O Diabo e Outras Histórias | Liev Tolstói

Tolstói, mais conhecido por Anna Kariênina e Guerra e Paz, foi um dos maiores escritores russos e sua obra é mundialmente conhecida e aclamada. No lançamento O Diabo e Outras Histórias, da Companhia das Letras, encontramos 5 contos do autor. As cinco histórias conseguem resumir o escritor e apresentar seus temas de interesse. Vale lembrar que os russos são também considerados grandes contistas e Tolstói certamente contribuiu para essa fama que a literatura russa conquistou.

O primeiro conto, Três Mortes, é o meu preferido dessa coletânea e narra as mortes de uma senhora nobre, de um cocheiro e de uma árvore. Com sua afiada crítica social, Tolstói não deixa dúvidas quanto a mensagem que deseja passar com esse conto: a morte, assim como a vida, não é igual para todos, e a classe social é um dos fatores que influenciam. É um conto curto, com apenas 14 páginas nessa edição, e certamente deixou um gostinho de quero mais. Nesse conto, Tolstói também aborda a temática da religião e, mais especificamente, o cristianismo, tema ao qual Tolstói dedicou grande parte de seus escritos.

Kholstómer conta a história de um cavalo que, para a surpresa e decepção de seu dono, nasceu malhado. Parte do conto é narrado pelo próprio cavalo e foi inevitável pensar em A Fazenda dos Animais, anteriormente A Revolução dos Bichos, do George Orwell. No entanto, a obra de Orwell é de 1945, enquanto que o conto de Tolstói foi escrito entre 1860 e 1863.

Esse conto tem uma das minhas passagens favoritas, que diz: 

Era o seguinte: os homens não orientam a vida deles por atos, mas por palavras. Eles não gostam tanto da possibilidade de fazer ou não fazer alguma coisa quanto da possibilidade de falar de diferentes objetos utilizando-se de palavras que convencionam entre si. Dessas, as que mais consideram são 'meu' e 'minha', que aplicam a várias coisas, seres e objetos, inclusive à terra, às pessoas e aos cavalos. Convencionaram entre que si que, para cada coisa, apenas um deles diria 'meu'. E aquele que diz 'meu' para o maior número de coisas é considerado o mais feliz, segundo esse jogo.

O terceiro conto se chama O Diabo e foi o conto com o qual eu mais me envolvi. Eu tenho certa dificuldade para me envolver profundamente com histórias curtas, mas O Diabo tem um clima que, logo nas primeiras páginas, já chama a atenção e deixa a impressão de que trará grandes reviravoltas. Não é a toa que esse conto dá título ao livro, pois sua qualidade é inquestionável. E, de fato, o conto não foi apenas envolvente, como também foi surpreendente. Para esse conto, o autor escreveu dois finais, ambos muito bons (eu prefiro o primeiro).

O Diabo conta a história de um dono de terras que se envolve com uma camponesa e não consegue esquecê-la mesmo depois de se casar com outra mulher. Triângulos amorosos são recorrentes em toda a vasta obra de Tolstói e aqui não deixa a desejar, sendo retratado com a mesma profundidade e maestria com que é abordado em Anna Kariênina e Guerra e Paz, seus maiores romances.

Falso Cupom mostra as inimagináveis consequências que um cupom adulterado por dois estudantes pode causar. Esse conto me lembrou muito algumas obras do conterrâneo de Tolstói, Dostoiévski, principalmente por abordar temas políticos e jurídicos. É um conto bem interessante que mostra como uma travessura adolescente pode ter consequências devastadoras, um um terrível efeito dominó.

Depois do Baile é o último e menor conto dessa coletânea. Com apenas 10 páginas, esse conto aborda paixão e moralidade e alterna as descrições apaixonadas de uma bela jovem com uma cena de extrema violência. Foi o conto com o qual eu menos me envolvi, mas isso não significa que ele seja ruim, apenas não se destacou tanto quanto os outros.

Todos os contos tem a voz do autor. Os temas que ele gosta de trabalhar estão ali, sua escrita é marcante e fácil de reconhecer, é detalhista, mas não chega a ser maçante. Tem o modo característico do autor de compor cenários e personagens e de conseguir fazer com que o leitor imagine a cena completa, com todos os componentes necessários.

Tolstói é um dos raros exemplos de autores que performa bem em qualquer formato, sejam romances longos, novelas, com destaque para A Morte de Ivan Ilich, ou contos curtos. O Diabo e Outras Histórias é uma ótima amostra do que esse autor é capaz de fazer e, com certeza, uma boa opção pra quem deseja conhecer a escrita de Tolstói ou para aqueles que, como eu, querem explorar ainda mais o universo desse escritor tão intenso e controverso.

O livro ainda conta com textos extras que incluem um posfácio de Paulo Bezerra e uma mini biografia do autor russo. A edição segue o padrão dos livros do autor publicados pela Companhia das Letras, em capa dura, letras em tamanho confortável, margens espaçosas e papel de qualidade. Uma edição belíssima pra se ter na estante e uma leitura indispensável.

Autor: Liev Tolstói ✦ Páginas: 192 
Tradução: Beatriz Morabito, Beatriz Ricci e Mayra Pinto 
Editora: Companhia das Letras
Livro recebido em parceria com a editora 

Postar um comentário

7 Comentários

  1. Essa edição está lindíssima!
    Tolstoi, como você bem disse, perpassa, brilhantemente, por qualquer formato, Sempre deixando sua essência e crítica social

    ResponderExcluir
  2. Um livro tão curtinho em número de páginas e ao mesmo tempo, com um conteúdo histórico que deixa o coração feliz e aquecido.
    Mesmo conhecendo praticamente nada da obra grandiosa de Tolstói, eu amo isso dos contos dele, por sempre apresentar grandes estórias em tão poucas palavras!
    Ainda não conhecia esse livro,mas já amei tudo que li acima e vai pra listinha de desejados com certeza!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na flor

    ResponderExcluir
  3. Olá! Parece ser uma boa porta de entrada para conhecer a escrita de um autor tão aclamado, adoro contos e esses são bem curtinhos, mas ainda consegue passar uma mensagem completar aos leitores, e essa edição dispensa elogios né.

    ResponderExcluir
  4. Priscila!
    Em todos os livros de contos tem aqueles que gostamos mais, aqueles que nos identificamos mais e aqueles que não tem tanta relevância, embora não sejam ruis, e acredito que com ese livro do Tolstoi não é diferente.
    Gosto muito porque em qualquer estilo , ele tem sua forma de escrita, reconhecível para quem é fã e única, só dele.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Sou doida pra ler o Guerra e Paz dele. Só li o de Anna e que livro! O autor sabe envolver a gente numa história. Um livro de contos parece bem legal. Gostei deles. O da morte é curioso, o do cavalo que tem sua narrativa faz lembrar aquele outro livro famoso, mas o tom de fantasia chama atenção também e esse do diabo parece interessante pelos finais. Uma leitura gostosa e boa pra conhecer um pouco do autor!


    ResponderExcluir
  6. Gostei de saber que esse livro contém histórias curtas, mas bem elaboradas! E claro, que edição linda. Não conhecia Tolstoi, mas depois dessa sua resenha vou querer mudar isso.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Priscila
    Não li nada do autor e tenho muita vontade de ler algo dele, graças a sua resenha sei por onde começar.
    Essa edição está lindíssima, capa dura é tudo de bom.
    Os contos são atraentes e envolve o leitor com certa profundidade.
    Vai para a lista de desejos, beijos.

    ResponderExcluir