21 de janeiro de 2018

Resenha: A Pérola que Rompeu a Concha

Filhas de um viciado em ópio, Rahima e suas irmãs raramente saem de casa ou vão à escola em meio ao governo opressor do Talibã. Sua única esperança é o antigo costume afegão do bacha posh, que permite à jovem Rahima vestir-se e ser tratada como um garoto até chegar à puberdade, ao período de se casar. Como menino, ela poderá frequentar a escola, ir ao mercado, correr pelas ruas e até sustentar a casa, experimentando um tipo de liberdade antes inimaginável e que vai transformá-la para sempre. Contudo, Rahima não é a primeira mulher da família a adotar esse costume tão singular. Um século antes, sua trisavó Shekiba, que ficou órfã devido a uma epidemia de cólera, salvou-se e construiu uma nova vida de maneira semelhante. A mudança deu início a uma jornada que a levou de uma existência de privações em uma vila rural à opulência do palácio do rei, na efervescente metrópole de Cabul. A pérola que rompeu a concha entrelaça as histórias dessas duas mulheres extraordinárias que, apesar de separadas pelo tempo e pela distância, compartilham a coragem e vão em busca dos mesmos sonhos. Uma comovente narrativa sobre impotência, destino e a busca pela liberdade de controlar os próprios caminhos.

Título Original: The pearl that broke its shell
Autora: Nadia Hashimi
Páginas: 448
Tradução: Simone Reisner
Editora: Arqueiro
Livro recebido em parceria com a editora

Em A Pérola que Rompeu a Concha, conhecemos Shekiba e Rahima, duas mulheres que viveram em épocas diferentes, mas vivem uma situação muito parecida. Shekiba é a trisavó de Rahima e viveu no Afeganistão do início do século XX, quando Habibullah Khan era o rei e depois foi substituído por seu filho Amanullah Khan quando foi assassinado. Nesse contexto, as mulheres não tinham direito algum, eram tratadas da forma que melhor servisse aos homens, não podiam sair desacompanhadas de casa (quando o faziam tinha de ser escondido e era considerado uma vergonha para a família).

18 de janeiro de 2018

Resenha: Um Encontro de Sombras

Kell e Lila estão de volta nesta sequência de Um tom mais escuro de magia Quatro meses se passaram desde que a pedra sombria caíra nas mãos de Kell. Quatro meses desde que seu caminho cruzara com o de Delilah Bard. Quatro meses desde que Rhy fora ferido, que os gêmeos Dane foram derrotados e que a pedra fora enviada com o corpo moribundo de Holland, pelo portal, de volta para a Londres Preta. Em diversos aspectos, as coisas quase voltaram ao normal, apesar de Rhy ficar mais tempo sóbrio e de Kell estar sempre assolado pela própria culpa. Inquieto e tendo desistido dos contrabandos, Kell é frequentemente visitado por sonhos sobre acontecimentos mágicos de mau agouro, acordando apenas para pensar em Lila, que desapareceu no píer como sempre desejara fazer. Conforme a Londres Vermelha finaliza as preparações para os Jogos Elementais (uma competição de magia internacional e extravagante com o intuito de entreter e manter saudáveis os laços entre os países vizinhos), certo navio pirata se aproxima, trazendo velhos amigos de volta ao porto da capital. Mas, enquanto a Londres Vermelha está absorta em bajulações e nas emoções dos Jogos, outra Londres está gradualmente voltando à vida, e aqueles que se pensava estarem perdidos para sempre retornaram. Afinal, uma sombra que se esvai no meio da noite reaparece pela manhã, e tudo indica que a Londres Preta se ergueu novamente. Sendo assim, para manter o equilíbrio da magia, outra Londres deve perecer.

Título Original: A Gathering of Shadows
Autora: V. E. Schwab
Páginas: 560
Tradução: Ana Carolina Delmas
Editora: Record
Livro recebido em parceria com a editora

Um Encontro de Sombras é a sequência de Um Tom Mais Escuro de Magia, de uma das autoras de fantasia mais conhecidas da atualidade: V. E. Schwab. No universo criado pela autora, existem quatro universos paralelos onde a magia existe em diferentes níveis e, em cada um deles, há uma Londres. Esta resenha pode conter spoilers do primeiro livro.

16 de janeiro de 2018

Resenha: A Maldição de Hollow

Quando tinham apenas 10 anos, Fox, Cal e Gage libertaram um demônio aprisionado havia séculos ao fazerem um pacto de sangue sobre a Pedra Pagã. O inocente ritual deu poderes sobrenaturais aos três jovens, mas lançou uma terrível maldição sobre Hawkins Hollow: a cada sete anos, a cidade é dominada por atos de loucura, violência e destruição.
Vinte e um anos depois, esses irmãos de sangue começam a enfrentar mais um ciclo de batalhas contra o demônio, que terá seu auge no sétimo mês. Mas desta vez não estarão sozinhos: ao lado do trio de amigos estão Quinn, Layla e Cybil, três mulheres corajosas ligadas a eles pelo destino.
Fox O’Dell, o advogado da cidade, é capaz de ler mentes, um talento que compartilha com Layla Darnell. A conexão entre eles pode se tornar o trunfo de que o grupo precisa para derrotar as trevas que ameaçam engolir a cidade. Porém, Layla está tendo dificuldade em lidar com sua recém-descoberta habilidade e com a forte atração que sente por Fox.
Em A maldição de Hollow, Nora Roberts dá continuidade à trilogia A Sina do Sete e prepara o leitor para o emocionante clímax dessa batalha sobrenatural em busca da salvação de uma pequena cidade.

