Minha Vida Fora dos Trilhos | Clare Vanderpool

Meu primeiro contato com Clare Vanderpool foi com, obviamente, Em Algum Lugar nas Estrelas. Gostei muito da escrita da autora, e foi isso que me impulsionou a ler Minha Vida Fora dos Trilhos, a primeiríssima obra escrita por ela. Nessa história, conhecemos Abilene Tucker, uma garota de 12 anos que é enviada pelo pai para passar o verão em uma cidadezinha do Kansas chamada Manifest — um lugar que, apesar de pequeno, é cheio de segredos — após um acidente que a deixou de cama por alguns dias. Nada extremamente sério, mas que deixou o pai da garotinha muito preocupado e fez com que ele decidisse que Abilene não devia acompanhá-lo no seu próximo trabalho.

Logo em sua primeira noite em Manifest, Abilene encontra no quarto em que está hospedada uma caixinha misteriosa, contendo objetos pessoais a cartas pertencentes a alguém que provavelmente habitou Manifest no passado. Mais do que isso, o rapaz a quem as cartas eram endereçadas pode ter dormido naquele mesmo quarto... Impulsionada pela curiosidade de saber quem eram aquelas pessoas e pela vontade de saber um pouco mais sobre o passado da cidade e, consequentemente, do seu pai, Abilene começa a percorrer diversas pistas com a ajuda de suas grandes amigas Lettie e Ruthanne.
 
Não são necessárias muitas páginas para entendermos que existe um "mistério" envolvendo Manifest, mas acredito que os leitores só são fisgados quando Abilene conhece a vidente Sadie, uma senhora que vive na cidade há muitos anos e sabe tudo o que acontece por lá. Os encontros entre as duas são sempre permeados por curiosidades sobre cidade, mas do ano de 1918 — a história se passa em 1936. Sendo assim, existem duas passagens de tempo em Minha Vida Fora dos Trilhos, e as duas impulsionam a trama de forma sensacional. Junto com as passagens de tempo, temos acesso também às cartas encontradas por Abilene e à uma coluna de fofocas produzida pela jornalista local Hattie Mae em 1918.
 
Quando há sofrimento, procuramos um motivo. E é mais fácil encontrar esse motivo dentro de si mesmo. — p. 143

Enquanto a narrativa está no presente, a gente ficam muito curiosa para saber se Abilene vai conseguir juntar as peças e descobrir o que realmente aconteceu em Manifest em 1918... E quando a senhora Sadie está narrando os fatos daquela época, um pouquinho de cada vez, é como se ela quisesse que nós, leitores, ajudássemos a protagonista e entender tudo o que aconteceu e, principalmente, qual a ligação de Manifest com Gideon, seu pai. Assim, as histórias contadas por Sadie, as cartas e a coluna de Hattie Mae formam um quebra-cabeça delicioso de ser montado. Não fica aquela coisa cansativa, que dá vontade de pular os pedaços, sabem?
 
Além do mais, Clare Vanderpool foi muito assertiva ao mesclar ficção com momentos históricos que realmente existiram. Por exemplo, um dos personagens que aparece em 1918 foi lutar na Primeira Guerra Mundial — e aí que entram as cartas que Abilene encontra em seu quarto. Além disso, as partes narradas no presente se passam durante a Grande Depressão dos Estados Unidos e o cenário foi muito bem construído. A pandemia da Gripe Espanhola também foi retratada pela autora, algo que achei bem interessante... Inclusive não foi difícil encontrar semelhanças com o que estamos vivendo no mundo em pleno século XXI, né?

O mais engraçado de tudo é que eu já tinha em mente o desfecho da história e não errei, mas por mais que eu tenha acertado, consegui me emocionar do mesmo jeito com o que aconteceu. Existem livros bons que são bons porque nos surpreendem, e existem livros bons porque são muito bem escritos e tocam o nosso coração, que é o caso de Minha Vida Fora dos Trilhos. Fiquei muito impressionada com a forma como a autora foi desatando todos os nós que deixou durante a história, sem deixar nenhuma ponta solta para o final. Incrível!

Eu gostei demais de Em Algum Lugar nas Estrelas, mas o que eu senti ao terminar Minha Vida Fora dos Trilhos é simplesmente indescritível. Fui totalmente conquistada pela inocência da protagonista, pela mensagem que Vanderpool entrega no final sobre a importância das amizades, da família e da união de uma comunidade que luta em prol do direito de todos. É uma história muito simplista, realmente, mas que entrega muito mais do que eu esperava. Recomendo de olhos fechados!
 
