5 de março de 2018

Resenha: Corte de Asas e Ruína

O terceiro volume da série best-seller Corte de Espinhos e Rosas, da mesma autora da saga Trono de Vidro em “Corte de Asas e Ruína" a guerra se aproxima, um conflito que promete devastar Prythian. Em meio à Corte Primaveril, num perigoso jogo de intrigas e mentiras, a Grã-Senhora da Corte Noturna esconde seu laço de parceria e sua verdadeira lealdade. Tamlin está fazendo acordos com o invasor, Jurian recuperou suas forças e as rainhas humanas prometem se alinhar aos desejos de Hybern em troca de imortalidade. Enquanto isso Feyre e seus amigos precisam aprender em quais Grãos-Senhores confiar, e procurar aliados nos mais improváveis lugares. Porém, a Quebradora da Maldição ainda tem uma ou duas cartas na manga antes que sua ilha queime.

Título Original: A Court of Wings and Ruin
Autora: Sarah J. Maas
Páginas: 687
Tradução: Mariana Kohnert
Editora: Galera Record
Livro recebido em parceria com a editora 

Corte de Asas e Ruína fecha a trilogia que conta a história de Feyre, sucedendo Corte de Espinhos e Rosas e Corte de Névoa e Fúria. O terceiro volume da trilogia começa onde o segundo terminou, com Feyre infiltrada na Corte Primaveril. Com a guerra a caminho, Feyre, Rhys e toda a Corte Noturna estão buscando aliados e tentando enfraquecer o inimigo.

Muitas e muitas outras intrigas são incluidas à trama do livro e a complexidade da história é um dos pontos altos. São tantas vertentes, tantos personagens, planos de ação e acordos que é impossível parar de ler. Feyre nunca esteve tão poderosa e independente, o que é bom. Porém, em alguns momentos, sua insistência em agir sozinha beira a imprudência.

A narrativa do livro é minuciosamente descritiva, sem ser cansativa, e nos faz sentir imersos na história. A constante aproximação da batalha dá ao livro um clima tenso e sombrio. Criaturas que já conhecíamos dos outros livros retornam e novas criaturas aparecem e isso é uma das coisas que mais gosto nessa trilogia: a forma como a autora insere essas criaturas, lenta e misteriosamente, nos fazendo implorar por maiores informações. E, felizmente, ela não nos decepciona e nos dá mais informações.

Todas as negociações, discussões, debates e reuniões que precedem a batalha foram muito interessantes para mim. As intrigas e conflitos pessoais, assim como as questões políticas e territoriais, deram um ar mais adulto ao livro e tornaram a história mais madura. De todos os volumes dessa trilogia, Corte de Asas e Ruína é o livro com o maior número de cliffhangers, Feyre está sempre em alguma situação extrema, de vida ou morte, e nós, ficamos o livro todo roendo as unhas de tanto nervosismo.

Eu gostei muita da forma como alguns personagens foram reapresentados nesse livro, sem aquela ideia juvenil de mocinhos e vilões, aqui (quase) todos são retratados de forma mais humana, com qualidades e defeitos, erros e acertos, orgulhos e arrependimentos. Até a própria Feyre deixou de ser a mocinha perfeita e teve de reconhecer e enfrentar seus erros.

Rhys e Feyre continuam mantendo uma parceira de igual para igual e me pareceu que a autora fez um esforço tremendo para fazer de Rhysand um cara perfeito. Acho que faltou um pouco mais de humanidade no personagem. Pra ser sincera, cansa ter um personagem tão perfeito, que nunca erra, nunca perde a paciência, nunca diz o que não deveria ter dito e nunca age de forma egoísta ou simplesmente idiota.

O próprio casal principal é um pouco cansativo nesse sentido, Feyre e Rhys estão sempre muito felizes e unidos e orgulhosos um do outro, nunca brigam, nunca discutem e nunca discordam. Eu gostaria de ter visto os dois sendo retratados de forma mais realista. Afinal, nenhum casal está bem o tempo todo, muito menos em meio a uma guerra.

