Algo Maravilhoso | Judith McNaught - Roendo Livros

3 de dezembro de 2019

Algo Maravilhoso | Judith McNaught


Em meados de junho desse ano resenhei o primeiro volume da série Sequels, Agora e Sempre. Comentei com vocês que eu acabei gostando da história, mesmo passando raiva com várias coisas. A realidade é que a escrita da Judith McNaught é tão gostosinha que a gente até consegue relevar uma cena machista aqui e outra ali, mas sempre deixando claro que algumas coisas eu nunca relevo, leiam a primeira resenha. A questão é: resolvi continuar lendo a série porque queria saber se alguns absurdos do primeiro livro se repetiria, então estou aqui para falar sobre Algo Maravilhoso.

Essa série segue aquele estilo que conhecemos de outras autoras de romances de época, onde cada livro conta a história de uma personagem diferente. Aqui, conhecemos Alexandra Lawrence, uma jovem cheia de vida, que consegue ser doce e corajosa na mesma proporção. E foi justamente essa coragem que a colocou em uma enrascada daquelas, já que não pensou duas vezes antes de salvar Jordan Townsende, o duque de Hawthorne, de levar um tiro. Depois de um monte de confusões, que são clássicas desse gênero, Jordan se vê obrigado a casar com Alex para não acabar com a reputação dela. 

Depois dessa leitura posso dizer que McNaught é realmente mestre em fazer protagonistas apaixonantes. Alex é muito perfeita! Além de ser super determinada, amável e fiel a si mesma, ela é louca por livros, e eu amo personagens que possuem essa característica. Em compensação, o par romântico de Alex é um lixo, exatamente igual ao personagem com o mesmo papel no livro anterior: prepotente, cínico, rude, mulherengo e, para variar, violento. Sério, eu não consigo entender qual a tara dessa autora em fazer "mocinhos" com esse tipo de personalidade. 

Falando sobre o casal, eu fico com um pouco de raiva, do fundo do meu coração. Porque assim, tudo o que Alex não merece é um homem igual ao Jordan, simplesmente porque não acho nem um pouco aceitável a forma com que ele a trata. Mesmo se tratando de uma história que se passa em uma sociedade 100% machista, é complicado suspirar por um romance onde o cara vive ameaçando agredir a mulher, né? Acho que eu fico mais abismada ainda porque a maioria dos leitores não se incomoda com esse tipo de coisa... Mas enfim, é uma pena, porque a narrativa da Judith McNaught é realmente muito fluida.

Alex amadurece em certos pontos, mas em outros... Fico irritada também com essas coisas... O cara fazendo o que dá na telha, age como se estivesse solteiro e depois basta um "nossa, realmente, errei rude, me perdoa, eu te amo" pras coisas se resolverem. Não é assim não, gente! Porém, como eu disse no comecinho desse texto, a gente releva algumas coisas, né? Nesse caso porque esse tipo de comportamento é comum em romances de época e, convenhamos, até em outros tipos de romance que temos acesso — vai me dizer que vocês não são apaixonados pela Colleen Hoover, por exemplo, rs.

Então, o meu veredito é que Algo Maravilhoso realmente segue a mesma fórmula de Agora e Sempre: protagonista cheia de potencial que se vê obrigada a casar com um cara machista, frio e mal educado, mas no final se apaixona por ele e dá tudo certo. Absurdos permanecem, mas a maioria é compensando pela fluidez da escrita. Como puderam perceber, estou cheia de sentimentos conflitantes, então não sei bem dizer se eu gostei ou odiei. Leiam e venham conversar comigo, é isto.

Título Original: Something Wonderful ✦ Autora: Judith McNaught ✦ Páginas: 406
Tradução: Carolina Simmer ✦ Editora: Bertrand Brasil
Livro recebido em parceria com a editora
Para comprar o livro e ajudar essa blogueira falida é só clicar aqui!

