Minha Sombria Vanessa | Kate Elizabeth Russell


Minha Sombria Vanessa, primeiro livro de Kate Elizabeth Russell, é, provavelmente, uma das obras mais comentadas do momento. A narrativa se inicia em 2017 nos mostrando a protagonista, Vanessa Wye, aos 32 anos de idade tendo que lidar com um post no Facebook em que uma garota conta que foi abusada quando adolescente por seu professor de literatura, Jacob Strane. Para entendermos a relação da personagem com a publicação e conhecermos sua história, voltamos ao ano 2000, quando Vanessa sai de casa para estudar em um internato muito renomado.

Quando começou a dar aulas de literatura para Vanessa no primeiro ano do Ensino Médio, Jacob Strane tinha 42 anos. Ele viu na aluna o que outras pessoas não conseguiam ver, uma menininha talentosa, inteligente e muito bonita... Solitária e sombria, assim como ele. E tudo começou com um elogio inocente: "seu cabelo é da mesma cor das folhas de bordo". Depois, Strane passou a emprestar seus livros favoritos para Vanessa — como Lolita, por exemplo —, começou a tocá-la por detrás da mesa na sala de aula... Vanessa tinha certeza que era especial e importante. Ela tinha certeza absoluta que estava vivendo um grande amor.

Porém, desde o início, a autora nos dá um alerta: "esta não é uma história de amor". A narrativa criada por ela é fictícia, mas pode facilmente condizer com a realidade de várias meninas. Mais que um livro sobre pedofilia e abuso sexual, Russel nos mostra como a normalização dessa violência faz parte de nós e as consequências que esse "fechar de olhos" traz para as vítimas. Toda essa teia é tecida a partir do ponto de vista da Vanessa, que se alterna entre passado e presente. Assim, conhecemos todos os pensamentos da protagonista aos 15 anos, quando se relacionava com Strane, e aos 32, tentando entender sua própria história.

A primeira coisa que eu tenho para falar sobre Minha Sombria Vanessa é a dificuldade que eu tive para lê-lo. Diferente de todas as histórias sobre abuso que li, aqui eu estava na mente da vítima e ver como ela era facilmente manipulada pelo abusador me machucou demais. O foco da autora foi mostrar como Strane entra na mente da Vanessa, fazendo-a acreditar que queria aquilo, que tudo aconteceu com o consentimento dela — algo obviamente desnecessário, visto que é uma relação de pedofilia. Justamente por termos acesso à tudo o que ela pensava se sentia, era praticamente impossível não notar o quanto ela estava desconfortável e com medo. Os pensamentos dela só me fizeram confirmar que esse argumento de consentimento nos casos de abuso infantil/violência sexual é pura balela. 

Além disso, o livro também mostra a tendência natural que nós temos de culpabilizar a vítima. No diálogo abaixo, por exemplo, Vanessa confirma para sua psicóloga que a culpa foi dela simplesmente pelo fato de ter entrado na sala dele. Ela acreditava, desde quando estava sendo abusada, que ela era um risco por atrair a atenção de homens mais velhos, que se algo realmente aconteceu — não se esqueçam que a personagem acredita o tempo todo num conto de fadas, tamanho o trauma que viveu —, ela provocou tudo:

— Eu o torturei — digo. — Acho que você não entende como contribuí para que tudo acontecesse. Ele foi até o inferno por minha causa.
— Ele era um homem adulto e você tinha quinze anos — diz ela. — O que você pode ter feito para torturá-lo?
Por alguns segundos, fico sem palavras, incapaz de pensar em outra resposta além de Eu entrei na sala de aula dele. Eu existi. Eu nasci.

