17 de novembro de 2018

Resenha: O Vilarejo

Em 1589, o padre e demonologista Peter Binsfeld fez a ligação de cada um dos pecados capitais a um demônio, supostamente responsável por invocar o mal nas pessoas. É a partir daí que Raphael Montes cria sete histórias situadas em um vilarejo isolado, apresentando a lenta degradação dos moradores do lugar, e pouco a pouco o próprio vilarejo vai sendo dizimado, maculado pela neve e pela fome.
As histórias podem ser lidas em qualquer ordem, sem prejuízo de sua compreensão, mas se relacionam de maneira complexa, de modo que ao término da leitura as narrativas convergem para uma única e surpreendente conclusão. 

Título Original: O Vilarejo
Autor: Raphael Montes
Páginas: 109
Editora: Suma

Raphael Montes nos diz logo no começo deste pequeno livro que as histórias ali reunidas foram nada mais do que traduções de um caderno que chegou até ele, de Peter Binsfield, padre e demonologista do século XVI, que viveu em Trier, na Alemanha. O caderno misterioso chegou em suas mãos, depois que Elfrida Pimminstoffer morreu e Ana, sua bisneta, resolveu se desfazer da vasta coleção de livros daquela senhora ― cerca de 7 mil exemplares.

Maurício Ribeiro, sócio do sebo Baratos da Ribeiro, em Copacabana, achou que Raphael teria interesse nos cadernos, que estavam escritos em alguma língua a muito esquecida ― que depois ficou-se sabendo ser cimério. Após muito trabalho traduzindo o que parecia impossível, Raphael organizou os escritos em o que hoje podemos chamar de O Vilarejo. Se você quer acreditar em tudo isso, fica por sua conta e risco, já que o vilarejo parece nunca ter existido, ou se consumido no tempo, sem nenhuma explicação.

Este é um livro de contos, sete, mais precisamente, em que temos Asmodeus, a representação da luxúria, Belzebu representando a gula, Mammon representando a ganância, Belphegor que representa a preguiça, Satan a ira, Leviathan a inveja e por fim Lúcifer que representa a soberba. Todos os sete demônios e pecados capitais em algum momento estiveram presentes no vilarejo, e Raphael parece ser um mero espectador, assim como a gente, da maldade humana.

Os contos são breves e se ligam, mas definitivamente não importa a ordem que você os leia (embora eu ache prudente que você deixe Satan ― Um Homem de Muitos Nomes por último, já que pode estragar parte da surpresa dos outros contos). Vale destacar que Raphael é um autor brasileiro, que também é roteirista e colunista. O Vilarejo teve grande sucesso, é um livro curtinho e fácil de ler, que te deixa intrigado do começo ao fim, onde a linha do destino une todas as histórias.

Posso dizer que se fosse dar uma nota de zero a dez, seria um sete e meio, talvez... Por que? Ah sim, é que eu leio muitas coisas de terror, como vocês sabem, e esse livro não me deixou com medo, apenas com raiva das atitudes babacas daquele povoado. Mas eu sei que você, cidadão comum, que não se preocupa com barulhos à noite e nem com vultos na cozinha, vai tomar uns belos sustos, ou pelo menos Raphael vai conseguir te fazer revirar o estômago.

23 comentários:

  1. Só li um livro dele mas me impressionou a bizarrice e o jeito como conta a história. Adorei a ideia desse pelas coisas dos pecados, cada conto com algo assim. Parece ser bem interessante e pela forma como ele escreve com certeza vai ser fácil e gostoso de ler. Doideira essa história do caderno traduzido, verdade ou não. É algo que dá um tom de mistério a mais pra história e achei bem maluco!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se os cadernos são ou não reais, confesso que nem pretendo descobrir HAHAHA isso só me daria mais pesadelos de noite! Creepy!

      Excluir
  2. Já eu leio quase nada de terror então se fosse ler O Vilarejo provavelmente morreria de medo e pavor.
    Percebi, pela resenha, que o livro mostra que a maldade é intrínseca ao homem e quando posto em uma situação extrema sucumbem e tomam atitudes chocantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chelle, pra mim o 'pior' conto é o primeiro, da gula. Apesar de não ter me assustado, eu fiquei uns bons dias pensando nele. Tenso!

