21 de novembro de 2016

Resenha: Novembro, 9

Foto: Gettub
Autora número 1 da lista do New York Times retorna com uma história de amor inesquecível entre um aspirante a escritor e sua musa improvável. Fallon conhece Ben, um aspirante a escritor, bem no dia da sua mudança de Los Angeles para Nova York. A química instantânea entre os dois faz com que passem o dia inteiro juntos – a vida atribulada de Fallon se torna uma grande inspiração para o romance que Ben pretende escrever. A mudança de Fallon é inevitável, mas eles prometem se encontrar todo ano, sempre no mesmo dia. Até que Fallon começa a suspeitar que o conto de fadas do qual faz parte pode ser uma fabricação de Ben em nome do enredo perfeito. Será que o relacionamento de Ben com Fallon, e o livro que nasce dele, pode ser considerado uma história de amor mesmo se terminar em corações partidos?

Título Original: November 9
Autora: Colleen Hoover
Páginas: 352
Tradução: Ryta Vinagre
Editora: Galera Record
Livro recebido em parceria com a editora 

Antes mesmo de ler Nunca Jamais, eu já havia lido várias resenhas dos outros livros da autora e a grande maioria dizia a mesma coisa: leia esse livro porque essa mulher é foda. Após ler a obra citada anteriormente, pude confirmar que Colleen Hoover realmente sabe escrever, principalmente para o seu público alvo que são os jovens adultos. Mas foi depois de ler Talvez Um Dia que eu realmente fui conquistada. E, meu Deus, se eu amei Talvez Um Dia, não sei nem explicar o que sinto por Novembro, 9.  

Aos 16 anos, no dia nove de novembro, Fallon foi vítima de um terrível incêndio que deixou, além de marcas psicológicas, várias cicatrizes em seu corpo. Como estamos cansados de saber, no mundo da fama o que realmente conta é a aparência. Sendo assim, esse incêndio fez com que a carreira de atriz de Fallon e sua confiança em si mesma fossem por água abaixo. Ah, além disso, Fallon tem uma relação muito conturbada com o pai porque o culpa pelo incêndio que acabou com os seus sonhos. 

Dois anos após o acidente, a menina está em um restaurante com pai quando um total estranho se faz passar por seu namorado para tirá-la de um momento de estresse. Esse desconhecido é Ben, um aspirante a escritor que está em busca de uma história perfeita. Após um dia inteiro de conversas, os dois chegam a um acordo: se encontrarão apenas uma vez por ano durante cinco anos, obviamente no dia nove de novembro, e estão proibidos de manter contato em qualquer outro dia. O detalhe principal é que Fallon se mudará para New York e Ben continuará morando em Los Angeles. Esse acordo entre os dois foi selado por dois motivos: o primeiro é que Fallon prometeu de dedinho cruzado para a sua mãe que não se envolveria com ninguém seriamente antes de completar 23 anos — e também porque não acredita de jeito nenhum em amor instantâneo — e o segundo é que o tal acordo renderia o livro perfeito para Ben. Assim, uma data que era lembrada com tanta resignação, passa a ser um motivo de espera para ambos os personagens.

A narrativa é toda feita em primeira pessoa, intercalando os pontos de vista entre Ben e Fallon. O ponto forte dos livros da Colleen, pelo menos para mim, é que, além dos romances intensos, ela consegue colocar assuntos importantes e uma carga dramática gigante na história. Por exemplo, o fato de Fallon ter metade do seu corpo cheio de cicatrizes das queimaduras de quarto grau fizeram com que sua autoestima fosse abalada, e é incrível como Ben mostra para Fallon como ela nunca deixou de ser bonita. 

O mais interessante na história é justamente o fato de se encontrarem apenas uma vez por ano e mesmo assim terem uma ligação extremamente forte. E gente, preciso confessar que apenas a partir do final do terceiro encontro é que o livro me fisgou de verdade, porque é aí que o drama começa a aparecer. Sou aquele tipinho de leitora que enquanto as coisas não começam todas a ir para o fundo do poço, não está bom. O quarto e quinto encontros possuem tanto drama que quase me mataram de tanto chorar, nada dava certo, nada mesmo. Ah, é claro que Colleen Hoover não podia deixar a história terminar sem uma reviravolta fenomenal, que quase me matou novamente. 

Novembro, 9 envolve o leitor de forma tão intensa quanto a própria história. O envolvimento dos personagens, apesar de rápido, não é forçado. O impacto que causam um no outro é tão fenomenal que é impossível não acreditar no sentimento que nasce entre eles. O fato de continuarem sentindo tudo de forma tão violenta se encontrando apenas uma ver por ano só prova os fatos. Colleen Hoover conseguiu, mais uma vez, me surpreender com esse romance totalmente arrebatador. 

Classificação final: 

5 comentários:

  1. 😍😍😍😍
    Com certeza vou ler....

    ResponderExcluir
  2. Fiquei muito querendo ler este livro, conhecer a história de Fallon e Ben!! Fallon tinha a data 9 de novembro como um dia fatídico, mas depois que ela conhece Ben, esta torna-se uma data significativa. Penso que nós leitores também ficamos apreensivos a cada encontro, e o que será este fator surpresa, enredo dramático, quase no final do livro? Já quero ler!!

    ResponderExcluir
  3. Estou doida pra ler esse livro, curto muito a escrita da Colleen Hoover, parece ser bem emocionante e cada resenha que leio dele me deixa ainda mais ansiosa em conferi a história de Fallon e Ben.

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana! Eu li esses livros por esses dias, e a leitura foi bem rápida. Eu estava receosa porque as minhas expectativas eram altas apesar de não ter gostado muito de outro livro que li da Colleen, Métrica, mascabei gostando bastante desse. Concordo que tem bastante carga dramática, e essa mulher é a rainha dos plot twists. haha :*

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©