Conheça a História da ativista Malala Yousafzai através das edições da Companhia das Letras

Em 2012, Malala Yousafzai sofreu um atentado a tiro do Talibã que quase tirou sua vida. A paquistanesa tinha apenas 15 anos quando isso aconteceu, mas sua imagem já era conhecida internacionalmente por defender o direito à educação para todas as crianças, especialmente as meninas. O Talibã não gostava do discurso de Malala porque acreditavam que ela pregava uma educação ocidentalizada, ou seja, para eles as meninas não deviam ir à escola. 

Eu já conhecia a história de Malala, mas soube de muito mais detalhes ao ler Longe de Casa, livro em que contou sua jornada como refugiada. Após o ataque do Talibã, ela foi obrigada a deixar sua terra natal no Paquistão e passou a viver em Birmingham, na Inglaterra. Só conseguiu voltar ao vale do Swat em 2018, já com 20 anos de idade, e só de passagem com um grande esquema de segurança. Assim, ao ler Malala: Minha História em Defesa dos Direitos das Meninas conheci todas as situações que a fizeram chegar onde está hoje. 

A jornada de Malala é importantíssima e, portanto, deve ser conhecida por pessoas de todas as idades: nos ensina valores, quebra preconceitos religiosos e culturais e nos inspira. Quando levou aquele tiro, Malala nem imaginaria que ganharia o Nobel da Paz aos 17 anos por seu ativismo pela educação, tornando-se assim a pessoa mais jovem a ser laureada com o prêmio, ou que estudaria na Universidade de Oxford, uma das melhores do mundo. Acredito que, justamente por ser importante, a editora Companhia das Letras tem um livro que narra essa história para cada público alvo diferente.

O primeiro a ser lançado (em 2013) foi a autobiografia escrita em parceria com a jornalista Christina Lamb, Eu Sou Malala, com 360 páginas marcadas por detalhes de sua infância até sua recuperação milagrosa em Birmingham. Em 2015, foi lançada pela Seguinte a edição juvenil de Eu Sou Malala, em coautoria com a também jornalista Patricia McCormick, possuindo uma linguagem mais concisa e fluida. Nesse mesmo ano, a Companhia das Letrinhas lançou Malala, a Menina que Queria ir Para a Escola, com muitas imagens maravilhosas e texto simples, mas ainda muito informativo, elaborado por Adriana Carranca. Na minha opinião, é perfeito para crianças entre 7-10 anos!


Malala e Seu Lápis Mágico foi lançado em 2018 também pela Companhia das Letrinhas e foi elaborado pela própria Malala. Por ser composto de textos mais curtos, é totalmente adequado para crianças mais novinhas, e as ilustrações também são muito explicativas. Longe de Casa (2019) é o único com foco um pouco diferente, porque conta a história de meninas refugiadas de várias partes do globo que contam suas dificuldades de viver em países tão diferentes. É perfeito para jovens e super interessante para ser incorporado à lista literária das escolas, uma vez que apresenta inúmeras culturas, conflitos de diferentes países e inúmeros aprendizados sobre direitos humanos.
 
A edição infantojuvenil a qual tive contato é a mais recente! Malala: Minha História em Defesa dos Direitos das Meninas foi lançado em dezembro de 2020 e pretende atingir o público que está na transição da infância para a adolescência, aquela idade-limbo entre 10-13 anos, sabe? É cheio de ilustrações lindas de vários momentos importantes que aconteceram na vida da garota, mas também tem muito texto corrido. A narrativa também é muito simples, capta apenas o mais importante de cada período da vida de Malala, mas acredito que seja uma adaptação muito boa da versão original.

Eu gosto muito desse conceito de uma pessoa ser tão importante a ponto de existirem inúmeros livros sobre ela, de forma que qualquer um, qualquer um mesmo, possa conhecer seus feitos, sua trajetória. Me inspiro muito na Malala, porque ela não sente medo de lutar pelo que acredita e nunca desistiu, mesmo depois de tanto sofrimento. Não que eu romantize sofrer, mas que ela é um exemplo perfeito das expressões "nunca deixe de sonhar" e "não abandone seus ideais" ela é.