      Excluir
  3. Este não é um livro de terror, fato!rs
    Me orgulho em dizer que tenho e já li todos os livros do Raphael, meu autor nacional favorito e nessa obra, ele apenas deixa claro onde o ser humano pode chegar, com suas atitudes impensadas e tolas sim, como você mesma disse. Tem hora que dá vontade entrar no conto e estapear os personagens.
    Não dá medo, mas dá asco em muitos momentos!
    Para quem curte, super recomendo!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tirou as palavras da minha boca haha quero ler mais coisas dele em breve, achei sensacional!
      Beijos :*

      Excluir
  4. Bacana o autor se dedicar em contos que abordem os pecados capitais (muito curioso pq justamente estava vendo um vídeo de teoria da conspiração sobre o chaves, dizendo que cada personagem representa um demônio / pecado no inferno), mas enfim gosto bastante do gênero , mas faz algum tempo q não leio nada de terror, acho interessante quando podemos lê-lo na ordem em que preferimos. Concordo com você o livro teve muita visibilidade (o que é ótimo, pq nos diz que os autores brasileiros estão ganhado espaço), que pena q os personagens agiram de forma babaca rsrs dá vontade de dá tapas em todos mundo, ótima resenha bem objetiva, bjs!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é tão curtinho Ana... parece com A Hora do Lobisomem do King, que se você fala mais do que 'tem um lobisomem' você já tá dando spoiler HAHAHAH mas sim, vale muito a pena!

      Excluir
  5. Sou mega medrosa, e me deparar com um livro que tem uma certa realidade me deixa apavorada!!
    Mas achei muito legal a maneira como esse caderno chegou nas mãos do Raphael,os livros permanecem e isso é lindo.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ludy do céu hahah e pior é que tem uma 'surpresa' no final do livro que te deixa ainda mais encucada! Espero que mais pessoas consigam ter acesso à um autor brasileiro tão diferente do usual

      Excluir
  6. Eu já conhecia o livro pela capa, mas não sabia dos detalhes do enredo. Muito criativo a forma como o Rafael apresenta a história, partindo de elementos que conhecemos, como o famoso sebo no Rio. Adorei que mesmo os contos podendo ser lidos em qualquer ordem, existe sim algo que os liga. Quero ler, com certeza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você já ouviu falar da Branca dos Mortos e os Sete Zumbis do Fabio Yabu? Além de também ser nacional e de terror, eles também podem ser lidos em qualquer ordem que se interligam. Acho isso genial!!

      Excluir
  7. Oi, Jéssica!!
    Ainda não li nada do Raphael Montes, mas estou bem curiosa com relação a esse livro que reúne sete contos de terror sobre os sete pecados capitais. Como gosto de história de terror fiquei bem curiosa para fazer a leitura.
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que você vai gostar Marta ;) afinal, todo dia é dia de ler contos de terror haha

      Excluir
  8. Olá Jéssica,
    Ouço falar muito bem desse livro, e, como sou medrosa, acredito que em mim despertará medo, só de imaginar que algo nele pode ser real, já fico preocupada, rsrs.
    Acho muito legal que o Raphael tenha deixado claro que ele somente traduziu os contos, e imagino que pelo menos algo real tenha, quero ler o livro, e pretendo até pesquisar mais sobre esses acontecimentos...
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já eu não pesquiso, depois demoro pra dormir haha adoro coisas de terror e sou medrosa. Vai entender :'D

      Excluir
  9. Já tinha ouvido falar desse livro e não fazia ideia que o autor era brasilieiro. Fiquei surpresa com isso rsrsrs confesso que senti falta da resenha ter sido um pouco mais desenvolvida. Mas sei que é devido ao fato do livro ser curtinho.
    E achei muito importante sua dica com relação a deixar o conto Satan ― Um Homem de Muitos Nomes por último. Ajuda muito!!
    Eu também acharia o Livro fraquinho, porque sou como você, adoro um suspense e terror rsrsrs

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Larissa! Pois então, fiquei com um medo danado de dar spoiler, já que o livro é super curto e qualquer coisa pode estragar a surpresa (fora que os personagens são desenvolvidos de um modo que eu precisaria, literalmente, contar tudo sobre eles pra fazer sentido haha) :(
      Mas olha, vale a pela a leitura! Se somos parecidas, sei que em uma hora você termina o livro~ beijos!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  10. Jéssica!
    Tive oportunidade de ler esse livro e gostei demais dos contos, bem escritos e interligados.
    Gostei mais de uns do que de outros, porém todos são ótimos.
    E gostei também porque os contos podem ser lidos sem ser na ordem.
    “Felizes são os que ajudam os pobres, pois o Senhor Deus os ajudará quando estiverem em dificuldades.” (Bíblia)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  11. Oi, Jéssica
    Ainda não li nada do autor, preciso ler mais nacionais.
    Vejo muitas pessoas comentando sobre esse livro de contos e como não costumo ler terror fico curiosa e com um pouco de medo.
    Espero ler em breve, beijos!

    ResponderExcluir
  12. Eu fiquei completamente apaixonada com os contos desse livro e a reviravolta no final da história me deixou completamente estupefata eram contos que mexiam como emocional e que de certa forma se interligavam foi simplesmente uma das melhores leituras que eu tive do autor

    ResponderExcluir
  13. Jéssica, li já e gostei muito.
    Aquela foto do final me deu um medo kkkkkkk
    Achei bem interessante os contos se ligarem e ter tantas surpresas e sustos kkk
    bjs

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©