Vermelho, Branco e Sangue Azul | Casey McQuiston - Roendo Livros

5 de novembro de 2019

Vermelho, Branco e Sangue Azul | Casey McQuiston


O que pode acontecer quando o filho da presidenta dos Estados Unidos se apaixona pelo príncipe da Inglaterra?
Quando sua mãe foi eleita presidenta dos Estados Unidos, Alex Claremont-Diaz se tornou o novo queridinho da mídia norte-americana. Bonito, carismático e com personalidade forte, Alex tem tudo para seguir os passos de seus pais e conquistar uma carreira na política, como tanto deseja.
 Mas quando sua família é convidada para o casamento real do príncipe britânico Philip, Alex tem que encarar o seu primeiro desafio diplomático: lidar com Henry, irmão mais novo de Philip, o príncipe mais adorado do mundo, com quem ele é constantemente comparado ― e que ele não suporta. 
O encontro entre os dois sai pior do que o esperado, e no dia seguinte todos os jornais do mundo estampam fotos de Alex e Henry caídos em cima do bolo real, insinuando uma briga séria entre os dois. 
Para evitar um desastre diplomático, eles passam um fim de semana fingindo ser melhores amigos e não demora para que essa relação evolua para algo que nenhum dos dois poderia imaginar ― e que não tem nenhuma chance de dar certo. Ou tem?

Título Original: Red, White & Royal Blue
Autora: Casey McQuiston
Páginas: 392
Tradução: Guilherme Miranda
Editora: Seguinte
Livro recebido em parceria com a editora
Resenha por Silviane Casemiro

Vermelho, Branco e Sangue Azul será, provavelmente, o romance LGBT mais fofo que você lerá este ano. Isso porque os protagonistas da história são ninguém mais, ninguém menos, do que o filho da presidente dos EUA e o Príncipe Herdeiro da Inglaterra. Já é possível saber que, além de um romance, o livro também tem uma pegada política que deixa o leitor mais ansioso para saber o desfecho do namoro proibido.

Apesar de ser narrado em terceira pessoa, acompanhamos a história cem por cento do tempo pelo ponto de vista de Alex, o primeiro-filho dos EUA. Ele é um estudante universitário que aos 18 anos teve sua vida virada de cabeça para baixo quando sua mãe foi eleita presidente. Ele ama política, então adora estar nesse meio, mas odeia a exposição que tem na mídia com sua irmã, June, e sua melhor amiga Nora. Alex desde os 12 anos sente um ódio profundo por Henry, o Príncipe da Inglaterra, e após um mal entendido no Casamento Real do irmão de Henry eles são obrigados a aparecer na mídia como amigos, com diversos encontros de fachada e conversinhas nas redes sociais falsas, então à partir daí eles descobrem que estão apaixonados.

Só o enredo inicial já é claro que a história é fofinha demais e com certeza o sonho de muitos garotos que, por muitos anos, viram os príncipes e sonhavam em algo com eles, mas infelizmente um sonho impossível se tratando de uma família real que precisa manter todas as aparências possíveis. Henry é contra as aparências e julga a história da família real em muitas conversas que tem com Alex, toda a hipocrisia e mentiras que são contas para manter a "ordem" e deixar o povo conservador feliz.

Eu mesma ficava o tempo todo pedindo para Henry ter coragem de enfrentar o sistema mesmo com seu medo, e ao mesmo tempo batia uma aflição por saber que ele não poderia. Alex, por sua vez, tem toda a liberdade de ser quem é dentro de casa, mas seu medo é com a reeleição de sua mãe. Ele não é assumido, e na verdade sempre se considerou hétero, já que tem atração por mulheres também; Gostei muito por ele ser bi, mas ao mesmo tempo parece ser uma alternativa fácil para não deixar o escândalo ainda maior. Não foi citado pela família dele que seria uma "fase", mas poderia sim ser uma desculpa para ele ser julgado.