A situação é tão triste e séria que muitas vezes eu mesma não consegui entender. Obviamente ela estava sendo abusada, como não conseguia enxergar os fatos? Pior, como podia afirmar que as outras inúmeras vítimas de Strane estavam mentindo quando ela mesma tinha passado pelo inferno que elas passaram? Como ela conseguia manter contato com aquele monstro, como conseguia defendê-lo? Mas a realidade é que muitas vezes a pessoa não aceitar o abuso é simplesmente uma forma de se defender, de seguir com a vida. Às vezes a dependência emocional e psicológica é tão forte, como no caso de Vanessa, que pior que não aceitar, é não conseguir enxergar.

Inclusive, Strane foi muito criterioso ao escolher sua vítima. Foi inteligente ao atrair atenção de uma jovem que estava longe da família, que não tinha amigos e necessitava mostrar seu potencial para alguém. Não é a toa que Vanessa buscava insistentemente a aprovação de Strane em tudo que fazia, que se aproveitava disso para moldar a protagonista. Acho que nunca senti tanto ódio com um personagem na vida, principalmente porque sempre que Vanessa sentia que algo estava errado ou questionava algo que ele fazia, ele usava de uma artimanha muito conhecida por qualquer pessoa que tenha sofrido algum tipo de abuso: a autodepreciação. A forma como ele se criticava para conquistar a empatia de Vanessa e fazer com que ela se sentisse culpara era nojenta.

Acho que Minha Sombria Vanessa é muito pautado nessa culpa, porque a partir do momento que você se sente responsável pelo o que aconteceu, você não se coloca no papel de vítima. Mas também é muito difícil acreditar que você é uma vítima quando as pessoas ao seu redor sabem o que está acontecendo e não fazem nada ("O que poderíamos ter feito para impedir?"). Então eu comecei a entender a Vanessa, porque ela viveu tanto tempo à mercê de Strane que, se aceitasse que foi abusada, sua vida inteira desmoronaria. Para mim, essa constatação foi a parte mais dolorosa de todas.

[...] — Eu simplesmente preciso muito que seja uma história de amor. Você entende? Preciso muito, muito que seja isso.
— Eu sei.
— Porque se não for uma história de amor, então o que é?

Minha Sombria Vanessa é um livro muito bom, mas quando digo isso, não quero que entendam que vão encontrar uma história bonita, com final feliz. É bom porque é extremamente bem escrito e mostra uma realidade que, apesar de difícil de ser digerida, é muito importante. É bom porque pode criar uma atmosfera de identificação com outras vítimas de abuso, mostrando que elas não estão sozinhas e que os sentimentos delas não estão errados. É necessária porque, ao não romantizar o abuso, Russell nos dá a oportunidade de usarmos essa narrativa como meio de conscientização e mais do que isso, como forma de denúncia.

Título Original: My Dark Vanessa ✦ Autora: Kate Elizabeth Russell ✦ Páginas: 432
Tradução: Fernanda Abreu ✦ Editora: Intrínseca
Livro recebido em parceria com a editora

