26 de maio de 2017

Resenha: A Melodia Feroz

Kate Harker e August Flynn vivem em lados opostos de uma cidade dividida entre Norte e Sul, onde a violência começou a gerar monstros de verdade. Eles são filhos dos líderes desses territórios inimigos e seus objetivos não poderiam ser mais diferentes. Kate sonha em ser tão cruel e impiedosa quanto o pai, que deixa os monstros livres e vende proteção aos humanos. August também quer ser como seu pai: um homem bondoso que defende os inocentes. O problema é que ele é um dos monstros, capaz de roubar a alma das vítimas com apenas uma nota musical. Quando Kate volta à cidade depois de um longo período, August recebe a missão de ficar de olho nela, disfarçado de um garoto comum. Não vai ser fácil para ele esconder sua verdadeira identidade, ainda mais quando uma revolução entre os monstros está prestes a eclodir, obrigando os dois a se unir para conseguir sobreviver.

Título Original: This Savage Song
Autora: Victoria Schwab
Páginas: 384
Tradução: Guilherme Miranda
Editora: Seguinte
Livro recebido em parceria com a editora 

O primeiro contato que tive com a Victoria Schwab foi com o livro A Guardiã de Histórias, cuja premissa é extremamente original, porém muito mal aproveitada. O meu maior receio em ler A Melodia Feroz foi justamente me decepcionar, já que este enredo é muito mais convidativo do que o do livro citado anteriormente. Finalmente Schwab conseguiu me prender e me surpreender de maneira tão positiva que não vejo a hora de ler o próximo volume. 

A Cidade V, dividida entre Norte e Sul, é comandada por dois líderes que tentam a todo custo manter os monstros longe dos humanos. Callum Harker, do Norte, tem uma imensa coleção de corsais e malchais, monstros que surgem a partir da violência humana, enquanto Henry Flynn, do Sul, possui apenas três sunais, que trata como filhos, alvo de desejo de Harker, já que são a espécie mais rara. Cada monstro surge de uma forma diferente, com níveis maiores de violência, por exemplo, os sunais aparecem em crimes muito sombrios, como atentados em massa onde há centenas de vítimas. 

Em meio a esse caos transvestido de uma trégua que pode ser quebrada a qualquer momento, temos dois personagens principais: Kate Harker, filha do líder do Norte, cujo maior desejo é ser reconhecida pelo pai e August Flynn, "filho" mais novo de Henry Flynn e também sua arma secreta, já que é um sunai muito poderoso. Os nossos protagonistas se encontram quando August recebe a missão de ficar de olho em Kate na escola, para o caso de uma possível guerra vir à tona. 

A Melodia Feroz é exatamente uma metáfora para a violência real no mundo em que vivemos, onde cada ato gera um monstro como consequência. Os corsais são criaturas que se alimentam de carne humana, enquanto os malchais sobrevivem apenas com sangue. Os sunais, os raros monstros justiceiros, se alimentam apenas da alma das pessoas que já estão machadas. Basta uma nota musical para que o humano seja condenado. Não há ditado que descreva melhor esse livro do que "violência gera violência". 

— Por que têm tantas sombras no mundo, Kate? Não deveria ter a mesma quantidade de luz?— Não sei, August.— Não quero ser um monstro.— Você não é um — ela disse. [...]
— Dói — ele sussurrou.
— O quê?
— Ser. Não ser. Me entregar. Me conter. Não importa o que eu faça, tudo dói.
Kate inclinou a cabeça para trás, apoiando-a na banheira.
— O nome disso é vida, August — ela disse. — Você queria se sentir vivo, certo? Não importa se é monstro ou humano. Viver dói.
(p. 315)

Os capítulos são narrados em terceira pessoa de forma alternada entre os protagonistas, permitindo-nos conhecer um pouco mais de cada um. Num primeiro momento, achei Kate uma garota muito insuportável e mimada, mas com o passar dos capítulos a gente nota que tudo o que ela quer é o amor do pai e vai fazer de tudo para conquistá-lo. Tanto que a personalidade da menina vai surgir apenas da metade do livro pra lá. No começo, eu senti que todas as ações dela eram uma espécie de máscara para esconder a verdadeira Kate das pessoas.

August é sem dúvida o meu personagem preferido, pelo menos nesse primeiro volume. Apesar de ser um sunai, é impossível não enxergá-lo como um humano comum, lotado de sentimentos e vontades. August é aquele tipo de personagem que tem de tudo para se corromper, mas luta contra isso com todas as forças. Ele definitivamente ganhou meu coração quando levou para casa o gatinho de uma de suas vítimas — lembrando que August só se alimenta da alma de pessoas que já estão corrompidas pelo mal.

Uma coisa que me agradou bastante em A Melodia Feroz é que, pelo menos em um primeiro momento, não há um romance entre Kate e August. Quer dizer, é nítido que eles se gostam e que esse sentimento pode ir além do segundo volume da duologia, mas isso não foi o foco no primeiro livro. Confesso que fiquei torcendo para eles ficarem juntos sim, vocês podem me julgar o tanto que for, e vou continuar torcendo. Mas convenhamos que não é realmente necessária uma interação romântica entre os personagens para o livro ser considerado maravilhoso, não é mesmo?

