A Garota Que Não Se Calou | Abi Daré

Adunni é uma garota de 14 anos que possui apenas um sonho: estudar. Mas a realidade é completamente diferente na aldeia onde mora: mesmo com a pouca idade, foi vendida pelo pai para ser a terceira esposa de um homem bem mais velho cujo principal desejo era ter um filho homem. Longe dos irmãos e do pai, Adunni não vê outra alternativa se não a de se adaptar. E ela consegue, até o momento em que se envolve numa situação extremamente perigosa que a obriga a fugir e a romper seus laços com a cidade em que cresceu. 

Nesse meio tempo, Adunni é levada para trabalhar como empregada doméstica em Lagos, a maior cidade da Nigéria. Em um primeiro momento, o emprego supostamente lhe daria inúmeras oportunidades e, principalmente, dinheiro para seguir sua vida. Porém, não demorou muito tempo para a protagonista perceber que foi enganada, que ela era, na verdade, uma escrava. E mesmo sofrendo sempre em situações inimagináveis, Adunni não perdeu a esperança, não desistiu de estudar, de ser ouvida. Afinal, "amanhã será melhor que hoje".

Fiquei encantada com a escrita de Abi Daré, que conseguiu transmitir exatamente a essência da personagem. É narrado em primeira pessoa, sob o ponto de vista da personagem, uma jovem que teve pouco contato com o estudo. Sendo assim, seus pensamentos, sentimentos, tudo, são transmitidos exatamente da forma como ela fala. Por exemplo: "Tamém tem um ventilador de pé, falta duas pá do ventilador, por isso tá sempre soprano ar que deixa a sala toda quente. O papai gosta de ficar sentado na frente do ventilador de noite, com os pé cruzado e bebeno da garrafa, que virou sua esposa desde que a mamãe morreu" (p. 10).

Acredito que esse estilo de narrativa pode causar um certo estranhamento em alguns leitores, e confesso que eu mesma me senti um pouco incomodada no início. Mas ao enxergar a realidade de Adunni, pude entender completamente o artifício utilizado pela autora. E é genial, principalmente porque a cada página de um livro que Adunni conseguia ler, cada nova palavra descoberta, cada pequeno minuto que ela conseguia se esconder para estudar, era perceptível a melhora em seu vocabulário. Ao final do livro, a personagem já conversava muito mais corretamente, mostrando a importância do conhecimento.

Além disso, é claro, temos muito contato com a cultura nigeriana, que é muito vasta. Existem vários grupos étnicos diferentes, são faladas diversas línguas. Existem muitas coisas boas, mas é claro que nós enxergamos muitos de seus costumes com maus olhos. Por exemplo, na aldeia de Adunni, meninas de 14 ou 15 anos já estavam prontas para casar. O machismo não está presente apenas nesse ponto na história criada por Daré, é claro. Não importa qual a classe social, uma mulher nunca terá os mesmos direitos que os homens, ainda que seja bem sucedida. Mas convenhamos que isso não é exclusividade dos países africanos, não é mesmo?

A Garota Que Não Se Calou não é uma leitura fácil, no fim das contas. Por mais que a escrita seja singela e simples, os acontecimentos que permeiam a vida de Adunni são brutais, em sua maioria. Ainda assim, é interessante como a autora sempre faz questão de deixar um sopro de esperança em meio ao caos, e por isso traz uma moral bonita. Não sou fã desse lance de "histórias de superação" porque escancaram a desigualdade em que vivemos, mas como não se apaixonar por uma menina humilde que superou todas as expectativas? Que mostrou que sim, a educação tem valor, mais valor que qualquer dinheiro no mundo?

Os questionamentos de Adunni me deixaram cheia de reflexões, o seu olhar sob as coisas me inspirou muito, me encheu de fé. Depois de ter contato com uma personagem tão inabalável, tenho total certeza que sim, amanhã será melhor que hoje.

Título Original: The girl with the louding voice ✦ Autora: Abi Daré
Tradução: Nina Rizzi ✦ Páginas: 352 ✦ Editora: TAG Experiências Literárias & Verus

Postar um comentário

12 Comentários

  1. Olá Ana Clara!
    Eu adoro esses livros que transmitem sentimentos revigorantes para o leitor e nos enchem de esperança. Com certeza ler sobre a vida de Adunni não deve ser nada fácil, imagina vivenciar tudo isso sem perder a fé. Achei genial a progressão da escrita da personagem conforme ela vai adquirindo conhecimento, para nós leitores é muito gratificante ver a mensagem sobre a importância do estudo, da leitura e de educação como um todo. A capa do livro é muito bonita e delicada também.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Já li alguns livros que abordam a cultura da África, em geral.
    A situação geralmente é essa: menina pobre, que tem um sonho mas que a cultura não permite buscá-lo.
    Com certeza, a forma de se expressa de Adunni e sua, aparente, aceitação de tudo, causa estranheza mas ela demonstra uma força e garra inigualáveis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que toda narrativa, quando diferente do comum, causa estranheza. Mas é bom pra gente assimilar, né?

      Excluir
  3. Já comecei uma leitura que trazia essa característica, trazer os pensamentos da personagem exatamente como ela pensa. Eu te confesso que estranhei muito e acabei desistindo. Mas que bom que você conseguiu acompanhar e ainda achou a leitura muito boa. Acho que o título já traz pra gente uma reflexão bem legal ne?

    ResponderExcluir
  4. Que resenha maravilhosa! Como eu nunca tinha ouvido ou lido nada a respeito do livro, estou aqui fascinada com a história dessa garota que teve que sofrer tanto, sem perder a esperança de um amanhã melhor. E ao se tornar uma jovem tão marcada pelas provações, segue com essa esperança.
    Adorei isso de colocar os pensamentos da personagem da maneira como ela os enxerga, na maneira de pronunciar cada palavra.
    Que coisa mais linda!
    Já vai pra listinha de livros mais desejados!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na flor

    ResponderExcluir
  5. Essa capa é tão mais bonita da que saiu comercial.
    Eu to bastante curiosa pra ler essa historia e espero gostar também.
    E parece ser bem lindo pela forma com disse sobre o livro, me lembrou uma sensaçao que tive com "a cor purpura".
    Ansiosa pra ler!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, geralmente eu acho as capas da TAG bem mais bonitas!
      É bem lindo o livro, cheio de aprendizados... Mas tem um tom um pouco mais leve do que A Cor Púrpura. Acho que pode ser por conta da idade das protagonistas, não sei.

      Excluir
  6. Olá Ana
    Gostei da maneira diferente que a autora utiliza seu livro para mostrar o quão importante é o estudo na vida de todo mundo .E traz também essa cultura de Nigéria que não conheço nada. Pela sua resenha dá para notar que mesmo em meio a tanta adversidades é preciso sim acreditar que o futuro será melhor .

    ResponderExcluir
  7. Olá! Nossa para ser um livro e tanto hein, é preciso bastante fôlego para dar conta de uma história tão intensa e emocionante.

    ResponderExcluir
  8. Oiiie,
    Nossa, que livro intenso.. não conhecia o livro.. Fiquei bem curiosa em conhecer a historia da personagem e ver que ela lutou pela liberdade. Já vou anotar aqui para não esquecer.

    Beijocas:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga, gostei muito.
      Sempre bom conhecer novos autores, gostei muito de assinar a TAG por conta disso

      Excluir
  9. Olá Ana! Essa é a primeira vez que vejo falar desse livro, gosto de ler história que se passa em países com uma cultura bem diferente da brasileira, a trama parece ser super emocionante.
    Bjs

    ResponderExcluir