Postar um comentário

24 Comentários

  1. Oiii ❤ Nossa, esse parece um livro difícil de ser lido, já que aborda temas tão pesados como a pedofilia e o abuso físico e emocional.
    Deve ser muito difícil ler sobre tudo o que Strane fez com Vanessa, a forma como ele a manipulou, a fez se sentir culpada e acreditar que o que tinham era amor.
    Gostei que a autora não romantizou o abuso na obra, simplesmente odeio quando vejo obras romantizando algo tão horrível e nojento.
    É tão doloroso saber que Vanessa se culpa por tudo que aconteceu, que acredite que foi ela quem provocou Strane.
    O pior de tudo é saber que essa é a realidade de muitas mulheres.
    Obrigada pela indicação, com certeza pretendo ler esse livro.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana!
    Minha Sombria Vanessa está sendo bastante comentado na blogsfera, e não é difícil entender o porquê, né?
    A escrita da autora parece ser hipnotizante de tão boa, embora talvez a leitura não seja das mais fluídas, dado o tema abordado. Elizabeth, com todo o cuidado, introduz o leitor na história mostrando exatamente como as vítimas têm suas vidas abaladas de forma devastadora, e o ponto chave a fazer o leitor se perguntar a todo momento se é possível se deixar levar de forma tão intensa pela manipulação.
    Mas a reposta é evidentemente sim, visto que os abusadores sabem exatamente como agir e o que dizer. E isso é outro ponto positivo para que o leitor abra sua mente, pois muitas vezes, ainda mais nesta sociedade machista, fazem de tudo para colocar a culpa na vítima, o que é muito enervante.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Uau, que intenso o primeiro trecho do diálogo que você escolheu pra tirar do livro! Aliás, ele inteiro parece ser assim. Achei a capa linda, combinou com o nome e com a história. Mais um livro com a temática atual e importante de ser discutida. Mesmo gostando de ler histórias "pesadas" e que nos fazem pensar sobre, não sei se eu chegaria a ler esse, porque esses livros de jogos psicológicos e manipulação mexem muito comigo. Fora que já senti raiva também só de ler o jeito que o homem tratava a garota, mas, de resto, achei bem interessante (apesar de doentio e triste por conta do cara).

    Beijos,
    Amanda Almeida

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana,
    Esse é um dos livros que mais tenho visto na pilha de recebidos dos leitores, só que mesmo o título e a frase “essa não é uma história de amor” tendo me chamado atenção, eu não tinha ideia da temática abordada. Lendo a resenha essa poderia muito bem ser uma história verídica, pois tudo que a autora trás na trama é bem como vemos nos casos reais. Vanessa, depois de tanto tempo vai se deparar com uma verdade que, até então, não existia. E como isso foi possível? É aí que entra a parte psicológica. O pedófilo é inteligente em seus atos, primeiro ele consegue entrar na cabeça da vítima e molda todas as situações e cenários em seu favor. Então para quem é de fora sempre se pergunta isso, como a vítima não percebeu o que estava acontecendo? Minha Sombria Vanessa é um ótimo livro a ser recomendado, por trazer um assunto tão delicado, mas tão essencial. Quero lê-lo sim, mas irei com cautela e no momento que eu achar que estarei preparada para esse tipo de leitura.

    ResponderExcluir
  5. Ana!

    Infelizmente a sociedade tende a incriminar as pessoas que são assediadas e as tornam vilãs ao invés de vítima e as próprias vítimas se sentem culpadas e por isso, se permitem continuar com uma atitude de sentirem-se culpadas. Acho que ainda mais grave é o fato de muitas pessoas ao redor, que sabem o que acontecem, fazerem vista grossa. E os abusadores se aproveitarem da fragilidade de suas vítimas, para fazê-las se sentirem ainda mais culpadas e cederem aos desejos dele.
    Quero ler.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  6. Nossa dificuldade em entender esse tipo de abuso (nós, eu digo a sociedade) é porque o Patriarcado nos ensinou que a culpa é sempre da mulher, seja ela em que papel esteja. Sou um pouco (ou mais que um pouco) mais velha que tu e te digo que cada vez que olho pro passado vejo como isso era visto como normal e como está deixando de ser, graças a Deus. Títulos como esse são extremamente importantes para isso. Muitas jovens que passam ou passaram o mesmo que a Vanessa podem se encontrar na escrita e buscar apoio.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Ana
    Eu amei essa capa!
    Já queria esse livro apenas pela capa e sinopse, depois de ler sua resenha sei que preciso fazer a leitura logo.
    Esse livro é uma leitura que todas pessoas devem ler porque tem muitas mulheres pelo mundo sofrendo esse tipo de abuso, que elas não percebem ou tem medo de sair dessa situação.
    O enredo é pesado mas através dele podemos perceber como os dois personagens sentem e agem.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Eu estava em dúvida se iria ou não ler esse livro; por essa resenha, percebo que não. Pelo menos por agora.
    A sensação é que a história é real, e eu só consigo imaginar o quão desconfortável é estar na mente dessa personagem.
    Um tema muito forte, pesado, mas também necessário de ser abordado.
    Gostei de saber que apesar do sentimento que proporciona, a leitura é boa.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Se foi difícil para mim ler A resenha, imagino para você Ana o quão difícil foi a leitura.
    É incrível como a culpa, sempre cai na vítima, seja porque ela mesma se culpa ou os outros jogam esse peso nela.
    Minha Sombria Vanessa tá com um hype bem elevado não é? Apesar da temática forte e tabu.
    Mas não é muito minha praia literária não.

