobre o livro seja ele bom ou não. Te admiro por isso.
    Eu estou começando a ler agora. Confesso que é tudo muito novo para mim. Por isso leio todas as resenhas que encontro sobre o livro antes de iniciar.
    Bjos!❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal, uma leitora iniciante!
      Fico feliz por você ter encontrado o blog. Espero que pesque algumas dicas legais! <3

      Excluir
  12. Oi, Ana
    Concordo muito com você. A vida passa muito rápido para perdermos tempo com livros que não gostamos e não dá prazer.
    Antigamente eu lia mesmo detestando cada página só pra não abandonar, mas acho que perdi muitooooo tempo em poderia estar aproveitando uma leitura prazerosa. Então agora só leio o que flui e abandono sem dó.
    Acho que pelo fato de eu ler muito no kindle é uma boa também. Porque são tantas leituras disponíveis na hora que não compensa ficar numa que não me atrai.
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Olá, Ana
    Não podemos ficar perdendo tempo com coisas que não nos agrega em nada.
    Até hoje só abandonei um livro, mas ainda pretendo ler ele em outro momento com calma.
    Não costumo ler biografias ou autobiografia, tudo bem que a cantora passou por muitos abusos, mas não precisa ser contado nos mínimos detalhes.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Oi, Ana!!
    Abandonar um livro que infelizmente não estamos conseguindo nos conectar para mim não tem nada demais, também abandonei pouquíssimos livros e sinceramente devemos ler o que nos atrai e nos dar prazer.
    Bjs

    ResponderExcluir