Arquivo das Crianças Perdidas | Valeria Luiselli

 
Não sei exatamente o que me fez pedir esse livro. Sempre me pergunto o porquê de eu sempre pedir livros que não são exatamente dos gêneros que estou acostumadas a ler, principalmente porque até tento, mas não gosto da maioria deles — seria eu uma ignorante? O ponto é que Arquivo das Crianças Perdidas chegou em minhas mãos em um momento que não pude dar a atenção que ele merecia. Tentei lê-lo várias e várias vezes, mas alguma coisa sempre me impedia de continuar. Prometi para mim mesma que essa seria a última chance e, olha que coisa louca, parece que o livro me ouviu. 

Eu tinha plena consciência de que o livro não era ruim, que o problema estava comigo. E tá tudo bem, gente. Às vezes a história é tão densa que não conseguimos avançar na leitura dependendo do que está acontecendo conosco naquele momento. Foi por isso que demorei para mergulhar de vez nas páginas da obra de Valeria Luiselli. Aqui, conhecemos uma família que é igual à todas as outras, mas diferente: o homem tem um filho e a mulher uma filha, ambos de relacionamentos anteriores, mas que agora são filhos dos dois e ponto final.

O enredo, de forma geral, é bastante simples: um casal com seus problemas de casal atravessando os Estados Unidos de carro em uma viagem de férias de fachada, carregando umas bagagens, caixas e, é claro, os filhos à tiracolo. O real motivo da viagem é o campo de estudo do pai, que é uma espécie de historiador que registra sons do cotidiano. No momento, seu alvo são os Apaches, povos nativos dos Estados Unidos que, antigamente, ocupavam territórios no Arizona, e é por isso que eles estão indo para lá. Nesse meio tempo, a mãe quer trabalhar no seu próprio projeto, salvar crianças imigrantes —  ou pelo menos documentar suas histórias — que simplesmente "desaparecem" assim que cruzam a fronteira para o país.

Assim, como o próprio nome indica, Arquivo das Crianças Perdidas se trata essencialmente de um tema extremamente relevante e atual, a imigração. No contexto em que se passa a história, a crise imigratória é discutida em todos os meios possíveis, rádio, televisão, jornais. É justamente por isso que incomoda tanto a mulher, uma das narradoras, principalmente porque teve contato recentemente com uma problemática envolvendo crianças imigrantes. Além disso, temos de plano de fundo uma crise familiar que constantemente ameaça explodir.
 
Engraçado que a todo momento tive a sensação de estar viajando com os personagens, tamanha a veracidade da narrativa. Toda a obra é riquíssima em detalhes, além de ser rodeada por inúmeras referências literárias e musicais, como O Senhor das Moscas e provavelmente toda a discografia de David Bowie, que enriquecem a experiência literária de forma imensurável. Apesar do tema complexo — não por ser difícil de entender e sim por ser muito triste —, Valeria Luiselli mostra sua intimidade com a escrita a partir da fluidez da obra. Pode parecer contraditório falar sobre a facilidade de ler um livro em que tive que insistir punhado de vezes, mas gostaria de frisar, novamente, que o problema estava comigo. Poucas vezes em minha vida de leitora tive contato com uma história tão bem escrita e que me tirasse tanto da minha zona de conforto. 
 
É importante citar que os protagonistas de Luiselli não possuem nome, mas gosto de dizer que não são necessários, pois os conhecemos de forma muito mais íntima que um nome. A narradora, por exemplo, é dona de uma inteligência fora do comum, bem como a menina, que não se cansa de fazer perguntas extremamente difíceis de responder — "O que significa ser um refugiado?", "Ainda falta muito?". O menino também é cheio de vida e curiosidade, tanto que em determinada parte do livro, assume a narrativa. Mas nesse contexto, temos o único ponto negativo do livro, o homem, que só aparece para brigar com a esposa ou para passar muito e muito tempo divagando sobre o seu projeto com os Apaches.
 
Também é impossível falar de Arquivo das Crianças Perdidas sem falar da carga emocional que carrega. O contexto político já é bastante difícil, pois sabemos os perigos que os imigrantes passam em busca dessa nova chance. Porém, ao mostrar o lado das crianças que, muitas vezes tentam atravessar a fronteira sozinhas ou são abandonadas no meio do caminho, a autora consegue captar uma emoção muito, muito mais forte. Além disso, as próprias reflexões dos personagens se fixam em nossa memória, bem como a certeza do que vai acontecer com a mulher, as crianças e o homem no exato momento em que entram naquele carro. 