Vivendo em um relacionamento escondido por alguns meses, os dois passam por diversas situações de perigo que, querendo ou não, são muito fofas. Essa ideia de amor proibido, com cartas sendo escritas através de e-mails, dá até uma impressão de Romeu e Julieta moderno, mas ao invés de serem separados pela família eles são separados pela política/sociedade que, aparentemente, exige que as pessoas sejam de tal modo para funcionar. Acho engraçado que muitos políticos são hipócritas nesse sentido, já que vêm com essa história de escândalo familiar, de defender a família e não sei o que lá, mas na verdade escondem muitas coisas atrás dessa fachada. rs

Vermelho, Branco e Sangue Azul é realmente muito fofo e marcante, seja pelos personagens bem construídos ou por seus diálogos. É um livro que com certeza irá fazer as pessoas se apaixonarem mais por príncipes e por jovens políticos que não tem medo de ser quem são.

6 comentários:

  1. Ahhh!! Tô louca por esse livro Anaaaa!!!
    Quem não curte um romance fofo com pegada de Amor impossível?
    Sempre tive fascínio pela realeza britânica. E também pelo EUA. Então pra mim é o melhor dos dois mundos.
    Como você menciona, para Alex é mais fácil assumir o que ele sente, já Henry vive em um mundo quase mágico, que exerce fascínio, ainda ligado a antigas traduções.
    Enquanto lia a resenha, fiquei imaginando se existe algum Henry na vida real lá na Inglaterra.
    Quanto ao casal já Shippo.

    ResponderExcluir
  2. ANA!
    Pois é, acho um trtemendo absurdo, principalmente em um país como os Estados Unidos, ainda ter esse lance de preconceito com os candidatos a presidência e seus familiares.
    Gostei da ousadia do autor em criar um enredo com tema tão polêmico, não pela bissexualidade, mas pela interferência na política do país.
    E se é tão fofo como diz, já quero poder ler.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  3. Eu amo tanto leituras fofas.
    Acho incrível que a maioria das leituras lgbts tem essa pegada mais amorzinho, sempre fico encantada.
    Quero poder fazer essa leitura em breve, sua resenha só aumentou o interesse.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Primeira resenha que leio deste livro e claro que já quero ele em minhas mãos!Fiquei aqui lendo a resenha e visualizando todo o enredo na minha frente!!!
    Eu sou fã de uma história de amor bem construída e pelo que li, essa é uma delas e eu vou amar esse romance fofo, delicado e sim, fora dos ditos "padrões".
    Já vai para a lista de desejados com certeza!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na flor

    ResponderExcluir
  5. Gostei de ver o pessoal falando dele quando lançou lá fora, as expectativas ficaram nas alturas. E parece que é agradável mesmo. Romance nessa linha já me fisga por ser assim. Com essa brincadeira politica no meio e o clichê (fugindo do clichê) de um "príncipe dos sonhos" já me faz pensar na história fofa que vem pela frente. Gostei da comparação com o romance proibido, essa ideia de alguma coisa mais moderna do tipo, com a sociedade e a questão politica separando eles. Já me faz ficar torcendo por esses dois chutarem o balde viu xD
    A narrativa do ponto de vista de um é que me fez ficar meio pé atrás, mas só porque adoro quando fazem livro com as duas partes narrando. Mas deve ser legal ficar nessa agonia de não saber muito do outro, sem saber o que esperar, as expectativas do próprio personagem e tal. Imagino que pelo romance isso deixe a gente tão ansioso quanto ele mesmo! Ah mas gostei. Quero ler e espero que seja essa fofura toda mesmo ^^

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana,
    De cara já amei a sinopse deste livro, pois amo um bom romance e nunca li nenhum que trouxesse a realeza inglesa e a política americana. A posição em que os personagens se encontram limitam um pouco suas liberdades, um por vir de uma família que preza o tradicionalismo e crenças ultrapassadas e o outro por ter que lidar com a possível rejeição da sociedade e como ela viria afetar sua família. Todo o dilema já me deixou aflita em só imaginar a situação de ambos, que vivem uma paixão que deveria ser exposta para o mundo, mas não podem. Eu não tenho dúvidas de que irei gostar desse livro, por isso já vou acrescentá-lo a minha lista de desejados.

    ResponderExcluir