Título Original: Moon Over Manifest ✦ Autora: Clare Vanderpool
Tradução: Débora Isidoro ✦ Páginas: 320 ✦ Editora: DarkSide Books

Postar um comentário

12 Comentários

  1. Esse é um dos livros da darkside dos antigos que tenho vontade de ler, e darklove né, esse selo geralmente traz uma sensibilidade por mais simplista que seja a historia. Edição belíssima também!

    ResponderExcluir
  2. A premissa, de encontrar algo do passado e ir em busca do dono, me lembra muito meu filme fav da vida O Fabuloso Destino de Amelie Poulain.
    A jornada de Amelie é linda emocionante e inspiradora. E ela acaba se reencontrando nessa jornada.
    Claro que por ser criança, a jornada de Abilene é completamente diferente mas não menos inspiradas e emocionante.
    P.s. obrigada por me fazer add mais um livro na minha wishlist infinita rsrsrs

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ana
    Sua resenha é a primeira que leio desse livro, desejo ele pela capa e sinopse. Agora quero pela trama!
    Adoro livros que mistura ficção com realidade e o enredo tem um ar de mistério, tem criança como personagem e muita pelo jeito muita emoção ao leitor.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá! É muito bom quando descobrimos a escrita de um autor e nos encantamos com outros de seus livros, esse além de uma edição linda, parece ter uma história ótima, com uma pitada de mistério que nos deixará doida para chegar logo ao final hein.

    ResponderExcluir
  5. Primeira resenha que leio sobre este livro e já estou aqui indo colocar ambos os livros na estante de desejados!
    Há não somente o mistério envolvendo os moradores antigos da cidade, mas também as descobertas do presente e isso é maravilhoso.
    Falar do trabalho da DarkSide é chover no molhado rs
    Sempre magnífica!!!!
    Quero muito ler!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  6. Não conheço os livros da autora, mas as capas são tão lindas que parecem pequenas obras de arte (também pudera, não esperava nada menos da Darkside, mas só depois fui reparar que os livros eram dessa editora hahah). Acredito que eu ficaria ansiosa para descobrir o mistério, fiquei curiosa com isso. Adoro quando não ficam pontas soltas e quando os livros nos emocionam, esse parece ser ótimo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. essa é a primeira resenha que leio dessa livro ,não conhecia .que bom que a autora consegue traçar um enredo que prende ,que fascina ,que não deixa pontas soltas e alem disso tudo a autora insere fatos historicos na trama .eu amo isso ,;se puder desejo ler sim

    ResponderExcluir
  8. Olá Ana Clara!
    Nunca li nada da autora, é a primeira vez que ouço falar dela. Já gostei do fato da trama ser permeada por fatos históricos, principalmente quando o autor se preocupa com a veracidade desses fatos como nesse caso. Quem não curte um bom mistério, não é mesmo? Realmente existem vários tipos de livros bons, e os que emocionam e tocam os leitores são os melhores na minha opinião.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá...
    Esse livro está na minha listinha de desejados e espero poder ler ele em breve. Ao contrário de você, nunca li nada da autora, mas essa obra sempre me chamou a atenção... Agora, ao ler sua resenha minha vontade de ler aumentou ainda mais!
    Me chamou muito a atenção isso que você disse: "Existem livros bons que são bons porque nos surpreendem, e existem livros bons porque são muito bem escritos e tocam o nosso coração"... essa frase é muito verdadeira e meio que exprime o que realmente é ser leitor... Amei!
    Beijos

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Esse livro é muito bonito mesmo e de novo a autora me conquistou aqui. Amei a história e o jeito envolvente dela, a vontade de saber como tudo iria terminar e o mais legal pra mim é poder retratar aquelas coisas do momento, os fatos reais da história e tempo pra dar aquela cara de coisa que aconteceu pra trama. Emociona e prende, é um livro bem gostoso de ler.

    ResponderExcluir
  11. Ana!
    Todo esse mistério da cidade, a protagonista inocente, o passado e o presente indo e vindo, os fotos históricos, tudo isso torna o livro bem atrativo para uma leitura emocionante.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  12. Oiiie Amiga, já vi esse livro, só não lembro onde, mas ao ler sobre ele fiquei um tanto curiosa para saber sobre as cartas e de quem são.. A premissa é interessante e percebo ser bem envolvente.

    Blog: Tempos Literários

    ResponderExcluir