A narrativa é muito fluida, os capítulos curtos — que vocês sabem que eu amo — e o fato de a autora ter divido o livro em quatro partes fez com que tudo se encaixasse direitinho. Victoria Schwab criou uma fantasia sensacional para realmente explicar o que acontece no mundo onde vivemos, e conseguiu me deixar curiosa para o próximo volume de uma forma que ela não conseguiu em A Guardiã de Histórias

14 comentários:

  1. Oi Ana.
    Eu estou muito ansiosa para ler esse livro e confesso que por ser uma romântica incurável fiquei um pouco triste em saber que não tem uma relação amorosa logo no primeiro livro mas entendo acho que assim como você falou Pode se desenvolver no segundo Mas enfim a história em si é bastante interessante e ela me chamou atenção desde a sinopse, espero desfrutar da leitura.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Eu quero ler este livro desde que vi ele entre os lançamentos e li a sinopse e fiquei bem curiosa para ler a história, ainda não li nada da autora Victoria Schwab, mas pretendo ler este livro, e espero gostar muito da história, sua resenha me deixou ainda mais ansiosa para ler Melodia A Feroz.

    ResponderExcluir
  3. Sabia que já tinha visto esse nome! Não estava lembrando de onde, agora que lembrei que é a autora de A Guardiã. Queria ter lido aquele livro...
    Mas confesso que esse me chamou bem mais atenção. Adorei a ideia dele e pelo que disse o livro parece estar muito bem feito e bem interessante. Gostei dessa ideia de metáfora para a violência do nosso mundo, acho que assim a trama acaba tendo um jeito até mais especial.
    Os personagens parecem bons. Quero só ver o que vou achar dessa Kate, se vou com a cara dela no começou ou não. Mas parece ter uma boa personalidade, algo que vai sendo desenvolvido e o leitor conhece aos poucos. Gosto disso.
    Tá parecendo um ótimo livro.

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana! A história é bem original, confusa até, pra escrever um livro com tanta originalidade tem que ser um ótimo escritor, que bom que a autora deu conta do recado.

    aboutbooksandmore.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá,
    Achei a história bem original é super interessante. A trama do livro é bem envolvente, parece haver muita aventura e uma lutar para o personagem querer ser notado pelo pai, isso e algo horrível pelo filho ver isso em um pai.
    Me interessei bastante pela história!

    ResponderExcluir
  6. Ana!
    Tive oportunidade de ler o primeiro capítulo desse livro e adorei a forma como a autora iniciou a história, agora quero ler o livro todo.
    Achei a fantasia inédita, porque ainda não li nenhum livro de fantasia com três monstros distintos como esses, embora a premissa de guerra entre os reinos seja bem mais comum.
    Não me importaria se tivesse romance, porém se o livro foi perfeito sem, para que inserir algo desnecessário?
    “A solidão é a mãe da sabedoria.” (Laurence Sterne)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Ana,
    Nunca li nenhum livro da Victoria Schwab, mas posso dizer que a autora tem muita criatividade na hora de desenvolver uma história diferente e instigante. A proposta de a Melodia Feroz trás de uma forma quase poética a união da fantasia com a bruta realidade que vivemos. Não sei se consegui captar bem a essência da trama, mas fiquei muito curiosa para conhecer este mundo onde monstros não são figuras de linguagem ou habitam a imaginação de crianças e estão por aí aterrorizando a humanidade.

    ResponderExcluir
  8. É tão bom quando um autor nos surpreende, quando não esperamos muito do livro. Fiquei interessada na historia achei diferente do que vejo por aí e esta cada vez mais difícil achar algo assim. E diz muito sobre o que esta acontecendo na realidade tanta violência que assusta. Torço para que tenha um romance sim sou dessas rsrs. Pelo menos da a entender que rola um clima entre os personagens.

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Adoei conhecer este livro, capa linda.
    O enredo parece bacana, faz tempo que não leio livros do gênero, achei bacana, vou anotar a dica!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Estou muito ansiosa para ler esse livro. Fascinada pela resenha.
    Gostei da tua frase ao dizer que o livro ''é exatamente uma metáfora para a violência real no mundo em que vivemos, onde cada ato gera um monstro como consequência''. Sem palavras.

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Não conheço a escrita da autora, mas a premissa do livro me deixou bastante curiosa e interessada. Acredito que esse enredo tem tudo para oferece uma ótima série. Espero ter a chance de ler, pois gosto desse estilo de leitura.
    E lendo sua resenha, tão bem escrita e positiva sobre a obra, mais expectativas criei.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Oi Ana ;)
    Estava ansiosa pela sua resenha do livro. Não conhecia a autora, mas a editora fez tanta propaganda legal que fiquei super interessada em lê-lo!
    Também adoro esses livros com capítulos curtinhos, a leitura flui muito melhor.
    Amo romances mas concordo com você, não é preciso uma interação romântica pra fazer o livro ser maravilhoso! É tão bom quando a gente gosta só pelos personagens e pela história em si!
    Bjos

    ResponderExcluir
  13. Ainda bem que gostou pois estou colocando altas expectativas nele, assim que vi sobre esse lançamentos eu sabia que deveria ler, principalmente por que eu adoro fantasia. Achei legal saber que o romance não é o foco, isso me deu ainda mais vontade de ler.

    ResponderExcluir
  14. Oi Ana!

    Adorei sua resenha ela é realmente convidativa a leitura do livro, que por sua vez me deixou curioso.

    Grande abraço,
    Victor N Souza
    www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©