Este parágrafo trará comentários a respeito dos capítulos finais do livro. Portanto, se você ainda não leu Corte de Asas e Ruína, pule para o último parágrafo da resenha. As cenas finais da batalha são incríveis e me lembraram muito as cenas de batalha de O Senhor dos Anéis e Game of Thrones. São cenas bem narradas e conseguem manter a tensão do início ao fim. Porém, acho que a autora poderia ter sido um pouco mais ousada quanto ao saldo final de mortos em combate. Afinal, estamos falando de uma grande guerra. Era de se esperar que mais personagens tivessem morrido, inclusive, alguns dos protagonistas.

Corte de Asas e Ruína me fez vibrar, me deixou tensa, cumpriu com o que prometeu e, apesar das ressalvas, satisfez minhas expectativas. A edição segue o padrão das edições anteriores e figura entre os livros mais bonitos da minha estante.

16 comentários:

  1. Que bom que o fechamento da trilogia, tem muitos acontecimentos e que a narrativa não ficou cansativa, parece que a leitura é prazerosa e que prende e deixa o leitor ansioso por saber o que estar por vir, é uma pena que o casal ficou muito perfeitinho, pois quem é que não tem algum desentendimento de vez em quando rs.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Priscilla.

    O livro é um verdadeiro misto de vingança e guerra travada, né?

    Tornando o livro cheio de emoções e com uma personagem forte, mostrando sua independência em meio à tudo!

    Espero, em breve, poder ler essa série!

    ResponderExcluir
  3. Tão gratificante quando a gente termina uma trilogia com a sensação de dever cumprido. Tantos autores se perdem nisso e o desfecho quase sempre, deixa a desejar.
    Namoro essa saga desde que vi o lançamento. Tanto pelas capas que são belíssimas(aliás, o box é perfeito),tanto pelo enredo que curto muito.
    Também não curto isso de personagens perfeitos demais não. O troço pra ser bom tem que ser igual a gente mesmo, cheio de defeitos e umas "lambanças" as vezes.rs
    Mas mesmo assim, quero muito poder ler!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Oi Priscila!
    Que bom saber que a trilogia te agradou e que é uma excelente opção de leitura, tenho mta vontade de ler e conhecer a escrita d autora, qdo surgir uma oportunidade qro ler e espero gostar tanto qto vc.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Ah, Priscila, não posso ler sua resenha... Comecei ontem Corte de névoa e fúria, e já estou bem ansiosa para os acontecimentos. Mas apesar de já ter lido alguns comentários sobre o casal principal, quero me surpreender com a história no geral.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Priscilla!
    Ai eu li esse livro e amei de paixão, claro que o "Corte de Névoa e Fúria" ainda é meu favorito da vida mas eu concordo muito com você sobre os personagens mais maduros. Acho um ponto muito positivo da obra de modo geral.
    Já o Rhys não me passou essa impressão, não imaginei ele como um mocinho perfeito de um romance de época, por exemplo, mas alguém que provavelmente comete erros (como imaginei algumas atitudes que ele fez que geraram algoo errado nos livros, sem dar spoilers auhauah) mas independente disse tem um respeito por ela e o que mais eu gostei foi a forma dele colocar ela ao lado dele, porque é bem o que se deve esperar, que os dois estejam ao lado um do outro comandando os reinos.
    Também achei que foram poucas perdas na guerra, e mesmo eu sabendo que ia sofrer mto se alguns dos protagonistas morressem eu esperava mais baixas.
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Ha, mas achei bem interessante falar desse lado mais realista da historia, as coisas que faltam e o que acerta. É legal ver que os personagens não são sempre perfeitos, sempre fazendo tudo naquele clichê do bom e do malvado, que os bons também erram e coisa e tal. Casal perfeito é outra coisa um tanto fantasiosa, mas sei lá se iria me importar tanto desse aí não ficar de picuinha e essas coisas. Gosto quando não tenho que me preocupar com o casal, ainda mais quando a coisa toda tá em guerra! E olha que esse final tá parecendo ter bastante coisa pra se preocupar. Doida pra ler também!
    E espero que não tenha muita morte mesmo. Ahh gente, é tanto final de trilogia ou série com personagem bom morrendo que fico até aliviada desse não ter tantos.