    ResponderExcluir
  10. Com certeza este é um dos livros mais comentados no momento e ficou praticamente impossível não desejar ter a obra em mãos.
    Título, capa e enredo. E por tudo que li acima, a autora foi implacável, já afirmando que não seria uma história de amor e realmente não é.
    Cru, eu usaria essa palavra para descrever o enredo e com certeza, já preciso desse livro para ontem!!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  11. ingriD Figueiredo8 de junho de 2020 22:00

    Eu vi algumas pessoas dizendo o mesmo, o quanto era difícil de digerir em certos momentos, acho que a escrita da autora deve ser muito bom para ser fluida em um assunto tão polemico.

    Eu não li, mas deve ser o tipo de leitura que NÃO é para qualquer um (não consigo imaginar o tanto de gatilhos que deve haver) e não tem como não fazer comparações com o livro Lolita (será que a protagonista se viu nesse papel em algum momento? pq ela certamente o leu)


    Lendo a resenha só conseguia lembrar dos vários relatos que li sobre denuncias de abusos sexuais, principalmente de meninas que foram molestadas... e é exatamente assim que acontece. As vezes a vítima relatando as coisas (por exemplo para um terapeuta) não percebe a manipulação, ou até mesmo agressão física/verbal e quem vê de fora só consegue pensar "como não viu isso??" Mas também vc não consegue deixar de pensar "... e se?" e se acontecesse comigo o mesmo? será que conseguiria enxergar o abuso? será que conseguiria pedir ajuda, ou desvencilhar da situação?

    ResponderExcluir
  12. ola
    primeira resenha que leio sobre esse livro
    tem um tema bem forte e pela sua resenha a autora optou por mostrar como alguem pode ser manipulador atraves de frases por exemplo ,quando se leva o outro a ter sentimento de culpa mesmo não tendo isso é um ato engenhoso da mente do manipulador .E mostra muitas vezes as pessoas entram num relacionamento abusivo ,que fica a merce do outro e de suas artimanhas cruéis


    tenho vontade de ler sim

    ResponderExcluir
  13. Olá! Nossa, esse parece um livro bem difícil de ser lido, mas é de fato muito necessário, já que relata a cruel realidade de tantas meninas.
    Doí tanto que Vanessa se culpe pelo que aconteceu, quando ela foi a vítima e não o contrário, que ela acredite que ela provocou os abusos.
    A sociedade precisa parar de culpabilizar a vítima e de normalizar o abuso, ao invés disso deveríamos oferecer a essas meninas ajuda de verdade, apoio.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Desde que a Bel resenhou esse livro no canal eu estou querendo pegar pra ler, mas com um certo receio. Sua resenha reafirmou meu pensamento, quero muito conhecer e acompanhar a história e a forma como a autora conduz tudo o que propõe, mas fico com pé atrás pelo peso da história e, principalmente, o seu final.

    ResponderExcluir
  15. Nossa, que livro pesado e real!

    Confesso que fiquei muito dividida entre a vontade de ler e a vontade de não ler esse livro, acho que quase todas as mulheres já passaram por alguma história de assédio, abuso e/ou manipulação e ler tudo pela ótica da Vanessa poderia trazer tudo à tona novamente.