Certamente que Arquivo das Crianças Perdidas foi diferente de tudo o que eu já li. Fico extremamente contente de ter insistido tanto, pois no fundo eu tinha certeza de que não ia me decepcionar. É um livro sobre um tema que mexe, cutuca, incomoda, machuca, mas também é um livro sobre memórias e família, o único conceito que sabemos antes mesmo de alguém nos ensinar.
 
Título Original: Lost Children Archives ✦ Autora: Valeria Luiselli
Tradução: Renato Marques ✦ Páginas: 408 ✦ Editora: Alfaguara
Livro recebido em parceria com a editora
Ajude o blog comprando o livro através do nosso link!

Postar um comentário

9 Comentários

  1. Por esta resenha, entendo o porquê de ter solicitado esse livro.
    Uma premissa envolvente e sensível, um tema necessário.
    Não é um gênero que estou acostumada ler, mas com certeza faria essa leitura.
    Fico feliz que você tenha insistido e gostado.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ana
    Não tinha conhecimento a respeito do livro.
    Gostei muito da sua persistência para ler ele e trazer uma resenha tão bela e esclarecedora.
    O enredo aborda um tema que na minha opinião é triste, que incomoda muita gente, assim que puder quero fazer essa leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. É de partir o coração a situação das crianças que levadas pelos pais e familiares tentam atravessar a fronteira. Ou ficam perdidas ou presas nos Estados Unidos .
    Então esse tema é importante de ser lido. Interessante que a autora o aborda quase que de maneira sutil, sem chocar ou sem ser muito didática, mas que enquanto a família vai passando de carro é absorvida por essa questão.

    ResponderExcluir
  4. Sair da nossa zona de conforto acaba sempre nos trazendo sentimentos controversos. Medo, decepções, expectativas. E oh, somos humanos, gostamos de desafios e ler um livro que não é nossa praia, é sempre um desafio!
    Primeira resenha que leio desta obra e com certeza, já quero demais. A imigração, a viagem, as despedidas, tudo é muito dolorido.
    E adorei isso dos personagens não terem nomes, penso que seria, como se pudesse ser a gente mesmo nessa viagem!
    Listinha de desejados com certeza!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  5. Olá Ana ;)
    Em 2019 tive a oportunidade de fugir bastante dos gêneros que costumo ler, e tive muitas surpresas. As vezes é bom sairmos da nossa zona de conforto!
    Ainda não conhecia a história de "Arquivo das Crianças Perdidas", e sinto que não ia ser o tipo de livro que eu curtiria, mas gostei da indicação.
    Legal saber que tem essas várias referências *-*
    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Parece um livro que seria interessante de ler mas talvez tivesse essa dificuldade de avançar. Tem coisas que me chamam atenção. As viagens. O jeito da família e como foge do esperado, comum. Falar de temas relevantes e ter esse pano de fundo de lugares sendo visitados e família e suas crises. Vai ter coisa pra se identificar mas também acho que iria empacar pelo jeito mais...pensativo? dele. Parece um livro pra fazer pensar. Com muito a ensinar. E talvez desses que a gente tem que ler aos poucos, entender a história com o tempo que passa com ela. É uma dica bem diferente por isso.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Ana!!
    Realmente a questão da imigração é bem interessante e difícil de se ver pois mexe com muita coisa e infelizmente estamos vendo vários casos que essa imigração não foi bem sucedida e várias pessoas acabaram perdendo a sua vida nessas travessias. Sem dúvida é um livro para se refletir e se ler com muita calma.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Olá! ♡ Realmente, esse livro não faz meu estilo de leitura, mas gostaria de ter a oportunidade de fazer sua leitura, esse ano quero poder me aventurar em leituras fora da minha zona de conforto.
    Achei importante a autora ter trabalhado a questão da imigração, que é um assunto muito relevante e que precisa ser mais trabalhado.
    Parece de fato um livro bem emotivo, que desperta várias emoções no leitor, que mexe com a gente.
    Adorei a resenha! Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oiii ❤ Achei a premissa dessa obra bem original, pois nunca li um livro que fale sobre um tema tão atual, a imigração. Acho importante esse tema ser abordado, já que tem sido uma realidade em muitos lugares ao redor do mundo. Gostei que o livro traz reflexões sobre isso.
    Obrigada pela indicação de leitura.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir