Frank e o Amor | David Yoon



Frank Li não é um norte-americano comum. Ele é um filho de coreanos que migraram para a Califórnia na década de 1980. Por isso, toda a sua vida foi composta de inúmeros compromissos sociais com outros imigrantes coreanos, alimentação oriental e o pior... uma redoma muitíssimo dotada de preconceito. Aos desavisados fãs de k-culture: sul-coreanos podem ser pessoas bastante preconceituosas. Com negros, latinos e qualquer outro ser humano que não tenha olhos puxados, pele clara, e fluência nativa em coreano. Em Frank e o Amor, o preconceito coreano  e a incapacidade dos Sr. e Sra. Li aprisionam a vida amorosa do secundarista prestes a se mudar para o outro lado do país. 

Nos primeiros capítulos, Frank e Q querem fazer valer seu último ano de ensino médio, se apaixonarem e se arriscarem como dois nerds que nunca antes apostaram no amor. Frank e Q estão sempre juntos, e apesar de ser negro, a família Li o aceita bem. E é nesse momento que eles conhecem, na turma de cálculo avançado, Brit Means. Uma garota perfeita, o clichê americano disposta a fazer um trabalho em dupla com Frank. E como bons secundaristas em busca de aventura, logo as fagulhas de um relacionamento proibido começam a queimar. A família Li é incapaz de aceitar o namoro com uma garota branca, por isso, Frank recorre à Joy.

Desde pequeno, Frank frequenta a casa de Joy para reuniões de seus pais, conversam bastante, mas se ignoram na escola. Mantêm a relação apenas na frente da família. Mas agora ambos namoram com cônjuges que suas famílias jamais aceitariam, assim eles começam a forjar um namoro para poder manterem seus relacionamentos reais intactos. Você deve ter imaginado um final clichê e feliz, certo? Errado! David Yoon passa pelo final clichê 100 páginas antes do fim e a partir dali começa o verdadeiro final inesperado, de tirar o fôlego e arrancar lágrimas de quem já passou pela ruptura de se mudar para bem longe para fazer faculdade. A doçura das cenas me lembrou Cidades de Papel e o tempo todo nas últimas páginas, parecia estar tocando Smile, do Mikky Ekko na minha cabeça (trilha sonora do filme baseado na obra de John Green).

Antes de começar a leitura, eu não sabia que traria minhas temáticas preferidas: cultura coreana e último ano do ensino médio. No quesito cultura coreana, enquanto os romances de Frank desenrolam-se, existem passagens em primeira pessoa explicando as numerologias de nomes coreanos, a sua alimentação, hábitos de consumo e o estilo trabalhador exaustivo dos adultos da terra do k-pop. Foi uma imersão completamente diferente do que é entregue em doramas ou clipes de k-pop. Além disso, a temática do último ano do ensino médio, aquele clima de "agora ou nunca" que eu amo desde As Vantagens de Ser Invisível, está lá. Enquanto Frank e Q enviam suas cartas de motivação  prestam vestibular, muitas emoções acontecem e as explicações sobre porque escolher Harvard ou MIT nos imergem também na cultura estadunidense. Ou seja: Frank e o Amor é uma viagem intercontinental gratuita. 

Apesar das comparações com outras grandes obras da literatura infanto-juvenil contemporânea, "Francamente apaixonado" (tradução literal do título original, bem melhor que a oficial, em minha opinião) é um livro doce, apaixonante, leve, com cenas que estarão gravadas na minha cabeça sempre que lembrar. Noites no parque de diversões no píer, momentos secretos em estacionamentos vazios e demais ambientações incríveis. Por fim, uma narrativa em primeira pessoa que nos faz perceber, que quando nos apaixonamos, tudo o que queremos é leveza e paz para viver aquele sentimento até o momento em que perde o sentido e ambos tem que seguir novas rotas.

Título Original: Frankly in Love ✦ Autora: David Yoon ✦ Páginas: 400
Tradução: Lígia Azevedo ✦ Editora: Seguinte
Livro recebido em parceria com a editora
Ajude o blog comprando o livro através do nosso link!

Postar um comentário

17 Comentários

  1. Oi, Mylane
    Com certeza a sua experiência foi a melhor do que a minha. Eu simplesmente detestei esse livro! Eu comecei gostando, mas eu achei o envolvimento do Frank com a melhor amiga dele tão nada a ver que fui odiando todo o resto. Nem consegui terminar kkkkk
    Beijo!
    https://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Mylene!
    Essa combinação que o autor fez, além de funcionar muito bem com toda a dinâmica da história, nos leva a refletir bastante sobre temas como preconceito e aceitação.
    Ademais, Yoon transmite muito bem as clássicas sensações do último ano do ensino médio, um período de mudança que seja no sentido positivo, seja no negativo, nos marca para o resto da vida. E como bônus terminamos a leitura sabendo tudo sobre os Costumes da Coréia.
    Beijos.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. MYLANE!
    Faz tempo que não leio Yas, justamente pela fórmula ser a mesma e talvez por não estar mais nessa fase de procura de amor, das dúvidas adolescentes e por aí vai.
    No entanto saber que o livro fala sobre a cultura coreana que pouco conheço e fala ainda do relacionamento dos protagonistas com seus pais, amigos e outras relações, até chama a atenção.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Já li sobre o livro no Skoob e Frank e o Amor e me pareceu ser um tanto quanto autobiográfico, uma vez que, os personagens principais lembram David e A esposa Nicola.
    Sendo ou não ms parece ser um livro bem interessante.

