Quando Eu Era Criança, os Livros me Faziam Companhia...

Sou filha única. Hoje me sinto muito feliz por essa minha condição imposta pelos meus pais, rs, mas quando criança, sentia muita falta de ter outras pessoas da minha idade por perto para brincar. Eu era rodeada de adultos, consequentemente, sonhava em ter um irmão. Imagino que vários de nós passamos por um período desses, de se sentir muito sozinho — até hoje, se a gente parar para pensar —, mas quando somos pequenos esse sentimento é muito mais forte. Pelo menos tenho essa sensação. 

Além do mais, acreditem se quiser, eu era muito tímida e introvertida, então passava a maior parte do tempo quietinha, vendo televisão, brincando sozinha e... Lendo! Minha mãe me incentiva a ler desde que eu me entendo por gente. Quando ela viajava, trazia de presente para mim vários livrinhos infantis que me faziam companhia por horas a fio. Então, quando eu li Eu Fico em Silêncio, me emocionei demais, porque conta a história de uma menininha muito reservada que encontra conforto a partir da leitura. 

Até hoje o meu sentimento é o mesmo que o da protagonista: quando pego um livro para ler, não me sinto mais sozinha. Conheço vários lugares, me torno amiga de várias personagens, principalmente as que se parecem comigo. Por isso várias vezes me pego pensando em como eu seria se minha mãe não tivesse me presenteado com livros, se ela não tivesse lido comigo ou deixado de insistir um pouquinho naquela época que eu simplesmente não queria mais saber de ler.

Eu Fico em Silêncio fala sobre nos encontrarmos nos livros, mas também fala sobre a importância dele na vida das crianças. As histórias não só nos fazem companhia, mas também nos ensinam a viver, estimulam nossa criatividade e imaginação, são importantíssimas na aquisição de cultura, além de valorizarem a nossa autonomia intelectual e social, favorecendo assim a aprendizagem. 

É por isso que estou aqui todos os dias e é por isso que eu não me canso de falar sobre livros. A literatura liberta e transforma vidas! Incentivem sempre nossas crianças, deem livros de presente, leiam com elas e sempre, sempre torçam para que, um dia, elas façam muito barulho!

Outros livros da Companhia das Letrinhas para formar crianças leitoras (desde cedo):

Amoras, de Emicida
A Parte que Falta, de Shel Silverstein 
Apesar de Tudo, de Dipacho
ABCDelas, de Janaina Tokitaka

Título Original: I Go Quiet ✦ Autor: David Ouimet
Tradução: Miguel Del Castillo ✦ Páginas: 56 ✦ Editora: Companhia das Letrinhas
Livro recebido em parceria com a editora

Postar um comentário

16 Comentários

  1. Eu tinha visto esse livro no insta no fim do ano passado e ja pensei: quero! Já dá pra saber que vai ser bem emocionante mesmo, esse livros geralmente pra foco pras crianças atinja muito os "adultos" de uma forma muito mais delicada néh. Curiosa pra ler!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho esse lance muito interessante, porque realmente, esses livros acabam mexendo mais é com a gente!

      Excluir
  2. Aaaaaa!!
    Também super me identifico, Ana! Até hoje sou assim!
    Ainda não tive visto o livro e já estou super encantada com ele

    ResponderExcluir
  3. Nossa, nem imagino minha infância sem meu irmão ou minha primas, cresci tendo contato com muitos primos.
    Não me lembro exatamente quando comecei a ler, mas me lembro de alguns momentos com 8 anos, 10 anos... além de ler, gostava muito de desenhar também. Ficava na biblioteca da escola, trazia vários pra casa. Nossa, sempre me senti feliz lendo. Não tem nada que me faça desistir de ler, sabe? Sempre encontro um tempo nos meus afazeres porque é um momento de paz, que eu me sinto muito feliz. Afirmo que não tem nada que eu ame mais em fazer do que ler.
    Uma dica que eu dou para crianças é ler HQ, nossa, eu amava! Acho que estimula bastante !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostava de escrever! Hoje em dia é algo que pouco faço... Mas nem sei dizer se sinto falta... Enfim. Ler é bom demais, não abro mão.