Título Original: The Hollow
Autora: Nora Roberts
Páginas: 272
Tradução: Maria Clara de Biase
Editora: Arqueiro
Livro recebido em parceria com a  editora 

A história de A Maldição de Hollow continua exatamente onde parou no volume anterior, Irmãos de Sangue. Porém, neste livro, o foco é nos personagens Fox e Layla, que ainda não formam um casal no início da leitura, mas no decorrer dela vemos que o destino e o futuro unirão estes dois não só para o amor, mas também para acabar com a maldição que assola a cidade de Hawkins Hollow há muitos anos.

14 de janeiro de 2018

Livros Cinco Estrelas de 2017


Os meus posts preferidos do mundo de ler são as retrospectivas literárias, então nada melhor do que manter essa tradição aqui no blog. Em 2017 eu não li tanto quanto gostaria, inclusive li bem menos que todos os outros anos, mas ainda assim foi muito proveitoso. Li muita coisa legal e é sobre essas leituras que vou conversar hoje. Os livros estão em ordem de leitura, não de preferência. 

12 de janeiro de 2018

Resenha: A Fogueira

Com lançamento simultâneo no Brasil e nos EUA, A fogueira é o livro de estreia da atriz Krysten Ritter, protagonista do premiado seriado da Netflix Jessica Jones e conhecida também por seus papéis em Os defensores e Breaking Bad, entre outros filmes e séries. Na trama, Abby Williams é uma advogada de 28 anos especializada em questões ambientais. Hoje uma mulher independente vivendo em Chicago, Abby teve uma adolescência problemática numa cidadezinha no estado de Indiana que até hoje ela luta para esquecer. Mas um caso de contaminação envolvendo uma grande empresa obriga Abby a voltar à pequena Barrens e confrontar seu próprio passado. Quanto mais sua equipe avança nas investigações sobre a Optimal Plastics, mais Abby se aproxima também da verdade sobre o misterioso desaparecimento de sua antiga melhor amiga anos atrás e de outros acontecimentos até então sem resposta.

Título Original: Bonfire
Autora: Krysten Ritter
Páginas: 288
Tradução: Ryta Vinagre
Editora: Fábrica 231
Livro recebido em parceria com a editora

Eu não conheço o trabalho da Krysten Ritter como atriz, pois não sou muito de assistir filmes e séries, mas o burburinho por trás dela e deste livro me deixaram muito curiosa, ainda mais porque ele foi publicado no Brasil e nos EUA ao mesmo tempo. Não sou muito fã de thrillers psicológicos, mas A Fogueira possui uma narrativa ímpar e personagens bem construídos. 

10 de janeiro de 2018

Resenha: Só Escute

Para encarar a verdade, você precisa estar disposta a ouvi-la.
Ano passado, Annabel era a típica “garota que tem tudo” — inclusive era esse o papel que interpretava no comercial de uma loja de departamentos da cidade. Este ano, porém, ela é a garota que não tem nada: não tem mais a amizade de Sophie; não tem uma família feliz desde a descoberta do distúrbio alimentar de uma de suas irmãs; e não tem ninguém com quem passar a hora do almoço na escola. Até conhecer Owen Armstrong.
Alto, misterioso e obcecado por música, Owen é um garoto que vivia se metendo em brigas, mas agora está tentando mudar. Um de seus novos lemas é sempre falar a verdade, não importa qual seja, e jamais guardar ressentimentos.
Será que com a ajuda desse amigo inesperado Annabel vai conseguir encarar a verdade e enfrentar o que aconteceu na noite em que brigou com Sophie?

Título Original: Just Listen
Autora: Sarah Dessen
Páginas: 352
Tradução: Alessandra Esteche
Editora: Seguinte
Livro recebido em parceria com a editora

Annabel Greene é aquela típica menina que todas as adolescentes sonham ou já sonharam em ser um dia: é deslumbrante, super popular, tira apenas notas altas na escola, vive em um ambiente familiar super agradável e a sua carreira de modelo não para de deslanchar. Justamente quando tudo estava o mais perfeito que se pode imaginar, Annabel é flagrada em uma festa com o namorado da sua melhor amiga Sophie. A partir daí, a protagonista passou a ser o novo alvo das crueldades de Sophie no colégio, além de ser julgada o tempo inteiro por todos os outros estudantes.
 
Layout feito por Vinícios Costa editado por Silviane Casemiro | Todos os direitos reservados ©