    ResponderExcluir
  8. Oi Priscilla!
    A cada resenha que leio me encanto mais com a trama que a autora criou, e mesmo ainda não tendo oportunidade de ler os livros já sei que sem dúvidas vão me conquistar.
    Gostei da história ter uma personagem feminina que se destaca com a força que tem no meio dessa guerra, que pelas comparações que você citou é mesmo incrível! Não vejo a hora de ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Priscilla, tudo bem?
    Ainda não consegui conferir essa série de livros, pretendo fazer em breve
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  10. Priscilla!
    Devo confessar que não li ainda nenhum dos livros da série, mas sempre leio resenhas e fico bem interessada por acompanhar a cida de Rhys e Feyre, além das outras personagens.
    Desse último livro, essa é a primeira resenha que leio e fico bem feliz em saber que no enredo tem intrigas, traições, alianças improváveis, amizades, redenção, tudo que como leitor, queremos em um livro para nos prender.
    Bom saber que terá mais um para complementar os amantes da série…
    Bom final de semana!
    “Os lírios não bastam. As leis não nascem das flores. Meu nome é luta, e escreve-se na história.” (Luciana Maria Tico-tico)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  11. Nunca tive vontade de ler essa série até recentemente, pois nunca tinha parado para ler uma resenha sobre eles.
    Mas agora eu gostei muito da história parece muito com Senhor dos anéis como você comentou e eu adoro essa história então posso esperar coisas boas, mesmo os mocinhos parecendo um pé no saco como você retratou acho que não estraga tanto a história por inteiro.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Priscilla!!
    Comecei a ler os livros da Sarah A. Maas por indicação de uma amiga, no momento estou lendo a Série Trono de Vidro e estou gostando bastante. Então, logo vou ler essa série também.
    Bjos

    ResponderExcluir
  13. Ainda estou lendo o primeiro livro da trilogia mas já quero muito o box que a Saraiva lançou. Eu adorei esse universo que a autora conseguiu criar E pelo que eu soube ela tem outra série não é o trono de vidro fiquei bem curiosa em ler ele Achei a premissa interessante

    ResponderExcluir
  14. Oi Priscilla,
    Não li essa trilogia, mas pelo que tenho acompanhado das críticas e pelo pouco que conheço da escrita da autora, consigo ver o quanto essa história tem potencial. O enredo vai sendo construído a cada livro, pois Sarah J. Maas inseri novos personagens aos poucos o que faz com que a narrativa tome forma de uma maneira a fazer o leitor ir se adaptando ao que é proposto. A autora aqui criou uma fantasia cheia de elementos reais, como escravidão, divisão de povos e terras, o que traz um diferencial para a trama. Acho que a história de Feyre foi bem contada e este final não decepcionou os fãs da série.

    ResponderExcluir
  15. Oi!
    Adoro os livros da Sarah, sua escrita e genial, suas reviravoltas, os mundos que ela cria e seus personagens, com certeza essa ideia de herói, mocinho, vilão que ela joga por terrar e genial, gosto muito da forma que ela descaracteriza esses personagens e como ela consegue tratar de assuntos tão reais em um livro de fantasia, adorei a serie, esse livro e estou bem curiosa sobre os próximos !!

    ResponderExcluir
  16. Oi Priscilla.
    Fico feliz que sua experiencia com a série tenha sido positiva, faz algum tempo que comecei a leitura do primeiro livro, porém, acabei abandonando, pretendo retomar a leitura muito em breve, todavia, sinto que ainda não é o momento. Em relação ao casal, totalmente concordo com você, eu gosto das brigas e discussões e não de um casal perfeito que nunca se desentende e sempre está feliz um com o outro, mas enfim, vou ler com certeza!
    Bjs.

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©