Degenerado | Chloé Cruchaudet

Quando dei de cara com Degenerado, da quadrinista Chloé Cruchaudet, imaginei que teria contato com uma história de amor um pouco diferente. Isso porque na trama, que se passa em meados de 1911, Paul e Louise são um casal em uma situação delicada, já que o marido é um desertor. Naquela época, quem abandonava o exército era caçado até a morte, então, para conseguir sair pelas ruas, Paul começa a se vestir de mulher, adotando o nome Suzanne. A partir daí os dois passam a viver como um casal lésbico.
 
Logo de início senti que o enredo se assemelhava muito à história de A Garota Dinamarquesa, mas com o passar das páginas pude notar muitas diferenças. A começar pelo óbvio, aqui Paul se viu obrigado a mudar de identidade, mas em momento algum pensou que ia gostar de ser Suzanne. Sendo uma mulher, ele conseguia experimentar um milhão de coisas que não poderia sendo homem, inclusive em relação à sua sexualidade. Aliás, a sexualidade é um tema muito explorado nesse quadrinho, o que torna a classificação indicativa dele para maiores de 18 anos.

Se descobrir como mulher foi algo que chamou minha atenção desde o início, mas comecei a me incomodar com várias ações da personagem no decorrer da trama. Em primeiro lugar, a relação entre Suzanne e Louise era extremamente tóxica e violenta. Louise era constantemente humilhada e violentada por Suzanne, cenas bem pesadas mesmo, o que fazia eu me questionar como ela aguentava. Mas é aquela questão... Quantas mulheres aguentam esse tipo de comportamento até hoje por n motivos? Medo, esperança... Nunca saberemos.

Nesse sentido, um tópico muito bem abordado foi o estresse pós-traumático. Paul vivenciou muitas coisas enquanto lutava na Primeira Guerra Mundial, coisas que deixaram enormes cicatrizes nele. Inclusive acho que sendo Suzanne, Paul conseguia abandonar mais facilmente essa parte da sua vida, sabem? Mas que fique claro que eu não acho que seu comportamento violento em momento algum se justifique pelos traumas vividos no passado.

O final é realmente surpreendente. Eu nem sabia que torcia por um final como esse até ele chegar, rs. E nossa, como fiquei contente. Inclusive, foi só quando cheguei ao final da narrativa que descobri que Paul, Louise e Suzanne são reais e que o quadrinho foi inspirado no livro La Garçonne et l'assassin — eu leria sem pensar duas vezes se alguma editora o trouxesse para o Brasil —, que narra a verdadeira história dos protagonistas em detalhes, sem as licenças poéticas de Cruchaudet.
 
Na primeira imagem, temos Paul após abandonar seu "disfarce", quando os desertores deixaram de ser procurados pelo exército; no meio, Louise, Paul e um provável filho do casal, que não é citado no quadrinho; na terceira foto está Suzanne, de fato.

Pelo que andei pesquisando na internet após a leitura, acredito que Cruchaudet tenha feito um trabalho maravilhoso... É claro que uma obra tão premiada seria no mínimo bem feita e bem contada, mas ao meu ver é mais que isso, já que a autora conseguiu dosar perfeitamente o real e o imaginário, fazendo sua criação ser única.
 
Título Original: Mauvais genre ✦ Autora: Chloé Cruchaudet ✦ Páginas: 192
Tradução: Renata Silveira ✦ Editora: Nemo
Livro recebido em parceria com a editora

Postar um comentário

13 Comentários

  1. Estava lendo agorinha sobre essa Graphic e como ando amando este universo delas, estou fascinada com essa.
    Não somente pelo trabalho único da Nemo,o jogo de cores, mas menina do céu, que enredo é esse??
    E tudo baseado em fatos reais, aí o coração não aguenta não!!!
    Já foi para a lista dos mais desejados com certeza.
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na flor

    ResponderExcluir
  2. Uau!!!! Que GN, Anaaaa!
    Já tinha visto o livro nos igs literários mas sempre passou batido. A primeira resenha que leio de fato é essa.
    Acredito que a tradução do título tenha sido acertada, pois o comportamento de Paul/Suzanne não é de alguém em uso de suas plenas faculdades mentais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. TUDO!
      Amiga não deixa passar batido, hein? Volta lá pra dar uma moral! hahaha
      Também gostei da tradução do título!

      Excluir
  3. Ana!
    Deve ser um livro estressante e ao mesmo tempo viciante.
    Nem imagino o que foi que esse casal passou junto e o porque dela aguentar tudo.
    Queria ler a história oficial também.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Que livro diferente, nunca tinha visto nada nem sobre a história original, mas achei muito interessante e triste em relação ao relacionamento tóxico e violento retratado (mais um tópico pra lista de coisas que eu não esperava sobre o quadrinho). Parece ser muito interessante mesmo.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não sabia dessa história! Eu super leria o livro que deu origem ao quadrinho, de tanto que achei interessante. Mas justamente por causa do relacionamento, é uma história pesada demais.

      Excluir
  5. Olá! Nossa essa parece ser uma baita história, além de ter ficado com vontade de conferir essa HQ, fiquei muito curiosa para conferir o livro que a inspirou, ainda mais sabendo que os personagens existiram de verdade, muito doido imaginar algo assim acontecendo.

    ResponderExcluir
  6. Olá Ana! Não conhecia esse livro, essa sua resenha me deixou bastante curiosa em conferi isso tudo que foi dito aqui, pois parece ser uma história super interessante e envolvente. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que minha resenha te deixou curiosa, fico muito feliz!

      Excluir
  7. Nossa, mas nem sabia que era real! Tenho visto essa história de capa por aí, mão vi nada da trama mesmo e saber mais agora me chamou atenção. Que mudança de vida! Surpreendente pelos tempos e a história na trama, o que ele fez pra conseguir se esconder e como a relação dos dois era. Lembrar de garota dinamarquesa me chama atenção, mas foge bem daquela trama. Tem coisa pesadas no meio, violência, coisas que é difícil ler e não ficar com raiva. Mas a história surpreende. Sexualidade, tensão de tempos de guerra, relacionamento. Tem muito aí. Gostei pelo lado real da trama, dá vontade de conhecer por isso.

    ResponderExcluir
  8. Eu não conhecia esse livro. Não é um gênero que eu gosto. ?Mas obrigada pela resenha, muito boa.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Ana
    Pela ilustração da capa, essa HQ deve ser maravilhosa por dentro.
    Louise não teve uma vida fácil, até na foto você percebe que era não era feliz e ainda aguentou um marido desse.
    A guerra trás muitos problemas para quem sobrevive e Paul não é diferente, mas poderia tratar a esposa melhor.
    Estou curiosa para ler, beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como dizer... O traço é BEM condizente com a história, com o título. E têm vários trechos bem pesados... Mas vale demais a leitura!

      Excluir