9 comentários:

  1. Eu ainda não consegui ler o primeiro livro dessa série,mas pelo que pude perceber, a autora não mudou muito a fórmula da história e confesso que isso até pode funcionar em um ou dois livros, mas será que funcionará para sempre??
    Eu adoro um bom clichê, sempre gostei demais, ainda mais se tratando de romance de época. Mas...
    Não digo que não deu vontade ler ambos os livros,quem sabe?
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  2. Olá! ♡ Tenho um pouco de receio em ler os livros da Judith, exatamente pelos personagens machistas que ela cria. Isso é algo que me incomoda demais e que acaba fazendo com que o romance perca todo o encanto para mim.
    Realmente não sei se um dia vou fazer essa leitura, mas achei a premissa interessante, se assemelha bastante a outros romances de época que já li.
    Não simpatizei com Jordan, mas por outro lado, adorei a Alex, ela parece uma protagonista maravilhosa. Adoro protagonistas leitoras ♡
    Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  3. Acho que você já sabe que sou louca por romances de época. Ainda não li nada da Judith e tenho um certo medo de me aventurar justamente pelas ressalvas que tem na resenha.
    Gosto de mocinhos fortes mas que dão voz a suas amadas. Machistas, mesmo os de época, não me descem de jeito nenhum. E já estou com um certo ranço do Jordan.

    ResponderExcluir
  4. Eu quero muito conhecer a escrita da Judith, tenho pouco contato com romance e pretendo mudar isso. A escrita dela parece diferente e apaixonante.
    Já li alguns pontos negativos sobre os livros dela, mas não sabia desses mocinhos machistas. E isso é algo que tira o encanto da leitura. É aquela revirada eterna de olhos.
    Mas vou pensar em ler com carinho.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi Ana,
    Há uma certa peculiaridade na forma como Judith nos apresenta suas histórias, pois vejo muitos elementos que diferem seus livros de outros do gênero, mesmo este sendo dotado de clichês e, quase sempre, difícil de surpreender. Gosto que a autora vai introduzindo os personagens desde bem jovens e vai construindo suas personalidades e crescimentos no decorrer da trama. Mas muito do você aponta me deixa um pouco preocupada sobre o que vou encontrar na trama e como vou me sentir. Entendo o período em que a história se passa e como a sociedade funcionava, mas quando leio um romance de época espero encontrar algo diferente disso, pois quero acreditar que nem todos os homens agiam da representada neste romance. O que me deixou curiosa mesmo foi a Alex, que demostra ser muito corajosa ao enfrentar assaltantes para salvar um desconhecido. Gostei muito da sua opinião e, acredito, teria a mesma sensação ao concluir a leitura de uma história como esta.

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana! Nossa, estou lendo esse livro no momento, Alexandra é maravilhosa, forte, alegre, faz tudo que normalmente as mulheres dessa época não fazia, trata com carinho os criados e trados os dois idosos como se fossem da família, agora Jordan é grosso, arrogante, mas está mudando no decorrer da história, lei muito romance de época e o que reparei na escrita dessa autora é que ela retrata o personagem masculino com todos os defeitos, e vi gente dizendo que não gostou do livro por causa disso, mas vamos pensar que hoje em dia em pleno século 21 ainda exite homens, machistas, violentos e que acham que mulher é propriedade deles, pelo menos aqui na ficção eles mudam e se transforma em maridos perfeitos, coisa que não acontece na vida real né.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Ana
    Não li nada da autora, quero conhecer sua escrita.
    Mas também não entendo como a autora tem fascínio em criar mocinhos machistas. Nos dias atuais tem muitos homens assim.
    Alex parece ser uma mocinha simpática, bondosa e muito educada para aguentar e depois amar um homem desses.
    Com essas ressalvas aí quero ler algo da autora.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Ana!
    sinto que a autora continue trazendo pensamentos que podem ser considerados absurdos, mas se é fluida a escrita...
    Sempre escuto bons comentários sobre os livros da autora, embora tenha lido apenas um.
    Esse parece mais um romance de crescimento e reconciliação, deve render trechos muito interessantes e cativantes, o que estimula a leitura.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  9. Nossa, faz tanto tempo que li esses livros dela. E foi amor, gostei demais das histórias da autora. Mesmo que hoje em dia talvez passasse umas boas raivas com esses mocinhos rudes e etc...
    Mas lembro que essa foi outra história que gostei bastante. Não do cara, esse eu lembro que passei boas raivas sim porque seeeenhor, que cara babaca. Mas a garota é um amor e romance de época era meu fraco, fiquei toda envolvida na história e torcendo pra praga melhorar. Uma coisa que amo na autora é que ela faz umas histórias que a gente se envolve, quer ler, quer saber o que acontece a seguir. Tem uma escrita gostosa né. Prende.
    Mesmo com uns pontos bem negativos é uma história que gostei de ler e pra quem é fã do gênero é uma dica.

    ResponderExcluir