    ResponderExcluir
  5. Eu penso que livros assim deveriam ser mais "usados" nessa época ruim que estamos vivendo.
    Pela leveza, pela juventude e sim, por nos tirarem da dureza da vida.
    Já li algumas resenhas desta obra e ela está na minha listinha de mais desejados.
    Sou a eterna romântica..rs
    Fazer o que né?rs
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  6. Levei um susto quando vir o título da postagem, tenho amigas do Kpop que não param de me recomendar este livro, com sua resenha ficou mais claro e compreensível o porque de tanta euforia da parte delas. Mas confesso, que não tenho TAntAAa afetividade pelo cultura coreana, embora eu tenha dito a mesma coisa com a cultura literária espanhola. A gente é danado pra se reinventar e descobrir que quase tudo é bom quando estamos dispostos a conhecer!
    Como estou atolada de coisas pra estudar nessa pandemia, tentarei não esquecer desse livro, para quando eu estiver em um momento mais tranquilo, lê-lo.
    Forte abraço Ana <3

    www.bloganyduarte.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Pra ser sincero, o que mais me interessou nesse livro foi o lance do Frank Li viver nos EUA sendo filho de coreano. Além do romance, que me parece ser incrível de acompanhar, percebo que o livro é bem mais profundo que isso, principalmente por abordar temas como imigração, preconceitos, etc.

    ResponderExcluir
  8. Ah, eu gostei muito desse livro.
    Achei que não iria gostar no início, mas logo fui compreendendo as questões do Frank e a importância dos temas abordados.
    Essa família Yoon arrasa!

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá! Para ser sincera a história não despertou tanto assim meu interesse, acho que toda essa situação acabaria me deixando incomodada durante a leitura, ainda mais com aquele pressentimento de que esse “ajuste”, por conta dos pais não vai da tão certo assim, mas concordo com você que Francamente apaixonado seria um titulo mais legal e condizente com a história.

    ResponderExcluir
  10. ingriD Figueiredo8 de maio de 2020 10:35

    Apesar de tratar sobre o preconceito é contada de forma tão leve e simples que não tem como não amar! O livro é feito para adolescentes mas acho que agrada a todas as idades pois o livro transborda amor da forma mais sublime que já li! Vale muito a pena le-lo.

    ResponderExcluir
  11. Olá Mylane!
    Quando vi a primeira resenha desse livro eu gostei de cara. Adoro temas adolescentes com final clichê mas ser surpreendida com um final diferente vai ser melhor ainda! Eu não conheço muito a cultura coreana, por isso vou adorar conhecer melhor as características desse povo oriental. Mal posso esperar para começar a leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Nunca me aventurei por esse universo do K-pop, mas os conheço (já ouvi uma duas ou três musicas), não sabia muitas coisas sobre a cultura da Coreia (pensava que eles fosse mais abertos ao mundo do que a outra Coreia). Faz algum tempo que não me aventuro em romances adolescentes a maioria dos autores não sabem explorar esse universo, e tudo acaba sendo sempre flores, então gostei bastante da parte em que escreveu que não é clichê! e eles passam por momentos desafiantes, vou adicionar no skoob, quem sabe eu não dou uma chance! Gostei muito da resenha, bem esclarecedora e direta!

    ResponderExcluir
  13. Oi, Mylane
    Ainda estou decidindo se leio os livros que estão encalhados na minha lista de leituras ou se leio esse livro e os outros que ganhei e comprei nessa quarentena.
    Mas sua resenha está me deixando em dúvida na balança leio ou não leio.
    O enredo trás informações de culturas diferentes, assim podemos entender mais sobre a Coréia do Sul ( mistura de raças, não sei se explica com detalhes no livro) e EUA, voltar aos tempos do segundo grau e claro o amor.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Gosto da nostalgia de histórias de colégio, amores de adolescente e todo aquele clima de ser jovem e fazer coisas pela primeira vez. Esse tipo de livro me chama atenção e aqui parece ter uma história bem gostosinha de ler, com personagem carismático e ainda uma pontinha de cultura, pra fazer a gente ver mais coisas diferentes, conhecer outro ponto de vista e de vida. Fácil de se apaixonar junto e amo esses livros que deixam aquele quentinho no coração. Frank parece ter uma dessas histórias que ficam e deixam um clima gostoso na gente ao lembrar da leitura.

    ResponderExcluir
  15. Oii Mylane!
    Já tinha visto bastante esse livro, tinha lido algo mas nunca procurei para saber mais. Tem uma premissa incrível e a historia parece ser bem envolvente, daqueles clichês mas que também traz uma historia diferente.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  16. Esse livro passa uma imagem extremamente leve (e fofa!), e acredito super nessa verdade, apesar disso o livro tem uma mensagem inclusa na narrativa tão legal, e é o que desperta a minha vontade de lê-lo. Eu amei os detalhes, e também concordo que o título Francamente apaixonado é muito melhor que o original!

    ResponderExcluir
  17. Oii,
    Que bonita e intensa essa história do Frank.
    Parece ser bem emocionante e cheio de reviravoltas e muita cultura coreana!
    Adorei sua resenha, me deixou ansiosissima para ler!
    Bjs

    ResponderExcluir