Postar um comentário

13 Comentários

  1. Quero muito ler o Eu Sou Malala e ver o filme depois, documentario acho. Sim, também acho interessante fazerem ediçoes com linguagens mais acessiveis talvez pra atingir as crianças por exemplo, pq acho a historia dela bem importante e acho que pode inspirar muitos que leem.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Ana

    Eu li Eu sou Malala no ano passado, e como você disse, conhecer a história dela quebra muitos preconceitos sobre religião!
    é muito necessário que todo mundo conhece a história dela, tudo que ela passou.
    Muito legal que tem o livro infantil.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. O que a gente faz com um livro lindo e com um tema tão incrível assim? São muitas edições maravilhosas. Com certeza todo mundo tem algum conhecimento sobre ela e um aprendizado. Ainda não li o livro inteiro, mas tenho muita vontade, sim!

    ResponderExcluir
  4. Olá! Realmente uma história de uma pessoa tão forte, deve ser lida e relida em várias versões, e tenho bastante curiosidade em conhecer essas versões para o público mais jovem.

    ResponderExcluir
  5. Aquele tipo de pessoa que é homenageada no Dia Internacional da Mulher e a gente nem percebe, afinal a luta de Malala é a nossa luta. Acredito na educação, acredito que a força de uma mulher é única e atemporal,mesmo que toda uma sociedade injusta viva tentando a todo custo podar nossas asas.
    Malala é a força feminina, tão jovem, tão única e tão ela!!!
    Ainda quero ler todos!!!!
    beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  6. Nada melhor que no Dia Internacional da Mulher um post sobre essa menina que hoje é uma grande mulher. Que desde cedo não aceitou o destino que lhe traçaram. E por isso quase perdeu a vida.
    Já li o livro de 2013 e foi uma leitura emocionante e inspiradora

    ResponderExcluir
  7. ANA!
    Já tive oportunidade de ler o primeiro livro EU SOU MALALA e fiquei bem impressionada com toda sua trajetória de vida e tragédia que ela soube superar e transformar tudo em ajuda para mulheres e meninas na mesma situação dela.
    É um verdadeiro exemplo de vida e de persistência de ir busca de melhora.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  8. Olá! Ainda não li nenhum livro dela mas conheço um pouco da sua trajetória, quero muito ler seu livros sua história é super emocionante e inspiradora. Bjs

    ResponderExcluir
  9. Que fofas essas edições infantis, não tinha visto ainda. Ela tem uma história e tanto né! Amo ver esse tanto de livro dela, tanta coisa e jeito de conhecer a luta e as ideias dela. É bem legal mesmo ver tanta coisa assim de alguém importante e ainda mais pela importância da luta dela.

    ResponderExcluir
  10. Acho interessante a vida dessa jovem mulher que mesmo sem fazer barulho fez e faz uma grande diferença na vida de tanta gente especialmente as mulheres ao ensina las a ir atrás do daquilo que é essencial .que é a educacáo.
    Ela é um ótimo exemplo de persistência, de correr atrás dos sonhos , de ir atrás dos direitos básicos da vida .

    ResponderExcluir
  11. Oi, Ana
    Adorei esse post com todos os livros contando a história de Malala para todos os públicos. Não tive oportunidade de ler nada dela, mas o pouco que sei de sua luta foi por meio da TV e resenhas.
    Malala é uma grande inspiração para todos.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Olá Ana Clara!
    Eu conheço superficialmente a história de Malala, apenas o que foi noticiado na TV. Realmente deve ser muito gratificante para um autor ver sua história atingir todos os tipos de público. Acredito que as obras são perfeitas para fazer todos nós conhecermos um pouco mais da vida dela e saber mais sobre a cultura no Oriente, algo que conhecemos tão pouco. Todas as edições sã lindas, já quero ler todas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Amiga,
    Eu quero muito ler os livros dessa mulher.. Não sou muito de biografia e tal, mas dela quero muito até porque ela é importante pela questão da sua luta sobre as garotas terem direito a ir a escola e isso é incrível. todas as edições são maravilhosas, quero muito ler todos!!

    Beijinhos: Tempos Literários

    ResponderExcluir