      Excluir
  4. Não vou nem dizer que é uma resenha emocionante, mas sim, um post emocionante!!!
    Eu não fui sozinha quando pequena. Tenho mais 3 irmãos mais novos, mas nenhum que já tenha nascido com isso do amor aos livros. Então, sempre fui muito sozinha e os livros são até hoje, minha melhor companhia!
    Ainda não conhecia o livro,mas já estou aqui encantada e com certeza, quero me emocionar também!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  5. Ai Ana!
    Deve ser uma história enternecedora.
    Nada como incentivar uma criança a criar seus próprios mundos e histórias através da leitura. Sempre que podia, ía no Hospital do Câncer aqui em frente de casa, ler com as crianças, agora depois da pandemia, tive de parar. Incentivo apenas os pequenos do prédio.
    O livro deve ser muito bom, ainda mais que muitas crianças devem se identificar com ele.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rudy, muito legal saber do seu trabalho voluntário! Eles devem amar! Espero que a pandemia acabe logo para você voltar!!

      Excluir
  6. Ooi
    Achei muito fofa a história. Também sou filha única, mas sempre estive cercada da primos e minha mãe, infelizmente, nunca foi muito de incentivar a leitura então passei a ler na adolescência na escola e principalmente depois de adulta que já podia comprar meus livros.

    Hoje eu gosto de incentivar a leitura em meus primos menores e sempre que posso dou livros de presentes a eles. Só não funciona muito bem pois em casa eles não tem incentivo.

    Silviane, blog kzmirobooks.com• Siga no Instagram: @kzmirobooks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu morava em lugares muito distantes da minha família quando pequena, então só via os primos nas férias. KKKKKK
      Sempre que posso dou livros de presente pra crianças também, mas concordo que tem que existir o incentivo!

      Excluir
  7. Olá, Ana

    Amei muito a dica do livro, porque minha prima está grávida e estou querendo comprar um livro mais infantil pra ela já incentivar o/a filho (a) a gostar de ler!
    Não conhecia esse, achei bem legal e o livro do Emicida, que você indicou, já está super na minha lista

    beijos

    ResponderExcluir
  8. Fofa a história e como faz lembrar da sua vida. Acho tão legal quando isso acontece. Eu fui bem o oposto, era aquela criança que não parava. Mas também gostava de leitura. Ainda lembro dos livrinhos que pegava na escola e até fazia uma lista dos que li, toda toda. Mas não tinha essa conexão de ver um amigo ali e só imagino como é ser criança e se descobrir nos livros assim. Parece uma leitura fofa e que faz a gente pensar em como foi ser criança, ver outro tipo de experiencia e imaginar. Legal.

    ResponderExcluir
  9. Olá! Quando os livros entraram na minha vida, eu já tinha passado da minha fase de criança, e acho que é por isso que vira e mexe estou lendo algo indicado para essa faixa etária, são histórias que sempre têm muito a nos dizer e de uma maneira bem simples e direta.

    ResponderExcluir
  10. Oiie,
    Amiga também sou filha única e quando era criança me sentia sozinha, não tinha muito amigos, era bem como você..a diferença que não tinha livros na época, só comecei a ler na adolescência. E se eu for ler esse livro com certeza vou me identificar em como os livros faz a gente bem e feliz.

    Beijinhos: Tempos Literários

    ResponderExcluir
  11. Olá
    Bom eu cresci rodeado de irmãos. .somos em 8.
    Sempre gostei de ler. Lia muito Tio Patinhas,pato Donald etc...
    Em casa sempre tive como exemplo meu pai que sempre que podia comprava jornais .e eu gostava de ler os jornais .ia direto na seçáo de notícias da TV e notícias de futebol.
    Também acredito que os livros fazem uma grande diferença na vida das crianças. Por isso devemos sempre estimula- las nesse universo táo grande que os livros podem trazer

    ResponderExcluir