    Outro ponto que gostei bastante da resenha é "Os pensamentos dela só me fizeram confirmar que esse argumento de consentimento nos casos de abuso infantil/violência sexual é pura balela." SIM é algo que eu sempre digo, pessoas mais velha sabem como manipular mais novas, ainda mais com uma diferença de idade significativa e uma pessoa em uma posição superior à ela como essa.

    ResponderExcluir
  16. Nessa última semana me deparei com muita gente falando desse livro!!!
    Pela resenha já percebi que é um livro bem pesado, mas com um tema que precisa ser abordado.
    A autora consegue mostrar uma das formas que se inicia o abuso e formas da vítima lidar com essa violência. Então mais do que uma história, pela resenha senti que o livro realmente é uma maneira de alertar os leitores também e nos colocarmos no lugar das vítmas.
    Parabéns pela resenha, me interessou bastante

    ResponderExcluir
  17. Acho muito importante você trazer livros como esse pro blog! Uma história que, apesar de ser muito triste, serve como impulso pra vítimas fazer denúncias. Tem muita gente que já foi abusada, mas não tem total ciência disso, e com o livro isso acabe ficando claro. Amei o livro, porque além de ser necessário, ele me parece ser muito bem escrito!

    ResponderExcluir
  18. Olá Ana Clara!
    Às vezes eu me questiono como leitora por não conseguir ler sobre temas pesados como esse. É difícil demais e eu não consigo controlar a emoção, fico muito impactada. A história não é real mas parece tanto que até dói. É revoltante o quanto o ser humano pode ser sádico e cruel a ponto de manipular da forma mais deturpada possível a mente de uma pessoa inocente. Eu compreendo a forma de escape que as vítimas acham a fim de tentar superar ao romantizarem as coisas, mas é muito dolorido pra mim. Espero um dia ter coragem o suficiente para ler a obra.
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Como é complicado falar sobre abuso, mesmo sendo algo tão cotidiano. Esse livro pode ser um despertamento para muitos e por mexer com o pisicologico de quem ler. Gostei muito, espero ler em breve.

    ResponderExcluir
  20. Tá aí um livro pra passar raiva, nem toco. O tema dele, abuso e como isso é mostrado, enoja. Ver a forma como o cara entra na cabeça da personagem pra manipular ela com esse negócio tão errado...ahh meu, desanima só de pensar. Não leria nem a pau, é daqueles que sei que iria pegar e querer sair batendo. Se não soubesse o que é a história e acabasse pegando sem querer iria passar muita raiva. Esse tipo de tema me tira do sério. É importante, interessante ter esse tipo de história que abra os olhos, mas nossa, é muito ultrajante. Só para os corajosos mesmo. Parece um livro bem escrito e quem gosta de coisas assim vai encontrar uma trama muito boa, que aborda o tema de uma forma bem realista. Mas passo, viu...

    ResponderExcluir
  21. Olá! Definitivamente, apesar de se tratar de ficção, o livro acaba trazendo a história de muitas pessoas que passaram (ou passam ) exatamente pela mesma situação, fiquei bem impactada e a leitura é daquelas bem difíceis, mas também necessárias, sem dúvida quero conferir.

    ResponderExcluir
  22. Oii!!
    Vi muitas pessoas falando desse livro, só li pouca coisa sobre ele. Ao ler a resenha fiquei bastante interessada pela historia, tem uma ótima premissa. O enrendo que é feito e extremamente delicado, já que vamos estar ali nos pensamentos da vitima, provavelmente se eu ler com certeza vou sofre, já que sou bem sensível em relação a temas assim. Mas com certeza quero!

    blog: Tempos Literários

    ResponderExcluir
  23. Oi, Ana
    Quero muito ler esse livro.
    Mas não sei se vou aguentar, porque tudo que a Vanessa passou, meu Deus! É agoniante pensar em tudo que as vítimas passam com esses abusadores. Como manipulam suas mentes. Um horror.
    Bjs

    ResponderExcluir